Você está na página 1de 13

Doença Inflamatória Pélvica

DIP
Adlberto Clemente Boca
Definição

• Segundo a (CDC) é um síndrome agudo devido a ascensão de


microorganismos da vagina, colo uterino aos orgãos do
aparelho reprodutor superior.
Epidemiologia
• A OMS estimou que no ano 2000 uma de cada duas mulheres
que alcançaram a idade reprodutiva nos anos 70 haviam tido
um episódio de DIP.

• Delas 25% foram internadas, 25% foram submetidas a cirurgia


maior e 20% ficaram esteres.
Etiologia e Patogenia

Supõem-se que a subida de bactérias até a parte superior


do aparelho reprodutor se facilita durante a menstruação
pela perda de barreiras endocevicais.

 Neisseria gonorrhoeae,  Peptoestreptococos

 Trichomonas vaginalis  Gardnerella vaginalis

 Escherichia coli
 Chlamydia trachomatis
 Estreptococos do grupo B.
Factores de risco

• Banhos vaginais
• Solteira
• Nível socioeconómico baixo
• Parceiro sexual com uretrites ou gonorreia
• Prova endocervical positiva para N. gonorrhoreae ou
C. Trachomatis
• Antecedentes ginecoobstetricos.
• A DIP anterior
Manifestações clinicas e diagnóstico
DIP assintomática
• É consequência de infeções assintomáticas.

• Se diagnostica em mulheres com esterilidade por factor


tubário.

• Geralmente apresentam anticorpos contra C. trachomatis


e/ou N. gonorrhoreae.

• Na laparoscopia e laparotomia pode se observar sinais


aderências, degeneração das células epiteliais secretoras e
perda da extensão dos cílios.

• Mas no geral as trompas tem um aspecto microscópico


normal
DIP aguda

• As pacientes apresentam dor na porção inferior do abdômen e


na região pélvica,
• Secreção vaginal amarelada,
• Menorragia,
• Febre e escalafrios,
• Anorexia, náuseas, vômitos e diarreia,
• Dismenorreia e dispareumia,
• Podem apresentar sinais de infeção urinaria,
• Dor na palpação do órgãos pélvicos.
Laboratório e imagiologia

• VSG
PCR
Abundantes leucócitos no exame microscópico das secreções
cervico-uterinas.
• Cultivo endocervical C. trachomatis e N. gonorrhoreae.
• Ecografia vaginal Abscesso tubo-ovárico.
• Laparoscopia Hiperemia da capa serosa tubaria, edema
das paredes tubarias e exsudato purulento no fundo do saco.
• Biopsia na endometritis aguda encontra-se leucócitos
pormofonucleares e na endomitritis crônica, células
plasmáticas.
DIP crônica

• Este diagnostico se
estabelece quando a mulher
apresenta uma dor pélvica e
antecedente de DIP aguda
• Na ecografia observa-se
trompas dilatadas
(hidrosálpinx)
Sequelas da DIP

• Infertilidade
• Gravidez ectópica
• Dor pélvica crônica
• Dispareumia
Tratamento

• Parenteral • Oral
Obrigado pela atenção

Você também pode gostar