Você está na página 1de 27

Purgadores de Vapor,

Separadores Diversos e
Filtros
E n zo
M á r c i o A lv e s R i z z o J un io r
Purgadores de Vapor
• Os purgadores de vapor (Steam-traps)
são dispositivos automáticos, de
emprego mais comum em tubulações
industriais, que separam e eliminam o
condensado formado nas tubulações de
vapor e nos aparelhos de aquecimento,
sem deixar escapar o vapor.
• Eles também eliminam ar e outros gases
incondensáveis (CO2 por exemplo) que
possam estar presentes.

2
Purgadores de Vapor
• O aparecimento de condensado em tubulações de vapor pode ser causado por
diversos fatores.
• A remoção do condensado, do ar e de outros gases existentes nas linhas de
vapor deve ser feita pelas seguintes razões:
• Conservar a energia do vapor;
• Evitar vibrações e golpes de aríete nas tubulações;
• Evitar a erosão rápida das palhetas das turbinas;
• Diminuir os efeitos da corrosão;
• Evitar a redução da seção transversal útil de escoamento do vapor devido à acúmulo
de condensado; e
• Evitar o resfriamento do vapor devido a mistura do mesmo com o ar e outros gases.

3
Casos e Locais de Instalação
• Quando instalados com a finalidade de drenar linhas de vapor
• Os purgadores são colocados em uma
derivação da tubulação, que deve sair de
uma bacia de acumulação chamada de
“poço do condensado” (Drip-pocket).

• O condensado sempre deve ser capaz de


correr para dentro do poço por gravidade.

4
Casos e Locais de Instalação
• Devem ser colocados, obrigatoriamente,
purgadores para drenagem de condensado nos
seguintes pontos de todas as tubulações a
vapor:
• Todos os pontos de baixo e de aumento de
elevação;
• Em nível, deve ser colocado um purgador a cada
100m a 250m;
• Todos os pontos extremos fechados com
tampões, flanges cegos, bujões, etc.;
• Imediatamente antes de todas as válvulas de
bloqueio, válvulas de retenção, válvulas de
controle e válvulas redutoras de pressão; e
• Próximo à entrada de qualquer máquina a vapor.
5
Casos e Locais de Instalação
• Quando instalados com a finalidade de reter o vapor em um aparelho de
aquecimento
• Devem ser instalados na própria tubulação de vapor, e colocado o mais próximo
possível da saída de qualquer aparelho onde vapor seja empregado como meio de
aquecimento.

6
Detalhes de Instalação
• Os purgadores devem, de preferência, ser colocados de forma que o condensado
correrá por gravidade do tubo ou aparelho a drenar para o purgador.
• Quando isso não for possível, deve-se implementar válvulas de retenção para evitar o refluxo
do condensado, que será, nesse caso, empurrado pela pressão do vapor.

• É recomendável a implementação de um filtro imediatamente antes de cada purgador,


sendo obrigatório nos purgadores de boia e termostáticos.
• A descarga pode ser feita de dois modos:
• Descarga livre, onde o condensado é lançado fora do purgador e recolhido no sistema de
drenagem do local; e
• Descarga para uma rede de tubulações que faz retornar o condensado a um reservatório, e
em seguida à caldeira.

7
Detalhes de Instalação
• Quando o purgador tiver descarga livre, basta
colocar uma válvula de bloqueio antes do
purgador, e uma válvula de dreno para
descarregar o condensado quando o purgador
estiver fora de operação.
• Quando o purgador descarregar para uma linha
de retorno, a instalação deve ser feita com duas
válvulas de bloqueio, antes e depois, e válvula de
dreno. Em tubulações de funcionamento contínuo,
deve ser prevista uma tubulação de contorno (By-
pass) com válvula de regulagem manual (válvula
globo), para uso quando o purgador estiver fora
de operação, ou ainda colocar dois purgadores
em paralelo.
8
Detalhes de Instalação
• As tubulações de entrada e de saída do purgador devem ter o menor comprimento
possível, e devem ser, no mínimo, de diâmetro igual ao dos bocais do purgador.
• Os purgadores devem ser sempre instalados em locais de fácil acesso para a
inspeção e manutenção.
• Quando a descarga é aberta, deve-se montar o mesmo de forma que o jato quente de
condensado não atinja pessoas ou equipamentos.

