Você está na página 1de 32

Primeira dinastia

Lê o poema, memoriza e declama com


entoação.

D. Afonso D. Sancho D. Afonso


Henriques I II “Um trono sem rei sentado
É uma peça de museu,
E falta um cronista que conte
O que na história aconteceu.

É um cronista sem tempo,


Sem lugar e sem idade
Que nos relata o que sabe
Com Humor e liberdade.
D. Sancho D. Afonso
III D. Dinis
II Por já muito ter vivido, perdeu sonhos e
ilusões
Mas recorda-se dos nomes,
Dos títulos e dos brasões.

Podia chamar-se Afonso, Egas, Martim ou


Vicente,
Mas é melhor não ter nome
Para ser igual e diferente
D. Afonso D.
D. Pedro
IV Fernando Abre a porta à narrativa
E realçando o seu valor
Apresenta com orgulho
O nosso rei Conquistador

“José Jorge Letria”


D. Afonso Henriques, o Conquistador
Lê o poema, memoriza e declama com entoação.
Reinou entre
1143 - 1185 “Fez de um condado um país
e com tropas rumou a sul,
Depois da morte do pai, D. Afonso Henriques ficou ganhando duras batalhas
entregue aos cuidados do seu aio , Egas Moniz, um e somando ao verde o azul
homem sábio e muito seu amigo.

Com apenas treze anos armou-se cavaleiro, Ao verde intenso do norte


revelando-se um jovem muito corajoso. Esta valentia juntou o azul do mar,
perdurou todo o seu reinado e as suas conquistas horizonte tão distante
valeram-lhe o cognome de O Conquistador. que muito o veio inspirar.
O grande objetivo foi sempre defender as terras do
Condado Portucalense. No entanto a sua mãe queria
Ergueu castelos e praças,
ser rainha e unir o seu condado à Galiza. Os dois ganhou Almada e Lisboa
nunca chegaram a um acordo e, no dia 24 de junho de e nessa longa cavalgada
1128, D. Afonso Henriques enfrentou as tropas de D. nunca foi um rei à toa.
Teresa vencendo-as naquela que ficou conhecida
como a batalha de S. Mamede. Passou a vida em combates
Em 1139, depois de derrotar os mouros na batalha de
sem nunca ter de arredar pé,
Ourique, D. Afonso Henriques foi aclamado rei pelos e por fim até o Papa
seus soldados. Em 1147, depois da conquista de lhe chamou rei na Santa Sé”
Santarém, conseguiu tomar Lisboa, com a ajuda dos
cruzados. “José Jorge Letria”
Em 1143 foi assinado o Tratado de Zamora ,
através do qual D. Afonso VII de Leão e Castela
reconheceu D. Afonso Henriques como rei. Mas só em Este rei e o : ______________________
1179 é que o papa confirmou o nosso país como reino
independente e D. Afonso Henriques como Rei de
Portugal.
D. Sancho I, O Povoador
Lê o poema, memoriza e declama com entoação.
Reinou entre
1185 - 1211 “E fala-se do Sucessor
de D. Afonso Henriques.
D. Sancho o Povoador

D. Sancho I cedo se iniciou na vida militar por Conquistada tanta terra,


vontade de seu pai D. Afonso Henriques. Tinha era urgente povoá-la
apenas 12 anos quando chefiou a sua primeira
expedição. Em 1185 foi aclamado rei de Portugal.
com gente que fosse capaz
de protegê-la e amá-la.
A pensar na defesa do reino e na sua segurança,
povoou as zonas mais distantes, junto à fronteira
para proteger Portugal de eventuais ataques e
concedeu várias cartas de foral (um documento com “José Jorge Letria”
os direitos e obrigações da população) .

Foi um grande administrador e dedicou-se


maioritariamente à organização económica e política Este rei é o : ______________________
do reino.

Aproveitando a passagem dos Cruzados pelo porto de


Lisboa juntou uma frota e fez uma investida à costa
do Algarve, conquistando Silves e Alvor aos mouros.
.
Depois desta conquista passou a intitular-se Rei de
Portugal e do Algarve.

