Você está na página 1de 9

Formação de palavras

Helio Castelo Branco Ramos


Prof. de Língua Portuguesa/Literatura Brasileira (IFPE – campus Recife)
Processos de formação de palavras
Se considerarmos as palavras quanto à sua formação, podemos subdividi-las em três grandes grupos:

• Primitiva: palavra que não se forma de outra já existente no idioma.


• Derivada: palavra que tem sua formação baseada em uma única outra palavra (ou radical) já existente.
• Composta: palavra formada por duas (ou mais) palavras já existentes.

Existem palavras que são, ao mesmo tempo, compostas e derivadas. Exemplos:


• porto-alegrense (Porto Alegr[e] + ense);
• são-paulino (São + Paul[o] + ino);
• biopirataria (bio + pirat[a] + aria).

A partir principalmente de palavras primitivas, podem-se criar outras palavras por diferentes formas de
derivação ou de composição.

Derivação é o processo que, a partir de uma única palavra já existente na língua, dá origem a um outra palavra.
A derivação pode ocorrer de cinco maneiras diferentes, conforme veremos a seguir.
Derivação prefixal – é processo de formação de palavras que ocorre através do acréscimo de um prefixo a
um radical.
Ex.: in + útil = inútil des + ligar = desligar

Existem palavras que se formam por derivação prefixal a partir de outras que já são formadas por derivação
prefixal.
Ex.: cobrir – descobrir – redescobrir

Derivação sufixal – é processo de formação de palavras que ocorre através do acréscimo de um sufixo a um
radical.
Ex.: rua + (z)inha = ruazinha jardim + agem = jardinagem

Existem palavras que se formam por derivação sufixal a partir de outras que já são formadas por derivação
sufixal.
Ex.: ponta – ponteiro – ponteirinho

Existem palavras que se formam por derivação prefixal e sufixal ao mesmo tempo.
Ex.: in + feliz = infeliz
feliz + mente = felizmente infelizmente
Derivação parassintética – é processo de formação de palavras que ocorre através do acréscimo simultâneo
de um prefixo e um sufixo a um radical.
Ex.: a + paixão + ar = apaixonar

Como diferenciar parassíntese de derivação prefixal e sufixal?

Elimine o prefixo e o sufixo da palavra em estudo e observe:

• Se, com pelo menos uma dessas eliminações, a palavra preservar um sentido, trata-se de uma derivação
prefixal e sufixal.
Ex.: infelizmente (existe infeliz; existe também felizmente);
improvável (embora não exista “improv[a]”, existe provável).

• Se, feitas separadamente as eliminações do prefixo e do sufixo, a palavra deixar de ter sentido, trata-se de
formação por parassíntese.
Ex.: anoitecer (não existe “anoit[e]” nem “noitecer”);
subterrâneo (não existe “subterr[a]” nem “terrâneo”)
Derivação imprópria – é o processo de formação em que uma palavra muda de sua classe gramatical usual para
uma outra classe, sem alterar-lhe a forma.

Você sabe que, no dicionário, imediatamente depois de cada palavra, aparece indicada a classe gramatical a que
mais comumente ela pertence. Por exemplo:

nascer – v. – vir ao mundo; começar; ter origem; surgir.

No entanto, dependendo de como uma frase é construída, a palavra pode se transferir de sua classe usual
(“comum”) para uma outra classe gramatical.

Ex.: O nascer das estrelas torna lindas as noites escuras. A greve-relâmpago dos ônibus tumultuou o trânsito.

verbo funcionando como substantivo substantivo funcionando como adjetivo

Nosso time joga feio, mas é o líder do campeonato. O certo é que ele vá nos ajudar amanhã.

adjetivo funcionando como advérbio adjetivo funcionando como substantivo


A ocorrência mais comum de derivação imprópria consiste na passagem de uma palavra de uma classe
gramatical qualquer para a classe dos substantivos. Para que isso ocorra, basta antepor uma artigo ou pronome
à palavra.
Ex.: viver (v.) – o viver (subst.); certo (adj.) – o certo (subst.);
sofrer (v.) – meu sofrer (subst.); não (adv.) – um não (subst.).

Derivação regressiva – processo em que, normalmente, são formados substantivos indicadores de ação,
pelo acréscimo das vogais -a, -e e -o.

Verbo Radical do verbo Vogal acrescida ao radical Derivado regressivo (subst.


indicador de ação)
inventar invent- o invento
chorar chor- o choro
combater combat- e combate
vender vend- a venda

Empregando esses derivados regressivos em frases, teríamos, por exemplo:


Santos Dumont apresentou seu invento em Paris.
O choro da criança irritou a mulher.
Como saber se foi o verbo que originou o substantivo ou vice-versa?

Há substantivos constituídos por radical do verbo + vogal (a, e e o) que são primitivos. Para diferenciá-los
dos derivados regressivos, use o seguinte critério prático:

Se o substantivo dá nome a objeto ou substância, ele é primitivo e, a partir dele, formou-se, por derivação
sufixal, o verbo correspondente. Exemplo:
lâmina – como a palavra nomeia um objeto, ela é a primitiva.
laminar – o verbo correspondente formou-se então por derivação sufixal (lâmin[a] + ar).

Se o substantivo indica ação, ele é derivado regressivo e, portanto, formou-se a partir do verbo, que é a
palavra primitiva. Exemplo:
beijo – como a palavra exprime ação, ela é derivada regressiva.
beijar – é a palavra primitiva, da qual se derivou beijo.

Composição – é o processo que forma palavras a partir de pelo menos outras duas palavras (ou radicais) já
existentes. Pode ocorrer:

Justaposição – as palavras que se unem não se alteram. Ex.: ponta + pé = pontapé


Aglutinação – pelo menos uma das palavras que se unem sofre alteração.
Ex.: perna + alta = pernalta alvo + verde = alviverde

Outros processos de formação de palavras

Hibridismo – processo de formação de palavras no qual se combinam palavras (ou radicais) de idiomas
diferentes.
Ex.: samba [palavra de uma língua africana, o banto] + dromo [palavra de origem grega] = sambódromo
bi (latim) + ciclo (grego) + eta (francês) = bicicleta
[to] delete (inglês) + ar (latim) = deletar

Onomatopeia – processo que forma uma palavra para reproduzir, por imitação, um determinado som ou
ruído.
Ex.: A reunião acabou virando um blá-blá-blá sem pé nem cabeça.

Sigla – processo que forma uma palavra através da reunião das letras iniciais das palavras que compõem um
nome.
Ex.: Sesi – Serviço Social da Indústria
Projeto TAMAR – Tartaruga Marinha
Redução vocabular – é o processo que consiste em eliminar parte de uma palavra, reduzindo seu tamanho até
um limite mínimo que não impeça a compreensão de seu significado.
Ex.: lipoaspiração – lipo motocicleta – moto apartamento – apê telefone – fone
refrigerante – refri microcomputador – micro

Empréstimo linguístico – trata-se do uso de palavras estrangeiras para nomear seres que ainda não foram
nomeadas na língua materna. Há também a possibilidade utilizar uma palavra estrangeira para obter algo
efeito discursivo.
Ex.: abajur (palavra de origem francesa) test drive (palavra de origem inglesa)

REFERÊNCIAS

PATROCÍNIO, Mauro Ferreira. Aprender e praticar gramática. São Paulo: FTD, 2011.

Você também pode gostar