Você está na página 1de 17

O Luto pela Perda do Lar e da Pátria

(SER ESTRANGEIRO, REFUGIADO, “MORADOR” DE


RUA)

Prof. Esdras Emmanuel Lins Maia


"Abre a tua boca em favor dos que não
podem se defender; sê o protetor dos
direitos de todos os desamparados!
Ergue a tua voz e julga com justiça,
defende o pobre e o indigente.”
Ditados do rei Lemuel, séc. X a.C.


Léon Bonnat
Data: 1880
Estilo: Romantismo
Gênero: Pintura religiosa
1. O QUE É LUTO?
1.1. DEFINIÇÃO: 1.2. TIPOS DE PERDAS relacionadas a:
A) SERES (morte ou separação de pessoas, animais);
a) PSÍQUICA; B) SAÚDE (doença grave, amputação de membros do
A. REAÇÃO b) SUBJETIVA (pessoal, corpo);
intransferível). C) COISAS ou objetos concretos ou simbólicos (bens
materiais e econômicos ou de estima; um ideal, a pátria
ou o sentimento de nacionalidade, mudanças culturais,
etc);
a) Deflagrado com o ROMPIMENTO D) RELAÇÃO POSIÇÃO FUNÇÃO (rels.
B. PROCESSO
de laços ou vínculos afetivos. empregatícias, profissionais, sociais e afetivas).*

a) ∄ PADRÕES de tempo e
Obs.: Enfim, todo rompimento de um forte elo de afeição
intensidade estabelecidos
pessoal com alguém ou algo, que tenha um valor pessoal
idealmente pela teoria, mas sim,
C. TRAJETO Existencial significativo, pode deflagrar o processo de luto.
clinicamente observados como
normais;
b) IDIOSSINCRASIA, saúde física.
1.3. Características, Consequências, Manifestações ou
Sintomas
São variados os sinais, sintomas ou manifestações. Em suma, eles tornam os elementos constitutivos da realidade do
indivíduo cinza ou sem brilho, atração e gosto. São eles:
SAUDÁVEIS OU INDIFERENTES PATOLÓGICAS
a) TRISTEZA (oscilação ou graus distintos);
a) INTENSIDADE dos sintomas e EXTENSÃO temporal superiores;
b) RETRAIMENTO ou a redução da Energia, Disposição, Apetite ou b) CICLO VICIOSO2 (pensamentos, sentimentos, emoções, sensações,
Interesse; atitudes e ações);
c) COMPROMETIMENTO do Funcionamento e Reações Normais.
c) BAIXA AUTOESTIMA, extrema VULNERABILIDADE e DESAMPARO;  

d) AGITAÇÃO, excitação psíquica, euforia;  


