Você está na página 1de 29

Medição em Química

Medição em química
10º

Medição e medida

2
Medição em química
10º

• Medir uma grandeza é determinar o número de vezes (n) que essa


grandeza contém outra da mesma espécie, ou seja, é comparar o valor de
uma determinada grandeza, G, com outra da mesma natureza, que se toma
como unidade.

  𝑮 (𝐯𝐚𝐥𝐨𝐫 𝐝𝐚 𝐠𝐫𝐚𝐧𝐝𝐞𝐳𝐚 )
𝒏=
𝐮𝐧𝐢𝐝𝐚𝐝𝐞

• A medida de uma grandeza é o resultado da operação medição e exprime-se


através de um número, geralmente acompanhado de uma unidade
apropriada.

Medição: ato de medir.

Medida: resultado da medição.

3
Medição em química
10º

 • As medições podem ser diretas ou indiretas.

• Para efetuar uma medição direta, usam-se aparelhos calibrados de


acordo com a grandeza a medir e a unidade de medida utilizada. Por
exemplo, medir volumes com uma bureta, uma pipeta, etc. ou medir a
massa de um corpo com uma balança.

• Na medição indireta aplica-se uma fórmula que relaciona a grandeza


a medir com outras grandezas medidas diretamente. Por exemplo,
medir a concentração mássica:

4
Medição em química
10º

Caráter aproximado de uma medição

5
Medição em química
10º

• Há sempre uma incerteza associada à medição que resulta de vários erros que
ocorrem durante a medição. Embora os erros sejam inevitáveis, é importante
conhecer os erros que se podem cometer de modo a minimizá-los. Para isso:

• deve medir-se várias vezes a grandeza cujo valor se pretende calcular,


obtendo assim uma série de dados;

• devem utilizar-se instrumentos adequados.

Os erros experimentais podem classificar-se, segundo a causa que os


provoca, em erros aleatórios, ou acidentais, e erros sistemáticos.

6
Medição em química
10º

Tipos de
Características Causas
erros
• São imprevisíveis e surgem • Más leituras, quer por posição
ocasionalmente. errada do observador, quer por
• Não são regulares, isto é, oscilam desconhecimento da escala de
Aleatórios ou aleatoriamente para um lado e para leitura.
acidentais o outro do valor da grandeza. • Movimento brusco do operador.
• São difíceis de eliminar • Variações bruscas de temperatura,
pressão, vento, tensão elétrica, etc.
• Outras causas.
• Existem sempre e verificam-se • O método utilizado não é adequado.
sempre no mesmo sentido. • Deficiência dos instrumentos de
• Podem ser compensados. medida.
• Flutuações nas condições de
Sistemáticos medição.
• Utilização de reagentes com
impurezas.
• Deficiências nos procedimentos do
operador.

7
Medição em química
10º

 Os erros acidentais são difíceis de eliminar, pois as suas causas são

imprevisíveis. Contudo, podem ser reduzidos quer com o aperfeiçoamento


da medição pelo operador, quer efetuando várias medições – x1, x2, x3, ... ,

xn (em número ímpar) – da mesma grandeza, de modo a tomar o seu valor


médio, , como o valor mais provável dessa grandeza.

O valor médio é a média aritmética dos valores obtidos nas n medições


(o valor mais provável da grandeza a medir):

 ´𝑥 = 𝑥1 + 𝑥 2+…+ 𝑥 𝑛
𝑛

8
Medição em química
10º

Incerteza absoluta e incerteza relativa

9
Medição em química
10º

A incerteza absoluta de leitura é o erro máximo que podemos cometer


nessa leitura.

• Se for feita uma única medição num aparelho analógico, a


incerteza absoluta de leitura corresponde a metade da menor divisão
da escala desse aparelho.

• Se for feita uma única medição num aparelho digital, a incerteza


absoluta de leitura corresponde ao menor valor que é possível ler nesse
aparelho.

