Você está na página 1de 52

Refrigeração e Ar

Condicionado

Faculdades Metropolitanas Unidas


Prof. Rodrigo Vidonscky
2

Aula 13
• Noções de manutenção
3

Manutenção
• Conceito
É o conjunto de atividades técnicas destinadas a garantir a
disponibilidade e a confiabilidade de equipamentos e
sistemas segundo condiçõ es operacionais específicas.
4

Manutenção
• Tipos de manutenção
Manutençã o Preventiva
Sistemá tica: É toda intervençã o programada, com base em
padrõ es preestabelecidos, visando manter a disponibilidade
de equipamentos e sistemas
Preditiva: É toda intervençã o programada e subordinada a
um acompanhamento contínuo de parâ metros
preestabelecidos
Manutençã o Corretiva
É toda intervençã o efetuada apó s falha, visando o
restabelecimento das condiçõ es normais de operaçã o de
equipamentos e sistemas
5

Manutenção
• Conjunto de ferramentas
6

Manutenção
• Conjunto de ferramentas
7

Manutenção
• Conjunto de ferramentas
8

Manutenção
• Conjunto de ferramentas
9

Manutenção
• Conjunto de ferramentas
10

Manutenção
• Conjunto de ferramentas
11

Manutenção
• Conjunto de ferramentas
12

Manutenção
• Conjunto de ferramentas
13

Manutenção
• Conjunto de ferramentas
14

Manutenção
• Conjunto de ferramentas
15

Manutenção
• Conjunto de ferramentas
16

Manutenção
• Conjunto de ferramentas
17

Manutenção
• Conjunto de ferramentas
18

Manutenção
• Conjunto de
ferramentas
Outras ferramentas
• Alicate volt-amperímetro-
ohmímetro
• Caixa de ferramentas bá sica
(chaves, alicates, etc.)
• Cilindros para gá s refrigerante
• EPIs
• Materiais de consumo (fitas,
graxa, tintas, etc.)
19

Manutenção
• Execução de
procedimentos de
manutenção em sistemas
de refrigeração
1. Inspeçã o operacional
É o acompanhamento do
estado/condiçã o dos
equipamentos/sistemas, bem como
da tendência do desempenho dos
mesmos (cará ter preditivo),
permitindo prever as falhas, os
defeitos e as necessidades de ajustes
ou reparos.
Procedimento visual: Na maioria dos
casos, nã o requer ferramentas
20

Manutenção
• Execução de procedimentos de
manutenção em sistemas de
refrigeração
1. Inspeçã o operacional
A. Filtros de ar:
Descartáveis: verificar se existe manô metro,
existindo, verificar se o valor indicado está acima do
valor informado pelo fabricante para perda de carga
final do filtro. Se estiver, deverá ser substituído.
Para valor igual ou inferior ao indicado pelo
fabricante, o filtro ainda está adequado e pode ser
mantido. Nã o havendo manô metro, os filtros
deverã o ser substituídos, no má ximo, a cada 90
dias, conforme Resoluçã o 09 (ANVISA)

Permanentes (Laváveis): A limpeza deverá ocorrer


mensalmente, conforme Resoluçã o 09 (ANVISA)
21

Manutenção
• Execução de procedimentos de
manutenção em sistemas de
refrigeração
1. Inspeçã o operacional
B. Ventilador:
Caso seja possível, inspecionar o ventilador de
ar quanto a corrosã o, presença de sujeira e
acumulo de pó .
C. Bandeja de condensado:
Verificar se há acú mulo de á gua na bandeja, com
a presença de limo (matéria orgâ nica) e se há
pontos de ferrugem (corrosã o). O dreno deve
estar desobstruído e sua tubulaçã o de saída
deve ser sifonada.
D. Serpentinas:
Verificar o estado de limpeza e se suas aletas
nã o estã o amassadas.
22

Manutenção
• Execução de procedimentos
de manutenção em sistemas
de refrigeração
1. Inspeçã o operacional
E. Gabinete:
Verificar se há pontos de corrosã o interno e
externamente, e se o material isolante
termoacú stico interno nã o está danificado.
F. Sala de má quinas:
A sala de má quinas é um local de uso
exclusivo do sistema de ar condicionado,
nã o podendo haver acumulo de materiais
diversos. O piso, paredes e teto devem
sempre estar limpos, conter ralo sifonado,
boa iluminaçã o e espaço suficiente no
entorno do condicionador para a correta e
segura manutençã o.
23