Obs.:
e) Demanda TEMPO e consome altas taxas de ENERGIA; 1. A propósito, este trabalho psíquico divide-se em duas frentes: a RESTAURAÇÃO e
REORDENAMENTO do CAMPO DE INVESTIMENTOS PSÍQUICOS e a
f) APROXIMAÇÃO da realidade da perda; RESSIGNIFICAÇÃO ou RECONSTRUÇÃO SIMBÓLICA do VÍNCULO ou
RELACIONAMENTO, da POSIÇÃO e FUNÇÃO com o que fora perdido. Em termos
g) REDIMENSIONAMENTO; mais humanos, consiste no ressurgimento da ESPERANÇA. Desse modo, se o
processo de luto é superado ou suas etapas são satisfatoriamente realizadas, a
h) ELABORAÇÃO1 ou Reconstrução Simbólica/Ressignificação. pessoa se torna MAIS COMPLETA E MAIS FORTE.
i) Lesão à IDENTIDADE; 2. Esse ciclo vicioso ROUBA DELE O INTERESSE pelo trabalho, pela interação com
j) ADOECIMENTO e ACIDENTES (Sist. imunológico, atenção/concentração); outras pessoas e por atividades rotineiras, provoca DISTÚRBIOS do sono, reduzem
a IMUNIDADE a doenças, causa COMPORTAMENTOS PREJUDICIAIS À SAÚDE
l) Dificuldade em completar ou finalizar TAREFAS e ATIVIDADES; relacionados à alimentação, ao abuso de drogas lícitas e ilícitas e provoca a
IDEAÇÃO SUICIDA. 
m) ISOLAMENTO.  
1.4. As Etapas do Luto
a) SEQUENCIAIS ou CONCOMITANTES;
b) Correspondem a SENTIMENTOS, EFEITOS PSICOLÓGICOS e SOMATIZAÇÕES DIVERSOS (raiva, culpa, tristeza, solidão, angústia,
ansiedade, preocupação, desespero, alucinações, nó na garganta, aperto no peito, vazio no estômago, falta de ar, fraqueza, boca
seca, confusão, alterações no sono e no apetite, etc);
c) VARIAM quanto a intensidade e duração; Obs.: NÃO HÁ um
d) São 5 etapas, frequentemente, INCONSCIENTES. PADRÃO de TEMPO
e INTENSIDADE.
Pode levar meses
ou anos. Cada
indivíduo aceita e
lida com a perda da
SUA MANEIRA.
Muito embora, há
limites geralmente
OBSERVADOS
como normais.
2. O MIGRANTE FORÇADO OU REFUGIADO
Voluntário: Econômico, profissional, cultural, educacional e turístico.

MIGRANTE Involuntário/Forçado
= REFUGIADO! Interno - Política/Ideológica,
(Fundados e elevados GUERRAS, - Social,
temores de CONFLITOS e - Religiosa,
perseguições e PERSEGUIÇÕES - Étnica/Racial,
perigos de morte Externo - e Desastres Ambientais.
iminentes)  

Diferente do voluntário, o migrante forçado experimenta UMA SENSAÇÃO OU SENTIMENTO DE DESTERRO MUITO MAIS
CRUEL:
a) Além da Nostalgia ou SAUDADE, ele não tem PERSPECTIVA DE REGRESSAR. Ele foi ARRANCADO da sua TERRA, RAÍZES,
REFERÊNCIAS, AFETOS, RELs. SOCIAIS, etc;
b) Ademais, além de procurar meios para RECONSTRUIR SUA VIDA, ele é obrigado a lutar contra os SENTIMENTOS DE
LUTO;
c) Majoritariamente, esses deslocamentos NÃO SÃO PRECEDIDOS DE PLANEJAMENTO, é literalmente uma FUGA.
É o que ocorre aos refugiados da Síria, da Venezuela, do Congo, do Senegal, da Nigéria, do Mali, da República de Camarões, da
República Centro Africana, do Sul da Ásia, isto é, Bangladesh, da Etiópia e de outros países do chifre da África, além de uma série de
outras localidades.
2.1. Panorama da Estatística Mundial
2.1.1. Cada Número é Uma Crise Individual e
Pessoal!
• 1 pessoa a cada 97, no mundo, foi forçada a fugir: MAIS DE 1% da população mundial. O deslocamento forçado PRATICAMENTE DOBROU
na última década: eram 41 milhões de pessoas em 2010, contra 79,5 milhões em 2019.
• 47,5 MILHÕES SÃO DESLOCADOS INTERNOS. Os outros 33,8 MILHÕES SÃO DESLOCADOS EXTERNOS. Destes, 26 MILHÕES SÃO
RECONHECIDOS como refugiados pelos países anfitriões. 4,2 MILHÕES ESTÃO AGUARDANDO o reconhecimento e 3,6 MILHÕES, por
subtração simples, são ILEGAIS (a grande maioria de venezuelanos).
• Cinco foram os países que mais contribuíram para o fenômeno do deslocamento EXTERNO: a SÍRIA (há 10 anos em guerra civil) é o
principal deles com cerca de 6,6 milhões de pessoas (Tt.: 13,2 mi). Os outros são: a VENEZUELA (3,7), o AFEGANISTÃO (2,7), o SUDÃO DO
SUL (2,2) e o MYANMAR (1,1), perfazendo um total de 16,3 milhões de pessoas. Portanto, a METADE, OU UM POUCO MAIS DE 48% dos
deslocados externos no mundo, são oriundos destes países.
• A grande maioria (77%) deles permanece numa condição de DESLOCAMENTO DE LONGO PRAZO OU DEFINITIVO (Enorme redução da
solução, i. é, de retorno à pátria: De 1,5 milhões na década de 90 p/ apenas 360 mil na última década).
• 40% do total de refugiados (30 a 34 MILHÕES) SÃO CRIANÇAS DAS QUAIS DEZENAS DE MILHARES ESTÃO DESACOMPANHADAS e,
portanto, sujeitas a todo tipo de PERIGO (como os INÚMEROS NAUFRÁGIOS na costa da Turquia, Líbia e Grécia que têm vitimado um
grande número de pessoas entre adultos e crianças de colo), ABUSOS, NEGLIGÊNCIAS, VIOLÊNCIAS, EXPLORAÇÕES, TRÁFICOS, CRIMES e ao
RECRUTAMENTO MILITAR. Este contingente é TÃO GRANDE QUANTO AS POPULAÇÕES DE PAÍSES COMO A AUSTRÁLIA, A DINAMARCA E A
MONGÓLIA JUNTAS.
• A PROPORÇÃO DE IDOSOS ENTRE OS DESLOCADOS (4%) É TRÊS VEZES MENOR que a proporção na população mundial (12%). Deste
número, pode-se imaginar a dor, o desespero e o sacrifício da separação dos familiares.