A incerteza de cada instrumento de medida é indicada pelo respetivo


fabricante e é sempre um valor numérico.

10
Medição em química
10º

Instrumento de medida Incerteza

Balança eletrónica ± 0,1 g a ± 0,00001 g

Proveta graduada de 10 mL ± 0,1 mL

Bureta de 50 mL ± 0,02 mL

Pipeta graduada de 10 mL ± 0,05 mL

Pipeta volumétrica de 10 mL ± 0,02 mL

Balão de diluição de 100 mL ± 0,25 mL

11
Medição em química
10º

Quando se realizam diferentes medições de uma determinada grandeza nas


mesmas condições, verifica-se que não se obtém sempre o mesmo valor. Cada
medida apresenta um desvio di, relativamente ao valor médio do conjunto das
medidas efetuadas:
𝑑
  i= 𝑥 i − ´𝑥

Define-se incerteza absoluta do valor mais provável de um conjunto de


medições como o maior dos desvios absolutos, |dmáx|.

Define-se incerteza relativa como o quociente entre a incerteza absoluta e o


valor mais provável:
  Incerteza absoluta
Incerteza relativa=
´𝑥

Este valor pode ser apresentado como percentagem, designando-se, neste caso,
desvio percentual.

12
Medição em química
10º

Precisão e exatidão

13
Medição em química
10º

A precisão é a proximidade entre os valores encontrados em medições


repetidas de uma determinada grandeza, utilizando o mesmo método.

Medida precisa: os valores encontrados


em medições repetidas da mesma
grandeza estão muito próximos.

A precisão de um resultado é afetada pelos erros acidentais.

O resultado de um conjunto de medições diz-se exato se o valor médio


está próximo do valor de referência.
Valor médio Valor de referência

Medida exata: medida cujo valor


médio está próximo do valor de
referência.
A exatidão de um resultado é afetada pelos erros sistemáticos.
Medição em química
10º

medida Valor de referência Valor médio

Medida precisa mas não exata Medida exata mas não precisa

Quando existe um valor de referência (valor tabelado), para determinar a


exatidão do valor medido calcula-se o erro percentual:

  |valor   de   refer ê ncia − valor   medido|


Erro   percentual   ( % ) = × 100
valor   de   refer ê ncia

O valor medido será tanto mais exato quanto menor for o seu erro percentual.

15
Medição em química
10º

Ordem de grandeza

16
Medição em química
10º

Qualquer valor numérico pode ser expresso em função de uma potência de


base 10, o que permite facilmente comparar valores e ter a noção da sua
ordem de grandeza, que é a potência de base 10 mais próxima desse
número. Por exemplo:

Número 6,63 × 10–34 1,66 × 10–26 2,18 × 10–19 3,0 × 103 6,02 × 1023

Ordem de
10–33 10–26 10–19 103 1024
grandeza

Repare-se que a ordem de grandeza de 6,63 × 10 –34 é 10–33, pois 10–33 é a


potência de base 10 mais próxima do valor 6,63 × 10 –34.

17
Medição em química
10º

Algarismos significativos

18
Medição em química
10º

A precisão de uma medida é evidenciada pelo número de algarismos


significativos expressos no resultado, no qual existem algarismos exatos e
um algarismo incerto.

Algarismos exatos - estão concordantes com as


divisões da escala do
Algarismos instrumento usado.
significativos

Algarismos incertos - são lidos por estimativa


(aproximação) e, portanto, são
incertos.

19
Medição em química
10º

Regras para a contagem de algarismos significativos:


• Qualquer algarismo diferente de zero é significativo.

• Os zeros à esquerda do primeiro algarismo diferente de zero não são


significativos.

• Quando se faz a conversão de uma unidade de grandeza para outra, o


número de algarismos significativos permanece constante.

