Você está na página 1de 18

Serviço de Anestesiologia

Internato de Anestesiologia
Clínica Multiperfil
Rotação em Pediatria (HPDB)

DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS ANATÓMICAS & FISIOLÓGICAS


Latentes Vs Crianças Vs Adultos

Dr. Osvaldo M. Graciano, MD, Interno do IIIo Ano de Anestesiologia

Luanda, 31 de Janeiro de 2018


SUMÁRIO

• Introdução

• Diferenças anatómicas e fisiológicas gerais

• Aspectos específicos (via aérea)

• Resumo

• Referências bibliográficas

Luanda, 31 de Janeiro de 2018


INTRODUÇÃO

• Anatomia é uma ciência secular, porém, os grandes tratados de anatomia


humana pouco discutem sobre a anatomia do recém nascido e da criança,
e se concentram em aspectos da anatomia do adulto (TUBINO; ALVES, 2006).
INTRODUÇÃO

• O recém nascido e a criança apresentam uma anatomia distinta, em


contínua modificação para aprimoramento de seus sistemas e adaptação
ao novo meio ambiente.
DIFERENÇAS ANATÓMICAS

• Existem 3 pontos comparativos fundamentais:

1. Tamanho

2. Altura

3. Superfície de área corporal (melhor critério para cálculo das necessidades hídrica e nutricional,
entretanto difícil de aplicar no quotidiano)
DIFERENÇAS ANATÓMICAS

Tabela 1. Relação de variáveis: Idade, altura, peso com superfície de área corporal

Idade (anos) Altura (cm) Peso (kg) Superfície área


corporal (m2)
Prematuro 40 1 0.1
Recém nascido 50 3 0.2
1 75 10 0.47
2 87 12 0.57
3 96 14 0.63
5 109 18 0.74
10 138 32 1.10
13 157 46 1.42
16 (Feminino) 163 50 1.59
16 (Masculino) 173 62 1.74
Based on standard growth chart and the formula of DuBois and DuBois
(1916) : BSA (m2) = 0.007184 × Height0.725 × Weight0.425.
DIFERENÇAS ANATÓMICAS E
FISIOLÓGICAS
Tabela 2. Características Anatómicas dos neonatos e lactentes que os diferenciam dos
adultos

Carcaterísticas Anatómicas
Ventrículo esquerdo não complacente
Cabeça e língua grandes
Laringe anterior e cefálica
Epiglote longa

Traqueia e pescoço curtos

Alta resistência ao fluxo de ar

Adenoides e tonsilas proeminentes

Morgan 2005
DIFERENÇAS ANATÓMICAS E
FISIOLÓGICAS
Tabela 3. Características fisiológicas dos neonatos e lactentes que os diferenciam dos
adultos

Características Fisiológicas

Débito cardíaco dependente da frequência cardíaca

Frequência cardíaca mais rápida

Menor complacência pulmonar

Menor capacidade residual funcional

Maior conteúdo de água corporal total

Morgan 2005
DIFERENÇAS ANATÓMICAS E
FISIOLÓGICAS
Tabela 4. Características farmacológicas dos neonatos e lactentes que os diferenciam dos
adultos

Características Farmacológicas

Biotransformação hepática imatura

Fixação proteíca diminuída

Indução e recuperação rápidas

Concentração alveolar mínima aumentada

Junção neuromuscular imatura

Morgan 2005
DIFERENÇAS ANATÓMICAS

Tabela 5. Alteraões dos sinais vitais relacionadas com a idade

Idade (anos) Frequência Frequência Pressão arterial Pressão arterial


Idade (anos) resp.
Altura (cm) card. Pesosistólica
(kg) (mmHg) diatólica
Superfície área
corporal(mmHg)
(m2)
Prematuro
Neonato 40 40 140 1 65 0.1 40
Recém nascido 50 3 0.2
12 meses 30 120 95 65
1 75 10 0.47
3 anos 25 100 100 70
2 87 12 0.57
12 anos 20 80 110 60
ASPECTOS ESPECÍFICOS

VIA AÉREA
ANATOMIA
ANATOMIA VIA AÉREA

Anatomia: Laringe
• Localização alta
RN : C 1
6 M: C 3
Adulto: C 5-6
• Localização anterior
ANATOMIA
DIFERENÇAS ANATÓMICAS
Via aérea de menor calibre

Via aérea em menor número


CARACTERÍSTICAS VIA AÉREA
Crianças e Latentes

• As crianças apresentam uma anatomia diferente da dos adultos, pelo tamanho das
estruturas, assim como pela distribuição anatômica e maturidade fisiológica.
• Essas diferenças tornam as crianças mais suscetíveis a desenvolver insuficiência
respiratória aguda.
– Obstrução do fluxo aéreo;
– Fadiga muscular;
– Alterações na complacência e resistência pulmonar

Oliveira MT 2014
CARACTERÍSTICAS VIA AÉREA
Crianças e Latentes

• A via aérea distal é relativamente mais estreita e não totalmente formada até 5 anos
de idade, levando a um grande aumento na resistência da via aérea periférica.
• O suporte cartilaginoso da traquéia é responsável pela estabilidade da via aérea de
condução:

– A relativa fraqueza deste suporte leva a compressão dinâmica da traquéia em


situações com alto fluxo expiratório e aumento da resistência da via aérea

Oliveira MT 2014
CARACTERÍSTICAS VIA AÉREA
Crianças e Latentes

•Esterno menos calcificado  complacência


•Costelas mais maleáveis de caixa
•Musculatura menos desenvolvida
torácica

Maior tendência à colapso na expiração

Oliveira MT 2014

Você também pode gostar