Você está na página 1de 46

Economia A

Elsa Silva • Rosa Moinhos

Unidade 12

A economia
portuguesa no
contexto da
União Europeia
Economia A 11.º ano
A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Noção e formas de integração

 Formal, quando esta é definida


Trata-se de um processo de
formalmente através do
integração económica quando dois
estabelecimento de acordos entre
ou mais países acordam proceder à
dois ou mais países.
abolição das barreiras comerciais
existentes entre si, para formarem um
 Informal, quando dois ou mais
mercado mais alargado, homogéneo e
países estreitam as relações
coerente.
comerciais entre si, sem que tenha
sido estabelecido qualquer acordo
escrito entre as partes.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Vantagens da integração económica

 uma maior eficiência na afetação dos recursos de cada economia;

 uma maior possibilidade de alcançar o pleno emprego dos fatores de


produção;

 uma maior possibilidade de garantir o crescimento económico;

 o aumento da produção devido à divisão do trabalho e à


especialização efetuada;

 a obtenção de economias de escala devido ao alargamento da


dimensão dos mercados;

 uma maior circulação da inovação e dos avanços tecnológicos.

Atividade
pág. 167

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Formas de integração económica

 Sistema de Preferências Aduaneiras;

 Zona de Comércio Livre;

 União Aduaneira;

 Mercado Comum;

 União Económica;

 União Económica e Monetária.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Formas de integração económica

Corresponde à forma mais simples de


integração.
Sistema de
Preferências Trata-se de um Sistema de

Aduaneiras Preferências Aduaneiras quando dois


ou mais países concedem, apenas
entre si, um conjunto de vantagens
aduaneiras não extensíveis a países
terceiros.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Formas de integração económica

 é uma forma de integração económica em que


os países-membros decidem eliminar as
barreiras comerciais e alfandegárias entre si;

 os países-membros mantêm a sua própria


Zona de Comércio Livre
pauta aduaneira e as suas políticas comerciais
para com países terceiros;

 os países-membros não têm uma pauta


aduaneira comum.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Formas de integração económica

 é uma forma de integração económica em


que os países-membros decidem eliminar
as barreiras comerciais e alfandegárias
entre si (como numa Zona de Comércio
União Aduaneira
Livre);

 existência de uma pauta aduaneira comum


para os países terceiros.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Formas de integração económica

 é uma forma de integração económica


em que os países-membros decidem
estabelecer liberdade de circulação de
mercadorias, serviços, pessoas e

Mercado Comum capitais;

 adoção de políticas comuns;

 existência de uma pauta aduaneira


comum para países terceiros.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Formas de integração económica

Esta forma de integração apresenta todas as

caraterísticas do Mercado Comum, verificando-se


União Económica
ainda a adoção de políticas económicas e sociais

comuns com vista a alcançar a convergência das

economias dos países-membros.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Formas de integração económica

Esta forma de integração apresenta todas

as caraterísticas da União Económica,


União Económica
e verificando-se ainda a harmonização total
Monetária
das políticas e a adoção de uma moeda

comum.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Exemplos de formas de integração económica no mundo

Europa Ásia

UE
(União Europeia) ASEAN
(Association of Southeast
Asian Nations)

América
África
Mercosul
(Mercado Comum do Sul)
COMESA
(Mercado Comum dos Estados
de África de Leste e Austral) NAFTA
(North American Free
Trade Agreement)

Atividade
pág. 169

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

O processo de integração na Europa

No final da Segunda Guerra Mundial, a Europa estava depauperada e em ruínas e


perdera o papel de centro de poder e decisão do mundo.

O Plano Marshall desempenhou um OECE


papel fundamental na reconstrução (Organização Europeia de Cooperação
da Europa. Económica)

O Plano Marshall consistiu na ajuda A OECE foi criada para administrar o


financeira dada à Europa pelos EUA. Plano Marshall. Mais tarde, a OECE
deu origem à OCDE.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

O processo de integração na Europa: da CECA à CEE

A 18 de abril de 1951, é
assinado o tratado que
institui a CECA (Comu- Estrutura da CECA Todos os órgãos da
nidade Europeia do CECA são supranacionais.
Carvão e do Aço).
Tratado de Paris

Países que assinaram Alta Autoridade O que significa que são


o Tratado de Paris: Conselho de Ministros independentes política e
França, Alemanha, financeiramente dos
Assembleia
Bélgica, Itália, governos de cada
Holanda e Luxemburgo. Tribunal de Justiça Estado--membro.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

O processo de integração na Europa: da CECA à CEE

A CECA constituiu o embrião para a criação da futura CEE.

