Você está na página 1de 14

Filosofia das Ciência Sociais

Introdução
A coletividade e socialização

Não é preciso muito esforço para notarmos a


importância da coletividade e da socialização para o
desenvolvimento da espécie humana.

Podemos até mesmo


dizer que o caráter
social acompanha o
ser humano como um
dos seus atributos
mais essenciais.
A coletividade e socialização

“Nenhum homem é uma


ilha completa em si
mesma; todo homem é
um pedaço do continente,
uma parte do todo”.
(DONNE, John. Selected
Prose. London: Penguin
Books, 1987, p. 126).

A vida em sociedade não é apenas um desenvolvimento


histórico, mas principalmente uma característica
estritamente humana.
Por que estudar Filosofia das
Ciência Sociais?

Porque ela oferece


ao filósofo e ao
cientista social uma
diversidade de
situações e questões
que precisam ser
interpretadas para
além do senso
comum.
Por que estudar Filosofia das
Ciência Sociais?
Algumas questões básica?

Por que as pessoas convivem em sociedade? Por que


desenvolvem padrões de comportamentos parecidos?
Por que se relacionam uma com as outras de
maneira padronizada? Quais as estruturas
fundamentais de uma sociedade? Por que
compreender a política e as relações de poder na
sociedade? Quais motivações levam as sociedades
manterem alguns valores e substituírem outros? Que
elementos produzem as diferenças socioculturais?
Por que estudar Filosofia das
Ciência Sociais?
A resposta para essas e tantas outras questões nos
ajudam, portanto, a compreender e explicar as
permanências e as transformações das sociedades,
bem como oferecer pistas hermenêuticas para a
superação dos seus dilemas.
Tese fundamental

Um dos aspectos mais básicos para as Ciências


Sociais: a tese de que todo conhecimento se
produz socialmente.
Tese fundamental

Nada com relação ao estudo da sociedade pode


resultar em uma fonte extra-humana.

Para conhecer qualquer forma


de pensamento, de qualquer
indivíduo e em qualquer
época, torna-se fundamental
compreender o contexto
social vivido – uma vez que
os homens reagem,
respondem e vivem a partir
daquilo que o meio social lhes
apresenta como proposta.
Estranhamento da realidade

O objetivo da
Filosofia das
Ciências Sociais é
provocar aquilo
que chamamos de
“estranhamento
da realidade”.

Para quê? Para percebermos que a sociedade não é um


mero resultado da espontaneidade ou naturalidade
das relações, mas palco de constantes conflitos e
resistências dos mais diversos segmentos e grupos.
Olhar sociológico

Litografia de M. C. Escher (1898-1972)


“Desnaturalizar” a visão de mundo

“O mal da sociologia é que ela descobre o arbitrário, a


contingência, ali onde as pessoas gostam de ver a
necessidade ou a natureza [...]; e que descobre a
necessidade, a coação social, ali onde se gostaria de ver
a escolha, o livre-arbítrio. [...] Uma característica das
realidades históricas é que sempre é possível
estabelecer que as coisas poderiam ter sido diferentes,
que são diferentes em outros lugares, em outras
condições. O que quer dizer que, ao historicizar, a
sociologia desnaturaliza, desfataliza”.
(BOURDIEU, Pierre. Coisas Ditas. São Paulo:
Brasiliense, 1990, p. 27).
“Desnaturalizar” a visão de mundo
Desnaturalizar a visão de mundo nos ajuda a sairmos de
nossa zona de conforto e começarmos a notar a
existência daqueles preconceitos sociais que, embora
naturalizados pelo senso comum, na realidade, estão
ideologicamente camuflados por interesses grupais.
Objeto e método da Filosofia das
Ciências Sociais
Do ponto de vista do objeto e do método da
disciplina, enquanto objeto, levaremos em conta
temáticas das Ciências Sociais, porém, sem perder
de vista uma metodologia que continua sendo
filosófica.
Objeto e método da Filosofia das
Ciências Sociais

OBJETO MÉTODO

O ser humano e suas Método filosófico


interações sociais. (reflexão crítica, radical
Isso é, enquanto objeto, e de conjunto) - e não o
trata-se do mesmo empírico, como utilizado
pesquisado pelas pela metodologia das
Ciências Sociais. Ciências Sociais.

Portanto, trata-se de um recorte filosófico de temas


sociológicos, antropológicos e político-econômicos.