Você está na página 1de 70

Avaliação da

Inteligência em
adolescentes e adultos
Construtos psicológicos

 É qualquer coisa imaginada pela mente humana, mas que não é


diretamente observável.
 Construtos são abstrações referentes a conceitos, ideias, entidades
teóricas, hipóteses e invenções.
 Na psicologia designa os traços, processos, conhecimentos armazenados
ou características que não podem ser observadas diretamente.
 Uma entidade hipotética derivada de uma teoria psicológica, pesquisa e
observação do comportamento.
 Designa também as relações entre conceitos.
Inteligência

 1905 – Binet – “Escala de Inteligência” - busca por um conceito ou


definição para inteligência; construiu um teste para encontrar o nível de
habilidade necessária para que uma criança se beneficiasse da educação
formal da época.

 1921 – Inteligência foi definida em um simpósio como sendo a habilidade


para aprender e adaptar-se ao ambiente.

 Divergências sobre o conceito perduram até os dias atuais.


 Spearman (1924): toda habilidade intelectual é a expressão de dois
fatores:

 Fator Geral de Inteligência (fator g): comum a todas as habilidades;

 Fator Específico (fator e): particular a cada habilidade e em cada caso


é diferente dos demais.

 Capacidade de gerar no indivíduo a resolução de problemas comuns e


mais complexos que vier a enfrentar no seu dia a dia.
 “Capacidade do ser humano em lidar com os problemas que encontra,
sejam eles pessoais, envolvendo tanto a emotividade como a afetividade,
como também as dificuldades que surgem dentro de suas atividades
profissionais e escolares” (Boccalandro, 2003, p.10).

 Palavra chave: Adaptação (resolução de problema)


Exemplos

 Inteligência
 Definição: “Capacidade do ser humano em lidar com os problemas
que encontra, sejam eles pessoais, envolvendo tanto a emotividade
como a afetividade, como também as dificuldades que surgem dentro
de suas atividades profissionais e escolares” (Boccalandro, 2003,
p.10).

 Resultados:

a) Percentil 99 – Classificação Superior

b) Percentil 10 – Classificação Médio Inferior


a) Percentil 99 – Classificação Superior
 “X” tem facilidade para assimilar novos conhecimentos e utilizar-
se destes para solucionar os problemas com os quais possa
encontrar durante a realização de suas atividades diárias,
comparado à amostra normativa.

b) Percentil 10 – Classificação Médio Inferior


 “X” obteve percentil 10, o que significa ter alcançado um resultado
acima de 10% da amostra normativa.

 Indica ter menor capacidade, comparado às pessoas da amostra


normativa, de assimilar novos conhecimentos e utilizar-se destes
para solucionar os problemas com os quais possa encontrar
durante a realização de suas atividades diárias.
Teste Não Verbal de
Inteligência Geral
(Subtestes Raciocínio Matricial e Códigos)
BETA-III
BETA - III
Autor:
 Kellogg, C. E.
 Morton, N. W

 Adaptação Brasileira:
 Ivan S. Rabelo
 Sílvia Verônica Pacanaro
 Irene F. Almeida de Sá Leme
 Rodolfo A. M. Ambiel
 Gisele Aparecida da Silva Alves
BETA - III
 Introdução:
 Embora a testagem da inteligência derive em grande parte dos
estudos do psicólogo Alfred Binet, sua mensuração começou a partir
de 1884, com Francis Galton, que projetou instrumentos destinados a
medir a inteligência (Cronbach, 1996).
 Embora seja um construto que configura-se como um dos mais antigos
em pesquisas da área de psicologia e com diversos estudos
consistentes realizados, continua sendo tema gerador de confusão na
literatura, no que se refere à sua definição e avaliação (Almeida,
2002; Oliveira, Rosa & Alves, 2000).
BETA - III
 Introdução:
 Especificamente para a avaliação da inteligência, e no sentido de
explorar instrumentos para aplicação coletiva no processo de seleção
de recrutas das forças armadas norte-americanas, durante a Primeira
Guerra Mundial, observou-se a necessidade de uma seleção rápida,
eficiente e universal de recrutas para o exército. (Anastasi, 1977)

