Você está na página 1de 54

RELACIONAMENTO

INTERPESSOAL
Vanda Oliveira
Psicóloga
v.pires07@gmail.com . Telefone: 9978015
Conceito e historico
 O Ser humano vive em grupo.
 “Relações Humanas”

Juntas, essas duas palavras traduzem o significado de


convivio social.
 A conceituação original de relações humanas origina-se

dos anglo saxões que foram os primeiros a usar a


expressão em que, “ Relações” compreende a ideia de “
estabelecimento ou manutenção de contactos” e “
Humanas” que se aplica a “ tudo o que se refira ao
homem, como ser humano”
É IMPORTANTE RELACIONAR-SE ?
 Relações humanas são todos os contactos ou
interacções entre seres humanos que se verificam em
diferentes contextos.
É fácil relacionar-se ?
 Embora aparente simplicidade, é de grande
complexidade por se tratar de interacção de
pessoas, cada uma com suas características
pessoais, sociais e culturais. (Ribeiro, 2003)
 A prática das relações humanas significa não só
estabelecer ou manter contatos, mas estar
preparado para compreender o próximo,
respeitando sua personalidade.
Relações
publicas

Relações
comunitárias

Relações
Internacionais

Dinâmica de
grupo
 “Relações humanas” é a ciência do comportamento
humano, no seu relacionamento intra e interpessoal.”
Agostinho Minicucci
 Relacionamento interpessoal : O relacionamento entre as
pessoas que se verificam no lar, na igreja, na
comunidade, etc.
 Relacionamento Intra pessoal : Conhecer-se a si
mesmo. É uma conversa interior consigo mesmo, aceitar
as angustias e aprender a lidar com as emoções. É aquela
que mantemos com nos mesmos, um dialogo interior.
Pesquisadores

 Kurt Lewin
A produtividade de uma grupo e sua eficiência
estão estritamente relacionados não somente a
competência técnica de seus membros, mas
sobretudo com a solidariedade de suas relações.
Sendo ….

 Competência interpessoal
qualidade muito apreciada em profissionais, ou seja,
a habilidade de lidar com as pessoas de forma
adequada as necessidades de cada uma e as
exigências da situação.
 A competência técnica pode ser desenvolvida
através de cursos, seminários, conhecimento
literário especifico, mas o desenvolvimento da
competência interpessoal esta no treino.
 A competência interpessoal desenvolvida, favorece o
relacionamento interpessoal satisfatório, quando
exercidas as atitudes de:
-Respeito às diferenças individuais (aceitação do eu e o
outro);
-Comunicação efectiva;
-Feedback (produtivo, dar e receber);
-Controle emocional (equilíbrio);
-Autoconhecimento (auto percepção, auto aceitação, auto
crítica);
Fatores que de determinam os diferentes
tipos de relações interpessoais
1. Contexto de vida
O tipo de relações que as pessoas estabelecem,
depende dos meios onde estas se inserem e das
suas experiências quotidianas.
 Família
 Grupo de amigos
 Escola
 Comunidade
 Local de trabalho
 Em cada situação particular a relação centra-se em
conteúdos ou assuntos com ela relacionados.
 Sendo diferentes as atividades que os indivíduos
realizam em cada contexto, também o serão os
conteúdos da relação interpessoal.
2. Papel desempenhado
As pessoas desempenham papéis, consoante os
ambientes e os contextos onde se inserem.
Ex.: pai, filho, líder, consumidor, professor, etc.
3. O conteúdo da relação
Quando uma pessoa se relaciona com outra,
existem objetivos pessoais que condicionam essa
relação. As trocas, entre os indivíduos, variam de
acordo com o conteúdo ou matéria da relação.
4. O interlocutor
Todas as pessoas diferem, de algum modo, em
determinadas características, tal como nas crenças,
nos valores, nos conhecimentos, nas atitudes, etc.

Temos a tendência de regular o conteúdo da nossa


relação de acordo com o conhecimento que temos do
interlocutor. Quando conhecemos as crenças, os
valores etc, falamos de alguma coisas e não de outras,
escolhemos o conteúdo e a forma de comunicar.
 Trata-se de um processo mental regulador das
relações interpessoais.