Morreu em 1211
D. Afonso II, O Gordo
Lê o poema, memoriza e declama com entoação.
Reinou entre
1211-1223
“E veio D. Afonso II,
seu filho e seu herdeiro
que mesmo sendo doente
D. Afonso II subiu ao trono, em 1211. Foi um rei conseguiu ser pioneiro
inovador, preocupado com a organização e com a
unidade do País , e por isso criou as primeiras leis
para melhorar a economia e controlar o abuso de Impondo regras ao clero
poder das classes privilegiadas , o que o fez sofrer a e à nobreza ambiciosa,
oposição do clero e da nobreza. Não tinha vocação criando a Ordem de Avis,
militar devido à sua fraca saúde e excesso peso, que se tornou poderosa.”
ficando conhecido como o Gordo.

Em 1211, assim que subiu ao trono, convocou as


Cortes de Coimbra (uma espécie de assembleia, na
qual reuniam vários representantes de vários grupos “José Jorge Letria”
sociais a nobreza e o clero), para discutir problemas
e tentar resolve-los em conjunto com o rei.
Este rei é o : ______________________
Foi durante o reinado de D. Afonso II que
apareceram os primeiros documentos escritos em
língua portuguesa.

Em 1217 conseguiu aumentar o território português


com a reconquista de Alcácer do Sal. .
D. Afonso II morreu em Coimbra em 1223, deixando
ao seu sucessor um reino organizado, mas de
fronteiras pouco definidas.
D. Sancho II, O Capelo
Lê o poema, memoriza e declama com entoação.
Reinou entre
1223 - 1248
“Veio depois D. Sancho II,
rei fraco e por fim deposto
com uma guerra civil
Era conhecido como Capelo porque em criança usava fonte de muito desgosto.
hábito, as vestes de S. Francisco, como pagamento de
uma promessa.
Em tudo isto veio pôr
Subiu ao trono em 1223, com apenas 13 anos de idade. a nobreza o seu dedo,
e o rei Sancho destronado
Herdou um reino com muitos conflitos entre a foi morrer triste em Toledo”.
nobreza e o clero.

Com a ajuda do rei de Leão, Afonso IX, D. Sancho II


deu início ao alargamento do território e conquistou
mais terras algarvias e alentejanas. “José Jorge Letria”

Foi um grande guerreiro mas deixou-se conduzir por


maus conselheiros. A sua falta de pulso e de decisão Este rei é o : ______________________
fizeram com que as lutas entre o clero e a nobreza
aumentassem. Descontente, o clero queixou-se ao
papa da situação e o papa ordenou que seu irmão D.
Afonso o substituísse.

Assim, como era um rei com pouca habilidade para a .


política foi deposto (afastado do poder) e o Papa
confiou o governo de Portugal ao seu irmão o Infante
D. Afonso que se tornou Defensor e procurador do
reino até à morte de D. Sancho.

D. Sancho morreu em 1248.


D. Afonso III, O Bolonhês
Lê o poema, memoriza e declama com entoação.
Reinou entre
1248 - 1279
“É de seu irmão sucessor
cria leis, toma medidas,
conquista Silves e Faro.
cais para outras partidas.
Era conhecido como o Bolonhês por ter casado em
França , com D. Matilde, que era condessa de Bolonha.
Este Afonso que é fazedor
Mais tarde, separou-se de D. Matilde, pois esta não nunca tem mãos a medir.
conseguia engravidar. Naquela época, era muito cria feiras, mantém a paz,
importante para os reis deixarem descendência que D. Dinis vem a seguir.”
(filhos), para garantir que haveria quem lhe sucedesse
para ocupar o trono.

Depois de repudiar (rejeitar) D. Matilde, acabou por


casar de novo com D. Beatriz de Castela, da qual teve “José Jorge Letria”
vários filhos, entre os quais D. Dinis.

D. Afonso III, conquistou Faro , Albufeira e Porches. Este rei é o : ______________________


Foi responsável pela conquista definitiva do Algarve,
que ainda se encontravam na posse dos Mouros.

