Você está na página 1de 40

Origem do

Empreendedorismo

Profa. Karina R. Fernandes


Uninove - 2008 1
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

A palavra empreendedor foi utilizada


pela primeira vez na língua francesa no
início do século XVI, para designar os
homens envolvidos na coordenação de
operações militares. Mais tarde, por
volta de 1765 o termo começou a ser
utilizado na França para designar
aquelas pessoas que se associavam
com proprietários de terras2
e
trabalhadores assalariados.
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

Contudo, o termo empreendedorismo


era utilizado também nessa época,
para denominar outros aventureiros
tais como construtores de pontes,
empreiteiros de estradas ou
arquitetos.

3
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

Por volta de 1800 o economista francês Jean


Batist Say utilizou novamente o termo
empreendedor em seu livro Tratado de
Economia Política. Segundo ele
empreendedor é o responsável por "reunir
todos os fatores de produção... e descobrir
no valor dos produtos... a reorganização de
todo capital que ele emprega, o valor dos
salários, os juros, o aluguel que ele paga,
4

bem como os lucros que lhe pertencem".


ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

O mesmo autor, apresentou alguns


requisitos necessários para ser
empreendedor, tais como: julgamento,
perseverança e um amplo conhecimento
sobre o mundo, assim como sobre os
negócios. Deveria também, segundo ele,
possuir a arte da superintendência e da
administração. 5
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

Contudo, foi a Inglaterra o país que


mais dedicou esforços para definir
explicitamente a função do
empreendedor no desenvolvimento
econômico. Dentre os ilustres
teóricos que ofereceram uma grande
contribuição para o entendimento do
fenômeno do empreendedorismo
ressaltam-se, Adam Smith e Alfred 6

Marshall.
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

Adam Smith, caracterizou o


empreendedor como um proprietário
capitalista, um fornecedor de capital e,
ao mesmo tempo, um administrador
que interpõe-se entre o trabalhador e o
consumidor. O conceito de Smith,
refletia uma tendência da época de
considerar-se o empreendedor como
alguém que visava somente produzir
7

dinheiro.
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

Entretanto, o empreendedor foi


caracterizado pelo economista inglês
Alfred Marshall como alguém que se
aventura e assume riscos, que reúne
capital e o trabalho requeridos para o
negócio e supervisiona seus mínimos
detalhes, caracterizando-se pela
convivência com o risco, a inovação e
a gerência do negócio. 8
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

Somente em 1911, com a publicação


da obra Teoria do Desenvolvimento
Econômico de Joseph A. Schumpeter,
é que a conotação de empreendedor
adquiriu um novo significado.

9
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

Segundo este autor: "o empreendedor é


o responsável pelo processo de
destruição criativa, sendo o impulso
fundamental que aciona e mantém em
marcha o motor capitalista, criando
novos produtos, novos métodos de
produção, novos mercados e
implacavelmente, sobrepondo-se aos
antigos métodos menos eficientes e10

mais caros".
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

Posteriormente, o empreendedor
começou a despertar interesse e ser
estudado por pesquisadores de vários
ramos de atividade da ciência como: a
psicologia, administração, economia,
sociologia, entre outras, que dedicaram-
se a pesquisar o empreendedor, seu
papel, suas características, ocasionando
o surgimento de uma variedade de 11

definições.
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

Peter Drucker definiu empreendedores


como pessoas que inovam.

"A inovação é o instrumento específico


dos empreendedores, o meio pelo qual
eles exploram a mudança como uma
oportunidade para um negócio ou um
serviço diferente".
12
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

Low e MacMillan definiram que, os


"empreendedores são indivíduos que
tomam iniciativa, identificam e criam
oportunidades de negócios, através da
reunião e coordenação de combinações
de novas pesquisas".

