Você está na página 1de 17

CONTEXTO

HISTÓRICO
E
CULTURAL
Estamos na metade do século XIX.
Revolução Francesa consolidada,
burguesia fortalecida enquanto classe
social vitoriosa. Se no período de
contestação ela se sentiu bem no
ideário romântico, agora abandonará
gradativamente os mitos
revolucionários, idealistas,
contestadores, em função de sua nova
condição de classe dominante.
Seus mitos serão a ciência e a razão,
idéias do Estado governante, o Estado
burguês, amparado na ordem, na
produção industrial, na balança
O Romantismo sai de cena e dá
lugar a uma concepção científica e
materialista. A ciência assume
importância cada vez maior, sendo
vista na época como o único
instrumento seguro para explicar a
realidade e também gerar riquezas.
O espírito científico era considerado
como critério supremo na concepção
e análise da realidade. Desse modo,
será a ciência que determinará as
novas maneiras de pensar e viver.
Em 1859, Darwin publica
A Origem das Espécies
– a teoria evolucionista é
o resultado do
mecanismo de seleção
natural. O meio
ambiente condiciona
todos os seres, inclusive
o homem, deixando
sobreviver os mais
fortes, eliminando os
mais fracos. O meio
ambiente passa a ter
enorme importância,
pois condiciona matéria
O positivismo, corrente
filosófica criada por
Augusto Comte e
baseada no método
das ciências naturais,
traduziu essa visão de
mundo, pois se
concentrava nos fatos,
rejeitando qualquer
explicação metafísica
para a atuação do
homem no mundo,
além de propagar a
idéia de que apenas o
progresso material já
 A Revolução Industrial entra numa fase
caracterizada pela utilização do aço, do petróleo e
da eletricidade. Aumenta a massa operária formando
uma população marginalizada e que não partilha os
benefícios gerados pelo progresso industrial, mas,
pelo contrário, é explorada e sujeita a condições
sub-humanas de trabalho.

Nesse contexto, surge o


socialismo científico de
Marx e Engels, a partir
da publicação, em 1848, do
Manifesto Comunista, que define
o materialismo histórico e a
Statue von Karl Marx und Friedrich Engels
luta de classes.in Berlin
vor dem Palast der Republik
Há, ainda, as idéias
filosóficas de
Schopenhauer, pensador
alemão, que, sem negar a
Ciência, considera de
modo bastante pessimista
que o homem, submetido
a determinismos morais, é
por natureza fadado à dor
e ao sofrimento, de modo
que o mundo constitui um
imenso palco de
mentirosas ilusões e que a
pouca alegria conseguida
resulta de um esforço
doloroso que logo a
Assistimos à transição de uma
sociedade tipicamente agrária,
latifundiária, escravocrata e aristocrática
para uma sociedade burguesa e urbana.
 A divulgação do pensamento científico
europeu;
 O Abolicionismo
 A extinção do tráfico negreiro em 1850 acelera
a decadência da economia cafeeira;
 O deslocamento do eixo de prestígio para o
Sul e os anseios das classes médias urbanas.
 Muda-se a concepção política, filosófica,