Você está na página 1de 19

Revisões

Revisões | Experiência aleatória e espaço amostral

Vejamos alguns conceitos de probabilidades que aprendeste no 9.º ano.

Definição:
Uma experiência é um processo que conduz a um resultado pertencente a
um conjunto previamente fixado, designado por universo dos resultados ou
espaço amostral.
 
Este conjunto representa-se por , ou e os seus elementos designam-se por
casos possíveis.

Definição:

Uma experiência determinista é uma experiência com um único caso


possível.
Revisões | Experiência aleatória e espaço amostral

Definição:
Uma experiência aleatória é uma experiência com mais do que um caso
possível, não sendo possível prever com exatidão o seu resultado, mesmo
quando realizada nas mesmas condições.

Exemplo 1:
 
Experiência aleatória: “Lançar um dado equilibrado, numerado de a , e
verificar a face que fica voltada para cima”.
  𝐸 ={ 1 , 2 , 3 , 4 , 5 , 6 }
  ⋕ 𝐸
  =6
O conjunto tem 6 elementos.

 
Cardinal do conjunto
Revisões | Experiência aleatória e espaço amostral

Exemplo 2:
 
Experiência aleatória: “Extrair ao acaso uma carta de um baralho completo
de cartas e anotar a cor dessa carta”.
  𝐸 = { preta , vermelha }
  ⋕ 𝐸 =2
Exemplo 3:
 
Experiência aleatória: “Extrair ao acaso uma carta de um baralho completo
de cartas e anotar a carta saída”.
 
Um baralho completo tem cartas, repartidas por naipes (espadas (), copas
(♥), ouros (♦), e paus (♣)). Em cada naipe há cartas: um ás (), três figuras
(rei (), dama () e valete ()) e mais nove cartas (do ao ).
𝐸={ 𝐴 ♠ , 𝐴♥ , 𝐴 ♦, 𝐴 ♣, 𝐾 ♠ ,𝐾 ♥ ,𝐾 ♦, 𝐾 ♣,𝑄♠ ,𝑄♥ ,𝑄♦ ,𝑄♣ ,…,2♠ ,2♥,2♦,2♣ }
 
  ⋕ 𝐸 = 52
Revisões | Experiência aleatória e espaço amostral

Exemplo 4:
 
Experiência aleatória: “Lançar uma moeda e, de seguida, lançar um dado
equilibrado, numerado de a , e verificar as faces que ficam voltadas para
cima”.
Um esquema útil para se determinar o espaço amostral desta experiência
aleatória é a tabela de dupla entrada (esquema que facilita a contagem dos
 
casos). Consideremos : “face nacional” e : “face europeia”.
Dado

( 𝑁 , 1 ) ( 𝑁 , 2 ) ( 𝑁 , 3 ) ( 𝑁 , 4 ) ( 𝑁 , 5 ) ( 𝑁 , 6 )


Moeda

( 𝐸 , 1 ) ( 𝐸 , 2 ) ( 𝐸 , 3 ) ( 𝐸 , 4 ) ( 𝐸 , 5 ) ( 𝐸 , 6 )

𝐸=
  { ( 𝑁 ,1 ) , ( 𝑁 ,2 ) , ( 𝑁 ,3 ) , ( 𝑁 ,4 ) , ( 𝑁 ,5 ) , ( 𝑁 ,6 ) , ( 𝐸,1 ) , ( 𝐸,2 ) , ( 𝐸,3 ) , ( 𝐸,4 ) , ( 𝐸 ,5 ) , ( 𝐸,6 ) }

⋕  𝐸=2× 6=12
Revisões | Experiência aleatória e espaço amostral

Exemplo 5:
Experiência aleatória: Escolher ao acaso uma família com três filhos e
anotar o sexo destes, considerando a ordem pela qual nasceram.
Para determinar o espaço amostral desta experiência aleatória vamos
recorrer a um diagrama de árvore.
 
Seja : “o filho é do sexo feminino” e : “o filho é do sexo masculino”.
1.º filho 2.º filho 3.º filho Resultados
𝐹  ( 𝐹 , 𝐹 , 𝐹 )
𝐹 
𝑀  ( 𝐹 , 𝐹 , 𝑀 )
𝐹 
𝐹  ( 𝐹 , 𝑀 , 𝐹 )
𝑀 
𝑀  ( 𝐹 , 𝑀 , 𝑀 )
𝐹  ( 𝑀 , 𝐹 , 𝐹 )
𝐹 
𝑀  ( 𝑀 , 𝐹 , 𝑀 )
𝑀 
𝐹  ( 𝑀 , 𝑀 , 𝐹 )
𝑀 
𝑀  ( 𝑀 , 𝑀 , 𝑀 )
Revisões | Experiência aleatória e espaço amostral