 Ex. A relação que o adulto mantém com a criança


não pode ser do mesmo tipo que mantém com um
idoso, dadas as suas diferenças relativamente ao
nível de desenvolvimento da compreensão.
RELACIONAMENTO X SUCESSO...

80%
70%
60%
50%
Popularidade
40%
Carrancudas
30%
OUTRAS
20%
10%
0%
MÉDIA
RELAÇÕES INTERPESSOAIS

Forças que Forças que


Impulsionam Restringem
 Empatia + Vaidade
 Motivação + Apatia
 Iniciativa
+ Dependência
 Competência
 Apoio +Timidez
+ Manipulação
Por ultimo…

 Porque estudar Relações interpessoais num


curso de formação de cuidadores?
Aula 2

As principais Orientações e
Comportamentos no R.
Interpessoal
Teste de Assertividade
As principais Orientações e Comportamentos no R.
Interpessoal

Objectivos:
 Conhecer os diferentes estilos existentes na R.I

 Identificar e caracterizar cada um deles.

 Identificar as vantagens da comunicação

Afirmativa
 Exercícios

Mas antes...
Teste
 Existem estilos de comunicação, que não são mais que
formas diferentes formas de abordar uma situação
interpessoal.
1. Todas as pessoas têm determinados estilos
disponíveis para utilizar consoante a situação, mas há
sempre um que prevalece.
2. O estilo é eficaz em função da situação onde ela se
aplica.
3. A utilização dos estilos de forma indiscriminada dá
origem a problemas interpessoais.
Os estilos ou comportamentos possíveis são:

 Agressivo
 Passivo
 Manipulador
 Assertivo
Estilo agressivo
 Álibis ouvidos com maior frequência pelo
agressivo:
I. “ Neste mundo é preciso um homem saber impor-
se”.
II. “prefiro ser lobo a ser cordeiro”
III. “ As pessoas gostam de ser guiadas por alguém
com um temperamento forte”.
IV. “Os outros são todos uns fracos”
V. “ Se eu não me defender sou esmagado”
 A agressividade observa-se através de ataques
contra pessoas ou acontecimentos.
 A pessoa predominantemente agressiva tende a agir
como uma pessoa reivindicativa face aos outros.
 Age como se fosse intocável e não tivesse falhas,
nem cometesse erros.
 Mostra-se superior aos outros.
 Extremamente critico.
 Na relação com os outros tendem a ser tirânicos aos
ponto de desprezarem os direitos e sentimentos dos
outros.
 O seu principal objectivo é ganhar sobre os outros, de
os dominar e de os forçar a perder.
 As pessoas que adoptam este estilo não conseguem
estabelecer relações intimas e de segurança.
 Tem a consciência de que se deve proteger de possíveis
ataques e de possíveis manobras dos outros, porque
tem a consciência de que é mal entendido e não amado.
 O agressivo procura:
 Dominar os outros.
 Valorizar-se à custa dos outros.
 Ignorar e desvalorizar sistematicamente o que os
outros fazem ou dizem.
Algumas características comportamentais do
agressivo

1. Fala alto
2. Interrompe os outros
3. Faz barulho com os seu afazeres enquanto os
outros se exprimem.
4. Não controla o tempo quando fala.
5. Não olha o interlocutor de frente.
6. Manifesta um sorriso irónico.
7. Despreza e desaprova o que os outros dizem ou
fazem.

1- Elevada taxa de frustração no passado

teme toda a situação que possa causar o minimo de
frustração.

2- Medo latente- constantemente presente. Ligado a
experiências antigas.

3- Desejo de vingança – A pessoa está sempre em
posição de rivalidade. Não esquece velhas querelas
e velhos conflitos.
Estilo passivo
 A atitude passiva é uma atitude de evitamento perante as
pessoas e os acontecimentos.
 Em vez de se afirmar tranquilamente, o passivo afasta-se
ou submete-se, não age !
 É quase sempre um explorado, uma vitima.
 Raramente discorda dos outros.
 Tende a evitar conflitos a todo custo.
 Dificilmente diz não.
 Não afirma as suas necessidade porque é muito sensível
às opiniões dos outros.
 Não se realiza nem pessoal nem profissionalmente.
 sofre.
CONSEQUENCIAS


Ressentimentos e rancores (sente-se explorado e
diminuido)

Má comunicação com os outros porque não se
afirmae raramente se manifesta.