Em suma, Filippo Grandi (2020), o alto comissário das Nações Unidas para os refugiados, reconheceu que além de CRESCER E SE
ESPALHAR, o deslocamento forçado transformou-se num fenômeno de LONGO PRAZO que demanda uma ATITUDE NOVA por parte de todos
os países, a saber, maior ACEITAÇÃO dos migrantes forçados e ESFORÇO dos seus governos para SOLUCIONAR OS CONFLITOS atuais.
2.2. O Termômetro da Tragédia

Apresentação do vídeo “Vozes na escuridão: crianças em fuga!” da


ACNUR editado em 2017 e disponível neste endereço: https://
www.youtube.com/watch?v=qAL1zrqYotw&list=PLUa1gZZDUW2kVf11R
ky6ejJlrEpkTlU1z&index=54
Obs.: Na ocasião, o percentual de crianças, do total de refugiados no
mundo, girava em torno de 51%. Como vimos, atualmente, esse
percentual caiu para 40%. Uma queda significativa, porém não o
suficiente: o número continua alto.
3. O LUTO DO REFUGIADO E DA PESSOA EM
SITUAÇÃO DE RUA
A) Cenário atual de uma SITUAÇÃO S/ PRECEDENTES em termos de número de refugiados e de inúmeras perdas para estes.
Algo que não foi observado nem mesmo após a segunda grande guerra mundial (cerca de 70 mi) e desde que a agência
para os refugiados da ONU (ACNUR) iniciou suas atividades em 14 de dezembro de 1950 em Genebra na Suíça.
LUTO
PERDAS
B. LESÕES SENTIMENTOS (Interno)
(Econômicas, IDENTITÁRIAS E ATITUDES EFEITOS
Sociais, +
(Potencialmente (Negativas, PATOLÓGICOS
Humanas, Danosas) LUTA
desorientadoras)
Simbólicas, etc)
(Externa)
C.

