Você está na página 1de 66

Carlos Pinheiro,

2012
Carlos Pinheiro,
2012

Movimento cultural e artístico que se baseou


na recuperação da cultura da Grécia e da Roma
antigas (arte, literatura e línguas).
Carlos Pinheiro,
2012

• Itália.
• Séculos XV e
XVI.
• A partir da Itália
expandiu-se pelo
resto da
Europa.
Carlos Pinheiro,
2012

Condições favoráveis:
• A Itália estava dividida em vários estados
e alguns deles eram muito ricos ;
• Alguns desses estados rivalizavam entre
si;
• Havia muitos mecenas (homens ricos
que ajudavam os artistas);
• Abundância de vestígios romanos e gregos,
que serviam de modelo aos artistas.
Carlos Pinheiro,
2012

«Deus escolheu o Homem *…+ e, colocando-o


no centro do Mundo disse-lhe: *…+. És tu que
segundo os teus desejos e o teu discernimento,
podes escolher *…+.»
Pico della Mirandola, Sobre a dignidade do Homem , 1486
Carlos Pinheiro,
2012

«Deus escolheu o Homem *…+ e, colocando-o


no centro do Mundo disse-lhe: *…+. És tu que
segundo os teus desejos e o teu discernimento,
podes escolher *…+.»
Pico della Mirandola, Sobre a dignidade do Homem ,
1486

Antropocentrismo
O Homem passou a estar no centro do Universo e
das preocupações humanas. Tudo é feito à
medida do Homem, para o bem-estar do Homem
e para a sua valorização.
Carlos Pinheiro,
2012

«Coloquei-te no centro do Mundo para que, daí, pudesses


facilmente observar as coisas. *…+ És tu que, pela tua livre
vontade, podes escolher o teu próprio modelo e a forma de
te realizares. Pela tua vontade, poderás descer às formas
degradadas da vida, que são animais. Pela tua vontade,
conseguirás alcançar as formas mais elevadas que são
divinas.»
Pico della Mirandola, Sobre a dignidade do Homem ,
1486
Carlos Pinheiro,
2012

«Coloquei-te no centro do Mundo para que, daí, pudesses


facilmente observar as coisas. *…+ És tu que, pela tua livre
vontade, podes escolher o teu próprio modelo e a forma de
te realizares. Pela tua vontade, poderás descer às formas
degradadas da vida, que são animais. Pela tua vontade,
conseguirás alcançar as formas mais elevadas que são
divinas.»
Pico della Mirandola, Sobre a dignidade do Homem ,
1486

Individualismo
O Homem tem capacidade para escolher e
decidir por si próprio, para pensar por si próprio
e passa a valorizar-se e a acreditar nas suas
capacidades.
Carlos Pinheiro,
2012

«No nosso tempo, todas as matérias nos interessam.


Aprendemos grego (sem o qual ninguém se pode considerar
sábio), hebraico e latim. Considero indispensável que aprendas
estas línguas.»
Rabelais, Cartas de Gargântua a Pantagruel,
1534
Carlos Pinheiro,
2012

«No nosso tempo, todas as matérias nos interessam.


Aprendemos grego (sem o qual ninguém se pode considerar
sábio), hebraico e latim. Considero indispensável que
aprendas estas línguas.»
Rabelais, Cartas de Gargântua a Pantagruel,
1534

Classicismo e humanismo
Gosto pela cultura clássica: pelas línguas grega
e latina, pelos pensadores clássicos, pela arte
e literatura clássica, pelos valores clássicos que
valorizam o Homem.
Carlos Pinheiro,
2012

«*…+. Quanto à Natureza, quero que a estudes cuidadosamente: deves


conhecer os peixes que enchem os mares e as aves que voam nos céus; as
árvores de todas as florestas e as ervas de todos os campos; os metais
ocultos no ventre da Terra e as pedras preciosas de todos os continentes. *…
+ Depois, mais cuidadosamente ainda, estuda os livros dos médicos gregos,
árabes e
latinos *…+ e através da prática da anatomia, procura conhecer esse outro
mundo que é o homem.»
Rabelais, Cartas de Gargântua a Pantagruel,
1534
Carlos Pinheiro,
2012

