Você está na página 1de 50

Funções de Várias Variáveis

Professor Dani Prestini

1
FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS
INTRODUÇÃO
As grandezas físicas, geralmente, dependem de mais de uma variável independente.

Exemplos:
A área de um retângulo de lados x e y, depende, tanto de x, quanto de y, pois

S  xy
O volume de um paralelepípedo de lados x, y e z

V  xyz
O volume V de um gás ideal depende da temperatura T, do número de moles
n, da pressão P e da  constante universal dos gases perfeitos R.
T
V  nR
P
2
Definições

Função de duas variáveis. Se a cada par ordenado (x,y) de valores das


variáveis x e y, tomados dentro de um domínio de definição D, corresponde
um valor bem definido da variável z, diz-se que z é uma função de duas
variáveis independentes x e y, definidas no domínio D.
Designa-se essa função como z  f ( x, y )

Ex. :Sendo f ( x, y )  3x 2  5 xy, determine :

a ) f (1,4)  3.12  5.1.4 b) f (2,1)  3.(2) 2  5.(2).1


 3  20  23  12  10  2

3
Domínio: Chama-se domínio de definição da função z=f(x,y) ao conjunto de
pares (x,y) para os quais a função está definida.

Ex. : Df  {( x, y )  R 2 | z  f ( x, y ) existe}

Exemplo: Para cada uma das seguintes funções, calcule f(3,2), encontre o
domínio e esboce sua região.
Graficamente, teríamos: a região R² do domínio.
a ) z  f ( x, y )  x - y
z  f (3,2)  3 - 2  1

Domínio :
Devemos impor x y 0
x y
Logo, D  {(x,y)  R 2 | x  y}

4
b) z  f ( x, y )  ln( x 2  y )
z  f (3,2)  ln(32  2)  ln(11)
Graficamente, teríamos: a região R² do domínio.

Domínio :
Pela definição ln é um conjunto
dos números reais positivos.

Devemos impor x2  y  0
y   x2
Logo, D  {(x,y)  R 2 | y   x 2 }

5
Exemplo: Calcule f(2,1,4) e encontre o domínio de cada função.
1  xy  z
w  f ( x, y , z ) 
1 x2  y2  z 2

1  2.1  4
a) w  f (2,1,4) 
1  2 2  12  4 2
3
w  f (2,1,4) 
14

b) O radicando  0, denominador  0, logo;


1 x2  y 2  z 2  0

1  x2  y2  z2
ou x2  y2  z 2  1

D  {(x,y,z)  R 3 | x 2  y 2  z  1}
6
ln( xyz )  1
a ) w  f ( x, y , z ) 
5 x y

ln(2.1.4)  1 ln(8)  1
w  f (2,1,4)    ln(8)  1
5
2 1 1

b) Temos duas condições para analisar

i ) x. y.z  0
ii ) x  y  0
x y

Logo, D  {(x,y,z)  R 3 | x. y.z  0 e x  y}

7
Representação Gráfica de Funções de duas Variáveis

Se f é uma função de duas variáveis com domínio D, então o gráfico


de f é o conjunto de todos os pontos (x, y, z) em R³ tal que z =f (x, y)
e (x, y) pertença a D.

D  {(x,y,z)  R 3 | z  ( x, y )}

8
Exemplos Gráfico de funções de 2 variáveis:

Ex.1– A função é z = f(x,y) = 5

A superfície é um plano infinito, paralelo a x,y e passando por


z=5

9
Esboce o gráfico da função f(x, y) = 6 –3x –2y.

O gráfico de f tem a equação z =6 –3x –2y ou 3x +2y +z =6

ƒQue representa um plano.

Para desenhar o plano, primeiro achamos as intersecções com os eixos

Fazendo x = z =0 na equação, obtemos:

3.0+2y+0=6 2y=6 y=3

Fazendo x = y =0 na equação, obtemos:

3.0+2.0+z=6 z=6

Fazendo y = z =0 na equação, obtemos:

3.x+2.0+0=6 x=2
10
Isso nos ajuda a esboçar a parte do gráfico que se encontra no
primeiro octante.

11
Esboce o gráfico da função g ( x, y )  9  x  y
2 2

Determinar o domínio da função:


9  x2  y2  0
Logo, D  {(x,y)  R 2 | x 2  y 2  9}
x  y 9
2 2

O gráfico do domínio tem a equação:

x2  y2  9
Substituindo valores para x, temos:
y2  9  x2
x0  y  3
y  9  x2
x 1  y 8

x2  y 5
x3  y0

12
Gráfico do domínio da função

O domínio é uma circunferência de


centro na origem e de raio r ≤ 3.

