Você está na página 1de 22

Atividades do Quotidiano

com Crianças e Jovens

UFCD 9639
Conteúdos
Organização e gestão do espaço educativo;

Adaptação da criança e do jovem aos diferentes contextos

educativos;

Planificação de atividades

Atividades do quotidiano da criança


Organização e gestão do
espaço educativo
Espaço
Tempo
Regras
Rotinas
Espaço
• Não existe uma organização exemplo, que sirva de modelo
• Organização do espaço adequada às características das
crianças
• “Área” é o termo utilizado para designar a forma que o
educador organiza o espaço
• Lugar de bem-estar, alegria e prazer, que proporciona
experiências
• Promove atividades do interesse das crianças
Modelos Pedagógicos
High-Scope
• Organização do espaço em áreas diferenciadas de
atividades
• Através da participação nas diferentes áreas, são vividos e
experienciados papéis sociais e relações interpessoais
• Área da cozinha, área do quarto, área da expressão plástica;
área das construções; área da biblioteca; etc.
• Sala de atividades deve ser reorganizada sempre que
necessário, não é fixa durante todo o ano letivo;
• Os materiais devem estar visíveis e acessíveis e etiquetados,
de modo a facilitar a autonomia das crianças no momento
de arrumação
Modelos Pedagógicos
Movimento Escola Moderna (MEM)
• A criança é um ser dinâmico e ativo
• Espaço organiza-se em 6 áreas básicas: biblioteca; oficina de
escrita, espaço da expressão plástica; oficina da carpintaria;
laboratório de ciências; canto dos brinquedos;
• Deverá também existir a área da cozinha – confeção de
alimentos por parte das crianças
• Áreas deverão ser o mais verdadeiras possível, utilizar
materiais autênticos e não espaços infantilizados
• Paredes da sala são expositores das produções das crianças.
Modelos Pedagógicos
Reggio Emilia
• Promove a interação social, a aprendizagem cooperativa e a
comunicação entre as crianças
• Existem vários espaços comuns: Piazza (envolve 3 salas de
atividades), atelier, arquivo, sala de música, biblioteca,
refeitório, cozinha, casas de banho
• Salas de atividades estão divididas em áreas, entre elas um
mini atelier e uma área para maior intimidade da criança
• Existe o espaço exterior, que deve favorecer uma
continuidade das atividades iniciadas no interior.
Tempo
• O processo de aprendizagem constrói-se no tempo
• As crianças precisam de tempo para:
• A ação
• A relação
• Se descobrirem a si próprios e aos outros
• Se situarem no mundo e se organizarem
• A organização do tempo contemplar momentos que
permitam às crianças:
• Comunicar, conversar entre si, planear, pôr em prática, participar nas
atividades, rever o que fizeram.
Regras
• São precisas regras para um bom funcionamento nos vários
momentos do dia e para melhor gestão do espaço e do grupo
• É fundamental que o educador assegure que as crianças
compreendem as finalidades de cada regra
• As regras devem ser poucas, simples, claras
• Quando criamos regras para a sala, devemos faze-lo em
conjunto com as crianças – negociar
Rotinas
• Essenciais para promover a autonomia
• Ajudam a criança a tornar-se responsável

• Zabalza define 6 pontos chave das rotinas:


• Marcos de referência
• Segurança
• Captação do tempo
• Captação cognitiva
• Virtualidades
• Atividades
Rotinas
• A rotina diária é importante por 3 razões:

• Proporciona uma sequência, ajudando a criança num processo de


exploração e decisões
• Dá espaço a muitos tipos de interação, em grande ou pequeno
grupo, entre as crianças
• Proporciona tempo para trabalhar numa grande variedade de
contextos, dentro da sala ou no exterior.
Atividades do Quotidiano da
Criança

