Você está na página 1de 71

A TERRA NO SISTEMA SOLAR

BIOLOGIA E GEOLOGIA
Módulo 5 – A TERRA NO SISTEMA SOLAR
Os cientistas
acreditam que o
Universo surgiu a
partir de uma
gigantesca explosão
de energia – o Big
Bang.
O Big Bang é a teoria cosmológica que mais
consenso reúne para explicar a formação e
desenvolvimento inicial do Universo.

Este evento terá ocorrido à cerca de 15 000


milhões de anos, mantendo-se o Universo em
expansão desde então.
O Universo inclui
tudo o que existe,
isto é, o espaço
vazio e um conjunto
de milhares de
milhões de galáxias.
A tecnologia,
progressivamente
mais avançada, tem
permitido uma
melhor
compreensão do
Universo.
As Galáxias são
formadas por gases,
poeiras
interestelares,
milhares de milhões
de estrelas e outros
corpos celestes.

O Universo está
repleto de galáxias.
Na imagem vemos
um enxame de
galáxias.
Nas Galáxias podem
existir Sistemas
Planetários bem
organizados,
constituídos por
estrelas e outros
corpos celestes.
O nosso planeta
situa-se na Via
Látea, uma galáxia
do tipo espiral,
onde se localiza o
Sistema Solar.
O Sistema Solar é
constituído por uma
estrela, oito
planetas principais,
algumas dezenas de
planetas
secundários (luas),
planetas anões,
asteróides, cometas
e outros pequenos
corpos
(meteoróides),
gases e poeiras.
O SOL

PLANETAS
PRINCIPAIS

A LUA

PLUTÃO

A TERRA
O Sol é a estrela
central e única do
Sistema Solar.

Possui uma massa


332 900 vezes maior
que a da Terra, e um
volume 1 300 000
vezes maior que o
do nosso planeta.
A distância da Terra
ao Sol é de cerca de
150 milhões Km, ou
1 UA.

A luz solar demora


aproximadamente 8
minutos e 18
segundos para
chegar à Terra.
É composto
principalmente por
Hidrogénio e Hélio.

A energia solar é
aproveitada pelos
seres vivos através
da fotossíntese,
processo do qual
dependem todos os
seres vivos que
habitam nosso
planeta.
MERCÚRIO

É o menor e mais
interno planeta do
Sistema Solar.

Tem uma aparência


similar à da Lua com
crateras de impacto
e planícies lisas, não
possuindo satélites
naturais, nem uma
atmosfera
substancial.
VÉNUS

É o segundo planeta
do Sistema Solar, a
partir do Sol.

Depois da Lua, é o
objeto mais
brilhante do céu
noturno.
VÉNUS

Semelhante à Terra
quanto ao tamanho,
massa e
composição.

Possui a mais densa


atmosfera entre
todos os planetas
terrestres do
Sistema Solar.
MARTE

Quarto planeta a
contar do Sol e o
último dos quatro
planetas telúricos
no Sistema Solar.

Possui algumas
afinidades com a
Terra. Por exemplo,
os dias têm uma
duração muito
próxima.
MARTE

Possui calotas
polares que se
acredita conterem
água e dióxido de
carbono gelados.

Situa-se em Marte o
maior vulcão
conhecido do
sistema solar – o
Monte Olimpo.
JÚPITER

Júpiter é o maior
planeta do Sistema
Solar, tanto em
diâmetro quanto
em massa e o
quinto mais
próximo do Sol.

Possui mais de 60
satélites naturais e
um ténue sistema
de anéis.
JÚPITER

Composto
principalmente por
hidrogénio e hélio,
com um núcleo
composto por
elementos mais
pesados.

Um dos quatro
gigantes gasosos,
com Saturno, Úrano
e Neptuno.
SATURNO

É o sexto planeta do
Sistema Solar e o
segundo maior
depois de Júpiter.

Composto
principalmente por
hidrogénio (97%),
com um pequeno
núcleo rochoso e
gelo.
SATURNO

Tem um número
elevado de satélites,
mais de 60
descobertos até
então, e está
cercado por um
complexo de anéis
concêntricos,
compostos por
restos de meteoros
e cristais de gelo.
ÚRANO

Sétimo planeta a
partir do Sol, e o
terceiro maior do
Sistema Solar.

O planeta tem uma


composição
semelhante à de
Neptuno e diferente
dos maiores
gigantes gasosos
Júpiter e Saturno.
ÚRANO

Atmosfera
composta por
hidrogénio e hélio,
contendo mais
"gelos" tais como
água, amónia e
metano, junto com
traços de
hidrocarbonetos.

É 15 vezes maior do
que a Terra.
NEPTUNO

É o oitavo planeta
do Sistema Solar, e
o último, em ordem
de afastamento a
partir do Sol, desde
a reclassificação de
Plutão para a
categoria de
planeta-anão.
NEPTUNO

É, tal como a Terra,


conhecido como o
"Planeta Azul", mas
não devido à
presença de água.