3
x0  y  3

x 1  y 8
-3 3
x2  y 5
x3  y0

-3

13
Esboçando o gráfico da função g ( x, y )  9  x 2  y 2

ƒO gráfico tem a equação z  9  x  y


2 2

Elevando ao quadrado ambos os lados da equação z  9  x 2  y 2


obtemos:
z 2  9  x2  y2
x2  y2  z 2  9

x0  y2  z2  9 y0  x2  z 2  9 z0  x2  y2  9

y  9  z2 x  9  z2

14
Uma esfera inteira não pode ser representada por uma única função
de x e y.

* O hemisfério superior da esfera x²+y²+z²=9 é representado


pela função g ( x , y )  9  x 2
 y 2

* ƒO hemisfério inferior é representado pela funçãoh( x, y )   9  x  y


2 2

Mas, como z ≥ 0, o gráfico de g(x,y) é somente a metade


superior da esfera.

15
CURVAS DE NÍVEL
Vimos que uma função de duas variáveis z=f(x,y) representa uma
superfície no espaço. A curva que se obtém para um mesmo valor de z,
ou cota, desta superfície é chamada curva de nível. Os mapas de
contorno se a função z=f(x,y) for cortada pelo plano horizontal z=k,
então todos os pontos de intersecção tem f(x,y)=k. A projeção dessa
intersecção sobre o plano xy é chamada de curva de nível de altura k.

As curvas de nível são usadas em


mapas para dar informação sobre a
topografia (relevo) da região.

16
Exemplo:

Esboce o gráfico das curvas de nível da função g ( x, y )  9  x  y


2 2

para os valores de k = 0, 1, 2 e 3.

As curvas de nível dessa função são dadas por:

Ck : 9  x 2  y 2  k ou x 2  y 2  9  k 2

C0 : x 2  y 2  9  0 2 (0, 3) e ( 3,0)

C1 : x 2  y 2  9  12 (0, 8 ) e (  8 ,0 )

C2 : x 2  y 2  9  2 2 (0, 5 ) e (  5 ,0)

C3 : x 2  y 2  9  32 (0,0) e (0,0)

17
Essa é uma família de circunferências concêntricas com centro em (0, 0)
e raio 9  k 2

Os casos k =0, 1, 2, 3 são mostrados Então, compare com o gráfico de g


a seguir: (um hemisfério), como na figura.

18
Exemplos de Curvas de Níveis
Através da figura podemos ver a relação entre as curvas de nível e os cortes
horizontais.
As curvas de nível f(x, y) = k são apenas cortes do gráfico de f no plano
horizontal z =k projetados sobre o plano xy.

19
20
f(x, y) = 4x² + y²

21
Um exemplo comum de curvas de nível ocorre em mapas topográficos
de regiões montanhosas.

22
Aqui as curvas de nível são chamadas curvas Isotérmicas.ƒ Elas ligam
localidades que têm a mesma temperatura. A figura mostra um mapa
de clima indicando as temperaturas médias do mês de janeiro.

23
DERIVADA PARCIAL

Definição

Seja z = f(x,y) uma função de duas variáveis reais, a derivada parcial de f(x,y)
f
em relação a x no ponto (x0,y0), designada por x (x0,y0), é a derivada dessa

função em relação a x aplicada no ponto (x0,y0), mantendo-se y constante,


f
Analogamente, em relação a y aplicada no ponto (x0,y0) temos, y (x0,y0)

mantendo-se x constante.

24
Notação
f
– A notação x ( x, y ) indica a derivada f(x,y) em relação a x, onde y é
olhado como constante (independente de x).

f
– Já a notação y ( x, y ) indica a derivada de f(x,y) em relação a y, onde
x é olhado como constante.

Exemplo: 1) Calcule a derivadas parciais da função f(x,y)=yx3 + xy2.

f f
( x, y )  3 yx 2  y 2 ( x, y )  x 3  2 xy
x y

25
xy 3
Exemplo: 2) Calcule as derivadas parciais da função f ( x, y )  x 
4
no
3
ponto (1,2).

f y3 f 3xy 2
 4x 
3
  xy 2
x 3 y 3

f ( 2) 3 f
(1,2)  4(1) 
3
 (1,2)  1.2 2  4
x 3 y

8 20
4 
3 3

26
DERIVADA PARCIAL

Interpretação geométrica

Sob a ótica geométrica, a obtenção das derivadas parciais


nos dá a intersecção da curva com o plano de y (ou de x), já
uma das variáveis se mantém constante enquanto calcula-se
a derivada da outra.

Manter x (ou y) constante significa interceptar a superfície


definida pelo gráfico de f com o plano x = x0 (ou y = y0).

