Você está na página 1de 38

D.

Administrativo II
1

José Antonio Remedio


UNASP
Processo Administrativo – Aula 07 2

1. procedimento e processo administrativo


- são expressões que não se confundem
- o procedimento administrativo corresponde ao
rito e é realizado no interior do processo, para
viabilizá-lo
- o processo é uma forma de composição de
litígios
Processo Administrativo – Aula 07 3

- a CF admite o "processo administrativo" ao se


referir a "litigantes em processo judicial ou
administrativo" (art. 5º, LV)
- a Lei 8.666/93 refere-se a “procedimento
licitatório (art. 4º, parágrafo único)
Processo Administrativo – Aula 07 4

- o processo administrativo não difere do


processo judicial no aspecto formal, devendo
respeitar os princípios que lhe são comuns
- na prática, as expressões “processo
administrativo” e “procedimento
administrativo” tem sido utilizadas
indistintamente
Processo Administrativo – Aula 07 5

2. O princípio do due process of law ou devido


processo legal
2.1. generalidades
2.1.1. é aplicável ao processo administrativo
(CF, art. 5º, LIV e LV)
Processo Administrativo – Aula 07 6

2.1.2. Segundo Nery Junior:


a) em sentido genérico, informa o direito
material e o direito processual
b) dele decorrem outros princípios no texto
constitucional, como a ampla defesa,
contraditório, juiz natural e isonomia
Processo Administrativo – Aula 07 7

2.2. O princípio do juiz natural


- também é aplicável ao processo administrativo
(CF, art. 5º, LIII)
- a norma proíbe para qualquer processo ou
instância os "tribunais de exceção"
Processo Administrativo – Aula 07 8

- o juiz natural nem sempre é o detentor do


"poder hierárquico", mas aquele a quem foi
deferido o "poder disciplinar"
- se o agente público está afastado de seu cargo
de origem exercendo funções em outro órgão
público, competirá o julgamento do processo ao
órgão de origem no caso de infração disciplinar
Processo Administrativo – Aula 07 9

2.3. Das provas no processo administrativo


2.3.1. o processo administrativo é informado
pelo princípio do formalismo moderado
2.3.2. apenas as provas obtidas por meios lícitos
são admitidas (CF, art. 5º, LVI)
Processo Administrativo – Aula 07 10

2.3.3. provas ilegais:


a) ilícitas (ilegalidade material): obtidas a partir
da violação do direito material; relacionadas ao
momento de sua produção (ex: confissão
mediante tortura)
Processo Administrativo – Aula 07 11

b) ilegítimas (ilegalidade formal): obtidas a


partir da violação ao direito processual; é
evidenciada com a apresentação da prova (ex:
oitiva de testemunha que não pode legalmente
depor)
Processo Administrativo – Aula 07 12

2.3.4. a prova obtida por meio ilegal (como


escuta telefônica e interceptação de
correspondência) não é admitida no processo
administrativo; não se aplica a Lei 9.296/96
(interceptações telefônicas), ante a limitação
imposta pelo art. 5º, XII, da CF
Processo Administrativo – Aula 07 13

2.3.5. a interceptação telefônica é admitida


apenas se ordenada por autoridade judicial,
para apuração de ilícito penal
Processo Administrativo – Aula 07 14

3. Princípios aplicáveis ao processo


administrativo
a) os princípios comuns à teoria geral dos
processos (como publicidade, ampla defesa,
contraditório, impulso oficial, obediência à
forma, etc.)
Processo Administrativo – Aula 07 15

b) princípios próprios do processo


administrativo, como legalidade, finalidade,
motivação, razoabilidade, proporcionalidade,
moralidade, ampla defesa, contraditório,
segurança jurídica, interesse público e
eficiência (Lei 9.784/99; e Lei 10.177/98 no
Estado de São Paulo)
Processo Administrativo – Aula 07 16

3.2. contraditório e ampla defesa (CF, art. 5º,


LV, e Lei 9.784/99)
- a CF (art. 5º, LV) assegura aos "litigantes em
processo judicial ou administrativo" a
observâncias dos princípios do contraditório e da
ampla defesa
- a Lei 9.784/99 arrola ambos os princípios como
informadores da Administração Pública (art. 2º)
Processo Administrativo – Aula 07 17

3.3. pluralidade de instâncias (Lei 9.784/99, art.


57)
- na esfera da Administração Federal são três,
no máximo, as instâncias administrativas no que
se refere ao recurso administrativo, salvo
disposição legal diversa (art. 57)
Processo Administrativo – Aula 07 18

- a interposição de recurso administrativo


devolve ao julgador a possibilidade de examinar
matéria já decidida e sobre a qual não mais se
discute (aplicação dos princípios da legalidade e
da autotutela)
Processo Administrativo – Aula 07 19

3.4. Princípio da gratuidade:


- aplicável a todo processo administrativo
- a Lei 9784/99 (art. 2º, parágrafo único),
estabelece a proibição de "cobrança de despesas
processuais, ressalvadas as previstas em lei"
Processo Administrativo – Aula 07 20

3.5. Princípio da oficialidade


- O processo pode ser iniciado ex officio, por
iniciativa da Administração, sem qualquer
provocação (Lei 9.784/99, art. 5º)
- seu impulso também é oficial (Lei 9784/99,
art. 29)
- fundamento: princípio do controle ou da
autotutela
Processo Administrativo – Aula 07 21