Em 1254 reuniu as cortes em Leiria, onde pela


primeira vez na história, participaram os
representantes do Povo. .
Morreu em 1278, deixando o governo do reino ao seu
filho D. Dinis.
D. Dinis, O Lavrador Lê o poema, memoriza e declama com entoação.
Reinou entre
1279 - 1325 “E este rei deixa marca –
Sexto rei de Portugal, , nasceu em 1261, em vem lembrar-nos o cronista
Santarém, filho de D. Afonso III e de D. Beatriz de de um governo que vê longe,
Castela, casou em 1282 com D. Isabel de Aragão, a muito além do que se avista.
Rainha Santa.

Ficou conhecido como o Lavrador, pois sempre Planta árvores e letras,


protegeu a agricultura. Foi ele que mandou plantar o nasce o pinhal de Leiria,
Pinhal de Leiria. e este rei que é poeta
nunca esquece a poesia.
Desenvolveu a agricultura, dando terras para cultivar
a quem não as tinha. Transformou pântanos em terras
agrícolas e mandou plantar o famoso Pinhal de Leiria ,
E nasce o Estudo Geral,
substituindo os pinheiros mansos por pinheiros bravos primeira universidade
de melhor crescimento. a surgir em Portugal
por sua régia vontade.
Em 1290 fundou o estudo geral português, em Lisboa,
onde se ensinavam Artes, Cânones, Leis, Medicina e E a língua portuguesa
Teologia.
com ele ganhou alforria,
Em 1297 definiu as fronteiras com Castela, ao assinar passando a ser usada
o tratado de Alcanises com D. Fernando IV de na escrita de cada dia.
Castela.
Venceu uma longa guerra,
Para aumentar o comércio, D. Dinis promoveu feiras interna, dura e civil,
francas, onde os comerciantes não pagavam
determinados impostos. Ajudou a incentivar o
mas garantiu que Portugal
comércio com outros países e protegeu a exportação jamais seria servil.”
para a Europa de produtos agrícolas, peixe e sal, em
troca de tecidos e minérios. “José Jorge Letria”
Este rei é o : ______________________
Rainha Santa Isabel.

Antes de ser uma lenda, Isabel foi princesa de Aragão, menina de 11


anos dada em casamento ao rei D. Dinis. Culta, sensível, corajosa,
generosa, esta rainha não será como as outras: protege os mendigos
com o coração e milagres de rosas.

D. Isabel foi amada pelo povo que via nela um anjo protetor. Atenta
às necessidades dos mais humildes e carenciados, empenhou-se em
criar instituições para acolher e auxiliar doentes e pobres. Mandou
edificar hospitais em Coimbra, Santarém e Leiria e albergarias para
mulheres.
Diz a lenda que o marido não aprovava esta política social de
 proximidade e que um dia a surpreendeu durante uma das suas
ações, perguntando-lhe o que tinha no regaço. Isabel levava pão para
distribuir pelos pedintes, mas sabendo como isso desagradava o seu
rei, disse que eram rosas. Seria perfeito se não fosse Janeiro, o
mês em que as rosas não desabrocham. A rainha, percebeu que tinha
sido descoberta e abriu o manto. Em vez de pão, rosas perfeitas
caíram-lhe do colo. Estava feito o primeiro milagre. O segundo que
lhe foi atribuído, aconteceu 23 dias após a sua morte. A aura já era
de santa.
Em 1516 é beatificada pelo Papa Leão X e santificada por Urbano
VIII.
D. Afonso IV, O Bravo Lê o poema, memoriza e declama com entoação.
Reinou entre
1325 - 1357 “De seu filho D. Afonso IV
ficaram leis e tratados
batalhas de muita bravura
e alguns sonhos adiados.
D. Afonso IV, sétimo rei de Portugal.
Manchou a sua memória.
Teve um conflito com o rei Afonso XI de Castela
pela forma cruel como este tratava a mulher, D. com o cognome de O Bravo,
Maria, sua filha. Esse conflito agravou-se e originou a morte de Inês de Castro
uma guerra entre os dois reinos. que trouxe tanto agravo.

Esta guerra durou quatro anos (de 1337 a 1340) e só Foi por isso que D. Pedro
terminou com a assinatura da paz a 10 de julho de
na história dito O Cruel,
1340.
decidiu fazer justiça
D. Afonso IV reorganizou a Universidade de Coimbra. contra quem foi infiel.