«*…+. Quanto à Natureza, quero que a estudes cuidadosamente: deves


conhecer os peixes que enchem os mares e as aves que voam nos céus; as
árvores de todas as florestas e as ervas de todos os campos; os metais
ocultos no ventre da Terra e as pedras preciosas de todos os continentes. *…
+ Depois, mais cuidadosamente ainda, estuda os livros dos médicos gregos,
árabes e
latinos *…+ e através da prática da anatomia, procura conhecer esse outro
mundo que é o homem.»
Rabelais, Cartas de Gargântua a Pantagruel,
1534

Naturalismo
Interesse pelo estudo da Natureza física
e humana em todos os seus aspetos.
Carlos Pinheiro,
2012

«Se alguém julgar que falo com mais atrevimento do que verdade, venha
inspecionar comigo as vidas humanas *…+. Este mete no ventre tudo quanto
ganha, poucos dias depois, passa fome. Aquele não vê a felicidade senão
no sono e no ócio. *…+ Os negociantes mentem, roubam, defraudam,
enganam e consideram-se pessoas muito importantes, porque andam com
os dedos
cheios de anéis de ouro. *…+»
Erasmo de Roterdão, Elogio da Loucura,
1511
Carlos Pinheiro,
2012

«Se alguém julgar que falo com mais atrevimento do que verdade,
inspecionar comigo as vidas humanas *…+. Este mete no ventre tudo quanto
venha
ganha, poucos dias depois, passa fome. Aquele não vê a felicidade senão
no sono e no ócio. *…+ Os negociantes mentem, roubam, defraudam,
enganam e consideram-se pessoas muito importantes, porque andam com
os
cheios
dedosde anéis de ouro. *…

E
r
a
s
m
o

d
e

R
o
t
e
r
d
ã
Carlos Pinheiro,
2012

«Nunca os nossos antepassados *…+ imaginaram que viria o


tempo em que o Ocidente conheceria o Oriente como agora
conhece. Os escritores antigos escreveram sobre isso tantas
fábulas que se pensava ser impossível navegar até ao
Oriente.
*…+ Como a experiência é a mãe de todas as coisas, por ela
soubemos radicalmente
DuarteaPacheco
verdade.»
Pereira, Esmeraldo de Situ Orbis,
1505
Carlos Pinheiro,
2012

«Nunca os nossos antepassados *…+ imaginaram que viria o


tempo em que o Ocidente conheceria o Oriente como agora
conhece. Os escritores antigos escreveram sobre isso tantas
fábulas que se pensava ser impossível navegar até ao Oriente.
*…+ Como a experiência é a mãe de todas as coisas, por
ela soubemos radicalmente a verdade.»
Duarte Pacheco Pereira, Esmeraldo de Situ
Orbis, 1505

Experiencialismo e curiosidade científica


Necessidade de comprovar pela observação e pela
experiência qualquer facto antes de o aceitar
como válido; valorização do conhecimento.
Carlos Pinheiro,
2012

Antropocentrismo
Nova
Individualismo mentalidade
.
Classicismo Nova forma de
ver o
Naturalismo mundo.
Desenvolvimento
Curiosidade cultural,
científico e
científica Espírito artístico.
crítico
Carlos Pinheiro,
2012

• A imprensa tornou-se
um importantíssimo
meio de difusão de
novas ideias,
progressos e formas de
pensamento,
permitindo a publicação
de centenas ou
milhares de cópias de
diversas obras.
• Inventada por
Gutemberg no
século XV.
Carlos Pinheiro,
2012

• Anatomia
• Astronomia
• Cartografia
• Botânica
• Zoologia
• Geografia
• Farmacopei
a
Carlos Pinheiro,
2012