27
28
29
30
31
32
Funções de várias variáveis

Derivadas Parciais de ordens superiores


– Calculam-se as derivadas parciais de ordem superior computando as
derivadas parciais das funções já derivadas. Essas derivadas são
derivadas obtidas parcialmente e de uma ordem a menos.
Exemplo
– Calcule as derivadas parciais de segunda ordem da função f(x,y) =
2x3.e5y.
– Temos que:

f
( x, y )  6 x 2 .e 5 y
x
f
( x, y )  10 x 3 .e5 y
y
33
Funções de várias variáveis

– Portanto, a segunda derivada, em relação a x é:


2 f
( x , y )  12 x.e 5y

x 2
– E a segunda derivada, em relação a y é:

2 f
( x , y )  50 x 3 5y
.e
y 2

34
Funções de várias variáveis

– Ainda podemos calcular a segunda derivada da derivada parcial em


relação a y, calculada agora em relação a x:

2 f 
( x, y )  (10 x 3e5 y )  30 x 2 .e5 y
xy x

– E a segunda derivada da derivada parcial em relação a x, calculada


agora em relação a y:

2 f 
( x, y )  (6 x 2e 5 y )  30 x 2 .e 5 y
yx y

35
Funções de várias variáveis

Derivadas Parciais de ordens superiores


– As duas primeiras derivadas parciais apresentadas acima são
chamadas de puras ;

– As duas últimas são chamadas de mistas.

36
Funções de várias variáveis

Notação
– Se z=f(x,y), podem-se computar quatro derivadas parciais de
segunda ordem com suas respectivas notações de acordo com as
expressões abaixo:

 2 z  z
  z xx ( x, y )  f xx ( x, y )
x 2 x x
 2 z  z
  z yy ( x, y )  f yy ( x, y )
y 2
y y
2z  z
  z yx ( x, y )  f yx ( x, y )
xy x x
2 z  z
  z xy ( x, y )  f xy ( x, y )
yx y x
37
Funções de várias variáveis

Derivadas Parciais de ordens superiores


– Em nosso exemplo as duas últimas derivadas (as mistas) deram o
mesmo resultado. Isto não é coincidência. A igualdade ocorre desde
certas condições sejam satisfeitas.

38
Funções de várias variáveis

Derivadas Parciais de ordens superiores


– Em nosso exemplo as duas últimas derivadas (as mistas) deram o
mesmo resultado. Isto não é coincidência. A igualdade ocorre desde
certas condições sejam satisfeitas.
Proposição

– Se f(x,y) está definida numa certa vizinhança de (x0,y0) e é tal que as


f f  2 f  2 f
, , e
derivadas x y xy yx existem e são contínuas nessa
2 f 2 f
vizinhança, então 
xy . yx

39
Funções de várias variáveis

Regra da Cadeia
– A regra da cadeia para funções de várias variáveis tem o intuito de
calcular derivadas parciais de funções compostas de várias variáveis.

– Suponha que a função P=p(x,y) com derivadas parciais contínuas


represente a quantidade produzida de um determinado bem a partir
de matérias-primas x e y, que por sua vez, variam com o tempo, ou
seja, x = x(t) e y = y(t).

40
Funções de várias variáveis

– A quantidade produzida expressa-se como função do tempo, de


acordo com a seguinte expressão:
P = p(x(t) , y(t)) = P(t)
– A regra da cadeia para a composição desta natureza é dada por:
 p  dx  p  dy
P ' (t )   .   .
 x  dt  x  dt

41
Funções de várias variáveis

Exemplo
– Considere uma firma cuja receita expressa-se através da função
R(x,y) = xy2, onde x e y representam as quantidades de dois bens
produzidos. Suponha que estas quantidades dependam do capital k e
do trabalho l, de acordo com as funções x = 4k + 3l e y = 3k + l. Calcule
as derivadas parciais da receita em relação ao capital e ao trabalho,
como funções de tais variáveis.

– Antes de aplicar a Regra da Cadeia, precisamos calcular as seguintes


R R x x y y
derivadas parciais: , ., , , e
x y k l k l 42
Funções de várias variáveis

Exemplo
R
 y 2  (3k  1) 2
x
R
 2 xy  2(4k  3l )(3k  1)
y
x
4
k
x
3
l
y
3
k
y
1
l 43
Funções de várias variáveis

Exemplo
– Aplicando a Regra da Cadeia, temos:

R R x R y
   (3k  l ) 2 .4  2(4k  3l )(3k  l ).3
k x k y k

R R x R y
   (3k  l ) 2 .3  2(4k  3l )(3k  l ).1
l x l y l

44
Funções de várias variáveis

Aplicação
– A temperatura no ponto (x,y) de uma placa de metal situada no plano
XOY é dada por: T = 10.(x2 + y2)2.

 Determine a taxa de variação de T em relação à distância no ponto


(-1,2) e na direção de OU;
 Partindo-se do ponto (-1,2) e deslocando-se na direção do eixo OX
a temperatura aumenta ou diminui?

45
Funções de várias variáveis

Solução
T T
 20( x 2  y 2 )2 y  40 y ( x 2  y 2 ) (1,2)  20(12  2 2 )2.2  40.2(12  2 2 )  400
y y

T T
 20( x 2  y 2 )2 x  40 x( x 2  y 2 ) (1,2)  20[(1) 2  2 2 ]2.(1)  200
x x

46
Funções de várias variáveis

47
Funções de várias variáveis

48
Funções de várias variáveis

49
Funções de várias variáveis

50

Você também pode gostar