Você está na página 1de 48

introdução à

teoria junguiana
INTRODUÇÃO Á TEORIA
JUNGUIANA

quem nos guia


primeiro a prática

introdução à teoria junguiana


DEPOIS A TEORIA
INTRODUÇÃO Á TEORIA
JUNGUIANA

Minha vida é a quintessência do que escrevi


e não o contrário.
O que sou e o que escrevo são uma coisa só.
Todas as minhas ideias e todos os meus esforços,
eis o que sou.

C. G. Jung
VIDA E OBRA
• fatos x memórias
• realidade consciente x realidade inconsciente
• viveu 86 anos - de 1875 à 1961

MARCOS NA VIDA
PESSOAL
• viveu em um vilarejo na suíça
introdução à teoria junguiana

• recorda seu primeiro sonho revelador aos 3 anos


de idade
• teve uma educação erudita
• tinha brincadeiras solitárias 
• aos 11 entra para o ginásio, compreende que é
pobre e experimenta a primeira neurose
MARCOS NA VIDA
PROFISSIONAL
• aos 20 começa a estudar medicina
• aos 25 se torna médico assistente na Clínica
Psiquiátrica Burghölzli em Zuqrique
• seu primeiro grande estudo é o teste de associação
de palavras
• em 1906 começa a corresponder-se com Freud
introdução à teoria junguiana

• Rompem relações em 1913 quando da publicação


dos textos que estão no volume 5 - Símbolos da
Transformação
• Período de reclusão até a publicação de Tipos
Psicológicos
FREUD JUNG

Energia Psíquica energia sexual energia vital

completa-se com a maturidade


estende-se so nascimento à
Desenvolvimento psicossexual (a partir da
morte (individuação)
puberdade)

pessoal. formado inicialmente pelas


Pessoal (complexos) e coletivo
Insconsciente pulsões e, mais tarde, pelos conteúdos
(arquétipos)

referência GRIMBERB, Paulo. Jung - O homem criativo


reprimidos da infância

Símbolo, atividade, elaboração


Sonho Sinal (fixação,defesas) simbólica e técnica expressiva

Principais
divergências entre Cultura
formado por sublimação (superego, disposição inata, instintiva
tabu do incesto, complexo de édipo (anima/animus, herói)
Jung e Freud
introdução à
teoria junguiana
ENERGIA
PSÍQUICA
self
self
ego

self
ego

self
ego

self
ENERGIA
PSÍQUICA
ENERGIA PSÍQUICA
conceitos da física
ENERGIA PSÍQUICA
conceitos da física

calor
luz
eletricidade
ENERGIA PSÍQUICA
conceitos da física

calor fome
luz sexo
eletricidade agressividade
ENERGIA PSÍQUICA
todos os fenômenos psicológicos podem ser
considerados como manifestações de energia, do
mesmo modo que os fenômenos físicos têm sido
considerados manifestações de energia, desde que
Robert Mayer descobriu a lei da conservação de
energia. Subjetiva e psicologicamente, esta energia
é concebida como desejo.
vol. 4 par. 567
ENERGIA PSÍQUICA
A energia psíquica é uma coisa muito incômoda,
que insiste na realização de suas próprias
condições. Não importa a quantidade de energia
presente, nós não podemos torná-la útil, enquanto
não conseguirmos encontrar o gradiente correto.
vol. 7 par. 76
ENERGIA PSÍQUICA
• a psique abrange mente e corpo, sendo formada
pelo sistema consciente-inconsciente
• existe um intercâmbio de energia entre a
consciência e o inconsciente (princípio da
equivalência)
• a energia psíquica busca o equilíbrio de tensões
(princípio da compensação), com o embate entre
o pólo natural (instintivo) e o pólo espiritual