Foi também durante o seu reinado que a marinha


recebeu o primeiro grande impulso, realizando-se “José Jorge Letria”
então a primeira viagem às ilhas Canárias.
Este rei é o : ______________________
O final do seu reinado ficou marcado por épocas de
fome e constantes guerras, assim como pela peste
negra, uma doença mortal e altamente contagiosa que
dizimou grande parte da população.

Foi um rei que tomou medidas muito duras, assim que


subiu ao trono expulsou o seu irmão do reino e foi
também responsável pela morte de D. Inês de
Castro, amante do seu filho D. Pedro.
D. Pedro, O justiceiro
Lê o poema, memoriza e declama com entoação.
Reinou entre
1357 - 1367 “…Foi por isso que D. Pedro
na história dito O Cruel,
decidiu fazer justiça
contra quem foi infiel.

Era conhecido como o justiceiro porque mandava Foi por isso que D. Pedro
aplicar a lei de forma igual para todos, quer fossem na história dito O Cruel,
ricos quer fossem pobres. Mas ficou também decidiu fazer justiça
conhecido como O Cruel, porque assim que se tornou
rei mandou matar todos os responsáveis pela morte
contra quem foi infiel.
da sua amante, D. Inês de Castro.
De Inês guardou saudades
D. Pedro fez de D. Inês de Castro rainha já depois gravadas com amargura
de morta. E dela fez sua rainha
erguendo-a da supultura.
O local onde D. Inês foi morta, em Coimbra, é hoje
conhecido com a Quinta das Lágrimas.
Mas deste rei feito lenda
D. Pedro I deu sempre grande importância ao outras lembranças ficaram
contacto direto com o povo, que o acarinhou medidas de governante
bastante. que muita coisa mudaram.
Exerceu a justiça exemplarmente, tratando de igual
modo todas as pessoas. Evito guerras e mandou
Assinou cartas de foral
cunhar moedas de ouro e de prata para que a riqueza e disse bem alto à nobreza
circulasse no reino. quem mandava neste reino
sem dar sinais de fraqueza
Nos últimos anos do seu reinado apareceram novos
surtos de peste negra, que causaram a morte de “José Jorge Letria”
grande parte da população.
Este rei é o : ______________________
O amor de Pedro E Inês

Há muitos anos, no pequeno reino de Portugal, vivia


um príncipe chamado Pedro.
Pedro cresceu até que seus pais lhe pediram para
casar com a bela e doce Constança, e o belo casamento
aconteceu.
Mas os príncipes não se amavam verdadeiramente
como nos contos de fadas, pois Pedro não gostava
verdadeiramente de Constança.
O príncipe amava Inês de Castro, uma aia de sua
esposa que a tinha vindo acompanhar.
Os anos passaram e Constança estava cada vez mais
triste, até que um dia morreu ao dar à luz um bebé
chamado Fernando.
Depois de Constança morrer, Pedro e Inês ficaram
juntos. Deste amor, nasceram quatro filhos, D. Afonso, D.
Beatriz, D. Dinis e D. João.
O seu grande problema era D. Afonso IV não gostar
de Inês. Por isso, a conselho dos seus homens, mandou
executá-la, quando Pedro estava ausente.
Quando Pedro chegou a casa da sua caçada,
encontrou o seu amor caído no chão, já sem vida.
D. Pedro ficou destroçado, mas nem por isso cruzou
os braços. Mandou matar os assassinos e ordenou que
fossem construídos dois túmulos magníficos, um para Inês
e outro para quando ele morresse, que foram colocados no
belo Mosteiro de Alcobaça.
D. Pedro I estava mais velho, até que chegou a sua
hora.
E assim foi… Os dois amados puderam finalmente
dormir o sono eterno, frente a frente, nos braços do belo
e encantado Mosteiro de Alcobaça.
D. Fernando, O Formoso

Reinou entre
1367-1383

Era conhecido como o formoso por se muito bonito.

Herdou um trono estável. Mandou reparar muitos


castelos, construiu outros e fez novas muralhas para
Lisboa e Porto.