 As aplicações coletivas dos testes ajudaram a aprimorar o


desenvolvimento dos mesmos, possibilitando o surgimento de
inúmeros testes, para diversas faixas etárias e diversas escolaridades.
BETA - III
 Apresentação:
 O Beta Examination é um instrumento não verbal de inteligência que
prevê uma rápida e confiável medida da capacidade cognitiva.
 A versão original foi desenvolvida para o exército americano durante
a Primeira Guerra Mundial para avaliar habilidades intelectuais de
recrutas analfabetos. Em 1934, Kellogg e Morton revisaram o
instrumento fazendo com que fosse adaptado para o uso civil.
BETA- III

 Objetivo:

 O Teste Não Verbal de Inteligência Geral BETA-III (subtestes


Raciocínio Matricial e Códigos) tem como objetivo avaliar o raciocínio
geral e velocidade de processamento em adolescentes e adultos, nas
idades de 14 a 83 anos.
BETA - III
 Contextos de utilização:

BETA-III

Educacional Organizacional Trânsito Forense

O BETA-III pode ser utilizado em todas as áreas que se faz necessária


a avaliação da inteligência.
BETA - III

Subteste
 Raciocínio Matricial
 - Envolve a capacidade para resolver problemas novos, relacionar
ideias, induzir conceitos abstratos e compreender implicações.
 - Essa capacidade implica a criação de estratégias a partir da
organização das informações disponíveis na situação e da
reorganização de esquemas disponíveis no “estoque” de
conhecimento (Ackerman, Kyllonen & Roberts, 1999).
- Avalia o processamento de informações visuais e raciocínio abstrato
envolvendo quatro itens, a saber, padrões contínuos e discretos,
classificação, raciocínio analógico e raciocínio em série (Wechsler,
2004).
BETA - III
 Modelos ilustrativos:
• Raciocínio
Matricial:
BETA - III
Subteste
 Códigos:
 - Medida de velocidade de processamento.

 -Compreende atividades visomotoras, organização espacial, visual e


rapidez de resposta.

 - Consiste em uma tarefa que demanda a capacidade de realizar


atividades simples em um intervalo fixo de tempo definido, para que
a pessoa execute o maior número possível de uma atividade simples e
repetitiva (Kellogg & Morton ,1999).
BETA - III
 Modelos ilustrativos:

• Códigos:
BETA - III
 Material:
- Manual técnico;
 - Caderno de aplicação do subteste Raciocínio Matricial;
 - Bloco folhas de respostas subteste Raciocínio Matricial (c/25 fls);
 - Crivo de Correção do subteste Raciocínio Matricial;
 - Bloco folhas de respostas subteste Códigos (c/25fls);
 - Crivo de Correção do subteste Códigos;
 - Caneta (não incluso no kit)
 - Cronômetro (não incluso no kit)
BETA - III
 Administração: Individual ou Coletiva.

 Faixa Etária: 14 a 83 anos.

 Tempo de Aplicação: Raciocínio Matricial: 5 minutos


 Códigos: 2 minutos
BETA - III
 Instruções de aplicação
 Antes da aplicação, seja individual ou coletiva, sugere-se que o
aplicador realize um bom rapport com os examinandos, com a
função de estabelecer um vínculo de confiança.