13
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

Embora nos estudos e pesquisas


relacionados com o empreendededor
haja muitas diferenças e disparidades a
respeito das exatas definições, pode-se
perceber que há um consenso entre os
estudiosos de que, o que distingue o
empreendedor das outras pessoas é a
maneira como este percebe a mudança e
lida com as oportunidades. 14
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

Segundo Peter Drucker, o


empreendedor sempre está
buscando a mudança, reagindo a
ela e a explorando como sendo uma
oportunidade.

15
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

Pesquisas e estudos acadêmicos


sobre empreendedores tem crescido
significativamente nos últimos anos
com o reconhecimento de que os
empreendedores são os maiores
propulsores do desenvolvimento
econômico da maioria dos países.

16
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

O empreendedor como veremos a


seguir, pode ser estudado sob diferentes
enfoques e também, por uma variedade
de áreas de conhecimento, tais como a
psicologia, sociologia, pedagogia,
economia, administração e outros.

17
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

DATA AUTOR CARACTERÍSTICAS


1848 Mill Tolerância ao risco
1917 Weber Autoridade formal
1934 Schumpeter Inovação, iniciativa
1954 Sutton Busca de responsabilidade
1959 Hartman Busca de autoridade formal
1961 McClelland Necessidade de realização

1963 Davids Responsabilidade e auto confiança

1964 Pickle Habilidade de comunicação


18
DATA AUTOR CARACTERÍSTICAS
1971 Palmer Avaliador de riscos
Necessidade de realização, autonomia,
Hornaday e
1971 agressão, poder, reconhecimento,
Aboud
inovação, independência
1973 Winter Necessidade de poder
1974 Borland Controle interno
1974 Liles Necessidade de realização
1977 Gasse Orientado por valores pessoais
1978 Timmons Auto confiança, orientado por metas
1980 Sexton Energético e ambicioso

Welsh e Necessidade de controle, corredor de


1981
White riscos moderados
Dunkelberg Orientado ao crescimento,
1982 19

e Cooper profissionalização e independência


ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

O trabalho pioneiro realizado acerca das


características comportamentais dos
empreendedores foi conduzido pelo
Professor da Universidade de Harvard,
David McClelland em 1961.

20
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

McClelland realizou vários estudos


sobre a questão da motivação e
desenvolveu uma teoria sobre a
motivação psicológica, baseado na
crença de que o estudo da motivação
contribui significativamente para o
entendimento do empreendedor.

21
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

Segundo sua teoria de motivação


psicológica, as pessoas são
motivadas por três necessidades:

• Necessidade de realização
• Necessidade de afiliação
• Necessidade de poder

22
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

Segundo McClelland a necessidade de


realização é a necessidade que o
indivíduo tem de por a prova seus
limites, de fazer um bom trabalho.
Pessoas com alta necessidade de
realização procuram mudanças em
suas vidas, estabelecem metas e
colocam-se em situações competitivas,
estipulando também para si, metas que
23

são realistas e realizáveis.


ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

Seus estudos comprovaram que a


necessidade de realização é a primeira
necessidade identificada entre os
empreendedores bem sucedidos. É a
necessidade de realização que
impulsiona as pessoas a iniciar e
construir um empreendimento.

24
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

A necessidade de afiliação existe


apenas quando há alguma evidência
sobre a preocupação em estabelecer e
manter, relações emocionais positivas
com outras pessoas.

A necessidade de poder é
caracterizada principalmente pela forte
preocupação em exercer influência 25

sobre os outros.
ORIGEM DO EMPREENDEDORISMO

O ponto chave das características dos


empreendedores é a sua alta
necessidade de autonomia,
independência e auto confiança.

26
EMPREENDEDORISMO NO BRASIL

O ato de empreender em nosso país foi


desprezível até a proclamação da
republica. Do período colonial e imperial
não se tem dados efetivos de ações
empreendedoras. Pode-se notar
algumas tentativas empresariais, mas
todas recaíam nos interesses do Rei de
Portugal ou nos interesses dos
familiares do Imperador.. 27
EMPREENDEDORISMO NO BRASIL

Com o fim da escravatura o conceito


de trabalho foi modificado. Deixou de
ser algo destinado a escravos e sem
remuneração para se tornar uma
atividade humana, remunerada e
também estratégica.