1. Tarefas nos períodos de refeição


2. Tarefas nos períodos de descanso
3. Atividades diárias
4. Atividades físicas
5. Apoio escolar
6. Atividades domésticas
7. Atividades lúdico-pedagógicas
1. Tarefas nos Períodos de Refeição
 O espaço destinado para este fim deve ter material apropriado: cadeiras e mesas
adequadas e outros utensílios necessários.
 A situação das crianças deve ser adequada para que estejam, confortáveis,
tenham espaço suficiente e o adulto possa ajudá-los sem qualquer limitação.
 O refeitório deve ser um sitio o mais familiar possível, tranquilo e acolhedor.
 São os melhores momentos para trabalhar o sentido do gosto-descobrir os
diferentes sabores;
 Desenvolvimento de hábitos e costumes alimentares
saudáveis;
1. Tarefas nos Períodos de Refeição
 Desenvolvimento da motricidade fina;
 Aquisição de hábitos de convivência-desenvolvimento de competências sociais
(Ex: pedir por favor, aprender a resolver conflitos);
 Antes de cada refeição, habituar as crianças a lavar as mãos e a permanecer
sentadas enquanto comem, utilizando os talheres de forma correta;
 Incentivo a comer devagar e com a boca fechada;
 Promoção de autonomia;
2. Tarefas nos Períodos de Descanso
 O estabelecimento educativo deverá também ter em conta as
necessidades de descanso das crianças, assim deverá ter um lugar
especifico com camas suficientes para decorrer a hora da sesta
 Durante o dia, deverá existir uma área de descanso, onde as crianças
possam permanecer sozinhas, possam observar livros ou simplesmente
deitar-se para descansar.
 Esta zona deverá ser acolhedora e tranquila
(Ex: lugar com tapete e almofadas)
3. Atividades Diárias
 Estas atividades diárias têm um carater flexível pois estamos a lidar com
crianças e estas são imprevisíveis.
 Nas atividades diárias estão incutidas atividades orientadas, atividades livres,
atividades no exterior momento de refeição, de higiene e de repouso.
 O conjunto de atividades diárias promovem o desenvolvimento social,
cognitivo e motor da criança.
 As atividades diárias pressupõem as condições do espaço, a organização dos
recursos e a envolvência de todo o ambiente.
4. Atividades Físicas
 O movimento, o jogo, a ação corporal e a vivência das sensações constituem
um elo entre o eu, o mundo e os outros.
 Durante a infância as atividades corporais, os movimentos específicos,
brincadeiras constituem meios insubstituíveis para o desenvolvimento pessoal
na esfera motora, afetiva e cognitiva.

Redução da Aumento da Controlo de Melhoria da


ansiedade autoestima peso aptidão física
5. Apoio Escolar
O Apoio Escolar é um reforço para fortificar o processo de ensino-aprendizagem.

Podendo afirmar que é um reforço a avaliação e intervenção nas dificuldades

particulares de cada aluno, dificuldades relacionadas com o insucesso.

-Falta de capacidade de concentração;


-Método de estudo ineficaz ;
-Má gestão dos tempos de estudo.
5. Apoio Escolar
Realizar uma avaliação para identificar as dificuldades da criança para definir
um plano de intervenção, em que o principal objetivo é a aquisição e prática
de algumas competências fundamentais para o sucesso escolar.
Assim, com o apoio escolar pretende-se que a criança :

-Supere as suas dificuldades ao nível escolar;


-Adquira métodos e técnicas de estudo;
-Promova a motivação, confiança e autonomia;
-Rentabiliza o tempo de estudo
6. Atividades Domésticas
7. Atividades Lúdico-Pedagógicas
Lúdico deriva do termo latino “Ludus” e remete-nos para o brincar e o jogo

As brincadeiras e jogos podem e devem ser utilizados


como uma ferramenta de auxilio no processo de
ensino e aprendizagem .

-estabelece relações lógicas; Cabe à escola


-integra perceções incentivar atividades
-promove a socialização pedagógicas através do
-desperta a auto-confiança e auto-estima lúdico, porque brincar
-desenvolvimento afetivo e psicomotor é aprender
-promove a criatividade
Atividades
lúdicas