 A sala de aplicação deve ter boa iluminação, ser arejada e


silenciosa, como uma forma de assegurar o sigilo da situação de
aplicação de teste.
BETA - III
 Instruções de aplicação
 Para assegurar que os resultados da interpretação do instrumento
sejam confiáveis deve-se seguir algumas normas e procedimentos
de aplicação descritos no manual. Divergências nos procedimentos
podem reduzir a validade e confiança nos resultados do teste.
BETA - III
 Instruções de aplicação (Subteste Raciocínio Matricial)
 O examinador deve certificar-se de que todos estão com o caderno
de aplicação e a folha de resposta com o cabeçalho preenchido e
dizer as instruções exatamente como constam no manual.
 Efetuar o treino.
 Após o treino, se não houver dúvidas, prosseguir com a aplicação.
Assim que for iniciada a aplicação cronometre o tempo.
BETA - III
 Instruções de aplicação (Subteste Códigos)
 O examinador deve certificar-se de que todos preencheram o
protocolo de resposta e dizer as instruções exatamente como
constam no manual.
 Efetuar o treino.
 Após o treino, se não houver dúvidas, prosseguir com a aplicação.
Assim que for iniciada a aplicação cronometre o tempo.
BETA - III
 Correção (Raciocínio Matricial)
 Cada resposta correta corresponde a 1 ponto. Deve-se usar o crivo
para conferir as respostas do examinando. Os quatro exercícios do
treino, denominados de A, B, C e D, não são incluídos na contagem.
A pontuação mínima possível é de zero e a máxima é de 25. Após a
contagem dos pontos, verificam-se o percentil e a classificação no
item Normas.
BETA - III
 Correção (Códigos)
 Cada resposta correta corresponde a 1 ponto. Deve-se utilizar o
crivo para conferir as respostas.
 As respostas do treino não são incluídas na contagem. A pontuação
mínima possível é de 3 pontos e a pontuação máxima é de 137.
Após a contagem dos pontos, verificar o percentil e a classificação
no item Normas.
BETA - III
 Correção (Códigos)
 Foi desenvolvido o Índice de Desempenho (ID), que consiste em um
número que expressa a quantidade média de acertos por segundo,
uma vez que os acertos na prova são divididos por 120,
correspondente ao tempo em segundos em que o teste deve ser
respondido.
 Fórmula: ID = Acertos
 120
 Após realizar a conta da fórmula, deve-se verificar o percentil e a
classificação correspondente nas tabelas de normas do Manual.
BETA - III
 Normatização brasileira:
Descrição da amostra:
A amostra estudada constou de 1.044 participantes, com idades
entre 14 e 83 anos e com escolaridades referentes ao Ensino
Fundamental (19%), Ensino Médio (34,1%) e Superior (45,7%). Os
participantes são provenientes das regiões Sudeste (42,9%), Sul
(35,3%), Nordeste (14,9%), Norte 3,8% e Centro-Oeste (2,7%).
BETA - III
 Estudos Psicométricos
 Validade:
 - Evidências de validade baseadas nas relações com outras
variáveis (idade, gênero, escolaridade, correlação entre o
subteste códigos do BETA-III e Códigos do WAIS-III, correlação
entre os subtestes Raciocínio Matricial e Códigos do BETA-III e o
Teste de Inteligência Geral Não Verbal TIG-NV entre estudantes
de Ensino Médio)
BETA - III
 Estudos Psicométricos
 Validade:
 - Evidência de validade baseada na estrutura interna (Teoria de
Resposta ao Item - Modelo de Rasch)
- Outros estudos de Validade (dependentes químicos e grupo
clínico, com diagnóstico de esquizofrenia).
 Precisão:
 Alfa de Cronbach, método de Rasch, método das metades e
teste-reteste
BETA - III

Aplicação do BETA-III no
contexto do trânsito
BETA - III
 Aplicação do BETA-III no contexto do trânsito
 A Avaliação Psicológica de todos os candidatos à obtenção da Carteira
Nacional de Habilitação é uma exigência do CONTRAN – Conselho
Nacional de Trânsito (CFP, 2000). Dentre as habilidades mínimas do
candidato à CNH e do condutor de veículos automotores, a
inteligência é um dos fatores que merecem atenção nesta avaliação,
segundo resolução do Conselho Federal de Psicologia (Nº 007, 2009).
Nesse sentido, afirma-se a relevância de estudos com os subtestes
Raciocínio Matricial e Códigos do BETA-III nesse contexto, tendo em
vista que as capacidades avaliadas podem ser relevantes ao processo
de obtenção de CNH.
BETA - Aplicação
III do BETA-III no contexto do trânsito