28
EMPREENDEDORISMO NO BRASIL

A proclamação da república, no ano


seguinte ao processo de libertação
dos escravos, permitiu que surgisse o
pensamento liberal, as iniciativas
empreendedoras e a criação de
empregos.

29
EMPREENDEDORISMO NO BRASIL

Surgiu então, o fenômeno da


imigração. Os primeiros imigrantes
eram europeus. Trouxeram sua
cultura e principalmente a habilidade
em lidar com dinheiro e negócios. As
regiões Sul e Sudeste do Brasil ainda
apresentam influência cultural dos
europeus.
30
EMPREENDEDORISMO NO BRASIL

Da influência européia restou-nos


uma habilidade de país montador por
excelência. Podemos influenciar na
mudança de um projeto mas não
elaboramos um projeto na íntegra. O
nosso parque industrial vive e
sobrevive daquilo que outras nações
dispensam.
31
EMPREENDEDORISMO NO BRASIL

Falta-nos um pouco de maturidade


técnica para criar modelos. Somos
excelentes reprodutores de modelos e
feitores de moldes.

Isso porque paralelamente ao


surgimento de novos empregos, o
povo brasileiro daquela época ficou
dependente de patrões estrangeiros.
32
EMPREENDEDORISMO NO BRASIL

Atualmente o nosso quadro é um


pouco mais otimista. Somos uma
miscigenação racial. Essa diversidade
formatou um povo alegre mas sem
noção política e econômica. Assim
não fomos hábeis em desenvolver
negócios. Os poucos que se
destacam são isoladamente
diferenciados da maioria. 33
EMPREENDEDORISMO NO BRASIL

O que pensamos em termos de


empreendedorismo ainda passa pela
possibilidade de um bom emprego,
carteira assinada ou talvez um cargo
público.

O quadro pode ser mudado a longo


prazo quando se passa a ensinar nas
escolas superiores as noções de 34
EMPREENDEDORISMO NO BRASIL

O contexto até aqui verificado pode ser


melhor analisado quando consideramos
que os fatores históricos explicam um
outro fenômeno que pode ser observado
em alguns indivíduos de nossa
sociedade. Os especialistas chamam de
“Síndrome do empregado”

35
EMPREENDEDORISMO NO BRASIL

A “Síndrome do empregado” refere-se à


pessoa que:
• É dependente, no sentido de que
necessita de alguém para se tornar
produtivo, ou seja, para trabalhar;
• Descuida de outros conhecimentos que
não sejam voltados à sua especialidade;
• Domina somente parte do processo; 36
EMPREENDEDORISMO NO BRASIL

• Não é auto suficiente: exige supervisão


e espera que alguém lhe ofereça o
caminho;
• Não busca conhecer o negócio como
um todo: a cadeia produtiva, a dinâmica
dos mercados, a evolução do setor;
• Não se preocupa com o que não existe
ou não é feito: tenta entender e
37

especializar-se somente no que existe;


EMPREENDEDORISMO NO BRASIL

• Não se preocupa em transformar as


necessidades dos clientes em produtos
e serviços;
• Não percebe a importância do
marketing;
• Não procura conhecer o ambiente
externo que oferece ameaças e
oportunidades; 38
EMPREENDEDORISMO NO BRASIL

• Raramente é agente de inovações: não


é criativo, não gera mudanças e não
muda nem a si mesmo;
• Mais faz do que aprende, executando
de acordo com o que foi mandado;
• Não tem a preocupação em formar sua
rede de relações, estabelece baixo nível
de comunicação; 39
EMPREENDEDORISMO NO BRASIL

• Tem medo do erro ( que é punido em


nosso sistema de ensino e em nossa
sociedade) e não o toma (o erro) fomo
fonte de aprendizado.

40

Você também pode gostar