Exemplos
• 0,001 45 : 3 algarismos significativos.
• 12,45 : 4 algarismos significativos.
• 0,3 : 1 algarismo significativo.
• 6,5 m = 6,5 × 103 mm : 2 algarismos significativos.
• 12,8 cm3 = 0,0128 dm3 ou 1,28 × 10−2 dm3 : 3 algarismos significativos.

20
Medição em química
10º

Arredondamentos

21
Medição em química
10º

Ao calcular valores de diferentes grandezas são feitos frequentemente


arredondamentos, de modo a apresentar os resultados com o número
correto de algarismos significativos.

Em seguida, aplicam-se as seguintes regras dos arredondamentos:

• Se o primeiro algarismo a suprimir for inferior a 5, o algarismo anterior


mantém-se – arredondamento por defeito.

• Se o primeiro algarismo a suprimir for superior a 5, o algarismo


anterior aumenta uma unidade – arredondamento por excesso.

• Se o algarismo a suprimir for só 5, ou 5 seguido apenas de zero(s), o


algarismo anterior arredonda para o número par mais próximo.

22
Medição em química
10º

• Como arredondar o resultado 35,317 para as décimas?


35,317

Algarismos a suprimir: 1 e 7. O O algarismo Resultado


primeiro algarismo a suprimir é anterior a 1 é 3, arredondado:
1, que é, portanto, inferior a 5. que se mantém. 35,3.

• Como arredondar o resultado 35,450 para as décimas?

35,450

Algarismos a suprimir: 5 e 0. O algarismo Resultado


anterior a 5 é par, arredondado:
logo, mantém-se. 35,4.

23
Medição em química
10º

Medição de massas, volumes e


densidades usando instrumentos
adequados

24
Medição em química
10º

Medição de massas
Medir a massa de uma amostra é uma operação que se denomina por
pesagem.

O instrumento necessário para essa operação é a balança, que geralmente


está graduada em gramas.

O alcance é o valor máximo que é possível medir


utilizando o aparelho (neste caso a balança).

A sensibilidade é o valor da menor divisão da sua


escala.

Antes de medir a massa de um corpo deve ser


escolhida a balança de alcance e sensibilidade Balança eletrónica
adequados.

25
Medição em química
10º

Medição de massas

Para medir a massa da amostra deve ter os cuidados seguintes:

• Não colocar a amostra diretamente sobre o prato da balança, mas


dentro de um recipiente limpo e seco (o recipiente deve estar à
temperatura ambiente, porque o corpo ou material aquecido
provoca correntes de ar que introduzem erros na pesagem).

• Evitar vibrações na mesa ou na bancada onde se encontra a


balança.

• Evitar derrames de líquidos ou reagentes sólidos sobre o prato da


balança.

Balança eletrónica 26
Medição em química
10º

Medição de volumes de líquidos


Para medições rigorosas de volumes usam-se pipetas, buretas
e balões volumétricos.

Para medições menos rigorosas de volumes usam-se provetas.

Pipeta

Balão Proveta
Bureta
volumétrico 27
Medição em química
10º

Medição de volumes de líquidos

Alguns dos instrumentos de medição de volumes têm inscritas


informações como:

• o volume máximo;

• a graduação da sua escala, normalmente em mL;

• a tolerância (limite máximo do erro existente, quando há uma


correta utilização do aparelho);

• o traço de referência (no caso de pipetas, de balões volumétricos


ou de picnómetros);

• a temperatura de calibração (temperatura a que foi feita a


calibração, normalmente 20 °C, e à qual deve ser feita a
medição, sempre que possível).
28
Medição em química
10º

Medição de volumes de líquidos


Qualquer que seja o instrumento utilizado na medição de um dado
volume, a leitura deve ser feita de modo a evitar os erros de
paralaxe – erros associados à incorreta posição do observador.

A leitura deverá ser feita de modo que a Sempre que a direção do olhar não
direção do olhar coincida com a linha coincide com a linha tangente
tangente à parte interna do menisco. ao menisco cometem-se erros de
paralaxe.

29

Você também pode gostar