• Para tubulações de diâmetro nominal até 3”, o poço de acumulação de condensado


deve ser do mesmo diâmetro da tubulação. Para 4” ou mais, o poço pode ser de
diâmetro menor.

9
Principais Tipos
• Os purgadores de vapor podem ser classificados em três categorias gerais:

• Purgadores Mecânicos – Agem por diferença de densidades.


• Purgador de boia, purgador de panela invertida.

• Purgadores Termostáticos – Agem por diferença de temperaturas.


• Purgador de expansão metálica, purgador de expansão balanceada/ termostático de fole.

• Purgadores Especiais – Agem por outros mecanismos.


• Purgador termodinâmico.

10
Principais Tipos
• Purgador de boia
• Consiste numa caixa com uma entrada
de vapor e uma saída de condensado.
• Tal saída é fechada por uma válvula
comandada por uma boia; quando há
condensado, a boia flutua, abrindo a
saída do condensado, que é expulso
pela própria pressão do vapor.
• A força de flutuação da boia seja
suficiente para vencer a pressão do
vapor, que tende sempre a fechar a
válvula.

11
Principais Tipos
• Purgador de boia
• Eles não permitem a saída de ar e de outros gases, contudo, é praticamente
insensível às flutuações de pressão e de vazão do vapor. Alguns possuem uma
válvula termostática na parte superior, com o objetivo de eliminar o ar e os gases
presentes.
• São muito empregados para reter o vapor na saída de aparelhos de aquecimento,
devido a possibilidade de terem descarga contínua.
• São fabricados com bocais de até 3” de diâmetro.
• Possuem capacidade de eliminação de condensado de até 50000 kg/hora e para
pressões de vapor de até 3,5 Mpa.
• Não podem trabalhar com pressões muito elevadas, que podem achatar a boia.

12
Principais Tipos
• Purgador de panela invertida (inverted bucket)
• Muito utilizado na drenagem de tubulações de vapor, ele consiste em uma caixa com
entrada de vapor e saída de condensado, dentro da qual existe uma panela com o
fundo pra cima, comandando a válvula que fecha a saída do condensado.
• Para início de operação, o purgador deve estar previamente cheio de água. A panela,
então, fica pousada no fundo, abrindo a válvula, por onde sai o excesso de água.
• O vapor, quando chega, é lançado para dentro da panela, fazendo com que a mesma
flutue e feche a válvula de saída. O ar, e também um pouco de vapor, escapa da
panela por um pequeno furo existente no fundo. O ar se acumula no topo e o vapor se
condensa por saturação do ambiente.
• Ao acumular mais condensado, a panela enche-se de água e afunda, abrindo a
válvula, onde o ar acumulado e o excesso de condensado é expelido e o ciclo se
repete. 13
Principais Tipos
• Purgador de panela invertida (inverted bucket)

14
Principais Tipos
• Purgador de panela invertida (inverted bucket)
• Vale reforçar que este purgador precisa estar cheio de água para o início do
funcionamento. Se estiver seco, o vapor escapará continuamente pela válvula, que
estará aberta.
• Eles são empregados na drenagem de condensado, para quaisquer valores de
pressão e temperatura, contudo apenas quando o volume de ar a eliminar é moderado
e quando não é necessário uma saída contínua ou instantânea.
• Possui capacidade de eliminação de 250 a 15000 kg/hora, com bocais rosqueados de
½ “ a 2”.