O seu casamento com D. Leonor Teles não foi bem


recebido pelo povo, tendo até de sair de Lisboa para
se poder casar sem tumultos. É que D. Leonor Teles
não era senhora de alta linhagem e já fora casada,
não servindo para ser rainha de Portugal.

Naquela época, para se ser rainha era preciso ser-se


pura, solteira, fiel e, idealmente, de origem nobre.

Para incentivar a agricultura, D. Fernando ordenou a


publicação da Lei das Sesmarias, que obrigava os
donos das terras a cultivá-las para não ficarem sem
elas. Os vadios e pedintes também tinham de
trabalhar no campo, senão eram presos.

D. Fernando morreu sem ter um filho varão, por isso


a regência do reino foi entregue à viúva, D. Leonor
Teles, que proclamou rainha de Portugal a sua filha,
D. Beatriz, casada com o rei de Castela, o que
provocou uma grande revolta em 1383.
ÚLTIMO REI DA PRIMEIRA DINASTIA

D. Fernando, O Formoso

Lê o poema, memoriza e declama com entoação.

“…Não teve fulgor nem recato


o reinado que depois veio,
de D. Fernando, o Formoso,
com muita dor de permeio.

Nasceu a Lei das Sesmarias,


em nome da agricultura,
mas não é grande a memória que deste monarca
perdura.

Casado com Leonor Teles


que ao povo não agradava,
morreu sem herdeiro varão
e quase a nação se afundava.”

“José Jorge Letria”

Este rei é o : ______________________

Fim da 1ª dinastia
1. Responde

1.1 Quem mandou semear o pinhal de Leiria?

________________________________

1.2. Qual era o seu cognome? ________________

1.3. Com quem era casado?


___________________

1.4. Conta por palavras tuas, o milagre das rosas?


_______________________________________
_______________________________________
_______________________________________
_______________________________________
_______________________________________
_______________________________________
_______________________________________
_______________________________________
_______________________________________
_______________________________________
_______________________________________
_______________________________________
1. Completa os espaços em branco.

A primeira dinastia portuguesa é denominada


Dinastia_________________.
O seu primeiro rei foi ____________________,
que fundou o nosso país no ano de
______________, após ter assinado o
________________________.
O objetivo dos nossos primeiros reis foi o
_______________do território, travando batalhas
contra os _____________ e assim conquistando
novas terras.
Para que as mesmas fossem povoadas e defendidas
concediam ___________________________.

2. O rei com o cognome de “O LAVRADOR” teve um


papel muito importante no desenvolvimento cultural,
agrário e educativo. Quem foi esse rei?
_______________________________________

3. Lê as afirmações e completa com V ou F.

a) D. Dinis mandou plantar o pinhal de Lisboa. ___


b) A primeira universidade portuguesa foi criada por
D. Dinis. _____
c) D. Dinis foi casado com D. Teresa. _____
d) O reinado de D. Dinis foi vivido num período de
guerra contra os Mouros. ____
e) Foi no reinado deste monarca que o português foi
reconhecido como língua oficial do reino. ____
Segunda dinastia
Lê o poema, memoriza e declama com
entoação.

E eis que à cena regressa


D. João I D. Duarte D. Afonso V o cronista desta história
para recordar outro rei
e um tempo de glória.

Foi com D. João I


que a nossa soberania
se afirmou na voz do povo,
nas ruas com alegria.

Assim nasceu a dinastia


D. Manuel I que veio a chamar-se de Avis
D. João II D. João III
E os infantes herdeiros
Que aumentaram este país.

Duarte, Pedro e Henrique


E outros da mesma geração
Puseram os olhos no mar
Em tempo de navegação.

D. E aquilo que no início foi luta e revolução


Sebastião D. Henrique D. António tornou-se página nobre
Do livro da nossa expansão

“José Jorge Letria”

Este rei é o : ___________________


D. João I , O de boa memória Após a guerra com Castela, Portugal encontrava-se em
dificuldades económicas, tinha falta de cereais, de ouro e
Reinou entre de prata.