Por definição, tanto os refugiados quanto as


pessoas em situação de rua são indivíduos
IDENTIFICADOS PELAS PERDAS QUE
SOFRERAM EM VIDA.
3.1. População de Rua C. Consequências:
1. Para a SAÚDE GERAL das pessoas, em especial a saúde
A. CONCEITO: mental;
1. Composição: HETEROGÊNEA; 2. Envolvimento com o mundo do TRÁFICO de drogas;
2. Atividades produtivas: NAS RUAS; 3. A relativização dos VALORES;
3. Vínculos familiares: INTERROMPIDOS ou 4. E perspectivas de EMANCIPAÇÃO social muito restritas.
FRAGILIZADOS;
4. Moradia regular: AUSENTE. D. Breve Estatística da Cidade de São Paulo:
5. 15.905 mil pessoas (8.570 “acolhidos” e 7.335 “moradores”
B. Cinco CAUSAS principais: de rua);
5. A VIOLÊNCIA (física, psicológica e simbólica); 6. Em 15 anos (de 2000 a 2015), houve um CRESCIMENTO
6. A DEPENDÊNCIA QUÍMICA de drogas lícitas e ilícitas; CONTINUADO (quase duplicou: 82%);
7. O DESEMPREGO (motivos: migração, a condição de 7. 85% do total são HOMENS;
ex-detento, questões políticas e econômicas, etc); 8. 70% é oriunda de CASAS DE ALVENARIA e não de barracos;
8. DOENÇAS e DEFICIÊNCIAS graves; 9. A maioria possue o ENSINO FUNDAMENTAL completo;
9. E o PRECONCEITO. 10. Fonte de RENDA: catação de material reciclável, mendicância
e pequenos furtos ou roubos;
Outras causas: Além da exclusão social cujas origens são 11. Cerca de 70% são ALCOÓLATRAS, mas não usam crack.
econômicas, há ainda outras causas que dizem respeito à
FALTA DE PERTENCIMENTO SOCIAL, à falta de Obs: São ALVOS de muito preconceito e de invisibilidade.
PERSPECTIVAS, à DIFICULDADE DE ACESSO A Somente se dirigem aos centros de acolhimento público quando a
INFORMAÇÃO e à PERDA DE AUTOESTIMA. temperatura cai abaixo dos 12 graus.
E. Vislumbre Sintético do Panorama Atual 3.2. Espiral Descendente ou o Redemoinho
Enfim, em São Paulo, tem ocorrido uma MUDANÇA Processual da Situação de Rua
relacionada à DETERIORAÇÃO de alguns aspectos da
condição de vida das pessoas em situação de rua. As “Um ABISMO chama outro abismo, ao ruído das tuas
pesquisas informam que: catadupas; todas as tuas ondas e vagas têm passado sobre
mim.” Davi, poeta semítico.
a) Quanto ao PERFIL: Houve um AUMENTO DE IDOSOS
com problemas de alcoolismo, de JOVENS VIOLENTOS,
de PESSOAS COM PROBLEMAS DE SAÚDE MENTAL, de
pessoas EGRESSAS DO SISTEMA FECHADO, de
CONSUMIDORES DE DROGAS ilícitas e de IMIGRANTES
pernoitando nas ruas e nos Centros de Acolhida.

b) Quanto à SAÚDE: Com a pandemia, esta população


encontra-se ainda MAIS VULNERÁVEL.

c) Quanto à SEGURANÇA: Houve AUMENTO DA


VIOLÊNCIA entre os moradores de rua cujas relações de
proteção e solidariedade antes existentes, estão
completamente esgarçadas.
Obs:

