Você está na página 1de 39

Disciplina.

Contabilidade Geral 1

• Período Lectivo. 1 semestre.


• Horas Semanais. Cinco (5)
• Capítulos. 12.
• Professores: Eurico e Mariano.
Email. feh1ano@gmail.com
Passe: estudarsempre
Disciplina. Contabilidade Geral 1

Capitulo I – A Empresa e a Contabilidade.

Sumário:
1.1 Empresa
1.1.1 Noções gerais.
1.1.2 Classificação.
1.2 Actividades de uma empresa.
1.2.1 Empresa como agente económico.
1.2.2 Ambiente interno e externo.

1.2.3 Análise contabilística das operações aos fluxos.


Capitulo I. Empresa
Surgimento da Contabilidade
A Contabilidade é uma ciência antiga para
Borges, Rodrigues & Rodrigues (2010) a
história da contabilidade é a história da
civilização, são caminhos paralelos. A evolução
do homem, o desenvolvimento da sociedade,
as circunstâncias e os empenhos individuais e
colectivos ditaram que a contabilidade tenha
as características que hoje lhes conhecemos.
Capitulo I. Empresa
Surgimento da Contabilidade
Segundo Borges et al. (2010, pag. 27), ´´A
palavra contabilidade provém
etimologicamente de conta, originária da
palavra latim computum, que significa calculo,
contagem``.
Capitulo I. Empresa
Definição da Contabilidade
(AICPA) Instituto Americano de Certificação de
Contabilidade Pública (1941)
“A arte de registar, classificar e totalizar
duma maneira significante e em termos
monetários, transacções e eventos os
quais são, em parte de carácter
financeiro, e interpretar resultados”
Capitulo I. Empresa
Definição da Contabilidade

Segundo Vincendo Masi, dito por Magro A.,


Magro J. L.F., (2008, pag17);
“A contabilidade é a ciência do património.
Capitulo I. Empresa
Definição da Contabilidade
Segundo Armindo Rocha dito por Magro A.,
Magro J. L.F., (2008, pag17);
“A contabilidade é a ciência do equilíbrio
patrimonial, que se preocupa com todos os
acontecimentos que possam influenciar e por
isso os identifica, seleciona, analisa e
promove medidas, processos, avaliação e
comunicação de dados, facilitando a tomada
de decisões.
Capitulo I. Empresa
Definição da Contabilidade

Segundo Jaime Lopes de Amorim, dito por Magro A.,


Magro J. (2008, pag17),;
“A contabilidade é a disciplina que tem por objecto o
conhecimento do património de qualquer empresa
no seu tríplice aspecto: quantitativo, qualitativo e
valorativo, e em qualquer momento da sua
existência, e por fim a análise da situação
económica e financeira da respectiva empresa, para
racional orientação da sua administração.
Definição de Empresa
Contabilidade Nacional Francesa.

“Um organismo financeiramente independente,


produzindo para o mercado bens e serviços”.

Ainda se pode definir como:


Um conjunto de meios técnicos, humanos e
financeiros, organizados com vista à concretização
de um determinado fim económico.
Classificação da Empresa
Ponto de vista -Empresa Individual 1. Comerciante em nome individual. R. I.
Jurídico 2. Estabelecimento Individual
Responsabilidade Limitada (EIRL)

-Empresa Colectiva 1. Sociedade Anónima


(Sociedade) 2. Sociedade por Quotas
3. Sociedade em Nome Colectivo
4. Sociedade em Comandita. (Sócios
Comanditados e Comanditários)
-Empresa Públicas e/ou mistas
Ponto de vista Micro
Dimensão Pequena
Media
Grande
Ponto de vista do Comerciais
Ramo de Actividade Industriais
Agrícolas
Principais Fluxos Financeiros da empresa

a
g Empresa b
l Famílias
h
i
c d e
Exterior f j

m Instituições
Administrações Financeiras

a) Pagamentos de salário c)Pagamento de imposto i) Empréstimo das instituições


b)Pagamento de compra de bens d) Subvenções do estado financeiras as empresas
e serviços pelas famílias e) Pagamento de compra de j) Pagamentos de juros
l) Pagamento de dividendos aos bens e serviços pelas f) Pagamento de compra de bens
proprietários (família) administrações e serviços pelas instituições
g) Pagamento de importações financeiras
h)Pagamento de exportações m) Reembolso de empréstimos
Ambiente Ambiente
externo externo

Bens
Fornecedor
Pagamento
de materiais

Serviços
Fornecedor de Pagamento Empresa Bens e
serviço Serviços
(Adição de
Trabalho valor) Clientes
Pessoal Salários Pagamento

Prestações Públicas
Estado Impostos

Prestações Financeiras

Empréstimo Juros
As Operações da empresa: Os Fluxos

1. Investimentos.
2. Financiamentos.
3. Operacionais (explorações)

EXTERNOS INTERNOS

Fluxos reais e financeiros Observados dentro da


ligado a empresa com seus empresa.
parceiros económicos
1. Investimentos.

