Você está na página 1de 24

28/09/2010

Introdução a Engenharia de
Reservatórios

Prof. Severino Rodrigues


de Farias Neto

Unidade Acadêmica de
Engenharia Química
Reservatório Volumétrico
Anormalmente Pressurizado
Os reservatórios de gás, de uma maneira geral,
podem ser desprezadas as compressibilidades das
rocha e da água conata.

Todavia, em reservatórios onde a rocha é inconso-


lidada, ou seja, altamente compressível e a com-
pressibildade do gás é menor do que a usual.

Nesses casos as as hipóteses de compressibili-


dade da rocha e da água conata não podem
desconsideradas.

Prof. Severino R. de Farias Neto 2


Reservatório Volumétrico
Anormalmente Pressurizado
Nesse tipo de reservatório podem apresentar:
Gradientes de
Compressibilidade Tipo de rocha
pressão
(cm²/kgf) (-)
(kgf/cm²/cm)
0,20 430.10-6 Inconsolidada
0,10 70.10-6 consolidada

Hipóteses:
• são consideradas as compressibilidades da rocha
e da água conata;
• não há produção de água.

Prof. Severino R. de Farias Neto 3


Reservatório Volumétrico
Anormalmente Pressurizado
Com estas considerações então:

V  Vi  V

Aqui V   cwVwi  c f V pi  P

cw e c f sáo as compressibilidades da água e da rocha;


Vwi volume inicial de água conata;
V pi volume poroso inicial;
P  pi  p queda de pressão no reservatório em
relação à pressão inicial pi

Prof. Severino R. de Farias Neto 4


Reservatório Volumétrico
Anormalmente Pressurizado
Ao substituir essas definições em :

p 1  pi Vi p0 T 
   Gp 
Z V  Zi T0 
Então,
p 1  pi Vi p0 T 
   Gp 
Z Vi  V  Zi T0 
ou
p 1  pi Vi p0 T 
   Gp 
Z Vi   cwVwi  c f V pi  P  Zi T0 

Prof. Severino R. de Farias Neto 5


Reservatório Volumétrico
Anormalmente Pressurizado
Da definição de saturação de fluidos:
Vwi  S wiV pi 
 S wi - saturação da água conata
Vi 
V pi   em condições-padrão
1  S wi 
Ao substituir essas definições em :
p 1  pi Vi p0 T 
   Gp 
Z Vi   cw S wiV pi  c f V pi  P  Zi T0 

p 1  pi Vi p0 T 
   Gp 
Z Vi   cw S wi  c f  V pi P  Zi T0 

Prof. Severino R. de Farias Neto 6


Reservatório Volumétrico
Anormalmente Pressurizado
Assim,
p 1  pi Vi p0 T 
   Gp 
Z V  c S  c P  Vi  Zi
Ou
i  w wi f  1-S T0 
wi

p 1 1  pi Vi p0 T 
   Gp 
Z
1
 cw Swi  c f  P Vi  Zi T0 
1-S wi
Ou ainda,

p   cw S wi  c f  P  pi p0 T
1    Gp
Z 1-S wi  Zi T0 Vi

Prof. Severino R. de Farias Neto 7
Reservatório Volumétrico
Anormalmente Pressurizado
Utilizando as definições:
ziTpo
Vi  GBgi e Bgi 
To pi
Ou
p   cw S wi  c f  P  pi pi
1    Gp
Z 1-S wi  Zi Zi G

Definindo-se:
cw S wi  c f pi
cwef  e b
1-S wi Zi G

Prof. Severino R. de Farias Neto 8


Reservatório Volumétrico
Anormalmente Pressurizado
• Então,

p pi
1  cwef P    b  G p
Z Zi

cwef - compressibilidade efetiva do sistema


água-formação

Prof. Severino R. de Farias Neto 9


Reservatório Volumétrico
Anormalmente Pressurizado
pi
Previsão
Zi
Previsão
p
Z

Histórico

Gp G G
­Reservatório volumétrico anormalmente pressurizado
­Reservatório volumétrico de gás seco
Prof. Severino R. de Farias Neto 10
Reservatório de gás seco
sob influxo de água
Quando um reservatório de óleo ou de gás
apresenta um aqüífero adjacente, a queda de
pressão do reservatório decorrente da produção
dos fluidos pode provocar a expansão da água do
aqüífero e, assim, o influxo de água para o
reservatório.