15
Principais Tipos
• Purgador de expansão metálica
• Consiste em um conjunto de lâminas bi-metálicas,
que se curvam com o aquecimento, devido à
diferença de coeficientes de dilatação dos dois
metais.
• Quando existe apenas condensado (ou ar) no
purgador, que são mais frios que vapor, as lâminas
permanecem planas, e a válvula do purgador fica
aberta, empurrada para baixo pela própria pressão
do condensado que escapa para fora.
• Com o aumento de temperatura do condensado, as
lâminas se curvam iniciando o fechamento da
válvula, que se completa com a chegada do vapor
quente. 16
Principais Tipos
• Purgador de expansão metálica.
• Este modelo, de fabricação “Gestra”, tem um
dispositivo auxiliar de labirinto na válvula, que
provoca a formação de vapor de descompressão
quando o condensado escapa pela válvula semi-
aberta. Esse vapor gera uma pressão que tende a
empurrar a válvula para baixo, opondo-se à ação
das lâminas bimetálicas.
• O balanceamento entre os dois efeitos é de tal
forma que a abertura da válvula praticamente
acompanha a curva de pressão/ temperatura do
vapor saturado, para uma larga faixa de variação
de pressão, sendo assim mínima a perda de
vapor, mesmo em condições variáveis de pressão
ou de temperatura. 17
Principais Tipos
• Purgador de expansão balanceada/ termostático de fole
• Consiste em uma caixa contendo no interior um pequeno
fole que comanda a válvula de saída do condensado. O fole
contém um líquido de ponto de ebulição inferior ao da água.
• O vapor, por ser mais quente, vaporiza o líquido dentro do
fole, que se dilata e fecha a válvula, impedindo a saída do
vapor.
• O condensado e o ar, como são mais frios, contraem o fole
que abre a válvula, deixando-os escapar.
• Esse tipo de purgador é empregado para médias e baixas
pressões (até 3,5 Mpa). A descarga de condensado é
intermitente, demorada e a perda de vapor é grande.
18
Principais Tipos
• Purgador termodinâmico
• Possui construção simples, onde a única peça móvel é um disco, que trabalha dentro
de uma câmara, abrindo ou fechando simultaneamente as passagens para a entrada
do vapor e para a saída do condensado.
• O condensado ou ar, empurrados pela pressão do vapor, chegam no purgador
levantando o disco e escapam para fora.
• Chegando o vapor, a princípio ele escapa também, porém logo em seguida o jato de
vapor, passando em alta velocidade por baixo do disco, cria uma zona de baixa
pressão, e disco abaixa-se tendendo a fechar a saída do vapor.
• Assim que o disco começa a se abaixar, o vapor passa para a câmara acima do disco,
e a pressão do vapor força o disco para baixo. Ao mesmo tempo, a redução na seção
de saída do vapor, causada pelo movimento do disco, aumenta a depressão, até que
o disco encosta-se na sede e feche a saída do vapor por completo. 19
Principais Tipos
• Purgador termodinâmico
• Como a área útil da face superior do disco é muito maior do
que a área útil da face inferior, a pressão do vapor retido
acima do disco mantém o purgador fechado, com o disco
apertado contra a sede enquanto houver vapor quente no
purgador.
• Com a chegada do condensado (mais frio do que o vapor),
o vapor retido começa a se condensar, perde pressão e o
disco levanta-se, repetindo o ciclo.
• Quando o purgador se abrir, em consequência da
condensação do vapor retido acima do disco, e não houver
condensado para sair, escapará um pouco de vapor em
alta velocidade que, preenchendo o espaço acima do disco,
fechará de novo rapidamente o purgador. 20
Principais Tipos
• Purgador termodinâmico
• É empregado para linhas de vapor e para linhas de aquecimento, desde que a
quantidade de condensado não seja muito grande.
• Não deve ser usado quando a contrapressão do condensado for maior que 50% da
pressão do vapor, ou quando a pressão do vapor for inferior a 70 KPa.
• Contudo, pode ser empregado para altas pressões e altas temperaturas.

• O purgador fecha-se instantaneamente, podendo provocar um forte golpe na


tubulação.
• São fabricados com bocais rosqueados, de diâmetros nominais de 3/8” a 1”, e possui
capacidade de eliminação de condensado de até 3000 kg/hora.

21
Seleção e Dimensionamento

22
Cálculo da Quantidade de
Condensado a Eliminar

23
Outros Dispositivos Separadores

24
Filtros para Tubulações

25
Provisórios x Permanentes

26
Bibliografia
• TELLES, Pedro C. Silva, Tubulações Industriais: Materiais, Projeto, Montagem, São
Paulo, SP, 2001.

27

Você também pode gostar