Nome Obra Área


Nicolau Copérnico Defendeu o heliocentrismo, Astronomia
segundo o qual no centro estaria
o Sol, em torno do qual girariam
a Terra e os outros astros
Picco de la Mirandola Sobre a Dignidade do Homem Literatura
André Vesálio Praticou a dissecção de Anatomia
cadáveres, permitindo
aprofundar o conhecimento do
corpo humano
Nicolau Maquiavel O Príncipe Tratado de Política
Carlos Pinheiro,
2012

País/nome Obra Área


França:
Rabelais Gargântua e Pantagruel Literatura
Países Baixos
Erasmo de Roterdão Elogio da Loucura Literatura, Crítica social
Inglaterra
Thomas More Utopia Literatura, Crítica social
Shakespeare Romeu e Julieta; Hamlet… Teatro, poesia
Espanha
Miguel de Cervantes D. Quixote de la Mancha Romance de cavalaria
Portugal
Luís de Camões Os Lusíadas Poesia
Fernão Mendes Peregrinação Literatura
Pinto Pedro Nunes Inventou o Matemátic
Duarte Pacheco Nónio a
Pereira Esmeraldo de Geografia e
Situ Orbis Cartografia
Carlos Pinheiro,
2012

Dois grandes centros da arte renascentista em


Itália Florença
(século
XV)
• Sob o
mecenato
dos Médicis

Roma
(século
XVI)
• Sob o
mecenato
dos Papas
Carlos Pinheiro,
2012

• Principal arquiteto: Brunelleschi;


• Inspiração: arquitetura clássica –
Classicismo
• Tipo de edifícios:
– Igrejas
– Palácios
– Bibliotecas
– Hospitais
– Arcadas
– Fontes
1
2
2
0
,
o
ei
r
h
Pi
n
•Horizontalidade (definida pelos frisos, pelas
C
arl cornijas e balaustradas);
os
Basílica de S.
•Simetria (equilíbrio, proporção, harmonia) Pedro, Vaticano,
Roma
Carlos Pinheiro,
2012

• Colunas e pilastras de ordens clássicas


(jónica, dórica, coríntia, toscana e
• compósita);
Arco de volta perfeita, substituindo o arco
• quebrado gótico;
• Abóbada de berço, em vez da de ogiva;
• Cúpula hemisférica, normalmente com
lanternim;

Frontões triangulares;

Entablamento com frisos e
cornijas; Planta basilical, nas
igrejas
Palácio Rucellai,
Florença
1
2
2
0
,
o
ei
r
h
Pi
n

C
arl
os

Palácio Farnese,
Roma
Carlos Pinheiro,
2012

• Pintura a óleo
• Temas não
religiosos
• Perspetiva
• Sfumato
1
2
2
0
,
o
ei
r
h
Pi
n

C Atribuída a Van Eyck (Flandres).


arl
os (pigmento em pó + óleo de linhaça)
Contribui para dar à composição
mais vivacidade, mais brilho, maior
durabilidade.

Jan van Eyck, O Casal Arnolfini,


1484
Pinheiro,
2012

C
Pietro
arl Perugino, A Entrega
das
os

Chaves a São Pedro, 1481-82


Pinheiro,
2012

C
arl
os

Permite criar a ilusão de


profundidade/ tridimensionalidade;
Carlos Pinheiro,
2012

• Utilizada por Leonardo da Vinci.


• Suaviza os contornos na transição da
cor
escura para a cor clara.

Leonardo da Vinci, Mona Lisa,


1503
Carlos Pinheiro,
2012

• Naturalismo (presença de
elementos naturais: paisagem,
árvores, rios, rochedos…);
• Racionalismo (a composição parece
enquadrar-se num esquema
geométrico, geralmente uma
pirâmide ou triângulo);
• Equilíbrio (distribuição equilibrada
das formas, dos volumes);
• Aplicação da lei da perspetiva
(profundidade );
• Presença de elementos Rafael, Madona no prado,
1505
arquitetónicos
(pontes, arcos, edifícios…).
• O Casal Arnolfini
Van • A Virgem e o Chanceler
Eyck Rolin
• A Última Ceia

