Você está na página 1de 58

L: A

I G I TA
R A D
A À E N TO
D R I C IM E
X A N N H E
A L E C O
E
3–D DO T E S
O U P O R
F U S Ã S S
DI S S EU
S D O
A V É
ATR

Área de Integração/1º Ano


Módulo 1- Tema 3
A Escrita - noção
Escrita
Sistema de comunicação entre os homens que utiliza um
conjunto de símbolos para exprimir graficamente a
linguagem falada.

Resulta de um ato físico que implica um


traçar de símbolos, quer manualmente,
quer, como hoje em dia, com uma
máquina (computador).
A Escrita - noção

A escrita não existiu sempre, tendo passado por um longo processo de


evolução, até chegar aos sistemas alfabéticos atualmente utilizados.

O aparecimento da escrita marca a:

Divisão

Pré- História
História
A Escrita e a sua difusão
Antes da Escrita

Desde a Pré-História, as diferentes sociedades tentaram


deixar registos das suas ideias e sentimentos, através das
esculturas em pedra ou madeira, ou por meio de
desenhos nas paredes das cavernas – pintura rupestre.
A Escrita e a sua difusão
Antes da Escrita

 Este tipo de representação permitia


trocar mensagens e comunicar ideias,
desejos e necessidades.

 Já existem símbolos, não pode ser


classificada como escrita, já que lhe
falta a organização.
Pintura Rupestre
A Escrita e a sua difusão
Aparecimento da
Escrita
A Escrita passou por um longo processo de evolução até
chegar aquilo que ela é hoje. Podemos considerar três fases:

O signo está associado a uma noção ou A)Escrita


conceito
Sintética

Cada símbolo está associado a uma palavra – B) Escrita


escrita de palavras
Analítica

Cada um dos seus símbolos utilizados


correspondem a um som ou a sons da C) Escrita
linguagem que está a ser representada Fonética
A Escrita e a sua difusão
A) Escrita
Sintética

Escrita Pictográfica

 Escrita por imagens, começando a ser


utilizada para identificar objetos, ou seja, a
cada figura correspondia um objeto.

 Os pictogramas são signos gráficos que


representam um objeto, um som ou um ser.
Ex: Um circulo a representar o Sol
A Escrita e a sua difusão
A) Escrita
Sintética

Escrita Ideográfica

 Os símbolos não representam apenas os


objetos e ideias, tentam também relacionar
ideias e conceitos com os quais esse sinais
estão relacionados.

 O ideograma é a representação de uma ideia


do que o objeto pode representar.
Ex: Um desenho do Sol a representar o
calor ou um Deus.
A Escrita e a sua difusão
B) Escrita
Analítica

O desenvolvimento das primeiras formas de escrita, ou seja,


de registar de uma maneira uniforme uma mensagem:

Ocorreu no interior de sociedades com formas de


organização complexas, principalmente em
regiões com muita água e terras férteis.
A Escrita e a sua difusão
B) Escrita
Analítica

 Entre os rios Tigre e Eufrates, no Médio Oriente

 Ao longo do rio Nilo, Egipto

 Na região do Indo, no Paquistão

 Ao longo do rio Huang-Ho (rio Amarelo), na China


A Escrita e a sua difusão
B) Escrita
Analítica
A Escrita e a sua difusão
B) Escrita
Analítica

Por volta de 3000 a.C., a primeira Onde surgiram as primeiras


forma conhecida de escrita apareceu civilizações urbanas, com
na região entre os rios Tigres e cidades como Lagash,
Eufrates, na Mesopotâmia. Nippur, Umma, Ur, e Uruk

Estas comunidades estavam submetidas à autoridade de um soberano, onde


tinham a necessidade de um tipo de controlo administrativo que permitisse
contar e registar as quantidades de grãos ou as cabeças de gado.
A Escrita e a sua difusão
B) Escrita
Analítica

Escrita Suméria
(Cuneiforme)

Era praticada por um corpo próprio de


funcionários: os escribas.
Deu-se a partir de desenhos
simples de objetos, que
evoluíram para símbolos
fonetizados, só mais tarde se
constituindo em palavras.
A Escrita e a sua difusão
B) Escrita
Analítica