1. As DIFICULDADES DE INSERÇÃO no mercado de trabalho se dão em razão: a) Do DESEMPREGO


acentuado; b) da profunda precarização das RELS. DE TRABALHO; c) dos elevados níveis de
COMPETIÇÃO s/ precedentes na história; d) das NOVAS EXIGÊNCIAS tecnológicas e organizacionais
das empresas; e) falta de DISCIPLINA, MOTIVAÇÃO ou devido a alguma DIFICULDADE PESSOAL.
2. É possível que o capitalismo se degenere numa espécie de MATERIALISMO, fazendo com que,
em sociedade, tudo gire em torno de POSSESSÕES ECONÔMICAS E MATERIAIS. Desse modo, se
alguém não apresenta um PADRÃO econômico e de consumo mínimo ou suficiente, ele se afasta ou
é afastado do CENTRO do sistema, perde seu VALOR e é EXCLUÍDO economicamente e, por
conseguinte, socialmente.
3. A princípio, a pessoa desaparece ESPORADICAMENTE, permanecendo nas ruas por INTERVALOS
BREVES de tempo até que se transforma numa CONDIÇÃO definitiva. As pesquisas apontam que,
depois de 2 anos, tornar-se-ia BEM MAIS DIFÍCIL a recuperação dessas pessoas em razão do
costume e dos vínculos que criam nesse ambiente, demandando assim políticas públicas bem mais
elaboradas.
4. Nessa situação, onde os DOCUMENTOS são extraviados por perda, roubo, violência ou desgaste e
na qual não há ENDEREÇO fixo ou regular, as pessoas em situação de rua não podem abrir CONTA
em banco e, por isso, não dispõem de EMPREGO.
3.3. Dificuldades Enfrentadas no Brasil Pessoas em
Situação de
MESMA SITUAÇÃO
Rua
DE EXTREMA
VULNERABILIDADE
E FRAGILIDADE
Essa situação corresponde às seguintes dificuldades: (Sanitária, Social,
Refugiados
Humana,
1. RACISMO/XENOFOBIA ≅ APOROFOBIA. Econômica, etc)
Exs.: a) OCUPAR lugar, GASTAR serviços públicos X FUNDÃO ELEITORAL;
b) AGRESSÃO, CONFUSÃO ou ESTIGMATIZAÇÃO: - Doenças Contagiosas (ebola–haitianos; sarampo-venezuelano; corona vírus-chineses); - ociosidade e
criminalidade.
2. Crise Sanitária (PANDEMIA) ≅ Precariedade da SAÚDE PÚBLICA.
3. ∄ RESPONSABILIDADE SOCIAL ou Políticas Públicas, VALORES ÉTICOS, SOLIDARIEDADE e EMPATIA.
4. Dificuldade na aquisição de DOCUMENTOS ≅ conquista e manutenção de EMPREGOS.
5. ∄ CONDIÇÕES econômicas ≅ ∄ cumprimento das DEMANDAS SANITÁRIAS e higiênicas da pandemia.
6. BUROCRATIZAÇÃO ≅ 1/DIREITOS = EXCLUSÃO. Enquanto isso, grassa a injustiça, por exemplo, no escândalo da destinação indevida do Aux. Emergencial.
7. GOV. FEDERAL ≅ 1/LEGISLAÇÕES (migratória e protetiva de direitos sociais).