Exemplo 5 (continuação):
𝐸=
  ( 𝐹, 𝐹 ,𝐹 ) , ( 𝐹 , 𝐹, 𝑀 ) , ( 𝐹 , 𝑀 , 𝐹 ) , ( 𝐹 ,𝑀 , 𝑀 ) , ( 𝑀 , 𝐹, 𝐹 ) , ( 𝑀 , 𝐹, 𝑀 ) , ( 𝑀 , 𝑀 ,𝐹 ) , ( 𝑀 , 𝑀 , 𝑀 )
{ }
⋕ 𝐸=2 × 2× 2=8
 
Revisões | Acontecimentos

Definição:
Cada um dos subconjuntos do espaço amostral de uma experiência
aleatória designa-se por acontecimento.
Os elementos de um acontecimento designam-se por casos favoráveis a
esse acontecimento

Vejamos algumas definições sobre a classificação de acontecimentos.

Definições:
 O conjunto vazio designa-se por acontecimento impossível.
 O espaço amostral designa-se por acontecimento certo.
 Se existir apenas um caso que lhe seja favorável, o acontecimento
designa-se por elementar.
 Se existir mais do que um caso que lhe seja favorável, o acontecimento
designa-se por composto.
Revisões | Acontecimentos

Exemplo:
 
Experiência aleatória: “Lançar um dado
dodecaédrico equilibrado, numerado de a , e verificar
a face que fica voltada para cima”.
 𝐸={ 1 ,2 , 3 , 4 , 5 , 6 , 7 , 8 , 9 ,10 , 11, 12 }
  ⋕ 𝐸 =12

Em relação a esta experiência aleatória, podem ser definidos vários


acontecimentos, tais como:
 
 “sair um número negativo.”
 
𝐴 =∅
 
⋕ 𝐴 =
 
O acontecimento0
é impossível.
 
 “sair um número múltiplo de .”
𝐵= {1 , 2 ,3 , 4 ,5 ,6 ,7 , 8 , 9  , 10 ,11 ,12 } =𝐸
 
 
⋕ 𝐵 =12= ⋕ 𝐸
O acontecimento é certo.
Revisões | Acontecimentos

Exemplo (Continuação):
 
Experiência aleatória: “Lançar um dado
dodecaédrico equilibrado, numerado de a , e verificar
a face que fica voltada para cima”.

 
 “sair um número múltiplo de .”
  𝐶 = {7 }
 
⋕ 𝐶 = 
1
O acontecimento é
elementar.
 
 “sair um número quadrado perfeito.”
  𝐷 = {1 , 4
  , 9}
 
⋕ 𝐷 =3 O> 1
acontecimento é
composto.
Revisões | Operações com acontecimentos

Exemplo:
 
Experiência aleatória: “Lançar um dado
dodecaédrico equilibrado, numerado de a , e verificar
a face que fica voltada para cima”.
Em relação a esta experiência aleatória, vamos
definir os seguintes acontecimentos:
 
 “sair um número primo.”
  𝐴 = { 2 , 3 , 5 , 7 , 11 }
 
 “sair um número ímpar.”
  𝐵 = {1 , 3 , 5 , 7 , 9 , 11 }
 
 “sair um número par.”
  𝐶 = {2 , 4 , 6 , 8 , 10 , 12 }
 
 “sair um número múltiplo de .”
  𝐷 = { 6 , 12 }
Revisões | Operações com acontecimentos

O facto de existir um paralelismo entre conjuntos e acontecimentos permite-


-nos efetuar operações com acontecimentos.

Definição:
 
Designa-se por acontecimento reunião (ou união) de com ao
acontecimento que se realiza quando se verifica ou e representa-se por .

𝐸 
 
 “sair um número primo ou um número
ímpar.”

𝐴∪ 𝐵= {2,3,5,7 ,11 } ∪ { 1,3,5,7,9,11}


 

¿  { 𝟏 ,𝟐 , 𝟑 ,𝟓 ,𝟕 , 𝟗 , 𝟏𝟏 }
 
Nota: Quando em linguagem corrente se utiliza ou, matematicamente
considera-se que pode ocorrer apenas , apenas , ou ambos.
Revisões | Operações com acontecimentos

Definição:
 
Designa-se por acontecimento interseção de com ao acontecimento que
se verifica quando se realiza e em simultâneo e representa-se por .

𝐸 
 
 “sair um número primo e um número
ímpar.”

𝐴∩ 𝐵= {2,3,5,7 ,11 } ∩ {1,3 ,5,7,9,11}


 

¿  { 𝟑 ,𝟓 , 𝟕 , 𝟏𝟏 }
Revisões | Operações com acontecimentos

Definição:
Acontecimentos disjuntos, incompatíveis ou mutuamente exclusivos
são acontecimentos que nunca ocorrem em simultâneo, isto é, a realização
de um deles implica a não realização do outro.
 
Os acontecimentos e são disjuntos se e só se .