 É muito complexa Escrita Suméria


(Cuneiforme)
 Composta por cerca de 2000 sinais
cuneiformes originais Principais
 Era escrita em colunas, apresentando-se em Características
linhas horizontais, lidas da esquerda para a
direita
 A escrita estendeu a sua aplicação para outros
campos, servindo para fixar leis, textos
religiosos, narrações e relatos épicos.
A Escrita e a sua difusão
B) Escrita
Analítica

Egípcios

O sistema egípcio reproduzia, quase


Criaram uma forma de
totalmente a língua falada e refletia
escrever que misturava
realidades abstratas e concretas.
ideogramas, pictogramas e
Escrita Egípcia – Escrita fonogramas.
Hieroglífica
A Escrita e a sua difusão
B) Escrita
Analítica

Escrita Egípcia -
Hieroglífica

Do grego hieros (sagrado) e


ghyhhein (gravar), era utilizada
nos rituais religiosos e para
adornar as paredes de templos e
túmulos.
A Escrita e a sua difusão
B) Escrita
Analítica

Escrita Egípcia -
Hieroglífica

 A sua leitura era realizada, na maioria das


Principais
vezes, da esquerda para a direita.
Características
 A direção era indicada pela orientação das
cabeças das figuras – humanos e animais.

 A representação de Deus poderia trocar o


sentido da leitura.
A Escrita e a sua difusão
B) Escrita
Analítica
Os egípcios criaram três formas de
escrita

Demótica Hieroglífic
a

Hierática
 É a escrita do povo, uma
forma ainda mais simples da
hierática, de utilização mais  Uma forma simplificada de
generalizada. hieróglifos utilizada no quotidiano e
também em alguns textos sagrados.
A Escrita e a sua difusão

Na Pedra Roseta, encontra-se


gravado o mesmo texto em
hieróglifo e demótico, o que
permitiu compreender os
mecanismos de

Pedra de Roseta funcionamento da antiga


A Escrita e a sua difusão
C) Escrita
Fonética

Alfabeto

 Foram os Fenícios os pioneiros


na escrita alfabética Corresponde a uma transposição
gráfica da linguagem em que cada
 Está, provavelmente,
símbolo – letras – corresponde a um
relacionado com fatores de
som elementar. A combinação das
necessidade, de simplificação,
letras permite a formação de palavras.
flexibilidade e facilidade de
transporte.
A Escrita e a sua difusão
C) Escrita
Fonética

Alfabeto Fenício
A Escrita e a sua difusão
C) Escrita
Fonética

Alfabeto

O alfabeto fenício foi adotado


pelos Gregos, por volta de 800
a.C.

Alfabeto Grego
A Escrita e a sua difusão
C) Escrita
Fonética

Alfabeto
Escreve-se em linhas horizontais,
da esquerda para a direita e de
Por último, o alfabeto latino ou
cima para baixo
romano é o sistema de escrita
 As páginas são viradas em
sentido anti-horário mais utilizado em todo o mundo.

 As palavras são separadas por


meio de espaços em branco
Suportes para Fixação da Escrita - evolução

A evolução da escrita também foi acompanhada de uma


evolução dos meios físicos de suporte.

O tipo de superfície onde a escrita era O homem procurou registar as

registada variou tanto quanto esta, sendo suas impressões sobre o mundo,

fatores determinantes na sua escolha as no interior das cavernas,

matérias-primas disponíveis e o utilizando para isso pedra,

desenvolvimento técnico. materiais orgânicos e


inorgânicos, à base de tintas
vegetais e minerais.
Suportes para Fixação da Escrita - evolução

Na antiguidade, o homem experimentou outros suportes


encontrados na natureza, como forma de registar a
visualidade ou a escrita, tais como:

 Argila, ossos, conchas, marfim, folhas de


palmeiras, bambu, metal, cascas de árvores,
madeira, couro, papiro, pergaminho, seda e
finalmente o papel.
Suportes para Fixação da Escrita - evolução

Do Barro ao Pergaminho

Na Mesopotâmia, os textos em escrita cuneiforme eram


escritos sobre:

Tábuas de Barro

 As tábuas podiam ser cozidas em fornos ou secas ao sol, se a intenção


era obter um registo permanente.

 Ou ser reaproveitadas, caso não fosse necessário manter os registos


por longo tempo.
Suportes para Fixação da Escrita - evolução

 Quais eram os objetos utilizados para escrever?