Perda de respeito por si próprio, porque
frequentemente faz coisas que não gosta e que não
consegue recusar

sofre
CONSEQUENCIAS


Ressentimentos e rancores (sente-se explorado e
diminuido)

Má comunicação com os outros porque não se
afirmae raramente se manifesta.

Perda de respeito por si próprio, porque
frequentemente faz coisas que não gosta e que não
consegue recusar

sofre
O estilo manipulador
 Não se envolve directamente nas relações
interpessoais, não se abre na relação com os outros.
 Caracteriza-se por manobras de distracção e
manipulação dos sentimentos dos outros.
 Considera-se hábil nas R.I, apresentando discursos
diferentes consoante os interlocutores.
 Parece um actor de teatro
 Nunca apresenta seus objectivos claramente.
Alguns comportamentos típicos.
 Desvaloriza o outro
 É tácito na relação interpessoal
 Deturpa a informação em proveito dos seus
interesses e objectivos;
 É Simulador;
 Gosta de criar conflitos;
 Culpa os outros.
CONSEQUÊNCIAS


Perde credibilidade

Quando descoberto tende a vingar-se dos outros

Dificilmente recupera a confiança dos outros.
ORIGEM


Educação tradicional onde a manipulação era o
único meio para atingir os objectivos

Acreditar de facto que:

- não se pode confiar nos outros

Não se pode nem deve ser franco e direto

A acção indireta é mais eficaz que o face-a-face
O estilo assertivo ou afirmativo
 As pessoas são capazes de defender os seu direitos,
os seus interesses e de exprimir os seus
sentimentos, os seus pensamentos e as suas
necessidades de forma aberta, directa e adequada.
 Respeitam o direito dos outros;
 Aceita que os outros pensem de forma diferente de
si;
 É a atitude propicia para negociação.
comportamentos
 Está a vontade na relação face a face
 É verdadeiro consigo mesmo e com os outros.
 Escuta os outros.
 Coloca as coisas muito claramente às pessoas,
negoceia na base objectivos precisos e claramente
determinados.
 Estabelece relações fundadas na confiança.
 Não deixa que o pisem, mas também não pisa ou
outros.
VANTAGENS


Respeito o individuo por si próprio, ao exprimir os
seus gostos, interesses, desejos e direitos.

O respeito pelos outros, pelos gostos, ideias,
necessidades e direitos.

O COMPORTAMENTO AFIRMATIVO É
APRENDIDO
Exemplos
Texto extraído do livro:ALBERTI & EMMONS Comportamento Assertivo:
um guia de auto-expressão. Belo Horizonte: Interlivros, 1978.

“JANTANDO FORA”
O Sr. e a Sra.A estão num restaurante de preços moderados. O Sr.A pediu
um bife especial, mas quando foi servido percebeu que estava muito bem
passado, ao contrário do que ele havia pedido. Seu comportamento é:
 Não-Assertivo:

 O Sr.A resmunga para a mulher a respeito do bife "queimado" e diz que não

volta mais neste restaurante. Ele não diz nada ao garçom e responde "tudo
legal" à sua pergunta "está tudo bem?". A sua noite e seu jantar são
altamente insatisfatórios e ele se sente culpado por não ter tomado uma
atitude. A auto-estima do Sr.A e a admiração da Sra.A por ele são diminuídas
pela experiência.
 Agressivo:
O Sr. A chama o garçom à mesa e é injusto e
grosseiro com ele por não ter atendido bem. A sua
atitude ridiculariza o garçom e constrange a Sra.A.
Ele pede e recebe outro bife mais de acordo com o
que queria. Ele se sente controlando a situação,
mas o embaraço da Sra.A cria atrito entre eles e
estraga a noite. O garçom fica humilhado, zangado
e sem jeito o resto da noite.
 Assertivo:
O Sr.A chama o garçom à sua mesa, lembra-lhe que
pediu um bife especial, mostra-lhe o bife bem
passado, pede-lhe educada mas firmemente que o
troque por um mal passado como ele havia pedido.
O garçom pede desculpa pelo erro e rapidamente o
atende. O casal aprecia o jantar e o Sr.A se sente
satisfeito consigo mesmo. O garçom se sente feliz
com o freguês satisfeito e o serviço adequado.
MÉTODO BOWER


Permite o treino e o desenvolvimento da atitude de
auto-afirmação.