A CECA mostrou que:


O grande objetivo da criação da CECA era possível os países antes beligerantes
foi a liberalização de dois bens gerirem dois bens em conjunto;
fundamentais à reconstrução da Europa:
os países-membros aceitarem a transferência
o carvão e o aço.
de poderes para órgãos supranacionais;

era possível a via da paz, da cooperação e da


A CECA tornou possível a gestão
solidariedade;
comum destes dois bens.
era possível a via da integração económica .

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

O processo de integração na Europa: da CECA à CEE

A Comunidade Económica Europeia


(CEE)

25 de março de 1957 25 de março de 1957

Assinatura do tratado Assinatura do tratado que


que instituiu a CEE. instituiu a Euratom.

Tratados de Roma

CEE, Euratom e CECA.

Atividade
pág. 171

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

A Comunidade Económica Europeia (CEE)

Países fundadores da CEE

França, Alemanha,
Bélgica, Itália,
Holanda e Luxemburgo.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

A Comunidade Económica Europeia (CEE)

A CEE entrou em vigor em 1 de janeiro A criação da CEE constituiu uma nova

de 1958, tendo fixado como principais etapa na história da Europa Ocidental,


objetivos:
quer do ponto de vista político, dada a
a criação de uma união aduaneira;
supranacionalidade de que se revestiu,
a construção de um mercado comum;
quer do ponto de vista económico, pois foi
a adoção de políticas comuns;
responsável pelo forte crescimento

a instituição de um Banco Europeu de económico verificado no interior da


Investimentos.
Comunidade.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

A construção da União Europeia

Fatores explicativos

Anos 70 do século XX crises petrolíferas (1973 e 1979);


intensificação da concorrência
Verificou-se:
internacional;
a estagnação do projeto de baixa flexibilidade do mercado de
integração; trabalho;
menor capacidade de resposta às
o abrandamento do ritmo de alterações da conjuntura inter-nacional;
crescimento das economias da paralisia institucional;
Comunidade. bloqueamento do processo de
integração.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

A construção da União Europeia

Principais objetivos
Ato Único Europeu
abolição de todas as barreiras físicas,
Assinado em 1986. técnicas e fiscais com vista à criação do
Mercado Único Europeu;
Entra em vigor em 1987.
reforço da coesão económica e social;
Surge como forma de relançar o
reforço da cooperação em matéria
projeto de integração. monetária;

Primeira alteração dos Tratados de reforço dos poderes do Parlamento


Europeu;
Roma.
melhoria da capacidade de decisão do
Conselho de Ministros.
Atividade
pág. 173

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

A construção da União Europeia

Vantagens associadas à criação do


Mercado Único
Mercado Único Europeu
ou Mercado Interno
maior facilidade de os cidadãos
Espaço sem fronteiras onde europeus circularem, residirem e
podem circular livremente: trabalharem em todo o espaço
bens;
comunitário;
pessoas; crescimento do PIB da Comunidade;
serviços; criação de mais prosperidade;
capitais. criação de mais emprego;
aumento do poder de atração de IDE.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

A construção da União Europeia

Ações a desenvolver

Reforço das redes de transporte e


Ato para o Mercado Único
Europeu II de energia.

Reforço da mobilidade dos cidadãos


Conjunto de medidas aprovadas
e das empresas.
em 2012 com vista a aprofundar
o Mercado Único.
Desenvolvimento da economia
Pretende dar resposta à situação
digital.
atual do mundo, em geral, e da
UE, em particular. Incentivo do empreendedorismo
social, da coesão e da confiança dos
consumidores.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

A construção da União Europeia

Tratado de Maastricht

União Política União Económica e Monetária

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

A construção da União Europeia

União Política

 Criação de uma Política Externa e de Segurança Comum (PESC).

 Reforço de cooperação nos domínios da Justiça e Assuntos Internos.

 Instauração de uma cidadania europeia.

 Construção de uma Europa social.

 Novos campos de ação comunitária.

 Reforço da legitimidade democrática.

Atividade
pág. 177

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

A construção da União Europeia

União Económica e Monetária

Processo destinado a harmonizar as políticas económicas e monetárias dos Estados-


-membros com vista à introdução de uma moeda única ‒ o euro.