3.6. Princípio do formalismo moderado


- admite-se a adoção de ritos menos severos que
os do processo judicial, donde decorre certa
informalidade para a condução do processo
- porém, não se admite que da informalidade
decorra a não-observância dos princípios
processuais do contraditório, ampla defesa, etc
Processo Administrativo – Aula 07 22

4. Tipologia do processo administrativo


(Meirelles e Medauar)
a) de gestão (licitações, concursos de ingresso
ao serviço público, concurso de movimentação
nas carreiras)
b) de outorga (licenciamento ambiental,
licenciamento de atividades e exercício de
direitos, registro de marcas e patentes)
Processo Administrativo – Aula 07 23

c) de controle (prestação de contas, lançamento


tributário, consulta fiscal)
d) punitivo interno (imposição de sanções
disciplinares) ou externo (apuração de infrações
dos administrados)
Processo Administrativo – Aula 07 24

5. Fases do processo administrativo


5.1. instauração (Lei 9.784/99, art. 5º e segs.)
- pode decorrer de portaria, auto de infração,
representação de pessoa interessada ou
despacho da autoridade competente
- a portaria deverá conter a indicação do fato
que constitui objeto do processo, possibilitando
o exercício do contraditório e da ampla defesa
Processo Administrativo – Aula 07 25

5.2. instrução
- é marcada pela produção de provas, com a
participação do interessado (Lei 9.784/99, art.
29 e segs.)

5.3. defesa
Processo Administrativo – Aula 07 26

5.4. Relatório
- é elaborado pelo presidente do processo, que
poderá ser um único agente ou uma comissão
processante
- trata-se de mera peça opinativa, que não
vincula a autoridade competente para julgar
Processo Administrativo – Aula 07 27

5.5. julgamento
- corresponde à decisão proferida pela
autoridade ou órgão competente, devendo
sempre ser motivada e fundamentada
- mesmo nos casos em que a lei não indica a
medida ou sanção aplicável à hipótese, exige-se
a motivação e a fundamentação
Processo Administrativo – Aula 07 28

6. Processo administrativo disciplinar


- destinado à apuração de faltas disciplinares,
violação de deveres funcionais e imposição de
sanções a servidores públicos
- a obrigatoriedade do processo administrativo
disciplinar é estabelecida no regime jurídico a
que estiver sujeito o agente público
Processo Administrativo – Aula 07 29

- normalmente usado para apuração das


infrações mais graves e que estão sujeitas à
imposição de demissão, perda do cargo, etc.
- a instauração é ordenada pela autoridade
competente para a aplicação da sanção, sendo
presidido por comissão processante vinculada ao
órgão ou entidade
- a comissão elaborará o relatório opinativo
Processo Administrativo – Aula 07 30

7. Meios sumários de investigação


7.1. Sindicância
- destina-se à apuração preliminar de fatos e
ensejando, quando o caso, a instauração do
processo administrativo disciplinar
- realizada sem os formalismos do processo, mas
deve observar os princípios do contraditório e da
ampla defesa
Processo Administrativo – Aula 07 31

- alguns estatutos admitem a sindicância como


processo sumário para a aplicação de sanções
menos severas, como multa, repreensão e
suspensão (Lei 8.112/90, art. 145, II)
- todavia, em regra, a sindicância tem natureza
instrumento preliminar do processo
administrativo disciplinar
Processo Administrativo – Aula 07 32

7.2. Verdade sabida


- aplicável quando a falta disciplinar for
cometida pelo servidor e dela testemunhar o
superior hierárquico, desde que não venha a
ensejar sanção mais grave
Processo Administrativo – Aula 07 33

- admitida por alguns estatutos, como o do


Estado de São Paulo (conquanto se exige a
concomitância da ampla defesa e do
contraditório) (Lei 10.261/68, art. 271)
- a aplicação de sanção por esse meio deve ser
evitada, porque incompatível com a CF, art. 5º,
LV (ampla defesa e contraditório)
Processo Administrativo – Aula 07 34

7.3. Termo de declarações


- meio sumário de imposição de sanção
(Meirelles); o servidor, confessando a falta,
aceita a sanção aplicável, desde que esta não
exija o processo administrativo disciplinar
- todavia, o “termo de declarações” fere a CF,
que exige no processo administrativo a ampla
defesa e o contraditório (art. 5º, LV)
Processo Administrativo – Aula 07 35

7.4. Sanções disciplinares usuais (previstas no


estatuto do servidor respectivo)
a) demissão
b) demissão a bem do serviço público
c) suspensão
d) advertência
e) multa
Processo Administrativo – Aula 07 36

8. Demissão de vitalícios
- somente perdem o cargo ou se sujeitam à
demissão por imposição de sentença judicial
transitada em julgado
- na hipótese de extinção do cargo, os servidores
vitalícios permanecerão em disponibilidade
Processo Administrativo – Aula 07 37

9. Demissão de estáveis
- a demissão do servidor estável (que cumpriu o
estágio probatório de 3 anos) é cabível em
processo administrativo disciplinar, sem a
necessidade de processo judicial
- A demissão também é aplicável para o servidor
que, empossado, não entra em exercício no
prazo legal, ou para o servidor em estágio que
não o satisfaz na forma exigida em lei
Processo Administrativo – Aula 07 38

- também é aplicável em razão de avaliação


periódica de desempenho (CF, art. 41, § 1º)
- também é possível o desligamento para
atendimento do limite de despesas com pessoal
ativo e inativo (CF, art. 169, § 4º), mesmo sem
cometer falta funcional