 Para a realização de estudos no contexto específico do trânsito, os


participantes tiveram seus dados coletados em clínicas de avaliação
psicológica pericial, devidamente cadastradas nos DETRANs de seus
respectivos estados . No total, 456 pessosa responderam ao subteste
Raciocínio Matricial, enquanto que 322 responderam ao subteste
Códigos. Desses, 241 responderam às duas provas e integraram
também a amostra normativa geral.
 As amostras foram coletadas principalmente nos estados da Bahia,
Paraná, Rio de Janeiro e Santa Catarina, no período de 2009 a 2010 .
BETA - III
 Aplicação do BETA-III no contexto do trânsito
Os grupos foram separados em dois grupos distintos, a saber,
candidatos a primeira habilitação e à renovação de CNH. A Tabela
abaixo mostra a análise de diferença de média entre esses grupos
(teste t de Student).

Como pode ser observado, os grupos se diferenciaram


significativamente, sendo que as pessoas em processo de
primeira habilitação obtiveram médias maiores.
BETA -III
Estudos psicométricos (amostra trânsito):

- Normas específicas para o contexto do trânsito.


- Evidências de validade baseadas nas relações com outras
variáveis (diferença de médias entre origens de coleta e
diferença de médias entre grupos de motoristas, correlação entre
Raciocínio Matricial do BETA-III e R1, correlação entre os dois
subtestes do BETA-III e Memória Visual de Trânsito -MVT)
BETA - III
 Referências:
 Ackerman, P. L., Kyllonen, P. C. & Roberts, R. D. (1999). Learning and individual differences. Washington, DC:
American Psychological Association.
 Anastasi, A. & Urbina,S. (1997). Psycholological testing (7th ed.). Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall. Testing
Service.
 Almeida, L. S. (2002). As aptidões na definição e avaliação da inteligência: o concurso da análise fatorial. Paidéia,
12 (23), 5-17.
 Cronbach, L. J. (1996). Fundamentos da testagem psicológica. Porto Alegre: Artes Médicas.
 Conselho Federal de Psicologia – CFP (2000). Caderno de Psicologia do Trânsito e Compromisso Social – C

Kellogg, C. E. Teste Não Verbal de Inteligência Geral : BETA-III : subtestes raciocínio matricial e códigos / C.
E. Kellogg, N. W. Morton ; padronização brasileira Ivan Sant’Ana Rabelo [et. al] ; [tradução Maria de Lourdes
Duprat Teixeira da Silva]. -- São Paulo : Casa do Psicólogo®, 2011.
Kellogg, C. E., & Morton,N. W.(1934). Revised Beta Examination.Personnel Journal,13, 98-99.
  Kellogg, C.E., & Morton, N.W. (1978). Revised Beta Examination-Second Edition. San Antonio, TX:The Psychological
Corporation.
  Kellogg, C.E., & Morton, N.W. (1999). Revised Beta Examination- third edition. San Antonio, TX: The Psychological
Corporation.

Wechsler, D. (2004). Escala de inteligência para adultos: manual para administração e avaliação. São Paulo:
Casa do Psicólogo.
BETA - III
 Correção informatizada:
 Se o examinador preferir, poderá corrigir o BETA-III por meio da
correção informatizada, no site da Casa do Psicólogo:
www.casadopsicologo.com.br/testepsic
Teste de Inteligência Geral –
Não Verbal (TIG-NV)
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal
(TIG-NV)
 Autores:
 Dra. Silésia M.V.D.Tosi
 Desenvolvido no departamento de pesquisa e testes psicológicos da
Casa do Psicólogo.

