Você está na página 1de 18

Diagnóstico da

Leptospirose
M.V. Msc. Müller Ribeiro Andrade

Recife, Outubro de 2015


DIAGNÓSTICO

 Diagnóstico clínico

 Diagnóstico epidemiológico

 Diagnóstico laboratorial

o Detecção indireta
- Sorológico

o Detecção direta
- Pesquisa direta do agente
- Isolamento e identificação do agente
- Métodos de biologia molecular
RESPOSTA IMUNE HUMORAL
Incubação
2 a 20 dias semana 1 semana 2 semana 3 semana 4 meses / anos

Leptospiremia

Imunidade humoral: anticorpos

IgM
[ ] Ac IgG

Leptospirúria

Direto Indireto / Direto


Fonte: Adaptado do Royal Tropical Institute, Holanda
ANTÍGENOS

Sorovar específico

o Resp. humoral

Antigenicidade

o Antígenos de superfície (LPS);

o Compartilhamento de antígenos.

Leptospira spp.
MAT - TESTE DE MICROALUTINAÇÃO

 Teste de PADRÃO-OURO

 Prova sensível e específica

 Detecção de IgM e IgG

 Ag: leptospiras vivas

o Representante dos sorovares prevalentes

o Sorovares - específico
SOROVARES x ESPÉCIES
ESPÉCIE SOROVARES + COMUNS
BOVINOS Hardjo *
Pomona*
Icterohamorrhagiae*
Wolffi
Grippotyphosa

SUÍNOS Pomona *
Bratislava *
Tarassovi *
Icterohamorrhagiae
Grippotyphosa

EQUINOS Pyrogenes*
Bratislava*
Icterohamorrhagiae
Pomona

CANINOS Canicola *
Icterohamorrhagiae *
OVINOS Pomona*
Hardjo
Icterohamorrhagiae
ROEDORES Icterohamorrhagiae*
MAT - TESTE DE MICROALUTINAÇÃO
TRIAGEM - EXAME QUALITATIVO

2 horas
+
T°C ambiente

Soro Ag vivo

Preparo da lâmina
Reações sorovar/paciente Leitura microscópica
MAT - TESTE DE MICROALUTINAÇÃO

TRIAGEM - EXAME QUALITATIVO

Cada coluna representa uma amostra


CN CP

Brastilava
Astralis
Canicola
Hardjo
Icteroh.
Patoc
Wolffi
Pomona

CN e CP = 100 l PBS + sorovar


100 l soro diluído 1:50 + 100 l sorovar
MAT - TESTE DE MICROALUTINAÇÃO
TRIAGEM - EXAME QUALITATIVO

SORO
MAT - TESTE DE MICROALUTINAÇÃO
TRIAGEM - EXAME QUALITATIVO - LEITURA

Sem aglutinação 25% aglutinado (1+) 50% aglutinado (2+)

75% aglutinado (3+) 100% aglutinado (4+)


MAT - TESTE DE MICROALUTINAÇÃO
TITULAÇÃO - EXAME QUANTITATIVO

+
1:100 1:200 1:400 1:800 1:51200
COLEÇÃO DE
ANTÍGENOS

Ponto final da reação: maior diluição do soro em que ocorre


aglutinação de 50% ou mais das leptospiras
MAT - TESTE DE MICROALUTINAÇÃO
TITULAÇÃO - EXAME QUANTITATIVO

1:100, 1:200, 1:400 ..... ..... ...... 1:25.600


Soro
001 CN CP 100L 100L 100L 100L 100L 100L 100L 100L 100L 100L
100L

Canicola
Hardjo
Icteroh.
Pomona

CN = 100 l PBS + sorovar a ser titulado.


100 l soro diluído 1:50 + 100 l sorovar a ser titulado.
MAT - TESTE DE MICROALUTINAÇÃO

 Infecção aguda X infecção crônica

 Amostras pareadas: confirmação do diagnóstico

o Aumento de título de Ac - intervalo de 2 a 4 semanas

 Títulos constantes ou decrescentes

o Infecção crônica ou vacinação

 Subjetividade da leitura
DIAGNÓSTICO DIRETO

PESQUISA DIRETA DE LEPTOSPIRA


 SANGUE
 LÍQUOR
 URINA
 TECIDOS
o Microscopia de campo escuro

o Microscopia de campo claro


- Coloração pela prata
(Fontana-Tribodeau, Levaditi)

- Vermelho do Congo

Coloração de Levaditi em ovário de hamster


DIAGNÓSTICO DIRETO

BACTERIOLÓGICO
 SANGUE
CUIDADO COM A AMOSTRA
 LÍQUOR
 URINA  Amostra adequada
 FETOS  Assepsia durante a colheita
 TECIDOS: rins e fígado  Contaminação bacteriana
 SÊMEN  Diagnóstico lento

Inoculação em meio de cultura

Fletcher ou EMJH
Incubar - 28 a 30oC
60 a 90 dias
Aerobiose
Soro-padrão – MAT
PCR
Meio líquido Meio semi-sólido
DIAGNÓSTICO DIRETO
DIAGNÓTICO MOLECLAR
PCR
 SANGUE
 LÍQUOR
 URINA
 FETOS
 TECIDOS: rins e fígado
 SÊMEN

Extração de
DNA
OBRIGADO!
mullerrib@gmail.com

Você também pode gostar