Você está na página 1de 52

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE GAIA

CORTESIA ETIQUETA E PROTOCOLO NO


ATENDIMENTO
UFCD 703
IMAGEM
É essencial manter uma boa imagem/presença.
Não se esqueça que a imagem é a primeira coisa que os outros veem,
muito antes de comprovarem o seu profissionalismo.
Um aspeto cuidado não significa que se tenha de ser mais ou
menos atraente fisicamente, mas sim, que saiba adaptar o seu estilo
pessoal às atividades que terá de levar a cabo no exercício do seu
trabalho.
Uma boa presença não se liga apenas ao aspeto físico, mas tem
muito a ver com a manutenção de um tratamento cortês e cordial e
sobretudo com a inteligência.
No aspeto exterior fixar-nos-emos principalmente na presença física,
no vestuário e nas maneiras.
A nossa imagem pessoal é construída normalmente em três
momentos distintos:
1- A Primeira Impressão que é formada nos três primeiros segundos;
2- A imagem Inicial que é formada nos primeiros contactos;
3- A imagem propriamente dita, que é aquela imagem já formada
que temos que manter e melhorar se possível.
ALGUNS REQUISITOS FUNDAMENTAIS A MELHORAR:
- Nada prejudica mais uma carreira do que uma indiscrição.
- Mesmo que seja para demonstrar que se está dentro de todos
os assuntos da empresa, não se deve nunca quebrar o sigilo
profissional, mesmo junto dos seus amigos mais íntimos.
- Nunca se deve revelar nada sobre a empresa ou sobre os
seus colaboradores que possa provocar qualquer prejuízo.
- Deve ainda procurar não chamar demasiado a atenção para o
que faz, nem para a sua importância profissional.
- Seja a falar, seja a vestir, seja a lidar com as outras pessoas,
o comportamento deve ser irrepreensível .
- A imagem pessoal resulta do conjunto formado pela aparência
física, pela linguagem não-verbal e pela maneira de vestir…..
- Há trajes apropriados para cada ocasião: trajes de trabalho, trajes
desportivos, trajes de mais ou menos cerimónia, trajes formais ou
informais.
- A regra essencial é que cada um se sinta bem com o que veste.