 Apresentação:
 O TIG-NV tem como objetivo avaliar desempenhos característicos dos
testes de inteligência não-verbais, mas, destaca-se dos instrumentos
conhecidos por sua originalidade e por seus estímulos que despertam
o interesse e a motivação.
Teste de Inteligência Geral – Não
Verbal (TIG-NV)
 Administração: 
 Individual ou coletiva

 Faixa Etária: 
 10 a 79 anos e para os três níveis de escolaridade.

 Tempo de Aplicação:
 Não há limite de tempo, aproximadamente 30 minutos em média.
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal
(TIG-NV)
 Utilização:
 Além da aplicação clínica (individual), a utilização coletiva pode
compreender fins de seleção de pessoal, escolar e outras; pois
possibilita uma classificação da inteligência dos sujeitos em termos
das Escalas de Percentil ou QI, de acordo com o grau de escolaridade
(Fundamental, Médio e Superior).

TIG-NV

Clínica Escolar Organizacional Neuropsicológica


Teste de Inteligência Geral – Não Verbal
(TIG-NV)
 Modelo de Protocolo de Respostas:
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal
(TIG-NV)

 O TIG-NV como um instrumento Psicológico:


 O instrumento parte do princípio de que a organização visual é a
facilitadora dos processamentos que são decorrentes de estímulos
visuais.
 É um teste de múltipla escolha, constituído de 30 itens, cuja
diversidade de estímulos possibilita a análise das funções cerebrais,
que se combinam para que seja possível a concretização de
determinados tipos de desempenho, como por exemplo, raciocínio
espacial, matemático, memória de reconhecimento e outros.
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal
(TIG-NV)

 O TIG-NV como um instrumento Psicológico:


 Este teste foi elaborado com o objetivo de possibilitar uma análise
na qual a função sensorial visão é o ponto de partida para a
identificação dos grupos de funções, assim como os processamentos
dos diferentes tipos de raciocínios, que caracterizam os testes de
Inteligência Não-Verbal.
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal
(TIG-NV)
 Exemplo 1 do caderno de aplicação:

Os desenhos ao lado mostram um tipo


de raciocínio. Se você somar as figuras 1
e 2, vai obter a figura 3.

O mesmo acontece com as outras linhas


e colunas. Se você somar as figuras 3 e
6 ou 7 e 8 vai obter o mesmo resultado, a
figura que deverá ter o número 9.

Você deverá descobrir qual é resposta


entre as seis possibilidades e escrever a
letra da figura correta no protocolo de
respostas.

No exemplo ao lado a resposta correta é


a casinha com a letra D.
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal
(TIG-NV)
Exemplo 2 do caderno de aplicação :

Neste tipo de raciocínio temos canetas,


lápis e blocos de várias cores e em
posições diferentes (2 voltados para
baixo e 1 para cima).

Você deverá descobrir qual dos objetos


deverá ter o número 9.

Temos lápis branco, cinza e vermelho,


blocos branco, cinza e vermelho e
canetas cinza e vermelha.

Portanto, a figura que deverá ter o


número 9 será a caneta branca com a
ponta para cima.
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal
(TIG-NV)
 Outros modelos de questões:
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal
(TIG-NV)

 O TIG-NV como um instrumento Neuropsicológico:


 Ao possibilitar a análise dos erros, pretende ser um teste indicador
ou facilitador de hipóteses sugestivas sobre o desempenho de um
indivíduo, revelando as prováveis funções e áreas cerebrais
responsáveis pelos comportamentos.
 Fornece uma estimativa funcional das diferentes capacidades
cognitivas, sensoriais, sensitivas, motoras e afetivas envolvidas em
cada tarefa proposta nos diferentes itens do teste.
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal
(TIG-NV)

 O TIG-NV como um instrumento Neuropsicológico:


 Assim, o TIG – NV avalia o desempenho das pessoas em cada item,
considerando o conjunto de funções cerebrais que são responsáveis
por determinado comportamento, além de possibilitar a obtenção de
medidas gerais de inteligência, expressas em Quociente Intelectual
(QI) e em Percentil.
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal
(TIG-NV)