Manutenção
• Execução de procedimentos de manutenção em
sistemas de refrigeração
1. Inspeçã o operacional
G. Rede de dutos:
O duto deve possuir portas/acessos de inspeçã o para visualizaçã o interna quanto
há presença de material particulado (pó ). O acesso pode ser feito também por
grelhas ou difusores de ar, desde que se consiga inspecionar a superfície interna
do duto.
H. Tomada de ar externo:
Deve estar limpa, livre de bloqueios e de contato com meios contaminantes, com
filtro no mínimo classe G1 e ser dotado de regulador de vazã o de ar.
I. Torre de resfriamento:
Deve estar limpa sem a presença de limo, algas e matéria orgâ nica; a fixaçã o do
ventilador deve estar em bom estado de conservaçã o. A á gua nunca deve estar
transbordando da torre.
24

Manutenção
• Execução de procedimentos de manutenção em
sistemas de refrigeração
1. Inspeçã o operacional
25

Manutenção
• Execução de
procedimentos de
manutenção em sistemas
de refrigeração
1. Inspeçã o operacional
Relató rio de inspeçã o
26

Manutenção
• Execução de procedimentos de manutenção em
sistemas de refrigeração
2. Manutençã o preventiva sistemá tica
Por meio dos dados preestabelecidos e/ou detectados nas inspeçõ es, serã o
executadas açõ es com o objetivo de eliminar os defeitos e as irregularidades
constatadas, de modo a evitar falhas e conservar os equipamentos dentro das
condiçõ es originais projetadas.
Os trabalhados de manutençã o preventiva serã o geridos por ordens de
manutençã o específicas para cada equipamento, que conterão as atividades
executadas, os dados operacionais dos mesmos e serã o distribuídos buscando a
otimizaçã o dos recursos
27

Manutenção
• Execução de procedimentos de manutenção em
sistemas de refrigeração
2. Manutençã o preventiva sistemá tica
Procedimento padrã o – Refrigeradores domésticos convencionais
1. Desligar a unidade da tomada.
2. Verificar a existência de pontos de ferrugem no gabinete e porta.
3. Verificar os pés ou rodízios de sustentaçã o.
4. Verificar o isolamento térmico e a condensaçã o externa.
5. Verificar a gaxeta (borracha de vedaçã o da porta) quanto à existência
de ressecamento e/ou perda da imantaçã o.
6. Verificar a vedaçã o total da porta.
7. Verificar os cabos de alimentaçã o, pino e tomada.
8. Ligar o equipamento.
9. Medir a tensã o e a corrente do compressor.
10. Verificar vazamentos de gá s refrigerante no sistema.
11. Verificar as dobradiças e maçaneta da porta.
28

Manutenção
• Execução de procedimentos de manutenção em
sistemas de refrigeração
2. Manutençã o preventiva sistemá tica
Procedimento padrã o – Refrigeradores e freezers comerciais
1. Desligar a unidade da tomada.
2. Verificar a existência de fissuras/trincas/quebras.
3. Verificar a corrosã o dos calços da base.
4. Verificar o acú mulo de detritos.
5. Verificar a gaxeta (borracha de vedaçã o da porta) quanto à existência
de ressecamento e/ou perda da imantaçã o.
6. Verificar o estado das maçanetas.
7. Verificar o estado do isolamento térmico do gabinete.
8. Verificar vazamento de ó leo no sistema.
9. Verificar os calços e/ou suportes da base metá lica.
10. Verificar molas e amortecedores do compressor.
11. Verificar os pressostatos de alta, baixa e de ó leo.
29

Manutenção
• Execução de procedimentos de manutenção em
sistemas de refrigeração
2. Manutençã o preventiva sistemá tica
Procedimento padrã o – Refrigeradores e freezers comerciais
12. Verificar o protetor térmico de sobrecarga do compressor.
13. Verificar os contatos elétricos do compressor.
14. Verificar a fiaçã o, cabos de alimentaçã o e fusíveis.
15. Verificar os terminais, conexõ es elétricas e de aterramento.
16. Verificar botoeiras e lâ mpadas de sinalizaçã o.
17. Ligar o equipamento.
18. Verificar balanceamento da hélice do ventilador do
condensador.
19. Verificar o funcionamento dos motores elétricos do forçador de
ar do evaporador.
20. Verificar nível de vibraçã o dos mancais.
30