- A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO NÃO VERBAL NA


PROJEÇÃO DA IMAGEM
Principais fatores que influenciam na formação da
imagem são:
- A Visão (conjunto da imagem) do primeiro impacto com 25%;
- O Tom da Voz com 18%;
- A Adequação das palavras utilizadas com 14%;
- A Linguagem Corporal com 10%.
• A comunicação não-verbal desempenha várias funções
que ajudam o ser humano a comunicar.
• Desta forma podemos encará-la como o principal meio
de expressão e comunicação dos aspetos emocionais,
como meio primário e privilegiado para assinalar
mudanças de atitude nas relações interpessoais.
• Podemos vê-la também na apresentação do Eu e do
seu corpo, pois, dá uma imagem de si mesmo ao mundo
que o envolve, e principalmente como um apoio e
complemento à comunicação verbal.
A cinésica disciplina que estuda o campo dos
movimentos corporais.
Nenhum movimento ou expressão corporal é destituída
de significado no contexto em que se apresenta e por
conseguinte estão sujeitos a uma análise sistemática.
Esta estende-se por cinco áreas de estudo que
são:
- O contacto visual,
- Os gestos,
- As expressões faciais,
- A postura,
- Os movimentos da cabeça.
APRESENTAÇÃO E CUMPRIMENTOS
Apresentações:
- Saber apresentar pessoas é uma norma indispensável à
sociabilidade e ao convívio mais agradável:
- Apresenta-se sempre a pessoa menos importante à mais
importante sendo a mulher, na etiqueta, mais importante
que o homem.
- Deve apresentar-se um homem a uma senhora, alguém a
uma autoridade, uma pessoa mais jovem a uma mais
velha.
- A pessoa mais importante estenderá a mão a quem foi
apresentada ou acena a cabeça e fará o primeiro
cumprimento.
- Apresenta-se sempre primeiro o nome da pessoa menos
importante.
A fórmula mais usual é:
- “Permita-me que lhe apresente …”
- Quando tal se justificar, diz-se o estatuto social ou nobiliário da
pessoa: o conde de …, o coronel …, o doutor…, o senhor padre
• Os homens fazem um pequeno aceno de cabeça e
cumprimentam as senhoras; estas devem sorrir e
corresponder com um pequeno cumprimento; as
mulheres mais novas dão um beijo às senhoras mais
velhas.
• Não sendo numa apresentação, o funcionário que
encontre o seu superior deverá saudá-lo em primeiro
lugar.
• Mas, cabe ao superior a decisão de estender a mão.
• Quem estende a mão é sempre o empregado mais
graduado, o mais velho, a mulher.
• O homem deve sempre levantar-se para cumprimentar
uma mulher, ou alguém hierarquicamente superior.
• A mulher só o deverá fazer para cumprimentar uma
outra mulher, quando não diretamente convidada e para
ser apresentada à anfitriã; se for convidada e se dela se
aproximar a anfitriã para a cumprimentar; e a mulher
mais nova quando é apresentada a uma senhora mais
velha.
• Quando pessoas da mesma importância, idade se
apresentam o critério a seguir deverá ser o de quem
aborda e quem é abordado, o que está parado.
• Quem se aproxima apresenta-se e aguardará que a
pessoa abordada responda com cordialidade e
aceitação, estendendo a mão e apresentando-se
àquele.
• Também quando alguém se aproxima de um grupo o
mesmo critério deve ser aplicado.
• Haverá alguém que se coloca como o interlocutor entre
os dois lados e apresentará as pessoas do seu grupo
que estenderão a mão e cumprimentarão a pessoa a
quem foram apresentados.
CUMPRIMENTOS
O cumprimento é um sinal exterior de boa educação.
Cada cultura tem enraizadas formas diferentes de
cumprimentar.
• Tradicionalmente, quando duas pessoas se encontram,
além das expressões orais já referidas, apertam-se as
mãos, beijam-se, podendo também simplesmente baixar
a cabeça, fazendo um aceno de mão ou um sorriso.
• Os mais novos cumprimentam os mais velhos, o homem
cumprimenta a mulher, o cidadão comum cumprimenta a
personagem pública.
• Uma senhora ou pessoa importante, estende a mão
para o aperto de mão.
• O aperto de mão deve ser um contacto caloroso e
franco, deve evitar a mão mole.
• É também incorreto apertar demasiado a mão do outro.
• Não responder a um cumprimento é um ato de grande
incorreção.
• Cumprimentar alguém é sempre uma maneira de criar
um ambiente agradável.
• Os cumprimentos marcam distâncias; são os
cumprimentos automáticos, mecânicos, por vezes
artificiais e pouco espontâneos que podem ser até um
pouco ridículos e arrogantes.
• As expressões básicas de saudar ou cumprimentar são:
- “Bom dia”;
- “Boa tarde”;
- “Boa noite”,
- “Adeus”,
- “Obrigado”.
Quando as pessoas se cumprimentam e proferem o
normal “como está” ou “passou bem”, a resposta deverá
ser sempre “bem obrigado”.
VESTUÁRIO PROFISSIONAL FEMININO E
MASCULINO
• Somos influenciados pela aparência e pelo vestuário.
• Relativamente ao vestuário, o ideal é que corresponda
às expectativas do interlocutor dentro dos seus conceitos
de apresentação pessoal adequados ao contexto.
• Um profissional deve sempre optar por peças de
vestuário que não constituam um elemento de distração
e não perturbem a comunicação com os interlocutores.
• Para facilitar na definição do vestuário ideal a usar na
sua atividade profissional, sempre que possível, é
importante analisar antecipadamente as características
dos seus interlocutores, o ambiente e objetivos da sua
empresa e os costumes locais.
OS 10 MANDAMENTOS DO DRESS CODE
EMPRESARIAL:
1º Respeitar os códigos empresariais. Cada
organização tem um código sobre o que é adequado
vestir, mesmo que não esteja escrito.
2º Parecer e ser Vestir de acordo com a profissão,
idade para transmitir uma imagem credível.
3º Tamanho certo Uma camisa a arejar, deixando
antever frestas, vislumbrando pele e umbigo, decotes
e rachas despropositadas ou roupas demasiado
apertadas deitam por terra as ambições profissionais.
4º Não misturar Não misturar peças formais e
informais como calças de fato com camisas
desportivas ou camisolão.
- 5º Acertar no evento Usar vestuário idêntico para
visitar uma obra ou participar na reunião da
administração é o mesmo que não distinguir alhos de
bugalhos.
