Você está na página 1de 39

Introdução ao

estudo dos PPB


Processos Psicológicos Básicos – Aula I

Prof. Dr. Caio Maximino


IESB/Unifesspa
Conteúdos

Campo de estudo e abordagens da cognição: Psicologia Cognitiva,
Neurociencia cognitiva, Neuropsicologia cognitiva


Tipos de processamento cognitivo


Modularidade e domínios psicológicos


Métodos de estudo em neurociência cognitiva


Modelos computacionais

Texto: “Abordagens da cognição humana”, cap. 1 do livro Manual de


Psicologia Cognitiva, Eysenck & Keane
O que são processos psicológicos?


Processos que apresentam algum tipo de
conteúdo fenomenal (“subjetivo”) –
Brentano


Incluem processos
– Cognitivos
– Emocionais
– Conativos / Motivacionais
Campos da cognição

O termo “psicologia cognitiva” refere-se
“aos processos internos envolvido em
extrair sentido do ambiente e decidir que
ação deve ser apropriada” (p. 1)


“Esses processos incluem atenção,
percepção, aprendizagem, memória,
linguagem, resolução de
problemas, raiocínio e pensamento”
Campos da cognição
● Psicologia cognitiva: Abordagem que tem por objetivo
compreender a cognição humana por meio do
estudo do comportamento

X
● Neurociência cognitiva: Abordagem que tem por
objetivo compreender a cognição humana por meio
da combinação de informações sobre o
comportamento e o cérebro
Um pouco de história

Até a década de 1960: Dominância do
comportamentalismo principalmente nos
EUA
– Alemanha – Gestalt → Quais são os
processos mentais que determinam a
percepção?
– Inglaterra – Barlett → Memória
– URSS – Vygotsky e Luria →
Desenvolvimento cognitivo
– França/Suíça – Piaget
Motivos para a
“mudança de paradigma”

Dificuldade em explicar comportamento complexo
(p. ex., linguagem)

Alguns behavioristas postulavam conexões
intermediárias pouco parcimoniosas
para explicar comportamento complexo

Recurso ao histórico de reforçamento é circular e
insuficiente
● Resultados experimentais menos interessantes do
que os primeiros exemplos (Skinner, Ferster,
Tollmann)
O legado do
comportamentalismo

A evidência de processos mentais internos
deve vir do comportamento


Método hipotético-dedutivo: Hipotetizar a
existência de estados internos que explicam
o comportamento


Avaliar essas hipóteses a partir das previsões
feitas a partir delas
Neisser (1967),
Cognitive

Psychology
“Por volta de 1964, tudo se encaixou em minha cabeça. A princípio, pensei, poderíamos
seguir a informação para dentro a partir de seu primeiro encontro com um órgão dos
sentidos até o seu armazenamento e eventual reconstrução na memória. Os primeiros
estágios do processamento eram necessariamente holísticos (uma ideia que emprestei da
Psicologia da Gestalt), e os últimos baseados na recodificação recorrente (uma ideia
emprestada, de forma ainda mais óbvia, de George Miller)”
Pressupostos

Neufeld et al. (2009): Pontos de consenso:
1) A mente é formada por processos cognitivos interrelacionados
2) O principal responsável pela vida mental é a organização do conhecimento
3) Processos cognitivos que sustentam eventos mentais devem ocorrer dentro de uma ordem
específfica, pelo menos em algumas situações
4) Já que eventos mentais são abstratos, serão mais facilmente compreendidos utilizando uma
análise abstrata e, apesar de depender de um subtrato neural, não se restringem a ele
5) O ser humano é autônomo e interage com o mundo externo intencionalmente
6) A interação se dá por meio da mente, que é um processador de símbolos e significados que terão
relação com as coisas do mundo externo
Representação
mental

A mente deve ser concebida como um sistema simbólico – uma
entidade que processa, transforma, elabora e manipula símbolos