Leonardo Da • A Virgem com o Menino e Santa


Ana
• A Virgem dos Rochedos
Vinci • Mona Lisa

• Nascimento de
Sandro Vénus
Boticelli • Primavera
• O casamento da
Rafa Virgem
el • A Escola de Atenas
• Teto da Capela Sistina
Miguel • Moisés (escultura)
• David (escultura)
Angelo • Pietá (escultura)

Buonarroti
1
2
2
0
,
o
ei
r
h
Pi
n

C
arl
os

Jan van Eyck, O Casal Arnolfini,


1484
Van Eyck, A Virgem e
o Chanceler Rolin,
1485
Van Eyck, A Virgem e o Chanceler Rolin,
1485 (pormenor)
Leonardo da Vinci,
A Última Ceia (1495-
1498)
Leonardo da Vinci,
A Virgem com o Menino e Santa
Ana
1508-1513
Leonardo Da Vinci,
A Virgem dos Rochedos ,
1506
Rafael, O casamento da Virgem,1504
Rafael, O casamento da Virgem,1504
Rafael, A Escola de Atenas,
1509
1
2
2
0
,
o
ei
r
h
Pi
Sandro Botticeli – Primavera,
n

C
1482
arl
os
Pinheiro,

Sandro Botticeli – Nascimento de Vénus,


2012

C
arl
os
1482
1
2
2
Sandro Botticeli
0
,
o
Nascimento de
ei
r
Vénus (Pormenor)
h
Pi
n

C
arl
os
Carlos Pinheiro,
2012

Características
• Realismo/naturalismo: grande
semelhança com o real, perfeito
conhecimento do corpo
humano (revela conhecimentos
de anatomia);
• Dinamismo: sensação de
movimento (nas pregas
da roupa, na contração
dos músculos, na posição
do corpo…);
• Expressividade: captação de
sentimentos/ emoções
(angústia, tristeza, êxtase,
tranquilidade, …)
M
i
g
u
e
l

Â
n
Miguel Ângelo, Moisés (+
pormenor)
1
2
2
0
,
o
ei
r
h
Pi
n

C
arl
os

Miguel Ângelo, David, 1501-


04
1
2
2
0
,
o
ei
r
h
Pi
n

C
arl
os

Miguel Ângelo, David


(pormenor)
Miguel Ângelo, David
(pormenor)
1
2
2
0
,
o
ei
r
h
Pi
n

C
arl
os

Miguel Ângelo, Pietá,


1499
Miguel Ângelo, Pietá
( pormenor)
Miguel Ângelo, Pietá
( pormenor)
1
2
2
0
,
o
ei
r
h
Pi
n

C
arl
os

Miguel Ângelo, Pietá


( pormenores)
1
2
Miguel Ângelo, Pietá
2( pormenor)
0
,
o
ei
r
h
Pi
n

C
arl
os
Carlos Pinheiro,
2012

• O Homem (enquanto ser humano


e indivíduo);
• Figuras mitológicas ( O nascimento de
Vénus, Primavera, Júpiter …);
• Temas religiosos (Nossa Senhora,
Menino Jesus, santos, a Criação…).
Carlos Pinheiro,
2012

Claustro do Convento de Cristo,


Tomar
Carlos Pinheiro,
2012

Claustro da Sé de
Viseu
Carlos Pinheiro,
2012

Igreja da Misericórdia, Igreja dos Grilos,


Guimarães Porto
Carlos Pinheiro,
2012

• O Manuelino, embora seja


visto arquitetonicamente
como uma variante do Gótico,
apresenta originalidades, em
particular nos motivos
decorativos:
• Elementos relacionados com as
atividades marítimas, como,
amarras, boias de rede, conchas e
corais;
• Elementos de carácter vegetalista
e naturalista, por exemplo
troncos podados e alcachofras;
• Símbolos reais e nacionais como
a esfera armilar, a cruz da
Ordem de Cristo e o escudo das
quinas.
Janela do Convento de Cristo em
Tomar
Carlos Pinheiro,
2012