 Tipos de Raciocínio
 O TIG-NV é composto de 30 itens, sendo que cada item propõe um
tipo de raciocínio. Com o objetivo de permitir uma análise
interpretativa e, de reunir itens que apresentam raciocínios afins, os
30 itens foram classificados em quatro grupos.
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal
(TIG-NV)

 Tipos de Raciocínio:
I- Relações Básicas
 Neste grupo estão incluídos os itens que envolvem raciocínios de
soma, subtração, divisão, multiplicação, seriação e orientação
espacial. Nos itens deste grupo somente um tipo de raciocínio está
presente e é normalmente adquirido durante o processo de
desenvolvimento (2,7,8,17,18,19 e 30).
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal
(TIG-NV)

 Tipos de Raciocínio:
II- Relações Específicas
 Neste grupo estão incluídos os itens que envolvem raciocínios
característicos de algum tipo de aprendizagem, como teoria dos
conjuntos, identidade entre os elementos, noção de quantidade,
soma complexa e combinação simples, que são decorrentes do
processo de aquisição formal. O que caracteriza esses itens é que
podem envolver mais de um raciocínio (1,3,4,9,10,13,16,21,25 e 27).
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal
(TIG-NV)
 Tipos de Raciocínio:
III- Relações Gestálticas
 Neste grupo estão incluídos os itens que apresentam raciocínios
relacionados com a teoria da Gestalt e com os princípios e leis gerais
que se referem ao desenvolvimento visomotor, como a lei de
Fechamento, Figura e Fundo, Sobreposição e relações Parte- Todo;
são, portanto, neurofisiologicamente comuns a todos os seres
humanos (11,12,15,20 e 22).
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal
(TIG-NV)

 Tipos de Raciocínio:
IV- Relações Complexas
 Neste grupo estão incluídos os itens que requerem raciocínios mais
complexos, vários tipos de raciocínio e que envolvem alguns
requisitos de percepção, atenção, aprendizagem e, portanto,
flexibilidade cognitiva (5,6,14,23,24,26,28 e 29).
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal (TIG-
NV)

 Apuração
 Utiliza-se um crivo para computar as respostas corretas, somando o
número de respostas certas. Em seguida, consulta-se as Tabelas de
Normas para obter o potencial intelectual do(s) examinando(s), de
acordo com o grau de escolaridade.
 O examinador poderá escolher entre expressar o valor do escore em
Percentil ou em Quociente Intelectual (QI).
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal (TIG-
NV)
 Escala de Inteligência:
 As Escalas de Inteligência do TIG-NV foram construídas de acordo com
a classificação de Wechsler entre escalas de Percentil e de QI; como
mostra os valores teóricos:

Percentil Desempenho QI
Inferior a 5 extremamente baixo abaixo de 69
Entre 6 e 10 inferior entre 70 e 79
Entre 11 e 25 média inferior entre 80 e 89
Entre 26 e 75 média entre 90 e 109
Entre 76 e 90 média superior entre 110 e 119
Entre 91 e 95 superior entre 120 e 129
Acima de 95 muito superior acima de 130
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal (TIG-
NV)

 Apuração
 Deve-se, em seguida, proceder à classificação da inteligência,
também de acordo com o grau de escolaridade, ou seja Ensino
Fundamental, Médio e Superior, como mostram as tabelas a seguir,
em relação aos pontos (número de respostas corretas).
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal (TIG-
NV)

 Escala de Inteligência TIG-NV:


 Por meio de estudos de Análise de Variância, foi observado que o TIG-
NV é discriminativo quanto ao nível de escolaridade. Criou-se, então,
uma escala para cada nível de escolaridade.
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal (TIG-
NV)

 Escala de Inteligência (TIG-NV) para o Ensino Fundamental:


Teste de Inteligência Geral – Não Verbal (TIG-
NV)

 Escala de Inteligência (TIG-NV) para o Ensino Médio:


Teste de Inteligência Geral – Não Verbal (TIG-
NV)

 Escala de Inteligência (TIG-NV) para o Ensino Superior:


