Você está na página 1de 17

Barreiras de

comunicação
Há determinados
fatores que impedem
que a comunicação se
realize de forma
eficaz, os quais são
designados por
barreiras á
comunicação.
O que são barreiras á comunicação?
Todos nós somos, frequentemente, confrontados com barreiras á
comunicação. Temos vários exemplos de situações bastante comuns no
nosso dia a dia em que nos deparamos com um processo de
comunicação deficiente, ou até mesmo esse processo não se chegar a
realizar:
• Uma chamada telefónica em que não conseguimos entender o que
a pessoa do outro lado nos dizia, devido a ruídos ou interferências;
• Uma consulta médica em que o doutor aplique termos técnicos, dos
quais o paciente não tem conhecimento do seu significado;
• Uma conversa com alguém que não nem claramente nem
pausadamente de modo a que o recetor não consiga entender a
mensagem que o outro tenta transmitir;

• Alguém tentar transmitir-nos uma mensagem mas a nossa atenção


estar direcionada para outros campos, de maneira que não
conseguimos nem ouvir, nem entender aquilo que nos tentavam
transmitir;
Estes foram apenas alguns exemplos de situações bastantes banais
nos nossos dias, havendo muitas mais situações semelhantes e com o
mesmo impacto prejudicial no processo de uma comunicação.

Na maioria das vezes as barreiras á comunicação devem-se ao facto


de cada pessoa ser uma entidade individual, ou seja, á medida que
cada pessoa se vai desenvolvendo vai adquirindo uma aprendizagem
individual, que difere de pessoa para pessoa: desde a maneira de
pensar, de sentir, de reagir ás mais diversificadas situações. Estes
fatores que interferem no processo de comunicação existem devido ás
experiências de vida diferentes de pessoa para pessoa.
As barreiras podem ser
classificadas por:

BARREIRAS EXTERNAS;

 BARREIRAS INTERNAS;
Barreiras Externas
As barreiras externas relacionam-se com o contexto e ambiente onde
se realiza a comunicação.
Barreiras Internas
As barreiras Internas estão diretamente ligadas ao emissor e/ou
recetor.
Exemplos de barreiras externas
Problemas físicos ou psicológicos:
• Cansaço e doença.

Falta de motivação para estabelecer a relação ou para


desempenhar as suas funções:
• Quando o sujeito não está interessado nem envolvido na relação com
o outro, é pouco provável que a mensagem seja recebida e
interpretada corretamente.
Quadros de referência
• Educação, experiência e aprendizagem de significados.
• As diferenças existentes entre as pessoas, nestas dimensões dificultam a
comunicação.
• As pessoas que vivem em meios diferentes percecionam a realidade e as
situações de
• forma diferenciada e atribuem diferentes significados às coisas.
Atitude para consigo (a baixa auto-estima e falta de confiança
constitui uma barreira à comunicação).
• Uma pessoa que não tenha confiança em si e sobrevalorize os outros,
não está disponível para organizar corretamente as suas ideias e
transmiti-las com clareza.
Atitude para com o interlocutor (não gostar do interlocutor ou
ter preconceitos acerca dele).
• Para se comunicar com eficácia, é fundamental ter ideias positivas
acerca das pessoas com quem se comunica.
• Quando não se gosta da pessoa com quem se comunica, ou
rejeitamos a própria comunicação ou não nos esforçamos para
sermos claros e precisos na transmissão da mensagem.
• Direta ou indiretamente revelamos ao outro que não estamos
interessados na relação comunicacional, o que desencadeia nele,
também, a reação de não recetividade à mensagem.
Atitude para com o assunto (não gostar do assunto que está a
tratar pode bloquear a comunicação)
• Dominar demasiado um assunto pode bloquear a comunicação
porque poder-se-á pensar que o outro recebe a mensagem
facilmente. Neste caso o emissor não se coloca no ponto de vista do
outro tentando compreender as possíveis dificuldades de
interpretação ou compreensão.
• Neste caso, o sujeito não adapta a mensagem aos diferentes
interlocutores, o que dificulta a comunicação.
• Não dominar bem o assunto pode igualmente bloquear a
comunicação porque o sujeito não expressa com clareza a sua
mensagem
Trabalho realizado por: Diogo Ferreira, Ana Morais e Artur Nunes.