Enfim, alguns aspectos dessa situação ou condição descrita acima recaem com MAIOR PERVERSIDADE sobre os refugiados, visto que neles subsiste
um TRAUMA ou uma SENSAÇÃO E SENTIMENTO DE VILIPÊNDIO, DE ANGÚSTIA, DE TEMOR E DE INSEGURANÇA MUITO MAIORES que as pessoas em
situação de rua.
"Não vim ao mundo para ser amado e admirado, mas sim para amar e agir.
Quem me cerca não tem o dever de me amar.
Ao contrário, é meu dever estar consciente do mundo e dos homens."
Janus Korczak,
(Pseudônimo de Henryk Goldszmit, médico pediatra, escritor, autor infantil e pedagogista
que - em 1942, em meio aos horrores do nazismo - recusou-se abandonar à própria sorte
192 crianças do orfanato que fundou, havendo sido levado, juntamente com todas elas, às
câmaras de gás do campo de concentração que estava em Treblinka)
BIBLIOGRAFIA
79,5 MILHÕES de pessoas forçadas a se deslocar no mundo até o final de 2019. UNHCR ACNUR Agência da ONU para refugiados/Brasil, 2020. Disponível em: <
https://www.acnur.org/portugues/dados-sobre-refugio/>. Acesso em: 31 dez. 2020.
CALIANI, Maria F. Quando o LUTO vira doença. 2018. (9m59s). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=gQqut-tgBck&t=310s>. Acesso em: 31 dez. 2020.
Casa do Saber. A IMPORTÂNCIA DO LUTO E DO SEGUIR EM FRENTE | Ana Claudia Arantes. 2018. (4m49s). Disponível em: <
https://www.youtube.com/watch?v=Ap6tJNH5ri4&t=187s>. Acesso em: 31 dez. 2020.
Duas crianças se afogam por dia, em média, na tentativa de chegar à Europa: Desde setembro de 2015, duas crianças morrem afogadas por dia, em média, ao tentar atravessar
o Mediterrâneo para encontrar segurança com suas famílias na Europa. UNHCR ACNUR Agência da ONU para refugiados/Brasil, 2016. Disponível em: <
https://www.acnur.org/portugues/2016/02/22/duas-criancas-se-afogam-por-dia-em-media-na-tentativa-de-chegar-a-europa/ >. Acesso em: 31 dez. 2020.
EVANGELISTA, M. I. S. O ATUAL CENÁRIO DE LUTA DOS MORADORES DE RUA EM BUSCA DE SOBREVIVÊNCIA NOS ESPAÇOS URBANOS. Repositório Institucional | UFSC, 2013.
Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/180049>. Acesso em: 31 dez. 2020.
Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas. PESQUISA CENSITÁRIA DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA, CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA DA POPULAÇÃO ADULTA EM
SITUAÇÃO DE RUA E RELATÓRIO TEMÁTICO DE IDENTIFICAÇÃO DAS NECESSIDADES DESTA POPULAÇÃO NA CIDADE DE SÃO PAULO. 2015. Disponível em: <
https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/00-publicacao_de_editais/0003.pdf
>. Acesso em: 31 dez. 2020.
JACOBUCCI, Nazaré. O que é Luto. 2016. (2m18s). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=ctEyfYFAGG8>. Acesso em: 31 dez. 2020.
Observatório das Migrações Internacionais – OBMigra. Resumo Executivo: Relatório Anual 2020 do OBMigra. Brasília; 2020. Disponível em: <
https://portaldeimigracao.mj.gov.br/pt/dados/relatorios-a>. Acesso em: 31 dez. 2020.
Refúgio no Brasil: Uma Análise Estatística (Janeiro de 2010 a Outubro de 2014). UNHCR ACNUR Agência da ONU para refugiados/Brasil, 2014. Disponível em: <
https://www.acnur.org/fileadmin/Documentos/portugues/Estatisticas/Refugio_no_Brasil_2010_2014.pdf
>. Acesso em: 31 dez. 2020.
Relatório global do ACNUR revela deslocamento forçado de 1% da humanidade. UNHCR ACNUR Agência da ONU para refugiados/Brasil, 2020. Disponível em: <
https://www.acnur.org/portugues/2020/06/18/relatorio-global-do-acnur-revela-deslocamento-forcado-de-1-da-humanidade/
>. Acesso em: 31 dez. 2020.
SIMÕES, Alexandre. 11- O QUE É O LUTO? 2014. (9m21s). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=Zm6ORtC8U_8>. Acesso em: 31 dez. 2020.
TVWEB LUZ. POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA. 2017. (19m06s). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=Ap6tJNH5ri4&t=187s>. Acesso em: 31 dez. 2020.
Unifesp - Universidade Federal de São Paulo. 2020. As condições sanitárias de refugiados e migrantes no atual cenário da pandemia de covid-19 no Brasil (1h48m45s).
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=VZQZS74pzvo>. Acesso em: 31 dez. 2020.

Você também pode gostar