Você está na página 1de 44

Hermenêutica e

Exegese Bíblicas
Pr. Sandro Pereira

1
2
Barreira Espiritual
Um incrédulo pode conhecer muitas das
verdades bíblicas empregando os mesmos
meios de interpretação que empregaria com
textos não-bíblicos, mas ele não pode
conhecer verdadeiramente essas verdades
enquanto permanecer em rebelião contra
Deus.
Virkler (2007, p. 20, 21)

3
Barreira Cronológica

4
Barreira Geográfica

5
Barreira Histórica e Cultural

6
Barreira Histórica e Cultural
1. Fl 3.20: pátria celestial?
2. Por quê Jonas não queria ir a Nínive?
3. Por quê havia anciãos à porta da cidade
(Gn 34.20; Rt 4.1)?
4. O que significa “tomar a cruz” em Mateus
16.24?
5. Por quê a determinação de não cozer o
cabrito no leite da sua própria mãe em Ex
23.19; 34.26; Dt 14.21?
6. 2 Rs 2.9: porção dobrada do espírito? Dt
21.17 7
Barreira Linguística

8
Barreira Linguística
1. Etimologia;
2. Palavras que mudam o seu significado.
Eirene: paz como antônimo de guerra;
utilizada no sentido de paz interior.
3. Palavra com múltiplos significados:
kosmos, sarx;
4. Uso de sinônimos: Rm 14.13, tropeço e
escândalo.
5. Em contextos diferentes palavras podem
ter sentidos diferentes
9
Conceito de Hermenêutica Bíblica
1. Hermeneúein: interpretar, comunicar,
explicar.
2. Hermeneuo: ato de levar alguém a
compreender algo em seu próprio
idioma (explicar) ou em outra língua
(traduzir).
3. A própria tradução é uma
interpretação.
10
Conceito de Hermenêutica Bíblica
[...] é tanto ciência como arte. Na qualidade
de ciência enuncia princípios, investiga as
leis do pensamento e da linguagem e
classifica seus fatos e resultados. Como arte,
ensina como esses princípios devem ser
aplicados e comprova a validade deles,
mostrando o valor prático que têm na
elucidação das passagens mais difíceis.
Milton S. Terry in Zuck (1994, p. 21)
11
Exegese Bíblica
1. Exegesis: explicação, interpretação (Lc
24.35; Jo 1.18; At 10.8)
1. Ex: fora de, para fora, de;
2. Eis: para dentro.
2. É algo para toda a vida, tarefa de
constante interação entre o texto bíblico
e sua exposição apropriada.
3. Verificação do sentido do texto dentro
de seu contexto histórico e literário.
12
Exegese Bíblica

Contexto = “mundo-da-vida”:
cultura (valores, símbolos, noções
explicativas, etc), a sociedade
(normas, formas de parentesco,
etc.), a identidade (paixões, papéis
sociais, etc.) e a religião.
Zabatiero (2007, p. 75)
13
Dez princípios básicos para a Interpretação Bíblica
1. Princípio da unidade escriturística. Sob a
inspiração divina a Bíblia ensina apenas
uma teologia.
2. Aprender a ler cuidadosamente o texto.
3. A Bíblia interpreta a própria Bíblia.
4. Analogia da Fé. O texto deve ser
interpretado através do conjunto das
Escrituras e nunca através de textos
isolados.
5. Sempre ter em vista o contexto.
14
Dez princípios básicos para a Interpretação Bíblica
6. Primeiro procura-se o sentido literal.
7. Ler o texto em todas as traduções mais
verossímeis.
8. O trabalho de interpretação é científico e
espiritual.
9. Perguntas relacionadas com a passagem:
a. Quem escreveu?
b. Quando e onde foi escrito?
c. Qual o tema ou a razão principal do escritor?
d. A quem se dirigiu o escritor?
10. O resultado obtido não pode contrariar os
princípios fundamentais da Bíblia 15
Aproximação do texto – Contexto histórico
1.Quem é o autor do texto?
2.Quem são os destinatários?
3.Qual o relacionamento entre ambos?
4.Onde os destinatários vivem?
5.Quais são suas circunstâncias no
momento?
6.Que situação histórica levou à composição
do documento?
7.Qual o propósito do autor?
8.Qual é o tema geral ou a preocupação do
autor? 16
Aproximação do texto – Contexto histórico
1.A maneira ideal para uma boa exegese é ler o
livro de uma vez só.
2.Entender o assunto básico do livro (do que esse
livro ou epístola está falando?)
3. Descobrir tudo o que pudermos sobre os
destinatários. Observar:
a. Palavras e expressões repetidas.
b. Pessoas e os lugares mencionados.
c. Os acontecimentos (ao menos os principais).
d. Ordens, pedidos, proibições; tentar
determinar a atmosfera (louvor, gratidão,
urgência, preocupação, etc.). 17
Significado do texto para o leitor
1. Quais são os elementos ou conteúdos
apresentados que conheço ou desconheço?
2. Que detalhes no texto caberia aprofundar para
entendê-lo ainda melhor?
3. Reflexões sobre a sua mensagem e seu
significado pessoal, eclesial e social.
4. Que ideias ou práticas defende?
5. Quais critica e por quê?
6. Que implicações traz a mensagem do texto
para a vivência de minha espiritualidade
pessoal, eclesial e sócio-política?
18
Aproximação ao Texto
1. Anote essas primeiras interrogações,
dúvidas e mensagens do texto, para
que possam ser comparadas com a
interpretação posterior
2. Uma boa exegese levará essas
perguntas a sério e procurará ser
sensível a elas.
3. A anotação de dúvidas também
favorece o processo de controle e
revisão no final da exegese.
19
Delimitação do
Texto