Manutenção
• Execução de procedimentos de manutenção em
sistemas de refrigeração
2. Manutençã o preventiva sistemá tica
Procedimento padrã o – Refrigeradores e freezers comerciais
21. Medir a tensã o e a corrente do compressor.
22. Verificar vazamentos de gá s refrigerante.
23. Verificar ruídos e vibraçõ es nas tubulaçõ es de cobre.
24. Verificar a posiçã o e isolamento térmico do bulbo da vá lvula de
expansã o (se houver).
31

Manutenção
• Execução de procedimentos de manutenção em
sistemas de refrigeração
2. Manutençã o preventiva sistemá tica
Procedimento padrã o – Câ maras frias
1. Utilizar equipamentos de proteçã o individual específico para câ mara
fria.
2. Verificar o isolamento térmico da estrutura.
3. Verificar a existência de trincas/fissuras/quebras.
4. Verificar o acú mulo de detritos.
5. Verificar o estado e pressã o das maçanetas das portas.
6. Verificar o deslizamento das portas ao fechar e abrir.
7. Verificar vazamento de ó leo no evaporador.
8. Desligar a unidade condensadora no quadro de comando.
9. Desligar a unidade condensadora principal ou reserva a ser
verificada.
10. Verificar vazamento de ó leo no sistema.
32

Manutenção
• Execução de procedimentos de manutenção em
sistemas de refrigeração
2. Manutençã o preventiva sistemá tica
Procedimento padrã o – Câ maras frias
1. Utilizar equipamentos de proteçã o individual específico para câ mara
fria.
2. Verificar o isolamento térmico da estrutura.
3. Verificar a existência de trincas/fissuras/quebras.
4. Verificar o acú mulo de detritos.
5. Verificar o estado e pressã o das maçanetas das portas.
6. Verificar o deslizamento das portas ao fechar e abrir.
7. Verificar vazamento de ó leo no evaporador.
8. Desligar a unidade condensadora no quadro de comando.
9. Desligar a unidade condensadora principal ou reserva a ser
verificada.
10. Verificar vazamento de ó leo no sistema.
33

Manutenção
• Execução de procedimentos de manutenção em
sistemas de refrigeração
2. Manutençã o preventiva sistemá tica
Procedimento padrã o – Câ maras frias
11. Verificar suportes da base metá lica.
12. Verificar molas e amortecedores do compressor.
13. Verificar os pressostatos de alta, baixa e de ó leo.
14. Verificar os contatos da contadora do compressor.
15. Verificar fiaçã o, cabos de alimentaçã o e fusíveis.
16. Verificar os terminais, conexõ es elétricas e de aterramento.
17. Verificar as botoeiras e lâ mpadas de sinalizaçã o.
18. Ligar a chave da unidade condensadora no quadro de comando.
19. Verificar balanceamento da hélice do ventilador do condensador.
20. Verificar o funcionamento dos motores elétricos dos forçadores de ar
do evaporador.
21. Verificar nível de vibraçã o dos mancais.
34

Manutenção
• Execução de procedimentos de manutenção em
sistemas de refrigeração
2. Manutençã o preventiva sistemá tica
Procedimento padrã o – Câ maras frias
22. Medir a tensã o e a corrente do compressor.
23. Verificar a carga e contaminaçã o do gá s refrigerante no visor de
líquido.
24. Verificar se há vazamento de gá s refrigerante no sistema.
25. Verificar ruídos e vibraçã o nas tubulaçõ es de cobre.
26. Verificar a operaçã o da vá lvula de expansã o.
27. Verificar a posiçã o e o isolamento térmico do bulbo da vá lvula de
expansã o.
28. Verificar o funcionamento dos termostatos de controle.
29. Verificar o funcionamento da central de alarme.
35

Manutenção
• Execução de procedimentos de manutenção em
sistemas de refrigeração
2. Manutençã o preventiva sistemá tica
Procedimento padrã o – Sistemas individuais de ar condicionado
1. Desligar o disjuntor.
2. Verificar o filtro de ar.
3. Verificar a base de suporte e fixaçã o do equipamento.
4. Verificar a existência de pontos de ferrugem no gabinete e base
do equipamento.
5. Verificar o isolamento térmico e acú stico do equipamento.
6. Verificar a fiaçã o e cabos de alimentaçã o do comando.
7. Verificar os terminais e conexõ es elétricas.
8. Ligar a chave geral de energia.
9. Ligar o equipamento na chave seletora.
36

