Você está na página 1de 31

SSMA

TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS


SOCORROS URGENTES

ABORDAGEM PRIMÁRIA
OBJETIVO ATENDIMENTO INICIAL
EXAME DA CENA
Modo de isolamento corpóreo.
 Avaliar a cena e identificar
Segurança da Sena.
rápidamente situações de riscos.
Mecânismo de injúria natureza da doença.
 Identificar o mecânismo de injúria
Número de pacientes.
e possíveis lesões.
Considerar recursos naturais.
 Efetuar avaliação conforme
Considerar imobilização da coluna.
prioridades.
 Iniciar Suporte básico de vida.
Avaliação da Cena
 Definir transporte rápido.
Trauma Clínico
 Imobilizar e transportar ao
hospital. c
v
Abordagem primária Histórico e
Abord.
Primária

Abordagem secundária
EXAME DA CENA SEGURANÇA DA CENA

 Equipamento de 1. Segurança própria.


proteção individual 2. Segurança da equipe e
 Segurança na cena. curiosos.
 Mecânismo de Injuria / 3. Segurança da vítima
Natureza da doença.
 Número de pacientes.
 Recursos adicionais. • Acionar outros serviços se
 Imobilizar Coluna necessário: Bombeiros , PM ,
Cervical. Eléctro etc...
SEGURANÇA DA CENA : PERIGOS POTENCIAIS

 Trafego na cena
 Substâncias Instáveis
 Vazamento de gasolina
 Materiais elétricos ( Energizado )
 Potencial de violência
 Fogo ou Fumaça

MECÂNISMO DE INJÚRIA

 Confirmar tipo de acidente( Transito , Queda , FAF, FAB)


 Verificar variantes ( Tipo de colisão , altura , calibre da arma)
 Quantidade de força.
 Tempo de duração.
 Área do corpo atingido.
NATUREZA DA DOENÇA:

 Procurar por explicações para determinar a natureza da doença.


 Muitas vezes descrita pela queixa principal do paciente.
 Pegar informações do paciente das pessoas na cena.
 Observar a cena

NUMERO DE VÍTIMAS
 Verificar quantidade de vítimas.
 Por principio sempre solicitar
uma ambulância para cada
vítima.
 Mais de cinco vítimas –
Protocolo de AUMUV –
Atendimento a múltiplas vítimas.
RECURSOS ADICIONAIS:

Considerar apoio para:

 Segurança na cena.
 Retirar vítima de local de difícil acesso ( Altura , espaço confinado,
entricheirado , preso em ferragens.)

VIAS AÉREAS E CONTROLE CERVICAL

 Realizando o controle cervical , pergunte como está a vítima.


VÍTIMA RESPONDE: VVAA permeáveis e respira;
 ‘ A ‘ e ‘ B ‘ Resolvidos.

VÍTIMA NÃO RESPONDE: Verifique pulso central , ( carótido ou femural) e


acione SAV.

PULSO PRESENTE: Verifique VVAA e Respiração.


PULSO AUSENTE : Inicie protocolo RCP.
ABRINDO VIAS AÉREAS:
 Manobra traçada da mandíbula
Manobra de hipertensão do pescoço.

 Realizar em vítima de trauma


quando a tração é ineficiente.
B : RESPIRAÇÃO ABRA AS VIAS AÉREAS:
• VER
 Vítima fala - B - resolvido • OUVIR
• SENTIR
B : RESPIRAÇÃO

Checando a respiração.
• Asfixia
• Taxa
• Profundidade
• Cianose
• Sons pulmonares
• Movimento de tórax

C : CIRCULAÇÃO E CONTROLE DE GRANDES HEMORRADIAS:

CHECANDO O PULSO DA VÍTIMA:


Consciente : Pulso radial
Incosciente: Pulso Carotídeo

PRESENÇA:
• Taxa
• Rítmo
• Força
C : CIRCULAÇÃO E CONTROLE DE GRANDES HEMORRAGIAS.

CHECANDO PERFUSÃO:
 Cor
 Temperatura
 Condição da pele
 Enchimento capilar – Perfusão.
 Procurar por sangue no chão e/ou roupa

CIRCULAÇÃO E CONTROLE DE HEMORRAGIAS NORMAIS.


 Ir para passo ‘ D’

ALTERAÇÃO DE CIRCULAÇÃO.
 Choque Hipovolêmico
 Sem sangue aparente – Hemorragia interna.
 Acionar SAV ( Médico)

AUSENCIA DE CIRCULAÇÃO( NÃO HÁ PULSO)


 Compressão cardíaca.
D: ESTADO NEUROLÓGICO:

AVALIAR SISTEMA DO SISTEMA NERVOSO.


 Nível de conciente
 Reação das púpila.

NÍVEL DE CONCIÊNCIA.
 Glasgow

REAÇÕES DAS PÚPILAS.


 Fixa sem reação a lux.
 Dilata com luz e contrai sem .
 Reação lenta.
 Abertura desiguais.
ALTERAÇÃODO ESTADO NEUROLÓGICO

CAUSAS DE DIMINUIÇÃO NO NÍVEL DE CONCIÊNCIA


 Oxigenação Cerebral – Hipóxia
 Traumatismo Cranioencefálico.
 Intoxicação por álcool ou droga.
 Problemas Clínico-metabólicos

E : EXPOSIÇÃO A VÍTIMA.
 Expor a vítima para exame secundário.
 Preservar o pudor da vítima.
 Preferencialmente realizar exposição dentro da ambulância.
ABORDAGEM PRIMÁRIA PARA VÍTIMAS INCONCIÊNTES.