Obs - O conhecimento do volume de água que flui do


aquífero para o reservatório é fundamental para a
realização do estudo de ajuste de histórico e da
previsão do comportamento do reservatório.

Prof. Severino R. de Farias Neto 11


Reservatório de gás seco
sob influxo de água

O ajuste de histórico de produção é um processo de


calibração de um modelo de simulação através do
aperfeiçoamento da caracterização do reservatório.

É uma das tarefas mais realizadas pelo profissional


ligado à simulação de reservatórios e ao
gerenciamento de campos de petróleo.

Prof. Severino R. de Farias Neto 12


Reservatório de gás seco
sob influxo de água

O ajuste de histórico é necessário devido:

a) às incertezas presentes no reservatório;


b) ao alto custo das informações;
c) a perda de informações na passagem dos dados da
escala geológica para e escala de simulação, o
modelo de simulação concebido na fase de
caracterização de reservatórios normalmente
apresenta grandes limitações para previsão de
produção.

Prof. Severino R. de Farias Neto 13


Reservatório de gás seco
sob influxo de água
Define-se influxo de água como sendo o volume
acumulado de água fornecido pelo aquífero ao
reservatório, através do contato reservatório-
aquífero até um tempo determinado.

We  ctWi  pi  p 
ct - compressibilidade total do aquífero
Wi - volume inicial de água do aquífero
pi - pressão inicial
p - pressão no contato ou pressão interfacial

Prof. Severino R. de Farias Neto 14


Reservatório de gás seco
sob influxo de água
We  ctWi  pi  p 

Essa equação só é aplicada a aquíferos muito


pequenos, pois admite a equalização imediata das
pressões entre o reservatório e o aquífero.

Para aquíferos maiores é necessário um modelo


matemático que inclua a dependência do tempo.

We  U pWDt D

Prof. Severino R. de Farias Neto 15


Reservatório de gás seco
sob influxo de água
We  U pWD t D

kt pi  p r
tD  ; pD  ; rD 
 ci ro2
po ro
U  2 f  ci hro2  constate de influxo de água  ;

f  ;
2
WD influxo admensional (Tabelado -
Tabela K-4 -Rosa et al. 2006)

Prof. Severino R. de Farias Neto 16


Reservatório de gás seco
sob influxo de água
O volume V ocupado pelo gás não é igual ao
volume inicial Vi quando há influxo de água, a
variação do volume poroso devido a compres-
sibilidade da rocha e expansão da água conata,
assim:

V  Vi We  BwWp
We - influxo de água, medido em condições de reservatório;
Wp - produção acumulada de água, medida em condições-padrão;
Bw - fator volume-formação da água.

Prof. Severino R. de Farias Neto 17


Reservatório de gás seco
sob influxo de água
O fator volume-
formação da água é
determinado por meio
do gráfico ao lado.

• linha cheia – água pura

• linha tracejada – água


contendo gás natural em
solução.

Prof. Severino R. de Farias Neto 18


Reservatório de gás seco
sob influxo de água
Substituindo
V  Vi  We  BwWp

em

p 1  pi Vi p0 T 
   Gp 
Z V  Zi T0 
tem-se:
p 1  pi Vi p0 T 
   Gp 
Z Vi  We  BwW p  Zi T0 

Prof. Severino R. de Farias Neto 19


Reservatório de gás seco
sob influxo de água

pi
Zi Reservatório sob influxo de água

Previsão
p
Z

Histórico

G
Gp

Prof. Severino R. de Farias Neto 20


Reservatório de gás seco
sob influxo de água
Em condições de reservatório pode-se escrever:
 produção   expansão   influxo   produção 
     
 de gás   de gás   de água   de água 
ou
G p Bg   GBg  GBgi   We  Wp Bw

assim,
G p Bg  We  W p Bw
G
Bg  Bgi

Prof. Severino R. de Farias Neto 21


Reservatório de gás seco
sob influxo de água
Linearizando,

G p Bg  Wp Bw We
G
Bg  Bgi Bg  Bgi
ou
yGx
com,

G p Bg  W p Bw We
y ; x
Bg  Bgi Bg  Bgi

Prof. Severino R. de Farias Neto 22


Reservatório de gás seco
sob influxo de água
Este método permite se determinar
simultaneamente os valores de G e do influxo
acumulado de água We

Resolver os exemplos: 7.1 e 7.2

Prof. Severino R. de Farias Neto 23


Prof. Severino R. de Farias Neto 24

Você também pode gostar