• Objectos de metal, osso e marfim, em forma de cunha numa das


extremidades, para poder escrever, e plano na outra, em forma de
paleta, com finalidade de poder cancelar o texto, alisando o
material arranhado ou errado.
Suportes para Fixação da Escrita - evolução

No Egito, eram utilizados como suporte:

Barro Cozido, a Pedra e a Madeira

Numa fase posterior, por volta de 2000 Papiro


a.C., o suporte utilizado passou a ser o:

Passou a ser o material mais importante


para o sistema de escrita hieroglífica.
Suportes para Fixação da Escrita - evolução

Papiro

 Feito com base na planta papiros, é abundante nas


terras pantanosas do Nilo

 O papiro tornou-se no material de escrita mais


utilizado ao longo de todo o Mediterrâneo.

 Até ao século VIII d.C. eram comum em toda a


Europa
Suportes para Fixação da Escrita - evolução

Mais tarde, passou-se a utilizar outro suporte:


Pergaminho

 É obtido através da pele de animais como carneiros


e ovelhas.

 O pergaminho, em comparação com o papiro, tinha


a vantagem de ser mais resistente e de permitir a
reunião das várias folhas em formato de livro.
Suportes para Fixação da Escrita - evolução

Pergaminho

 Na Europa, entre os séculos IX e XIII, o


pergaminho foi o principal material utilizado para a
escrita até à difusão do papel, apesar da sua fabricação
ser muito cara.

 Em épocas de falta de pergaminho, raspavam-se os


mais antigos para reutilização.
Suportes para Fixação da Escrita - evolução

Finalmente, passou a ser utilizado como suporte da escrita


o:
Papel

• Foram os chineses, por volta do século II a.C., os primeiros a


fabricar o papel com as características que conhecemos hoje.

• Era feito a partir de uma planta fibrosa, a cana de bambu.

• Esta técnica foi mantida em segredo pelos chineses durante


séculos.
Suportes para Fixação da Escrita - evolução

• Durante este tempo, o papel estendeu-se pelo império chinês


e acompanhou as rotas comerciais das grandes caravanas.

• Em 751 d.C., os mercadores árabes


aprenderam com os chineses a produzir o
papel e este expandiu-se.

• Assim, a produção e o comércio de papel:

1º Acompanhou a expansão muçulmana


2º Acabou por chegar à Península Ibérica
Suportes para Fixação da Escrita - evolução

• Aqui já era feito de trapos e não da cana de bambu, sendo


conhecido por charta damascena, por serem originários de
Damasco os seus comerciantes.

• Em meados do século XII, os judeus começaram a fabricá-lo,


passando do leste espanhol, para Itália e depois para França.
Depois foi sendo introduzido, lentamente, noutros países.
Suportes para Fixação da Escrita - evolução

• A difusão do papel, apesar de lenta, foi constante,


aumentando a partir da invenção da tipografia.

Em poucos anos, os fabricantes de papel precisavam


de produzir no mínimo mil resmas diárias para suprir
a procura. Fornecer papel a impressores de livros era
um dos negócios mais lucrativos.

• Para além desta invenção, muitas outras foram surgindo, no


entanto, o material mais utilizado para produzir o papel eram
os trapos.
Suportes para Fixação da Escrita - evolução

• Existiam trapeiros profissionais, que recolhiam o material, de


porta em porta, selecionando os brancos, os únicos
aproveitados como matéria-prima para a polpa.

• O grande aumento da produção de papel e a forte


concorrência entre as fábricas de papel e a indústria têxtil,
levou à escassez de matéria-prima e ao seu encarecimento.

Assim, começaram a ser testadas soluções que


permitissem substituir os trapos na fabricação
do papel.
Suportes para Fixação da Escrita - evolução

• HOJE: a polpa produzida do papel é originária da madeira de


eucalipto e pinheiro.

Assim, o papel deixou de ser um artigo de luxo, passando a ser


produzido em larga escala, com grande qualidade e a preços acessíveis.
O acesso à escrita – uma questão social

A escrita foi um veículo de comunicação entre os seres


humanos e uma forma de preservar e transmitir a
cultura de uma determinada sociedade.