Intencionalidade → a referência a um objeto é a característica
decisiva e indispensável dos processos mentais


Substitui o objeto do mundo externo no mundo interno


Computação semântica ou representacional das relações e das
funções
Representação
mental

Possibilita trabalhar com o objeto sem que o mesmo
esteja presente em termos físicos


Eysenck e Kayne (2007): dois tipos de representação
– Proposicional: Expressa ideias com conteúdo abstrato
– Análoga: Expressa imagens concretas, com
características sensoriais


Representações mentais das ações
Processamento bottom-up
vs. top-down

Bottom-up: um estímulo ambiental provca a ocorrência de
determinados processos cognitivos (atenção,
percepção, processamento, decisão) que, finalmente,
produzem a reação ou resposta
– Processamento diretamente influenciado por estímulos
do ambiente
– Processamento serial


Top-down: O processamento é influenciado por outros
fators (expectativas, experiência passada, conhecimento
do indivíduo), ao invés de apenas pelo estímulo
– Processamento paralelo
Vantagens da aproximação da
Psicologia Cognitiva

Primeira abordagem para a compreensão da cognição


Origem da maioria das teorias e tarefas usadas por outras
abordagens


O método experimental é tuito flexível, pode ser aplicado em
qualquer aspecto da cognição


Produziu inúmeros achados importantes que foram replicados


Influenciou fortemente a Psicologia Cognitiva Social, a clínica
psicológica, e a Psicologia do Desenvolvimento
Desvantagens da aproximação da
Psicologia Cognitiva

Tarefas complexas que envolvem muitos processos diferentes
– Decomposição necessária no delineamento da pesquisa e/ou na análise dos dados

As evidências comportamentais fornecem somente evidências indiretas
referentes aos processos internos


As teorias são muitas vezes vagas e difíceis de testar empiricamente


Dificuldade de generalizar os achados (especificidade do paradigma)


Falta uma estrutura teórica abrangente que esclareça as inter-relações entre
os componentes
A neuropsicologia cognitiva

Foco nos padrões de desempenho cognitivo
(intacto e deficiente) apresentados por
pacientes com dano cerebral
– Paradigma central: o estudo de pacientes com
dano cerebral pode nos dizer muito a respeito
da cognição humana normal


Exemplo: dupla dissociação de aspectos da
memória (pacientes H.M. e K.F.)
Pressupostos teóricos da
neuropsicologia
● cognitiva
Modularidade – suposição de que o sistema cognitivo consiste de muitos módulos
ou “processadores” relativamente independentes ou separados, cada um
especializado em determinado tipo de processamento
– Controvérsias – modularidade maciça vs. modularidade em sentido fraco
– Modularidade anatômica?


Especificidade de domínio – Suposição de que determinado módulo responde
seletivamente a determinados tipos de estímulos, mas não a outros


Uniformidade de arquitetura funcional entre os indivíduos – a relação estrutura-
função é igual em todos os indivíduos


Subtratividade – Uma lesão cerebral é capaz de de prejudicar um ou mais
módulos de processamento, mas não altera ou acrescenta nada
Método da dissociação na
neuropsicologia
● cognitiva
Aplicado a pacientes com lesão cerebral, representa o desempenho
intacto em uma tarefa, mas comprometimento grave em uma tarefa
de domínio diferente


Dificuldade da tarefa pode influir! Conclusões devem ser tomadas com
cuidado


Solução possível: dissociação dupla – um paciente tem um
desempenho normal na tarefa X e deficit na tarefa Y, enquanto outro
paciente (com outra lesão) tem o padrão oposto


Evidências indiretas de módulos separados subjacentes a cada tarefa


A questão das associações

Certos sintomas ou deficiências no desempenho são
consistentemente encontrados em pacientes com lesão cerebral
de maneira associada (i.e., alterações em mais de um domínio)


Perspectiva sindrômica – sintomas que frequentemente
ocorrem juntos têm uma origem em comum


Não significa, entretanto, que aquela região é responsável por mais
de uma função; pode ser que uma função mais básica esteja
alterada, por exemplo
Vantagens da aproximação da
Neuropsicologia Cognitiva

As duplas dissociações fornecerem boas evidências de vários
módulos de processamento importantes.