1385-1433 Em 1410, com ajuda do seu filho D. Duarte preparou um


plano para conquistar as principais cidades do norte de
África, à procura de cereais, sedas e ouro.
Era filho bastardo de D. Pedro I. Foi investido como
Mestre da Ordem de Avis, pelo seu pai. Conseguiram conquistar Ceuta dando assim início à
Expansão Marítima Portuguesa.
Subiu ao trono em 1385, no mesmo ano da célebre
batalha de Aljubarrota, em que as tropas O grande impulsionador deste empreendimento foi o
portuguesas chefiadas por D. Nuno Álvares Pereira, Infante D. Henrique, filho de D. João I.
derrotaram os castelhanos.
Após a conquista de Ceuta, começaram a realizar-se
Em 1388 mandou construir o Mosteiro da batalha, viagens de exploração na costa ocidental africana.
para comemorar a vitória de Aljubarrota
A D. João I sucedeu D. Duarte e a este D. Afonso V.
Era conhecido como “O de boa memória” (o rei de Seguiu-se D. João II e D. Manuel I. Todos eles
quem se tinha boa memória, boa recordação) porque contribuíram para a grande empresa dos descobrimentos.
salvou Portugal de perder a independência após a
morte de D. Fernando.

Foi durante o seu reinado que se iniciou a maior de


todas as façanhas de todos os portugueses, que
tornaram Portugal conhecido em todo o mundo: A
Expansão (os descobrimentos portugueses).

Foi com D. João I que se deu a “redescoberta” do


arquipélago da Madeira (1419) e a descoberta do
arquipélago dos açores (talvez em 1427).
O processo realizado pelos homens de Castela para cercar
Batalha de Aljubarrota Portugal foi um dos mais demorados da história, sendo que
a peste negra que assolava a Europa e os desentendimentos
D. Fernando, nono rei de Portugal, morreu em 1383. entre os soldados castelhanos deram vantagem para que os
D. Beatriz, sua filha única, iria sucedê-lo no trono. portugueses não se rendessem. Com essa resistência, o
Porém, ela era casada com o rei de Castela. Desta Mestre de Avis ganhou força em Portugal. Assim, a população
forma, o rei de Portugal seria um castelhano. nomeou – o com o título de Regedor e Defensor do Reino.
Mas Castela continuava firme na sua posição de ataque e uma
Mesmo com esse perigo, D. Beatriz tornou-se rainha nova tentativa de invasão do território português foi feita.
e o povo de Portugal ficou dividido, um grupo que a
apoiava e o outro que achava ilegítima a sua posição. Esse processo desencadeou diversos combates entre as
forças militares de Portugal e Castela, mas a mais conhecida
Um dos opositores de D. Beatriz era D. João, foi a Batalha de Aljubarrota, ocorrida em agosto de 1385.
Mestre de Avis, que era meio-irmão de D. Fernando.
Um dos nomes mais importantes da Batalha de Aljubarrota
Com o objetivo de tornar mais fraca a posição da foi D. Nuno Álvares Pereira, guerreiro e nobre de Portugal
rainha, D. João Mestre de Avis assassinou o Conde que arquitetou uma estratégia conhecida com o nome de
Andeiro, um conselheiro de D. Leonor, viúva do rei "tática do quadrado". Assim, os homens de Portugal venceram
D. Fernando que supostamente era a regente (quem a batalha com menos homens e menos armas, evitando que o
reina em vez da rainha). Na verdade, Andeiro era país ficasse sob o domínio de Castela.
quem regia o trono através de Leonor.
Nuno Álvares Pereira é também conhecido
Após matar Conde Andeiro, D. João Mestre de Avis
por  Santo Condestável ou beato Nuno de
foi apoiado pela população e por alguns nobres e Santa Maria.
burgueses que eram contra a rainha Beatriz. Durante a crise de 1383, causada pelo
morte sem descendentes diretos de D.
Receosa com esta situação, D. Leonor recorreu ao Fernando, Álvares Pereira assume o
rei de Castela e seu genro, para que agisse de forma comando do exército português e inflige
a manter a posição de D. Beatriz. Desta forma o rei duras derrotas aos espanhóis, assegurando
a independência do país e a coroa para D.
de Castela, percebeu que a sua figura também
João I.
estava a ser contestada em Portugal e enviou os Após os confrontos militares torna-se um
seus homens para cercar Lisboa, local onde vivia D. dos mais ricos nobres do país e retira-se
João, Mestre de Avis. para as suas propriedades. Num período
mais tardio da sua vida distribui os bens
pelos seus herdeiros abraçando a vida
religiosa.
1. Liga corretamente.