Contudo, desde o início da escrita, que esta esteve


associada aos grupos sociais que detinham o poder, ou
seja, eram estes que registavam, descodificavam e
transmitiam as mensagens escritas.
O acesso à escrita – uma questão social

Antiguidade Idade Média

• Somente a elite e os • O privilégio da escrita era detido


escribas tinham acesso pela Igreja, tendo a escrita e os
à escrita. livros sido sempre alvo de censura
ou de alguma forma de vigilância
por parte das autoridades.
Noutras Civilizações Após a descoberta da imprensa

• Saber ler e escrever era • A escrita desenvolveu-se, os livros


indispensável para o passaram a ser mais facilmente
funcionamento da administração, publicados e um maior número de
mas não era valorizado pessoas passou a ter acesso aos
socialmente. suportes escritos.
O acesso à escrita – uma questão social

Atualmente

• O acesso à educação e a difusão dos meios de comunicação


social democratizaram o acesso à informação escrita. Contudo,
continuam a persistir alguns tipos de diferenciação: certos
saberes continuam a ser elitistas e a escrita também reflete uma
certa diferenciação social.
A importância da imprensa como meio de
multiplicação do Livro
As Primeiras Impressões

• As primeiras impressões são originárias da China, utilizando


uma técnica que consistia em prensar folhas contra tábuas
gravadas.

• Os primeiros livros europeus que utilizavam esta técnica


surgiram na Holanda, por volta de 1430, com a utilização de
caracteres móveis de madeira.

Foi Gutenberg quem inventou a


imprensa
A importância da imprensa como meio de
multiplicação do Livro
As Primeiras Impressões

• Os primeiros livros impressos foram a Bíblia de Gutenberg


e o Saltério de Mayence, por volta de 1450, aquando da
invenção da tipografia.

• A difusão desta nova forma de produzir livros - Tipografia –


foi relativamente lenta, começando a multiplicar-se somente
muito mais tarde.
Foi relativamente lenta, começando a
multiplicar-se somente muito mais tarde.
A importância da imprensa como meio de
multiplicação do Livro

O livro é um produto intelectual e, como tal,


Livro
encerra conhecimento e expressões
individuais ou coletivas. O livro é um veículo
É transportável, de fácil acesso, de informação e de difusão do pensamento
basta comprá-lo ou requisitá-lo escrito.
numa biblioteca.

É um excelente dispositivo de armazenamento de


informação. Tornou-se num meio físico de Um livro pode ser produzido com

fixação de mensagens reconhecido poucos recursos, o que o torna barato.

universalmente, ou seja, é utilizado e


reconhecido em qualquer país do mundo.
A importância da imprensa como meio de
multiplicação do Livro

Até ao século XV, as dificuldades de acesso à


Acesso aos Livros
escrita eram as seguintes:
 Apenas uma pequena parcela da população sabia
ler.
 O livro era uma mercadoria realmente muito cara,
porque exigia uma grande quantidade de
pergaminho.Difusão dos Livros
A difusão do papel e a invenção da
imprensa vieram diminuir
consideravelmente o custo do livro, pois a
sua produção aumentou em larga escala. A
Bíblia foi dos livros mais editados.
A importância da imprensa como meio de
multiplicação do Livro

• Atualmente, são impressos milhares de livros, são geralmente


de baixo custo, visto que o papel e as técnicas de impressão
também são mais baratas.

• O E-BOOK, ou livro eletrónico, é produzido para ser lido no


ecrã dos computadores, sendo a sua edição e distribuição feita
via Internet.
A importância da imprensa como meio de
multiplicação do Livro

A organização dos livros

Se antes tínhamos o problema da falta de livros, após a invenção da


imprensa, o problema era exactamente o contrário. Estes tinham que ser
arrumados em sítios próprios.

Surge o termo Biblioteca


A importância da imprensa como meio de
multiplicação do Livro

Biblioteca

• Uma colecção organizada de documentos de diversos tipos.

• A instituição responsável pela aquisição, conservação e


tratamento documental, que permite o acesso dos utilizadores
a documentos que correspondam às suas necessidades de
informação.

• O espaço físico – estantes, salas, edifício – ou virtual onde os


documentos se encontram arrumados.
A importância da imprensa como meio de
multiplicação do Livro

Biblioteca ao longo dos tempos

• A existência das bibliotecas


• Surgem, quase em simultâneo,
antecede os próprios livros.
com o aparecimento da escrita,
pois as diferentes sociedades
passaram a conservar os textos que
consideravam mais importantes. • Das bibliotecas da antiguidade, a mais
famosa foi a de Alexandria, no Egito,
que reuniu o maior conteúdo de
cultura e ciência da antiguidade.
A importância da imprensa como meio de
multiplicação do Livro

Biblioteca ao longo dos tempos

• A última geração de bibliotecas são as


chamadas Bibliotecas Virtuais ou digitais.