Ligações causais entre lesão cerebral e desempenho cognitivo
podem ser demonstradas.


Revelou complexidades inesperadas na cognição


Transformou a pesquisa da memória


Transpôs a divisão entre a psicologia cognitiva e a neurociência
cognitiva
Desvantagens da
aproximação da

Neuropsicologia
Os Cognitiva
pacientes podem desenvolver estratégias
encontradas em indivíduos sem lesão
compensatórias não


Versão mais dura das suposições não tem muito suporte empírico


Minimiza a interconectividade dos processos cognitivos


Baseia-se excessivamente em estudos de casos isolados


Foco insuficiente no encéfalo e seu funcionamento
A neurociência cognitiva

Estudo científico dos mecanismos biológicos
subjacentes à cognição, com foco específico nos
substratos neurais dos processos mentais e suas
manifestações comportamentais.


Fronteira entre a Psicologia e a Neurociência; unifica
subdisciplinas com o Psicologia cognitiva,
psicobiologia, neurobiologia, neurofisiologia, e
psicofisiologia.
A organização da
rede encefálica

Organização cerebral é importante; dois princípios importantes podem
determiná-la:
– Princípio do controle de custos – custos são minimizados se o encéfalo
consiste de conexões de curta distância limitada
– Princípio da eficiência – eficiência para integrar as informações é
maximizada se existirem muitas conexões de longa distância


A solução de compromisso é os neurônios se conectarem sobretudo com
neurônios próximos, e diminuir o número de conexões que um neurônio
pode fazer com outros (“small world”)


Como resultado dessa relação, nosso encéfalo possui módulos
anatômicos (pequenas áreas de conexões fortemente agrupadas) e
centros (regiões que têm grande número de conexões com outras
regiões)
A organização das
redes encefálicas

BULLMORE, E., SPORNS, O. The economy of brain network organization, Nature Reviews Neuroscience. 13, 336-349,
2012.
Técnicas para o estudo
do encéfalo

Técnicas de medida
– Registro de unidade isolada
– Potenciais relacionados a eventos / potenciais provocados
– Tomografia por emissão de pósitrons
– Imagem por ressonância magnética funcional / BOLD
– Imagem por ressonância magnética funcional relacionada
a evento
– Magnetoencefalografia


TMS


Variam em resolução espacial e temporal
Vantagens da aproximação da
Neurociência Cognitiva

Grande variedade de técnicas oferecendo boa resolução temporal
e espacial, com estratégias complementares


Permite o estudo tanto da especialização funcional quanto
da integração encefálica


A TMS é flexível, e permite, em conjunto com as técnicas de
imagem, inferências causais


Dados ricos permitem a avaliação do processamento cerebral
integrado, bem como o funcionamento especializado


Resolução de problemas teóricos complexos
Desvantagens da
aproximação da

Neurociência
Técnicas Cognitiva
de neuroimagem funcional proporcionam
correlacionais
dados essencialmente


Muita superinterpretação dos dados envolvendo inferências reversas


A maioria dos estudos tem baixo poder, e existem muitos falso-positivos


O funcionamento do encéfalo é muito complexo, tornando explicações
reducionistas difíceis de sustentar


Dificuldade em relacionar a atividade cerebral aos processos psicológicos
Ciência Cognitiva
Computacional

Abordagem que utiliza modelagem computacional
para compreender a cognição humana


Modelagem computacional: Construção de programas de
computador que simulam ou imitam processos
cognitivos humanos