Manutenção
• Execução de procedimentos de manutenção em
sistemas de refrigeração
2. Manutençã o preventiva sistemá tica
Procedimento padrã o – Sistemas de ar condicionado individuais
10. Verificar a oscilaçã o da hélice do ventilador do evaporador e da
hélice do condensador.
11. Registrar as leituras de tensã o e corrente do compressor.
12. Registrar as leituras de tensã o e corrente do motor do
ventilador.
13. Verificar a carga de gá s refrigerante no sistema.
14. Verificar se há vazamento de gá s refrigerante.
15. Registrar as temperaturas de insuflamento, retorno e ar
exterior
37

Manutenção
• Execução de procedimentos de manutenção em
sistemas de refrigeração
2. Manutençã o preventiva sistemá tica
Periodicidade – Sistemas de ar condicionado centrais e individuais
38

Manutenção
• Vazamentos
Os vazamentos de fluidos frigoríficos devem
ser identificados e reparados o mais rá pido
possível.
Durante cada manutençã o preventiva ou
atividade de reparo, pelo menos as seguintes
tarefas deverã o ser realizadas:
• Testes de vazamento nas partes
relevantes do sistema de ar
condicionado;
• Instalaçã o de todas as tampas de vá lvulas
e coberturas dos componentes;
• Limpeza do local e teste final de
vazamento;
• Elaboraçã o de relató rios, registro de
informaçõ es, rotulagem do sistema (se
aplicável)
39

Manutenção
• Vazamentos
Detecçã o
A detecçã o de vazamentos é uma etapa de extrema importâ ncia nos
processos de fabricaçã o, instalaçã o e manutençã o dos componentes
e sistemas.
A detecçã o de vazamentos do sistema deve ser realizada apó s a
montagem do sistema na fá brica ou no campo.

Existem três tipos gerais de detecçã o de vazamentos:


• Global
• Monitoramento de desempenho automatizado (ensaio de
emissõ es indiretas)
• Local (ensaio de emissã o direta).
40

Manutenção
• Vazamentos
Detecçã o
• Global (testes de estanqueidade)
1. Pressurizar o sistema com um gá s inerte e isolá -lo. Haverá vazamento caso
haja uma queda de pressã o dentro de um prazo especificado;
2. Evacuar o sistema e medir o nível de vá cuo ao longo de um determinado
tempo. O aumento da pressã o indica que existe vazamento;
3. Colocar o sistema em uma câ mara e carregá -lo com um gá s indicador. Em
seguida, evacuar a câ mara e monitorá -la com espectrô metro de massa ou
analisador de gá s residual;
4. Verificar o nível de fluido frigorífico no tanque de líquido.

Estes métodos indicam se existe vazamento, mas nã o indicam a localizaçã o. Eles


sã o ú teis no final da montagem e quando o sistema é aberto para reparo ou
retrofit.
Muitos destes testes utilizam um gá s indicador, geralmente este gá s pode ser
nitrogênio, hidrogênio a 5% ou hélio. Nã o é uma boa prá tica utilizar um fluido
frigorífico como gá s indicador
41

Manutenção
• Vazamentos
Detecçã o
• Monitoramento de desempenho automatizado (ensaio de
emissõ es indiretas)
Parâ metros de monitoramento, tais como temperatura e pressã o,
ajudam a identificar qualquer alteraçã o no equipamento. Também
fornecem dados sobre a escassez de carga de fluido frigorífico.
42

Manutenção
• Vazamentos
Detecçã o
• Local (ensaio de emissã o direta)
Estes métodos localizam com precisã o as eventuais fugas e sã o
normalmente utilizados durante a manutençã o.

A sensibilidade é normalmente
expressa em ppm (partículas
por milhã o), e taxas de fluxo de
massa (“g/a” = gramas por
ano).
43

Manutenção
• Execução de procedimentos de manutenção em
sistemas de refrigeração
3. Manutençã o preditiva
O acompanhamento dos parâ metros específicos que espelham o desempenho dos
equipamentos será feito por meio de inspeçõ es previstas, de modo a definir as
intervençõ es necessá rias para evitar falhas no sistema.
Por meio, também, do “estudo de engenharia” (acompanhamento do histó rico dos
equipamentos) serã o definidas as intervençõ es que corrijam possíveis defeitos,
além da elaboraçã o de programas de serviços específicos para cada equipamento.
Tal medida possibilita a
adoçã o de um sistema
personalizado de manutençã o,
em que sã o consideradas todas
as variáveis que influenciam no
rendimento operacional do
equipamento, com retorno
operacional e econô mico.
44

Manutenção
• Execução de procedimentos de manutenção em
sistemas de refrigeração
3. Manutençã o preditiva
Aná lise Ferrográ fica
Aná lise de Vibraçã o
Aná lise de Termografia
45

Manutenção
• Execução de procedimentos
de manutenção em sistemas
de refrigeração
4. Manutençã o corretiva
As tarefas de qualquer natureza
(mecâ nica, elétrica, etc.) detectadas
pela inspeçã o e/ou manutençã o
preventiva e pelos usuá rios geraçã o
serviços que visam restabelecer o
padrã o operacional original dos
equipamentos/sistemas.