casado com D. Beatriz


queria ser rei de Portugal.
D. Fernando

morreu, deixando como


sucessora, a sua filha
D. Leonor Beatriz.
Teles

expulsou D. Leonor Teles,


venceu os castelhanos e
D. João rei tornou-se rei.
de Castela

D. João, comandou o exército


mestre de português na batalha de
Avis Aljubarrota

D. Nuno defendeu o direito ao


Alvares trono de sua filha, D.
Pereira Beatriz e do genro, o rei
de Castela.

A Segunda Dinastia ficou conhecida por Dinastia de


______________ e deve o seu nome a D.
________________________, também conhecido
por Mestre de _______________.
Lê o poema, memoriza e declama com
entoação.

Abriu-se um novo capítulo


De uma história navegante
Em que se segue D. Duarte
Sem se esquecer o Infante.

Foi muito breve o reinado


Deste escritor cavaleiro
Que nos deixou para ser lido
O seu leal Conselheiro.

e ainda teve tempo


Antes de a morte o levar
De ensinar aos cavaleiros
A Arte do bem cavalgar

Veio depois D. Afonso V


Herdeiro firme e valente
Que chamado, o Africano
Viu Portugal ir em frente.

Em frente estava o oceano,


A lonjura, a incerteza
Mas não faltava o alento
Aos autores dessa proeza

“José Jorge Letria”


Os Descobrimentos Explorar o arquipélago da Madeira

A conquista de Ceuta, em 1415 , abriu caminho para Sob a direção do Infante D. Henrique, navegadores
um dos períodos mais marcantes da história de portugueses lançaram-se no reconhecimento e exploração
Portugal. das ilhas da Madeira.

O século XIV foi uma época de grandes dificuldades As ilhas eram desabitadas, por isso, Tristão Vaz
para a Europa, que se viu abalada por fomes, pestes e Teixeira, João Gonçalves Zarco e em Porto Santo
guerras. Portugal também não se escapou a esta Bartolomeu Perestrelo, navegadores fidalgos, ficaram
grave e profunda crise. incumbidos de povoar as ilhas do arquipélago. Assim,
estres três capitães começaram logo a organizar e a
Estava na altura de partir para a aventura e os distribuir terras, a atrair colonos, a desbravar matas, a
Descobrimentos revelaram-se um autêntico projeto construir aldeias e a preparar campos para cultivo e
nacional. Portugal possuía marinheiros experientes , pasto de animais.
estava numa posição geográfica privilegiada e eram
hábeis construtores de barcos. Estas ilhas eram importantes porque os terrenos eram
férteis, e foi possível a produção de açúcar e de vinho.
A conquista de Ceuta
No verão de 1415 as embarcações portuguesas A Madeira, em meados do século XV era também um local
partiram sob o comando do próprio rei D. João I . importante para paragem de embarcações, em que os
No dia 21 de agosto o ataque surpreendeu os Mouros navegadores portugueses podiam parar para descansar e
e a cidade caiu nas mãos dos portugueses. Esta para abastecer os seus barcos com vinho, biscoitos,
cidade era importante porque tinha vastos campos de carne, peixe e fruta.
cereais (fundamentais para alimentar populações) e
ouro (que podia ser utilizado para cunhar moeda e
assim dinamizar o comercio).

A conquista de Ceuta, em 1415 , não correu bem pois


estava cercada de mouros e as constantes guerras
não permitiam tranquilidade. O filho de D. João I ,
foi feito refém e acabou por morrer, preso em 1443.
“Descobrir” o arquipélago dos Açores

Sob a direção do Infante D. Henrique, navegadores


portugueses lançaram-se no reconhecimento e
exploração dos Açores.

O Arquipélago é composto por nove ilhas, divididas


em três grupos. É um conjunto de ilhas com inúmeras
riquezas naturais, aves, flores, e cursos de água.

Assim, os portugueses consideraram que tinham


condições para ser habitadas e exploradas,
sobretudo no que respeita ao cultivo da terra e à
criação de animais.