X

Inteligência artificial: Desenvolvimento de programas
de computador que produzem resultados inteligentes
Modelos computacionais de
processos psicológicos
básicos
Modelos com valor heurístico: mostram como uma teoria pode ser

especificada, gerando hipóteses testáveis


Bons modelos também incluem um componente explanatório


“Implantar uma teoria como um programa é um bom método para
verificar se ela não contém suposições ocultas ou termos vagos.
Isso com frequência revela que a teoria faz previsões que o teórico
em questão não percebeu!” (Eysenck e Keane, p. 24)
Tipos de modelos

● Modelos contemporâneos instanciam


arquiteturas cognitivas – estruturas
abrangentes para a compreensão da
cognição humana na forma de um
progama de computador
Tipos de modelos

Modelos conexionistas: Redes interconectadas de unidades simples, que apresentam
aprendizagem por meio da experiência (BackProp); itens específicos de conhecimento são
distribuídos entre as inúmeras unidades (mas veja modelos localistas)
– Uma única unidade apresenta muitas ligações com outras unidades
– As unidades influenciam outras unidades excitando-as ou inibindo-as
– A unidade geralmente assume a soma ponderada de todas as ligações de entrada e produz uma única
saída para outra unidade se a soma ponderada exceder algum valor limiar
– A rede como um todo é caracterizada pelas propriedades das unidades que a compõem, pela maneira
como elas são conectadas entre si e pelas regras usadas para alterar a força das conexões entre as
unidades
Tipos de modelos

Sistemas de produção: Constituídos por inúmeras regras de produção do
tipo condição-ação e de uma memória de trabalho contendo as
informações processadas no momento


Um sistema de produção opera associando os conteúdos da memória de
trabalho com as partes “se” das regras e executando as partes “então”


Se alguma informação da memória de trabalho corresponde à parte “se” de
duas regras, uma estratégia de resolução de conflito escolhe uma delas
Um exemplo: ACT-R


“Adaptive Control of Thought-Rational”


Fundamenta-se na suposição de que o
sistema cognitivo consiste em vários
módulos relativamente independentes,
buscando identificar as regiões do
encéfalo associadas a cada módulo
ACT-R
1) Módulo de recuperação – Mantém os estímulos de recuperação
necessários para acessar a informação
2) Módulo imaginário – Transforma as representaçoes do problema
para auxiliar em sua solução
3) Módulo de objetivo – Acompanha as intenções de um indivíduo e
controla o processamento da informação
4) Módulo procedural – Usa as regras de produção para determinar a
ação que será tomada a seguir
ACT-R

Cada módulo contém um buffer associado a ele com uma
quantidade limitada de informações importantes


Um sistema de produção central detecta padrões nesses buffers e
inicia uma ação coordenada; regras de otimização para seleção de
ações conflitantes


Limitações: difícil fornecer testes adequados para uma teoria com
tanta abrangência; pouca ênfase em áreas associadas à função
executiva; foco excessivo em regiões específicas para cada módulo
Vantagens da abordagem da
Ciência Cognitiva Computacional

As suposições teóricas são expressas em detalhes precisos


Arquiteturas cognitivas abrangentes foram desenvolvidas


Os modelos computacionais são cada vez mais usados para modelar
efeitos de lesão cerebral (integração com neuropsicologia)


A neurociência cognitiva computacional está cada vez mais sendo
usada para modelar padrões de atividade cerebral (integração com
neurociência cognitiva)


A ênfase no processamento paralelo se enquadra bem aos dados
de neuroimagem funcional
Desvantagens da abordagem da
Ciência Cognitiva

Computacional
Muitos modelos computacionais não fazem novas
previsões


Sobreajuses restringem a generalização para outros
conjuntos de dados


Algumas vezes é difícil falsear modelos computacionais


Geralmente desenfatizam os fatores motivacionais e
emocionais
Paa a próxima aula


Roteiro de aula prática


Texto: “Anatomia macroscópica e
funcional da cognição” (Gazzaniga et
al., 2006, cap. 2)