grinberg
APARELHO
PSÍQUICO
conciência

inconsciente pessoal

inconsciente
coletivo
conciência

inconsciente pessoal

inconsciente
coletivo
conciência

inconsciente pessoal sonhos

mitos
inconsciente
coletivo
conciência

inconsciente pessoal
sonhos
sombra

inconsciente
coletivo
mitos, contos
conciência

inconsciente pessoal
sombra pessoal sonhos

inconsciente
coletivo
sombra
mitos, contos
coletiva
conciência

inconsciente pessoal complexos


sonhos
sombra

arquétipos

inconsciente
coletivo
mitos
conciência

inconsciente pessoal complexos


sonhos
sombra

self

arquétipos

inconsciente
coletivo
mitos
conciência
ego

inconsciente pessoal complexos


sonhos
sombra

self
arquétipos

inconsciente
coletivo
mitos
conciência
ego
persona

inconsciente pessoal complexos


sonhos
sombra

self
arquétipos

inconsciente anima/animus
coletivo
mitos
conciência
ego
persona

inconsciente pessoal complexos


sonhos
sombra

self
eixo ego-self
arquétipos

inconsciente anima/animus
coletivo
mitos
INTRODUÇÃO Á TEORIA
JUNGUIANA

self e arquétipos
primeiro a prática

introdução à teoria junguiana


DEPOIS A TEORIA
ARQUÉTIPOS
elementos primordiais e estruturais da
psique humana
Muita confusão tem sido feita em torno do conceito de arquétipo. Há ainda
quem continue repetindo que Jung admite a existência de ideias e de
imagens inatas. É falso. Incansavelmente ele repete que arquétipos são
possibilidades herdadas para representar imagens similares, são formas
instintivas de imaginar. São matrizes arcaicas onde configurações análogas
ou semelhantes tomam forma. Jung compara o arquétipo ao sistema axial
dos cristais, que determina a estrutura cristaliza na solução saturda, sem
possuir, contudo, existência própria.

Nise da Silveira
arquétipos
POSSIBILIDADES HERDADAS

IRREPRESENTÁVEIS. PERCEBEMOS APENAS OS SEUS


EFEITOS ATRAVÉS DAS IMAGENS ARQUETÍPICAS

PÓLO OPOSTO DO ESPECTRO - INSTINTOS * ARQUÉTIPOS

RECONHECEMOS SUAS IMAGENS ATRAVÉS DO CONTEÚDO DE MITOS, CONTOS E


LENDAS
OS INSTINTOS ESTÃO PARA O CORPO ASSIM COMO OS
ARQUÉTIPOS ESTÁO PARA O PSIQUISMO

MANIFESTAÇÕES PESSOAIS E COLETIVAS SÃO PERCEPTÍVEIS E DEVEM SER


CONSIDERADAS
É O QUE NOS IMPULSIONA PARA O AUTOCONHECIMENTO
Nunca poderemos nos desprender legitimamente de nossos fundamentos
arquetípicos, a não ser que estajamos dispostos a pagar o preço de uma neurose,
do mesmo modo que não podemos nos livrar do nosso corpo e seus órgãos, sem
cometer suicício. Se não podemos negar os arquétipos, ou mesmo neutralizá-los,
a cada novo estágio de diferenciação da consciência que a civilização atinge
confrontamo-nos com a tarefa de encontrar uma nova interpretação apropriada a
esse estágio, a fim de conectar a vida do passado, que ainda existem em nós, com
a vida do presente, que ameaça dele se desvincular.

vol 9 par 267 


self

introdução à teoria junguiana


A R Q U É T I P O D A T O TA L I D A D E
self
CENTRO REGULADOR DA PSIQUE

PODER TRANSPESSOAL QUE TRANSCENDE O


EGO
COMO TODO ARQUÉTIPO, SUA NATUREZA É INCOGNOSCÍVEL

RECONHECEMOS SUAS IMAGENS ATRAVÉS DO CONTEÚDO DE MITOS, CONTOS E


LENDAS
AS EXPERIÊNCIAS DO SELF TEM CARACTERÍSTICAS
NUMINOSAS
O "DESEJO" DO SELF É DE REALIZAR-
SE
ESSA REALIZAÇÃO ACONTECE PELO PROCESSO DE AUTOCONHECIMENTO
(INDIVIDUAÇÃO)
INTRODUÇÃO Á TEORIA
JUNGUIANA

O SELF NÃO É SOMENTE O CENTRO, MAS TAMBÉM A CIRCUNFERÊNCIA TOTAL,


QUE ABARCA TANTO O CONSCIENTE QUANTO O INCONSCIENTE; É O CENTRO
DESTA TOTATILDADE, ASSIM COMO O EGO É O CENTRO DA CONSCIÊNCIA.
vol 12 par 44
INTRODUÇÃO Á TEORIA
JUNGUIANA

ELE PODERIA IGUALMENTE SER CHAMADO DE "DEUS INTERIOR".


vol 7 par 399

Você também pode gostar