Fases da UEM

1.ª fase (1990 e 1994) 2.ª fase (1994 e 1998) 3.ª fase (1999)

liberdade de circulação de criação do Instituto fixação irrevogável


capitais; Monetário Europeu e, das taxas de câmbio;
posteriormente, do BCE;
reforço da coordenação das introdução do euro.
políticas económicas;
convergência das
intensificação da coope- políticas económicas e
ração entre bancos centrais. monetárias.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Critérios de Convergência Nominal

Situação das finanças públicas


Estabilidade de preços

O défice não pode exceder 3% do PIB, a


A taxa de inflação média, verificada no menos que esteja a diminuir substancial
período de um ano que antecede a data e continuadamente e que se situe perto
de avaliação, não pode exceder em mais desses 3%. Além disso, a dívida pública
de 1,5 pontos percentuais a taxa de não pode ser superior a 60% do PIB, a
inflação média dos três Estados-membros menos que esteja a diminuir
com melhores resultados em termos de suficientemente e a aproximar-se a um
estabilidade de preços. ritmo satisfatório desses 60%.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Critérios de Convergência Nominal

Durabilidade da convergência Estabilidade das taxas de câmbio

A média da taxa de juro a longo prazo,


Observância das margens de flutuação
verificada no período de um ano que
normais previstas pelo mecanismo de
antecede a data de avaliação, não pode
taxas de câmbio do Sistema Monetário
exceder em mais de 2 pontos
Europeu (SME), pelo menos durante dois
percentuais a média da taxa de juro a
anos, sem grandes tensões.
longo prazo dos três Estados-membros

com melhores resultados em termos de

estabilidade de preços.
Atividade
pág. 175

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

A área do euro

Área do euro ou zona euro é o

espaço onde circula o euro.

Foi fundada por 11 países, em

1999.

Em 2001, juntou-se a Grécia.

Atualmente (2014), o euro é a

moeda de 18 Estados-membros.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Desafios da União Europeia na atualidade

Alargamento Aprofundamento

Alargamento e aprofundamento são dois processos que se complementam.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Alargamento da União Europeia

Atividade
pág. 181
http://www.ecb.europa.eu/ecb/educational/facts/euint/html/ei_002.pt.html

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Vantagens e desafios do alargamento da União Europeia

Desafios
Vantagens
aumento do número de Estados-membros.
aumento do número de consumidores;
reforço do crescimento económico e aumento das disparidades económicas e
da criação de novos empregos; sociais entre os Estados-membros.
 melhoria da qualidade de vida dos
cidadãos europeus;
Respostas aos desafios colocados
reforço do papel da UE no plano pelo alargamento
internacional;
reforço da paz, da estabilidade e da  reforma das instituições e órgãos da UE;

prosperidade na Europa;  reorientação dos fundos comunitários.

reforço das jovens democracias.


Atividade
pág. 183

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Reforma das instituições comunitárias


de forma a garantir o funcionamento democrático da UE

Alteração da compo- Redução do número de Aumento do número de


sição da Comissão deputados do Parlamento membros do Conselho da
Europeia Europeu União Europeia

A partir de 2014, o número A partir de 2014, não poderá Um represente por país.
de comissários europeus exceder os 750. Sistema de aprovação por
deverá corresponder a 2/3 Nenhum Estado-membro maioria qualificada.
do número total de poderá ter mais de 96 ou
Estados-membros. menos de 6 deputados.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Instituições da UE

Conselho Europeu Conselho Europeu

Conselho da União Europeia Conselho da União Europeia

Parlamento Europeu Parlamento Europeu

Comissão Europeia Comissão Europeia

Tribunal de Justiça Tribunal de Justiça

Tribunal de Contas Tribunal de Contas

Banco Central Europeu (BCE) Banco Central Europeu (BCE)

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Reorientação dos Fundos Comunitários

Grande parte dos


Revelam carências ao
países do último Os seus PIB per nível económico e
alargamento situa-se capita são inferiores a social.
nas regiões mais 75% da média da UE.
pobres da UE.

Seguindo o princípio de coesão económica e social, que tem norteado a Comunidade

desde a sua origem, é necessário dotar as populações destes países das mesmas

oportunidades e níveis de bem-estar de que as restantes populações da UE usufruem.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

PIB por habitante, em PPC (UE=100), 2001

Augusto Mateus, A Economia Portuguesa e o Alargamento da União Europeia (adaptado)

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Os alargamentos da União Europeia

Aumentos (%)

População Área PIB

De 6 para 9 membros 32 31 29

De 9 para 12 membros 22 48 15

De 12 para 15 membros 7 37 7,5

De 15 para 25 membros 20 23 4,7

Augusto Mateus, A Economia Portuguesa e o Alargamento da União Europeia (adaptado)

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Reorientação dos Fundos Comunitários

 tornar a agricultura dos países do


alargamento mais produtiva e mais Reforço das verbas destinadas ao

sustentável;
FEDER
 tornar estes países mais atrativos em FSE
termos de investimento estrangeiro; Fundo de Coesão

 implementação de estratégias para o FEADER

crescimento;

 investimento em capital humano.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Fundos Comunitários

FEADER
FEDER
(Fundo Europeu Agrícola para o
(Fundo Europeu de Desenvolvimento
Desenvolvimento Rural)
Regional)
Financiar projetos de desenvolvimento
Combater as desigualdades regionais e
rural e melhorias estruturais na
promover a coesão económica e social.
agricultura dos Estados-membros.