 
 “sair um número ímpar e um número múltiplo de .”
  𝐵 ∩ 𝐷= {1 ,3 ,5 , 7 , 9 ,  Os
11 } ∩ { 6 ,1e 2 }
acontecimentos
são disjuntos.
Revisões | Operações com acontecimentos

Definição:
 
Os acontecimentos e dizem-se contrários se e .

 
 “sair um número ímpar e um número par.”

𝐵 ∩ 𝐶 ={ 1, 3 , 5 ,7 , 9 ,11 } ∩  ¿
  {2 , 4∅,6  ,8 , 10 , 12 }
Os acontecimentos
  e são contrários.
 “sair um número ímpar ou um número par.”

𝐵 ∪ 𝐶 ={ 1, 3 , 5 ,7 , 9 ,11 } ∪  ¿
  {2 , 𝑬
4 , 6 , 8 , 10 , 12 }
Revisões | Lei de Laplace

Definição de Laplace de probabilidade:


 
Numa experiência aleatória onde os casos possíveis são em número finito e
equiprováveis, a probabilidade de um acontecimento é dada pelo quociente
entre o número de casos favoráveis a esse acontecimento e o número de
casos possíveis.
  ( 𝐴 )= N .º de casos favor á veis a 𝐴   ⋕ 𝐴
𝑃 ¿
N . º de casos poss í veis ⋕E

Exemplo 1:
 
Na experiência aleatória que consiste em lançar um dado equilibrado,
numerado de a , e verificar a face que fica voltada para cima, a probabilidade
 𝟏 .
de sair a face com o número é 𝟔
Revisões | Lei de Laplace

Exemplo 2:
 
Na experiência aleatória que consiste em extrair ao acaso uma carta de um
baralho completo de cartas e anotar a cor dessa carta, a probabilidade de
 𝟐𝟔  ¿ 𝟏 .
sair a cor preta é 𝟓𝟐 𝟐

Exemplo 3:
 
Na experiência aleatória que consiste em extrair ao acaso uma carta de um
baralho completo de cartas e anotar a carta saída, a probabilidade de extrair
  𝟏
 𝟒 ¿
um ás é .
𝟓𝟐 𝟏𝟑
Revisões | Lei de Laplace

Exemplo 4:
 
Na experiência aleatória que consiste em lançar uma moeda e, de seguida,
lançar um dado equilibrado, numerado de a , e verificar as faces que ficam
voltadas para cima, a probabilidade de sair face europeia e número par em
  𝟑  ¿ 𝟏 .
simultâneo é 𝟏𝟐 𝟒

Dado

( 𝑁 , 1 ) ( 𝑁 , 2 ) ( 𝑁 , 3 ) ( 𝑁 , 4 ) ( 𝑁 , 5 ) ( 𝑁 , 6 )


Moeda

( 𝐸 , 1 ) ( 𝐸 , 2 ) ( 𝐸 , 3 ) ( 𝐸 , 4 ) ( 𝐸 , 5 ) ( 𝐸 , 6 )

Neste caso, tem-se que:


𝐸={( 𝑁 ,1 ) , ( 𝑁 ,2 ) , ( 𝑁 ,3 ) , ( 𝑁 ,4 ) , ( 𝑁 ,5 ) , ( 𝑁 ,6 ) , ( 𝐸,1 ) , ( 𝑬,𝟐 ) , ( 𝐸,3 ) , ( 𝑬,𝟒 ) , ( 𝐸 ,5 ) , ( 𝑬,𝟔 ) }
 
Revisões | Lei de Laplace

Exemplo 5:
Na experiência aleatória que consiste em escolher ao acaso uma família com
três filhos e anotar o sexo destes, considerando a ordem pela qual nasceram,
 𝟒  ¿ 𝟏 .
a probabilidade da família ter pelo menos duas raparigas é 𝟖 𝟐

𝐸=
  ( 𝑭, 𝑭 ,𝑭 ) , ( 𝑭 , 𝑭, 𝑴 ) , ( 𝑭 , 𝑴 , 𝑭 ) , ( 𝐹 ,𝑀 , 𝑀 ) , ( 𝑴 , 𝑭, 𝑭 ) , ( 𝑀 , 𝐹, 𝑀 ) , ( 𝑀 , 𝑀 ,𝐹 ) , ( 𝑀 , 𝑀 , 𝑀 )
{ }
1.º filho 2.º filho 3.º filho Resultados
𝐹  ( 𝐹 , 𝐹 , 𝐹 )
𝐹 
𝑀  ( 𝐹 , 𝐹 , 𝑀 )
𝐹 
𝐹  ( 𝐹 , 𝑀 , 𝐹 )
𝑀 
𝑀  ( 𝐹 , 𝑀 , 𝑀 )
𝐹  ( 𝑀 , 𝐹 , 𝐹 )
𝐹 
𝑀  ( 𝑀 , 𝐹 , 𝑀 )
𝑀 
𝐹  ( 𝑀 , 𝑀 , 𝐹 )
𝑀 
𝑀  ( 𝑀 , 𝑀 , 𝑀 )