20
Elementos que indicam um novo início

1. Tempo e espaço:
a. 2 Sm 11.1; 2 Rs 4.38; Mt 2.1; 4.1;
Mc 16.1;
2. Actantes ou personagens:
a. Ex 2.1; 2 Rs 4.42; Mc 7.1; Lc 1.26;

21
Delimitação do Texto
1.Vocativo e/ou novos destinatários:
a.Os 5.1; Jl 1.13; Ef 5.22, 25; 6.1, 4, 5, 9, Gl
3.1
2.Introdução ao discurso:
a.Jó 6.1; 8.1; Lc 15.7, 10; 18.6, 14;
3.Mudança de estilo (discurso x narrativa x
prosa x poesia):
a.Jz 5.1; 5.31; Mt 10.4-5; Mt 11.1-2; Fl 2.5-6;
Fl 2.11-12

22
Elementos que indicam o término

1. Actantes ou personagens:
a. Mt 17.19; Mc 1.45; Mc 9.28
2. Espaço:
a. 2 Sm 19.40; Mc 1.39; At 12.17; At 14.6-7;
3. Tempo:
a. Nm 20.29; 1 Rs 10.25; Gn 32.22; At
10.48; Jo 13.30;

23
Marcos 4.35-41
•33.34 sumário conclusivo;
•35 mudança de estilo – discurso x narrativa;
•Indicação temporal – quando se fez tarde;
•Mudança espacial – outra margem;
•Com isso a nova ação é desencadeada;
•41 ação terminal do tipo temor e
questionamento;
•5.1 – novo espaço;
•5.2 – novo personagem.

24
Gêneros Literários
1. Jurídico;
2. Narrativo:
a. Tragédia;
b. Épico;
c. Romance;
d. Heroico;
e. Sátira;
f. Polêmica
3. Literatura Sapiencial
4. Poesia
25
Gêneros Literários
1.Evangelhos;
2.Discurso lógico:
a. Expositivo;
b.Exortativo;
3.Literatura Profética;

26
Paralelismo sinônimo
Sl 2.3:
Rebentemos os seus grilhões (1a. declaração)
Sacudamos de nós suas algemas (2a. declaração)

Sl 21.9:
Tua mão encontrará os teus inimigos todos.
Tua direita encontra os que te odeiam.
 
Sl 54.4:
Ouve, ó Deus, a minha prece (1a. declaração)
Dá ouvido às palavras da minha boca (2a. Dec.)
27
Paralelismo antitético
Pv 11.1:
Balança enganosa é abominação para o SENHOR,
mas o peso justo é o seu prazer.
 
Pv 11.11:
Pela bênção dos sinceros, se exalta a cidade,
mas pela boca dos ímpios é derribada.

28
Paralelismo sintético ou complementar

A segunda parte do verso leva adiante o pensamento


da primeira.  

Sl 1.2:
Antes o seu prazer está na lei do Senhor (1o. cólon)
E na sua lei medita de dia e de noite (2o. cólon)
 
Sl 9.7:
Mas o Senhor permanece no seu trono eternamente.
trono que erigiu para julgar.
29
Quiasmo
•A segunda linha reforça a primeira com inversão da
sequência de palavras ou frases. A estrutura quiástica as
vezes é conhecida por estrutura em forma de cruz.
•Há elementos semelhantes, porém, em ordem inversa.