FSE (Fundo Social Europeu) FEAMP


(Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos
Melhorar o emprego através do e das Pescas)
financiamento de ações que promovam a
formação profissional, a formação ao Ajudar os pescadores na fase de
longo da vida e a transição para a vida transição para uma pesca sustentável e
ativa. ajudar as comunidades costeiras.

Fundo de Coesão
Reduzir as disparidades económicas e sociais e promover o
Atividade desenvolvimento sustentável.
pág. 187

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Aprofundamento da União Europeia

O grande objetivo do aprofundamento da


O aprofundamento significa
UE tem sido realizado no sentido de
caminhar no sentido de mais
aproximar a Europa dos seus cidadãos e
integração.
aprofundar a democracia.

O aprofundamento, em conjunto como


A questão do aprofundamento tem alargamento, exigiu da União a
caraterizado o processo de reformulação das Políticas Comunitárias,
integração europeu desde a sua de forma a reforçar a coesão económica e
origem. social, e a convergência real das
economias dos Estados-membros.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Políticas da União Europeia

PAC (Política Agrícola Comum) PESC


(Política Externa e de Segurança Comum)
melhorar a produtividade agrícola;
garantir preços acessíveis aos reforço da segurança da união;
consumidores; promoção da cooperação internacional;
melhorar o nível de vida dos consolidação da democracia;
agricultores. defesa dos direitos humanos.

Política Regional
PCP (Política Comum das Pescas)
combater as desigualdades estruturais
 promover a sustentabilidade das
existentes entre as várias regiões da
pescas;
União;
 garantir um nível de vida justo para as
 promoção de uma igualdade de
comunidades piscatórias.
oportunidades efetiva entre as pessoas.

Atividade
pág. 189

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Orçamento da UE

Elaborado anualmente pela Comissão Europeia e apresentado ao Parlamento Europeu


e ao Conselho da União Europeia para discussão e aprovação, nele constando a
previsão das receitas e das despesas para um dado ano.

Anualmente, é aprovado o A União Europeia dispõe de um

Orçamento da União Europeia. Orçamento Plurianual, de longo prazo


(2014-2020),designado por Quadro
Financeiro Plurianual.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Orçamento da UE

Receitas Despesas
Recursos próprios tradicionais, que na Europa, como o financiamento de
incluem os direitos aduaneiros ações de formação ou a construção
(importações de países terceiros) e de grandes infraestruturas;
direitos agrícolas e quotizações sobre  no estrangeiro, como programas de
o açúcar; apoio aos países em desenvolvimento
Recursos baseados no IVA; e aos países candidatos e potenciais
Recursos baseados no RNB. candidatos à UE;
custos do funcionamento da UE.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Orçamento da UE

Áreas de aplicação do Orçamento da UE


(milhões de euros)

Total: 142 640,5 milhões de euros Comissão Europeia, O Orçamentp da UE,


in http://ec.europa.eu/budget/figures/2014/2014_en.cfm

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

A afirmação externa da União Europeia

A União Europeia desempenha um importante papel na cena mundial quer através da


sua ação diplomática quer no comércio, na ajuda ao desenvolvimento e na participação
em organizações internacionais.

Papel desempenhado pela UE no mundo

 na consolidação da paz;
 na ajuda ao desenvolvimento;
 na defesa dos direitos humanos;
 no reforço da segurança em todo o mundo;
 na resposta a situações de crise e ajuda humanitária;
 na promoção do desenvolvimento sustentável e na defesa do
ambiente.

Economia A 11.º ano


A economia portuguesa no contexto da União Europeia

Estratégia 2020

Objetivos
Estratégia Europa 2020
 Emprego: aumentar para 75% a taxa
A Estratégia Europa 2020 é um plano de emprego na faixa etária dos 20-64
para dez anos com vista ao crescimento anos;
da União Europeia.  I&D: aumentar para 3% do PIB o
investimento da UE em I&D; 
Esta Estratégia visa, não só a saída da
crise, mas também a revisão do modelo  Alterações climáticas e sustenta-
bilidade energética;
de crescimento económico e a criação
das condições necessárias para obter  Educação: reduzir a taxa de
abandono escolar precoce para menos
um tipo diferente de crescimento: um de 10%;
crescimento mais inteligente, susten-
 Luta contra a pobreza e a exclusão
tável e inclusivo. social.

Europa 2020

Economia A 11.º ano