Vantagens:

- Diminuir as tensões entre as pessoas em qualquer
dominio da vida particular, familiar ou profissional

Favorece a negociação com base no entendimento

Favorece o equilibrio psicológico e o bom clima ,
quer no trabalho , quer na familia.
Técnica de auto-afirmação - DEEC

D Descrever O Sr. A descreve o comportamento do Sr. B de


forma tão precisa e objectiva quanto possível,
sem emitir juízos de valor. É factual.

E Expressar O Sr A transmite ao Sr. B o que pensa e sente em


relação ao seu comportamento. Revela os seus
sentimentos, preocupações e desacordos.

E Especificar O Sr. A propõe ao Sr. B uma forma realista de


modificar o seu comportamento.

C Consequência O Sr. A tenta interessar ao Sr. B pela sua proposta,


indicando-lhe as possíveis consequências benéficas
do novo comportamento que lhe é proposto.
Quando se deve utilizar a auto-afirmação

 Quando é preciso dizer qualquer coisas de


desagradável a alguém.
 Quando se pretende pedir qualquer coisa de
invulgar.
 Quando é necessário dizer não àquilo que alguém
pede.
 Quando se é criticado.
 Quando se pretende desmascarar uma manipulação.
EXERCÍCIOS
 Nem passivo nem agressivo: assertivo !
 Situação 1: Um estudante consegue adquirir um livro

indicado pelo professor. Ao dirigir-se para um local


sossegada para iniciar seus estudos, encontra um
colega que, vendo o livro na sua mão, solicita-o por
empréstimo. Ele então:
Desempenho A:
Este livro? Sei… você precisa dele? Bem… é que eu
ia estudar, mas se for por pouco tempo…Então pode
levá-lo.
 Desempenho B:
Gostaria de emprestá-lo, mas vou ter que estudar
hoje e amanhã para a prova. Sinto muito, dessa vez
não vai ser possível.
 Desempenho C

Negativo cara ! Vou estudar e, além disso, tenho cara


de biblioteca?
 Situação 2: Antónia foi injustamente criticada pelo
seu chefe por falhas que não foram da sua
responsabilidade. Um colega aproveita também
para criticá-la e olha para os colegas esperando
aprovação. Você:
 Desempenho A: Qual é a sua, hein?! Em primeiro
lugar você não tem moral para estar criticando
ninguém. Em segundo lugar não se chuta cachorro
morto. Em terceiro, chega de conversa fiada.
 Desempenho B: Bem, não sei se concordo…pode
ser que você tenha razão. Talvez…olha acho que é
melhor a gente deixar as coisas como estão. E se
pioram?
 Desempenho C : Eu não concordo com essas
criticas. A Antónia é uma pessoa merecedora de
respeito. Creio que estamos mal informados. Sugiro
que a gente vá esclarecer isso com ele , tão logo seja
possível. Eu me prontifico a ir, sozinho ou com
outros colegas.
 Situação 3: Paulo compra uma mercadoria e ao
chegar em casa percebe que ela está com um defeito.
Dirige-se novamente á loja e:
 Desempenho A: Olha a mercadoria…dá para o Sr.

trocar … parece que tem defeito. Bem, eu não quero


ser chato, mas a minha mulher…sabe como é…Ela…
ela…
- Desempenho B: Hey mocinha, onde foi para o
controle de qualidade da loja? Ninguém viu que a
peça está com defeito? Quero outra já e rapido!
- Desempenho C: É o senhor que resolve sobre a
troca de produto com defeito? É que este que me
entregaram tem problema. Faça-me o favor de
trocá-lo bem rapidinho porque estou com muita
pressa.
 Muito Obrigada !!