Normalmente são realizadas na


criação da empresa, renovação dos
equipamentos, novos equipamentos
2. Financiamento

1. Aspectos Financeiros. São


financiamento do capital, que
têm uma característica
estratégica.
2. Aspecto de tesouraria.
Caracterizado pelo ciclo de
exploração.
3. Operacionais (explorações)

1. Na industria.
Aprovisionamento – Transformação - Venda
2. No Comercio.
Aprovisionamento - Venda
Ligação entre os Fluxos

Operações Investimentos

Financiamentos
Tipos de Fluxos Externos

1. Fluxos reais de bens e serviços.


• Do ponto de vista do vendedor. (Constituem os
recursos que saem da empresa como
mercadorias)
• Do ponto de vista do comprador (compra de
equipamentos e materiais)
2. Fluxos não reais. São prestações de
serviços fornecidos para os outros agentes
económicos para além de empresas
industriais e comerciais. (Relações com:
Pessoal, Instituições financeiras, Estado)
Fluxos de transformação económica dos Valores Internos

Matérias e Produto Produto Produto


Mercadorias Acabado Vendido
Semi - Acabado

Níveis
De Custo de Preço de
Valor Compra Custo de Custo
Interno Produção
Capitulo II. Contabilidade como Sistema de
Informação

Acção
Activi Tomada de
dades Decisão
de Necessidades
output
serviç Contabilidade
de Informação

o
Dados
Input
Mensuraçã Acumulação Comunicação
o dos dados e Relatórios
Processamen Financeiros
to dos dados
Contabilidade como Técnica

Contabilidade

Postulados Princípios Convencões


Contabilidade como Técnica
Bases de Apresentação das demonstrações
financeiras
Continuidade; Obedece ao principio da
continuidade.

Acréscimo; Reconhecimento dos custos e


rendimentos quando ocorrem independemente
do pagamento ou recebimento.
Contabilidade como Técnica
Postulados.
Os postulados são proposições ou observações
de certa realidade não sujeita a verificação e
constituem a lei maior da Contabilidade, pois
definem o ambiente econômico, social e político
no qual esta deve actuar, o seu objecto de
estudo e a sua existência no tempo. São muitas
vezes chamados de "Pilares da Contabilidade",
por serem a base de toda a teoria contábilistica.
Contabilidade como Técnica
Estes postulados são classificados da seguinte maneira:

1)Postulados Normativos – Definem o que a contabilidade deveria


fazer ou como deveria fazer. É necessário antes de tudo uma
justificativa, uma explicação.

2)Postulados Descritivos – Descrevem e explicam porque e como


a informação contábilistica deve ser apresentada aos usuários.

3)Postulados Ambientais – Definem o ambiente onde a


contabilidade deve operar, ou seja, evidenciam o ambiente
econômico, social e político onde se desenvolve a contabilidade.
Contabilidade como Técnica
Estes Postulados subdividem-se em:
I. Postulado da Entidade: Considera que as
transações da actividade econômica seja
mantida separada dos sócios que a compõem.

II. Postulado da Continuidade: Observa a entidade


como algo em continuidade, cuja principal
finalidade é gerir e utilizar activos não para
serem vendidos, mas para servirem à entidade
no esforço de produzir receita.
Contabilidade como Técnica
Principios:

Os princípios servem de suporte aos postulados.


E através da evolução da técnica contábilistica em
função de novos factos sócio-econômicos,
modificações na legislação, novos pontos de vista,
ou outros factores, um princípio que hoje é aceite,
poderá ser modificado, para atender às inovações
ocorridas na vida empresarial.

Os princípios básicos, essenciais ao exercício da


Contabilidade são:
Contabilidade como Técnica
Princípio do Custo como Base de Valor; Estabelece que seja utilizado o valor

que a entidade sacrificou no momento da sua aquisição.

Princípio da Realização da Receita e Confrontação da Despesa

Determina que a receita deve ser considerada como realizada para compor o

resultado do exercício.

Princípio do Denominador Comum Monetário; Estabelece que a

Contabilidade seja processada em uma única moeda (moeda nacional).