Teste de Inteligência Geral – Não Verbal (TIG-
NV)
 Apuração
 Se o examinador preferir poderá corrigir o teste por meio do site da
web da Casa do Psicólogo:
 www.casadopsicologo.com.br/testepsic
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal (TIG-
NV)

 Análise Neuropsicológica:
 Se for de interesse do examinador, pode-se realizar uma análise dos
tipos de raciocínio classificados em quatro grupos: Relações Básicas,
Relações Específicas, Relações Gestálticas e Relações Complexas.
 Este tipo de análise possibilita identificar quais os tipos de raciocínio
que o(s) examinando(s) apresenta mais dificuldade, dentre os quatro
grupos de itens.
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal (TIG-
NV)
 Análise Neuropsicológica:
 Em casos de comprometimentos cerebrais, é importante identificar
os itens errados e fazer a análise das funções envolvidas no
desempenho correto dos raciocínios.
 Deve-se ter cuidado ao fazer essa análise, pois uma função cerebral
comprometida pode aparecer em vários itens, e não
necessariamente em apenas um. Por este motivo, deve ser
complementada com a história de vida do(s) examinando(s), em
anamneses e com outros tipos de exames ou testes que são de uso
clínico.
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal
(TIG-NV)
 Exemplo de Caso:
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal (TIG-
NV)
 Exemplo de Caso:
 A.A. é um jovem de 21 anos, estudante do 3º ano do Curso de
Psicologia. Atualmente não exerce nenhuma atividade profissional.
Realizou o teste TIG-NV em 01/04/2004, simplesmente para
participar da pesquisa de padronização.
 Dos 30 itens do teste, acertou 24, sendo classificado no Percentil
58,6 e QI de 103, o que indica desempenho Médio em relação à
variável inteligência. Seu resultado, avaliado de acordo com a
escolaridade, está coerente com o grupo de padronização.
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal (TIG-
NV)
 Exemplo de Caso:
 A análise revelou que A.A. não cometeu nenhum erro nos itens que
se referem aos raciocínios classificados como Relações Básicas (RB)
e Relações Gestálticas (RG). Nos itens que envolvem raciocínios de
Relações Específicas, seu desempenho foi de 80% de acerto ( itens
10 e 27 errados). Nos itens que requerem raciocínios de Relações
Complexas, cometeu 4 erros (itens 5,6,24 e 29), com 50% de
desempenho correto.
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal (TIG-
NV)
 Exemplo de Caso:
 Em síntese, A.A. apresenta um desempenho no teste TIG-NV que o
caracteriza como possuidor de um potencial de inteligência Média,
com mais facilidade (100% de acerto) em raciocínios que envolvem
Relações Básicas e Relações Gestálticas. As primeiras referem-se a
raciocínios do tipo soma, subtração, divisão, seriação e orientação
espacial, e as segundas são raciocínios relacionados com o
desenvolvimento visomotor, como a Lei de Fechamento, Figura e
Fundo, Sobreposição e Relações Parte/Todo e, que portanto, são
neurofisiologicamente comuns a todos os seres humanos.
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal (TIG-
NV)
 Exemplo de Caso:
 Apresentou somente 20% de dificuldade nos itens relacionados às
Relações Específicas, que se referem a raciocínios característicos
de algum tipo de aprendizagem e conhecimento. Sua maior
dificuldade foi evidenciada na execução dos itens das Relações
Complexas, que envolvem requisitos de Percepção, Atenção,
Aprendizagem e, ainda, Flexibilidade Cognitiva, nos quais obteve
50% de acerto.
Teste de Inteligência Geral – Não Verbal (TIG-
NV)
 Exemplo de Caso:
 A análise Neuropsicológica revela que não há evidências de
comprometimentos em funções cerebrais específicas e que os erros
estão mais relacionados com os processos de aprendizagem e
conhecimento e, principalmente, à capacidade de percepção,
concentração e atenção, suscetíveis ao estado emocional e à
capacidade intelectual.