Sl 84.8:
SENHOR, Deus dos Exércitos, (a)
escuta a minha oração; (b)
inclina os ouvidos, (b’)
ó Deus de Jacó! (a’)

30
Figuras de Pensamento
1. Antropomorfismo: Sl 34.15 – olhos
de Deus;
2. Antropopatismo: Gn 6.6 –
arrependimento divino.
3. Zoomorfismo: Sl 91.4 – as penas de
Deus.
4. Eufemismo: 1Sm 24.4 – uso de uma
expressão mais branda
5. Hipérbole: 2Rs 21.16 31
Figuras de Linguagem
1. Metáfora: Semelhança estabelecida sem o
uso da partícula “como” (Sl 57.5).
2. Metonímia: Substituição de um nome por
outro, em virtude de haver entre eles
alguma relação do tipo qualitativo: o
objeto pela matéria, a obra pelo autor, o
recipiente pelo conteúdo, a parte pelo
todo, o gênero pela espécie, etc. (Gn 6.12;
Lc 16.29).
32
Análise do Conteúdo – Pano de fundo

1.Qual é o contexto da passagem?


2.Existem passagens paralelas ou
semelhantes na Bíblia?

33
Análise do Conteúdo – Ambiente Social
1.Que instituições sociais ou civis têm
algum impacto sobre a passagem?
2.A passagem é diretamente
relevante só para o israelita antigo
ou seja, culturalmente
condicionada, ou tem alguma
utilidade e significado para hoje?

34
Análise do Conteúdo – Cenário Histórico
1.O que acontece a seguir? Em que
direção a passagem conduz?
2.Oferece alguma informação essencial
para a compreensão de algum
acontecimento ou informação
posterior?
3.De que forma a perícope se encaixa no
panorama geral da história de Israel,
notadamente no Antigo Testamento?
35
Análise do Conteúdo – Aspectos Geográficos
1.Mapas, de preferência um “Atlas Bíblico”.
2.De onde procede a passagem?
3.É proveniente do norte ou do sul? Ou será
que se concentra nas questões relativas aos
dois reinos?
4.É intra-Israel ou extra-Israel?
5.Os aspectos referentes ao clima, topografia,
distribuição étnica, cultural regional ou
economia cumprem algum papel na
perícope?
36
Análise do Conteúdo – Análise teológica
1. Quais são os problemas, as bênçãos,
preocupações, confidências, etc., a respeito
dos quais a perícope tem algo a dizer?
2. Com que clareza eles são tratados pela
perícope?
3. A perícope levanta dificuldades aparentes
para algumas doutrinas ? Resolve outras?
4. Como a perícope trata a pessoa de Deus?
5. Como Deus interage com as personagens?
6. Há algum tipo de aperfeiçoamento ou
progresso no entendimento dos conceitos? 37
Análise do Conteúdo – Contribuição teológica
1.Em que a passagem contribui para a solução
de questões doutrinárias ou apoia soluções
oferecidas em outras partes das Escrituras?
2.Qual é o grau de contribuição da passagem?
3.Até que ponto posso ter certeza de que tem o
significado teológico que proponho?
4.A abordagem concorda com a de outros
estudiosos ou teólogos?
5.Como a passagem se conforma
teologicamente com todo o sistema de
verdade contido na teologia cristã?
38
Análise do Conteúdo – Contribuição teológica

1.Há alguma coisa sobre a passagem que não


parece se relacionar facilmente a alguma
expressão particular da teologia cristã?
2.Que soluções pode oferecer, mesmo que de
maneira provisória, para qualquer problema?
3.Se não existir uma solução facilmente
aplicável, qual seria a razão?
a. A passagem é obscura, ou eu não tenho
suficiente conhecimento sobre o assunto?

39
Análise do Conteúdo – Contribuição teológica

A Bíblia é mais
importante; os sistemas
teológicos são
secundários. Afinal,
estes últimos derivam da
Bíblia. 40
Atualização
1. Aliste os assuntos que dizem respeito à vida.
2. Esclareça a natureza da aplicação. Ela informa ou
orienta?
3. Esclareça as possíveis áreas de aplicação – fé ou ação.
4. Identifique os ouvintes da aplicação.
a. Cristãos ou não cristãos?
b. Pais ou filhos?
c. Poderosos ou pessoas comuns?
d. Arrogantes ou humildes?
e. Desesperados ou confiantes?
5. Determine as categorias de aplicação.
a. Pessoal ou interpessoal (para mim).
b. Eclesial (para meu grupo cristão).
c. Social (onde vivo e com os quais me relaciono). 41
Cuidado!
Nunca force o texto
para introduzir nele
ou extrair dele algo
que lhe seja
estranho.
42
43
Síntese - OICA
O.: Observação
I.: Interpretação
C.: Correlação
A.: Aplicação 44