O povoamento dos Açores iniciou-se mais tarde do


que a Madeira. A fertilidade da terra favoreceu,
desde o início, a criação de gado bovino, bem como a
produção de leite e queijo. Na agricultura
desenvolveu-se a produção de trigo, com que se
abastecia o reino e as cidades portuguesas do norte
de África.

Já no seculo XVI produziu-se o milho e depois de os


portugueses se estabelecerem na América do Sul,
outro tipo de plantas , como o chá ou plantas
tintureiras e frutos tropicais.
Enfrentar o mar tenebroso

Até ao início do século XV, o conhecimento que os


europeus tinham do mundo era muito limitado.
Conhecia-se apenas a europa , um pouco da Ásia e um
pouco da costa de África até ao Cabo Bojador.
Acreditava-se que a terra fosse plana como um
disco e que, se viajasse longe de mais, as
embarcações podiam chegar ao fim do mundo e cair
num abismo.

Este promontório era


conhecido pelo cabo do
medo. A navegação aqui
era muito arriscada,
difícil e perigosa pois,
para além da forte
ondulação e dos
recifes de arestas
pontiagudas, era pouca
a profundidade das
águas.
Dizia-se que
serpentes monstruosas
habitavam o mar e que
engoliam embarcações
inteiras.

Gil Eanes

Após 15 expedições falhadas e ao longo de mais de


uma dezena de anos , Gil Eanes é o primeiro a
conseguir passar para lá do cabo bojador, acabando
com todas as superstições e o terror que este cabo
provocava aos marinheiros.
Para além do Bojador

Ao contrário do que aconteceu nos arquipélagos dos


Açores e da Madeira, os navegadores portugueses
encontraram populações nativas ao longo da costa
Africana. Com as quais estabeleceram contacto e
relações comerciais.

Descobrir uma ligação entre o Atlântico e o Índico


era o grande objetivo de D. João II . O rei mandou
Bartolomeu Dias , ao comando de uma armada de
duas caravelas, dobrar o cabo das tormentas.

Cabo das Tormentas ou Cabo da Boa Esperança

A dobragem do cabo das tormentas teve uma grande


importância! D. João II via assim ser possível chegar
à Índia por mar, contornando África. Por outro lado
descobria-se que o continente Africano tinha fim e
não estava ligado à Antártida.
As embarcações dos descobrimentos
O Caminho Marítimo para a Índia

Foi no reinado de D. Manuel I que Vasco da Gama


alcançou por mar , a cidade de Calecute, na Índia.
Inaugura-se, assim, a rota do Cabo que ligou a Europa
à Ásia por mar. Os portugueses ficaram, desta
forma, com um acesso direto às riquezas do Oriente.

As riquezas do Oriente
As especiarias mais comuns, trazidas da Índia eram a
pimenta, a canela, o cravo-da-índia e o gengibre. As
especiarias eram utilizadas para confecionar
alimentos, mas também serviam para a medicina, a
cosmética e na perfumaria. Traziam-se também da
Índia sedas, porcelanas e pedras preciosas.
Os Portugueses no Brasil

No ano de 1500, o império português expandiu-se


para ocidente ao incorporar um novo território o
Brasil.

O sucesso da viagem de Vasco da Gama à Índia


incentivou o rei D. Manuel I a preparar uma nova e
poderosa armada. Coube então ao capitão Pedro
Ávares Cabral comandar a segunda viagem ao oriente.
Contudo, no decorrer da viagem, fez-se um desvio e
achou-se o Brasil, num sábado, de 25 de Abril do ano
de 1500.

A novidade e a diferença admiraram os Portugueses.


Tudo era exótico – as gentes, os animais, as plantas.

Estava encontrado o caminho para um mundo novo


que, entre os séculos XVI e XVII, trouxe ao reino
muita riqueza: o pau-brasil (madeira muito apreciada
para fabrico de mobiliário de grande qualidade), o
açúcar e o ouro.

Contudo a riqueza do Reino conseguiu-se à custa do


sacrifício de milhares de escravos - indígenas e
negros africanos- tratados como mercadoria. este
foi um período horrendo da história de Portugal.

Você também pode gostar