ETAPAS:

C - Circulation ( Circulação
e Hemorragia.
A - Airway ( Vias aéreas)
B – Breathing ( Respiração)
D – Desability ( Estado
Neurológico)
E – Exposure ( Exposição
da vítima /ambiente.
ABORDAGEM PRIMÁRIA PARA VÍTIMAS INCONCIÊNTES.

ETAPAS:
C - Circulation ( Circulação
e Hemorragia.
A - Airway ( Vias aéreas)
B – Breathing ( Respiração)
D – Desability ( Estado
Neurológico)
E – Exposure ( Exposição
da vítima /ambiente.
PACIÊNTES PRIORITÁRIOS:

 Dificuldade em respirar  Parto complicado.


 Impressão geral desfavorecida  Hemorragia incontrolável.
 Inconciência sem reflexo de GAG;  Conciente mas incapaz de responder
 Dor severa no peito. comandos.
 Sinais de pouca perfusão.  Incapacidade de mover qualquer
parte do corpo.
DECISÃO DE TRANSPORTE.

 Condição do paciênte.
 Disponibilidade de cuidado avançado.
 Distância para transportar.
 Protocolo local.
ABORDAGEM SECUNDÁRIA
OBJETIVOS: ABORDAGEM SECUNDÁRIA;

 Estudar a abordagem  Exame mais profundo baseado no


secundária da vítima , exame físico.
reconhecendo sinais e
sintomas de lesões nos  Só pode ser feito se o tempo e a
diversos segmentos. condição do paciente permitir.

 Executar a abordagem  Normalmente realizado na rota


secundária da forma correta , para o hospital.
visando a evolução favorável
da vítima.

 Realizar a conectividade entre


os conteúdos já ministrados
entendendo o APH como uma
situação contínua.
ABORDAGEM SECUNDÁRIA; EXAME SEGMENTAR:
Primeiro passo: Realizar Inspeção , palpação e ausculta
buscando:
 Exame segmentar : Exame de
todos os segmentos do corpo :  INSPEÇÃO: Cor da pele , sudorese,
Inspeção , palpação e ausculta. simetria , alinhamento , deformidade ,
hemorragia e ferimento.
Segundo passo:
 PALPAÇÃO: Deformidade , crepitação
 Verificação de sinais vitais: rigidez , flacidez , temperatura e
Pulso , frequência respiratória , sudorese.
pressão arterial e temperatura.
 AUSCULTA: Tórax ( Pulmões e
Terceiro passo: Oximetria ( SaO2) coração)-Procedimento médico.

Quarto passo : Escala de coma.


EXECUTANDO EXAME SEGMENTAR:
REAÇÕES DAS PUPÍLAS:
 Visualize e palpe realizando as
verificações.  Fixa , sem reação a luz.
 Olhe para o rosto.  Dilata com a luz e contrai sem.
 Inspecione a área ao redor dos olhos e  Reação lenta.
pálpebras.  Aberturas desiguais.
 Examine os olhos.
EXECUTANDO EXAME SEGMENTAR:

 Puxe a orelha do paciente.


 Use uma lanterna clinica para  Procure por lacerações na
procurar por sangue ou vazamento no cabeça.
 Palpe o Zigomático.
ouvido.
EXECUTANDO EXAME SEGMENTAR:

 Palpe o maxilar  Acesse a boca o nariz em busca


 Palpe a mandíbula de obstruções ou cianose.
 Procure por odores em comum.
EXECUTANDO EXAME SEGMENTAR:

 Olhe para o pescoço.  Olhe para o tórax


 Palpe a parte da frente e de trás do  palpe gentilmente acima das
pescoço. costelas.
 Examine as veias jugulares.
EXECUTANDO EXAME SEGMENTAR:

 Escute os sons da respiração.  Examine abdômen e pelve


 Escute as bases e ápices dos  Palpe gentilmente o abdômen.
pulmões.  Comprime gentilmente a pelve.
EXECUTANDO EXAME SEGMENTAR:

 Pressione gentilmente as cristas  Verifique pulso e enchimento


ilíacas. capilar , mobilidade articular ,
 Inspecionar digitais se sugerir lesões. força motora e sensibilidade.
EXECUTANDO EXAME SEGMENTAR: FINALIZANDO A ABORDAGEM
SECUNDÁRIA.
 Realizar rolamento de 90 ou 180
grau. REALIZE A CONTAGEM DO
 Cheque as costas em procura de NUMERO DE RESPIRAÇÕES.
deformidades.
 Deitar vítima na tábua.  Numero de movimento respiratório
em 60 seg.
REALIZE CONTAGEM DAS
PULSAÇÕES.
 Numero de pulsos em 60 seg.
 Verifique a pressão arterial.
 Verifique a temperatura.
 Oximetria –Saturação O 2
 Escala de coma e trauma.
ABERTURA OCULAR RESPOSTA VERBAL
RESPOSTA ESCALA DE COMA DE GLASGOW
MOTORA
ESCALA DE COMA DE GLASGOW
REAVALIAÇÃO DOS SINAIS VITAIS.

 Reavalie vítima estáveis a cada 15 minutos.


 Reavalie vítima instáveis a cada 15 minutos.
FIM
INSTRUTOR: EVONEI RAMOS

 TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO


 BOMBEIRO PROFISSIONAL CÍVIL
 SOCORRISTA RESGATISTA