Os serviços eventuais, principalmente


de oficina, sã o executados em apoio a
todos os serviços corretivos.
46

Manutenção
• Execução de procedimentos de manutenção em
sistemas de refrigeração
4. Manutençã o corretiva
Procedimentos – Nível I
1. Substituiçã o de capacitores de partida
2. Substituiçã o de termostato
3. Substituiçã o de chave rotativa
4. Substituiçã o do relé
5. Substituiçã o da chave
contatora
6. Desinstalaçã o do
equipamento
47

Manutenção
• Execução de procedimentos de manutenção em
sistemas de refrigeração
4. Manutençã o corretiva
Procedimentos – Nível II
1. Substituiçã o ou reparo de placa eletrô nica
2. Substituiçã o de vá lvula reversora
3. Sanar problemas de vazamento
4. Substituiçã o do filtro
secador
5. Substituiçã o do tubo capilar
6. Reparo na tubulaçã o de
distribuiçã o de ar
48

Manutenção
• Execução de
procedimentos de
manutenção em
sistemas de refrigeração
4. Manutençã o corretiva
Procedimentos – Nível III
1. Substituiçã o ou reparo do
compressor
2. Substituiçã o ou reparo do
motor elétrico do
compressor
3. Substituiçã o ou reparo de
equipamentos para
refrigeraçã o indireta
49

Manutenção
• Execução de procedimentos de manutenção em
sistemas de refrigeração
4. Manutençã o corretiva
Relató rio de manutençã o corretiva
50

Manutenção
• Fim da vida útil
No final da vida ú til deve ocorrer a
desativaçã o, desmontagem e o
descarte dos componentes de um
sistema.
Todas as partes e componentes do
sistema de refrigeraçã o e ar
condicionado (por exemplo o fluido
frigorífico, ó leo, trocadores de calor,
filtros secadores e o material de
isolamento) devem ser recuperados,
reutilizados e/ou descartados de
forma ambientalmente correta,
seguindo a legislaçã o ambiental
vigente
51

Manutenção
• Fim da vida útil
Desativaçã o
Um planejamento junto ao cliente deverá ser feito para reduzir ou
eliminar a liberaçã o de fluido frigorífico para o ambiente, bem
como para o correto descarte dos componentes e lubrificantes.
A maioria das atividades envolvidas nesta fase é perfeitamente
aplicável, independentemente do fluido frigorífico utilizado.
De forma geral, as seguintes açõ es sã o necessá rias:
• Recolhimento do fluido frigorífico. O fluido frigorífico deve ser
totalmente recolhido de forma a nã o se misturar fluidos;
• Recolhimento do ó leo;
• Desmontagem do sistema de refrigeraçã o e equipamento
associados;
• Entrega do fluido frigorífico, ó leo, equipamentos e componentes
do sistema para as estaçõ es de coleta apropriadas.
52

Manutenção
• Fim da vida útil
Desativaçã o
• O fluido frigorífico recolhido deverá ser encaminhado para uma
central de regeneraçã o ou reciclagem, onde passará por tratamento
adequado viabilizando a sua posterior reutilizaçã o.
• Os fluidos frigoríficos contaminados que nã o sejam passíveis de
reutilizaçã o devem ser armazenados em cilindros apropriados e
enviados para destruiçã o, conforme Resoluçã o CONAMA nº 340/2003.
• Em NENHUMA hipó tese poderá ser liberada para a atmosfera as
substâ ncias que sejam controladas pelo Protocolo de Montreal, tais
como os CFCs e HCFCs. A mesma condiçã o se aplica aos HFCs.
• O ó leo lubrificante usado ou contaminado deverá ser encaminhado
para refino (Resoluçã o CONAMA nº 362/2005).
• Os demais componentes do sistema e contaminantes quando
descartados devem seguir o estabelecido pela Política Nacional de
Resíduos Só lidos (PNRS).