Neptuno tem 17
vezes a massa da
Terra e é
ligeiramente mais
maciço do que
Úrano.
SOL
SATURNO
NEPTUNO
MARTE

VÉNUS

TERRA

MERCÚRIO
ÚRANO
JÚPITER
A LUA

A Lua é o único
satélite natural da
Terra, situando-se a
uma distância de
cerca de 384 000
km do nosso
planeta.

A nossa lua não é a


maior do Sistema
Solar - Ganimedes,
uma das luas de
Júpiter, é a maior .
A LUA

Com mais de 1/4 do


tamanho da Terra e
1/6 de sua
gravidade, é o único
corpo celeste
visitado por seres
humanos e onde a
NASA pretende
implantar bases
permanentes.
OUTROS SATÉLITES
NATURAIS

Segundo a última
contagem, mais de
150 luas povoam o
sistema solar:
Neptuno é cercado
por 13 delas; Úrano
por 27; Saturno tem
Júpiter são os que
têm mais, situando
acima dos 60.
PLUTÃO

Planeta anão do
Sistema Solar e o
décimo objeto mais
maciço observado
diretamente
orbitando o Sol.

Originalmente
classificado como
um planeta.
PLUTÃO

Plutão é composto
principalmente por
rocha e gelo e é
relativamente
pequeno, com
aproximadamente
um quinto da massa
da Lua.

Até 2006, Plutão foi


considerado o nono
planeta do Sistema
Solar.
A Terra formou-se à
cerca de 4600
milhões de anos.
Desde então, o
planeta passou por
inúmeros
fenómenos:
formaram-se os
oceanos;
montanhas
apareceram e
desapareceram; a
atmosfera
modificou-se… e à
cerca de 3500 a
3800 Ma surgiu a
Vida!
CONDIÇÕES DA TERRA PARA A
EXISTÊNCIA DE VIDA
DISTÂNCIA DA TERRA AO SOL
A distância da
Terra ao Sol,
cerca de 150
milhões de Km, é
a ideal para
permitir que a
energia solar
proporcione luz e
calor ao planeta,
essenciais à vida.
EXISTÊNCIA DE UMA CRUSTA SÓLIDA
A crusta sólida
resultou
principalmente
de erupções
vulcânicas que
expeliram
materiais para a
superfície.

A mobilidade da
crusta mantém a
estabilidade
térmica essencial
à vida.
EXISTÊNCIA DE ÁGUA EM ABUNDÂNCIA
A designação
Terra parece
desajustada para
o nosso planeta.

Na realidade
deveria ser
chamado de
planeta Água, já
que 2/3 da sua
superfície está
coberta por
água.
A água em
abundância nos
seus três estados
físicos (líquido,
sólido e gasoso),
é essencial à vida
como a
conhecemos.

A vida surgiu na
água e a quase
totalidade dos
seres vivos
depende desta
para viver.
ATMOSFERA RICA EM OXIGÉNIO
A existência de
uma atmosfera
rica em oxigénio,
a partir do qual
se formou a
camada de
ozono, que
protege a Terra
dos raios
ultravioleta
nocivos.
Evolução da Atmosfera terrestre

Atividade interna da
Terra muito intensa

Libertação de gases
responsáveis pela
formação de uma
atmosfera primitiva.
Evolução da Atmosfera terrestre

Atmosfera primitiva

Há já alguma proteção contra


as radiações UV, permitindo a
existência de vida na água de
organismos que libertam
Oxigénio para a atmosfera.
Evolução da Atmosfera terrestre

Oxigénio livre na atmosfera

Formação da Camada de Ozono


que protege eficazmente a Terra
das radiações U.V. nocivas,
permitindo que os seres vivos
partam para a conquista do meio
terrestre.
Evolução da Atmosfera terrestre
ATIVIDADE DOS SERES VIVOS
A atividade dos
primeiros seres
vivos foi essencial
para o
desenvolvimento
da vida no
planeta.

As primeiras
bactérias e algas
fotossintéticas
enriqueceram a
atmosfera com
oxigénio.
Atualmente, a
atividade dos
seres vivos que
habitam o planeta
é fundamental
para a
manutenção das
condições que
permitem que a
vida continue na
Terra.
BIODIVERSIDADE
BIO + DIVERSIDADE
=
VARIEDADE DE VIDA
Apesar de pequeno,
a Terra reúne todas
as condições para
assegurar a
sobrevivência e
evolução dos seres
vivos.

O nosso planeta
alberga uma enorme
quantidade e
variedade de formas
vivas.
De acordo com os
últimos estudos, a
Terra alberga cerca
de 1,7 milhões de
espécies de seres
vivos.

Os biólogos
admitem no entanto
que possam existir
cerca de 10 a 100
milhões de espécies.

Você também pode gostar