- - 6º Potenciar as opções Ter um guarda-roupa prático e
coordenado permite poupar tempo na escolha do
conjunto, maior número de combinações e mais fácil
combinação.
- 7º Seguir o exemplo da hierarquia O ambiente e a
cultura de qualquer empresa são definidos pelas
pessoas que ocupam os cargos mais altos na empresa.
- 8º Dominar o código de cores Descobrir
os tons que favorecem mais, pois as cores
erradas envelhecem e fazem parecer
doente.
- - 9º Desporto empresarial A prática de
desporto com colegas ou clientes requer
equipamento indicado.
- - 10º Fazer lista de compras Saber o
que se quer e do que se precisa antes de
fazer compras.
VESTUÁRIO PROFISSIONAL FEMININO
• Algumas dicas:
- Vista-se em harmonia com o seu corpo, adquirindo e
usando o tamanho certo;
- Preserve as roupas e acessórios em perfeito estado de
limpeza e conservação, sob pena de transmitir uma
imagem de desleixo;
- Uma mulher que deseje fechar uma negociação com
sucesso não deve usar nada que revele reentrâncias,
saias curtas, rendas e transparências, tops de alças;
- Usar modelos muito desatualizados expressa nostalgia
do passado e dificuldade em aceitar a atualidade;
- Roupas extravagantes, acessórios excessivos, saltos de
dez centímetros, maquilhagem exagerada, penteados
excêntricos são erros de imagem que podem custar
caro: a mulher está a sabotar-se a si mesma.
- As roupas desportivas reservam-se para a prática de
desporto;
- Combinações erradas transmitem uma imagem de
ambivalência, desorganização e desorientação;
- A mulher deve aderir ao código da indústria onde se
integra: todas as profissões têm um “regulamento”,
mesmo que implícito.
VESTUÁRIO PROFISSIONAL MASCULINO
- Ao decidir comprar um novo fato deve-se considerar em
primeiro lugar o motivo, ou seja, preciso de um fato para
uso no dia-a-dia profissional ou para um evento de maior
formalidade? O investimento a fazer pode variar em
função da resposta.
- O material de que o fato é feito é um dos aspetos a ter em
atenção e deve estar em sintonia com a época do ano. Dê
preferência aos tecidos nobres, como a lã, em detrimento
de fibras. Caso tenha um orçamento reduzido escolha
uma cor básica e clássica, como o azul-escuro ou o
cinzento antracite, num modelo de 2 ou 3 botões.
- E a cor escura deve ser a selecionada para eventos
formais. A designação "três peças" identifica um fato
completo, com colete.
TRATAMENTOS HONORIFICOS (ESCRITOS E
VERBAIS)
• 2.1.Oficiais
Presidente da Assembleia da República
• No cabeçalho Senhor Presidente da Assembleia da
República, Excelência
• No sobrescrito A Sua Excelência o Presidente da
Assembleia da República (seguido grau académico
ou posto militar e do nome)
• Tratamento Vossa Excelência
Primeiro-Ministro
No cabeçalho Senhor Primeiro-ministro, Excelência
No sobrescrito A Sua Excelência o Primeiro-Ministro (seguido
do título, grau académico ou posto militar e do nome)
• Um Ministro
• No cabeçalho Senhor Ministro de (indicação da
pasta), Excelência
• No sobrescrito Exm. Sr. Ministro de (indicação da
pasta) (seguido do título, grau académico ou posto
militar e do nome)
• Tratamento Vossa Excelência
• EMPRESARIAIS
• Presidente
• No cabeçalho
• Exmo. Senhor Presidente de…
• No sobrescrito A S. E. o Presidente de…
• Tratamento Vossa Excelência Senhor Presidente
• Administrador
• No cabeçalho
• Exmo. Senhor Administrador de…
• No sobrescrito Exm. Sr. Administrador de…
• Tratamento Vossa Excelência
• Senhor Administrador
• Diretor
• No cabeçalho
• Exmo. Senhor Diretor de…
• No sobrescrito A S. E. o Diretor de…
• Tratamento Vossa Excelência
• Senhor Diretor
• ECLESIÁSTICOS - Papa
• No cabeçalho Santidade, Beatitude
• No sobrescrito Sua Santidade o Papa…
• Tratamento Vossa Santidade / Beatitude
Cardeal
• No cabeçalho Excelentíssimo e Eminentíssimo
Senhor Cardeal, ou Excelência Eminentíssima,
• No sobrescrito A Sua Eminência O Cardeal Patriarca
de Lisboa Dom José da Cruz Policarpo
• Tratamento Vossa Eminência.
Padre
• No cabeçalho Reverendíssimo Padre
• No sobrescrito Ao Reverendíssimo Senhor Padre
(nome) Ao Revmo. Senhor Padre (título e nome)
• Tratamento Vossa Reverência
Freira
• No cabeçalho Reverenda Irmã Superiora ou Reverenda
Irmã
• No sobrescrito Reverenda Irmã Superiora ou Reverenda
Irmã (nome)
• Tratamento Reverenda ou Irmã
NOBILÁRQUICOS
Um Soberano
• No cabeçalho Meu Senhor Minha Senhora,
• No sobrescrito A Sua Majestade O Rei ou a Rainha
• Tratamento Vossa Majestade
Outros Membros de Casas Reais
• No cabeçalho Meu Senhor Minha Senhora,
• No sobrescrito A Sua Alteza (Imperial, Real ou Sereníssima) O
Príncipe ou a Princesa de …
• Tratamento Vossa Alteza (Imperial, Real ou Sereníssima).
MILITARES – General
• No cabeçalho Senhor General Excelência
• No sobrescrito A S. E. o General (nome)
• Tratamento Vossa Excelência
Coronel
• No cabeçalho Senhor Coronel Senhoria
• No sobrescrito A S. Senhoria o Coronel (nome)
• Tratamento Vossa Senhoria
Capitão
• No cabeçalho Senhor Capitão Senhoria
• No sobrescrito A S. Senhoria o Capitão (nome)
• Tratamento Vossa Senhoria
CIVILIDADE NO ESCRITÓRIO
Cortesia no atendimento
• Face às exigências de qualidade e modernidade, a função
de atendimento público assume nas instituições um papel
relevante, na medida em que constitui um instrumento de
relacionamento privilegiado destas com aqueles que a
elas recorrem, tornando-se, assim, o primeiro e mais
direto veículo da imagem das organizações.
• Por exemplo a atividade de um (a) secretária(o) é difícil e para
a exercer cabalmente ela terá de ter a capacidade para:
– Prever, Organizar, Coordenar e Executar
• Porque o (a) secretária (o) é:
– A memória do chefe
– A organização da informação
• A forma como o profissional se apresenta e se comporta
também interfere diretamente no seu relacionamento
com o cliente.
• A observação cuidadosa de algumas recomendações e
atitudes amplia a qualidade desse relacionamento.
Cortesia
No atendimento, a cortesia tem uma função especial e
facilita o estabelecimento de um clima favorável.