Princípio da Competência: Estabelece que as receitas e as despesas devem

ser atribuídas aos períodos de sua ocorrência, independentemente do

recebimento e do pagamento.
Contabilidade como Técnica
Principio da Consistência; As demonstrações financeiras devem ser

mantidas de um período para outro.

Materialidade; a informação é considerada material se a sua omissão

puder influenciar a decisão econômica dos utentes baseadas nas

Demonstrações financeiras.

Não compensação dos saldos; Não compensar os saldos entre

activos e passivos.
Contabilidade como Técnica
Convenções Contabilísticas

As convenções são mais objectivas e têm a função de indicar a conduta


adequada que deve ser observada no exercício profissional da
contabilidade.

São elas:

1)convenção da objetividade
2)convenção da materialidade
3)convenção da consistência
4)convenção do conservadorismo
Contabilidade como Técnica
1) Convenção da Objectividade: O profissional deve procurar sempre exercer a
Contabilidade de forma objectiva, e os registros devem estar baseados, sempre que
possível, em documentos que comprovem a ocorrência do facto administrativo.

2) Convenção da Materialidade: A informação contábilistica deve ser relevante, justa e


adequada a realidade da entidade.

3) Convenção da Consistência: Os relatórios devem ser elaborados com a forma e o


conteúdo das informações consistentes. para facilitar sua interpretação e análise pelos
diversos usuários. Quando houver necessidade de adopção de outro critério ou método
de avaliação, o profissional deve informar a modificação e apresentar os reflexos que a
mudança poderá causar se não for observada pelo usuário.

4) Convenção do Conservadorismo: Estabelece que o profissional da Contabilidade


deve manter uma conduta mais conservadora em relação aos resultados que serão
apresentados, evitando que projeções distorcidas sejam feitas pelos usuários.
Processo de tomada de decisão

Fixações Alternativas Tomada Resultados


de de
objectivos Decisão

Retro alimentação
(Feedback)
Finalidades da Informação
Contabilística

Controlo

Planeamento Avaliação

• Como meio de
comunicação.
• Como meio de
motivação
Utentes da informação contabilística

1. Investidores
Avaliar o retorno do investimento, auxiliar na
tomada de decisão sobre comprar, deter ou
vender, determinar a capacidade da empresa
pagar dividendos.
2. Empregados
Avaliar a capacidade da empresa gerar emprego,
pagar ou aumentar os salários e garantir boa
reforma.
Utentes da informação contabilística
3. Financiadores.
Determinar a capacidade da empresa liquidar os empréstimos
efectuados, operar de forma continuada e cumprir com os
prazos estipulados para a liquidação dos empréstimos.
4. Clientes.
Avaliar se a empresa poderá operar de forma continuada e
garantir a satisfação das suas necessidades.
5. Gestão.
Auxiliar no cumprimento das suas responsabilidades de
planeamento, tomada de decisões e controlo.
Utentes da informação contabilística
6. Público.
Retirar informação acerca das tendências e do
desenvolvimento das suas actividades
7. Governo.
Avaliar a capacidade de alocação dos recursos
Regulamentar as actividades da empresa
Estabelecer políticas de tributação
Servir de base ao apuramento do rendimento
nacional e de estatísticas semelhantes
Características Qualitativa da informação
Contabilística
Relevância (Materialidade): A informação tem de ser
relevante para a tomada de decisões dos utentes.

•Fiabilidade (Representação fidedigna, substância


sobre a forma, Neutralidade, Prudência,
Plenitude): A informação tem de estar livre de erros
materiais e preconceitos.
Características Qualitativa da
informação Contabilística

Compreensibilidade: A informação deve ser


rapidamente compreendida pelos vários utentes.

Comparabilidade: A informação deve ser


comparável no tempo e entre empresas.
Ética Professional Contabilística

Objectivo
(Imparcialidade)
Integro (Honesto, Independente
sincero, subordinar
o beneficio pessoal (Não deve ter
ao serviço e relações que
confiança ao comprometem
público) Atencioso sua liberdade
de acção)
(Assumir suas
responsabilidades com
competência e dedicação)
Comparação entre Contabilidade Financeira
e Contabilidade de Custos
Base de Comparação Contabilidade Financeira Contabilidade de Custos
•É preparada para Usuários Externos Usuários internos
•Limitações Plano General de Feitas à media das
Contabilidade e Princípiosnecessidades de
Geralmente aceites informação de cada
empresa.
•Base de valor Custo Histórico Qualquer forma de
mensuração física ou
monetária.
•Quando preparada Principalmente pelo menos Periodicamente ( conforme
uma vez por ano determinado pela
administração).
•Perspectiva Toda a companhia Departamento, unidade ou
área.