É um serviço sem suporte físico – estantes, edifícios ou


livros impressos – existindo unicamente em sistemas
computorizados, no ciberespaço. Utiliza-se, normalmente,
a Internet.
A importância da imprensa como meio de
multiplicação do Livro

Biblioteca ao longo dos tempos

• Bibliotecas Virtuais ou digitais.

 A sua grande vantagem é guiar os utilizadores até as fontes de dados


existentes no meio virtual e funciona como uma rede mundial, na
qual são depositados diversos documentos, livros e trabalhos, …
 Existem bibliotecas virtuais generalistas e outras temáticas:
literatura, educação, ciência e tecnologia, …
Difusão da informação e do conhecimento nos séculos
XIX e XX

A par da difusão dos livros, outro meio de registo e divulgação da


informação escrita que também se desenvolveu foram os Jornais.

O primeiro jornal em papel foi publicado como panfleto


manuscrito em 713 d.C. na China.

 Na Europa, na Idade Média, nas cidades,


escreviam-se folhas com noticias comerciais e
económicas.
 Nos séculos XVIII e XIX, os lideres políticos
começam a tomar consciência do poder que os jornais
podem ter para influenciar a população, surgindo,
Difusão da informação e do conhecimento nos séculos
XIX e XX

Atualmente, o desenvolvimento da indústria dos meios de


comunicação impressos – jornais – foi marcado por duas
tendências principais:

• Crescimento e consolidação da circulação em


massa de jornais;
• Crescente internacionalização das atividades de
recolha e distribuição das notícias.
Difusão da informação e do conhecimento nos séculos
XIX e XX

Esta expansão dos jornais deveu-se, nomeadamente:

 À modernização dos métodos de produção com a


incorporação de inovações tecnológicas
 À melhoria da distribuição, com o
desenvolvimento dos meios de transporte;
 Ao aumento do nível geral de alfabetizados.
As novas tecnologias da comunicação

No decurso do século XX, as transformações nos meios de


comunicação social atingiram uma velocidade nunca vista,
sobretudo com a difusão dos meios de comunicação social de
massa: rádio, televisão e jornais.

Contudo, uma das novas tecnologias Esta tem modificado as técnicas de

da informação surgidas nos nossos produção e reprodução dos textos e é uma

dias, a Internet, possui uma grande forma de comunicação interativa.

potencial de comunicação.
Contudo, a internet, também pode
levar aos isolamento social.
A sociedade contemporânea enquanto sociedade de
informação

Na sociedade atual, os sistemas de comunicação alteraram-se


profundamente, passando-se para uma comunicação onde
sistemas integrados comprimem grandes quantidades de
informação e as transmitem digitalmente pelo mundo inteiro.

As novas tecnologias da informação possibilitam o


estabelecimento de uma multiplicidade de ligações, que
permitem que a informação seja difundida instantaneamente em
grande escala.
A sociedade contemporânea enquanto sociedade de
informação

A Internet é uma forma de comunicação interativa, em que os


indivíduos estabelecem uma comunicação em tempo real e em que,
apesar da longa distância a que se poderão encontrar, podem interagir
de uma forma próxima e constante.

 Permite aos utilizadores aceder a um enorme e variado


conjunto de informações, assim, como está a desenvolver uma
nova forma de escrita.
 Permite-nos aceder ao E-BOOK e às bibliotecas virtuais.
A sociedade contemporânea enquanto sociedade de
informação

Estas novas tecnologias da informação e da comunicação possibilitaram


o aumento exponencial dos contactos e das trocas de informações a
nível mundial entre pessoas de culturas completamente diferentes.

Os meios de comunicação ligam as pessoas em tempo real às


noticias, às imagens e às informações, tornando os indivíduos,
os grupos e as nações cada vez mais interdependentes,
transformando o mundo em que vivemos numa “aldeia global”.
Assimetrias sociais face ao acesso aos meios e
conteúdos de informação

A internet só pode ser efetivamente útil se estiver disponível a todos. O


número de utilizadores tem aumentado em todo o mundo, pois esta
oferece, cada vez mais, possibilidades de interagirmos com os outros.

Contudo:

O acesso continua a ser muito desigual, pois a maior parte dos


utilizadores concentram-se nos países mais desenvolvidos e mais
ricos.
Existe, assim, um perigo dos países mais pobres se
tornarem progressivamente mais marginalizados em
termos de informação.