A cortesia se revela nos detalhes, no modo de falar, nos


gestos e na atenção contínua que demonstra interesse e
boa vontade.

É o conjunto de fatores que torna uma pessoa cortês,


mas alguns elementos são indispensáveis no
relacionamento profissional:
Cumprimento
• A iniciativa do cumprimento deve ser do atendedor.
• Utilize o cumprimento adequado para o horário do
atendimento: Bom dia, boa tarde, boa noite.
• Sempre responda ao cumprimento do cliente, caso ele o
faça primeiro.

Tratamento
• Como foi visto, o tratamento adequado ao atendimento é
o formal.
• Todos os clientes devem ser tratados por senhor ou
senhora independentemente da idade.
PROTOCOLO APLICADO Á COMUNICAÇÃO
ESCRITA
Tipos de papel e cabeçalhos impressos
• Deve optar-se sempre por papel de qualidade de cor
branca, creme, cinza-claro ou azul esbatido.
• No papel de carta particular, pode-se colocar um timbre
ou um ex-libris identificativo.
• Protocolarmente, deve escrever-se a tinta azul em
papel azul e a preto em qualquer outro papel.
• Qualquer correspondência de carácter particular deve
ser manuscrita, especialmente se for para formular
votos de qualquer índole.
As cartas podem ser divididas em vários
tipos:
• Cartas de agradecimento - deve realçar-se a propriedade
e o motivo do agradecimento;
• Cartas de felicitações – anunciando, com agrado, a
felicidade que se sente pelo êxito alcançado ou
acontecimento realizado;
• Cartas de pêsames - realçando o pesar e a consternação
perante o desaparecimento de um ente querido;
• Cartas de apresentação - indicando a identidade, o perfil
e as competências de desempenho para uma
determinada situação;
• Cartas profissionais - pragmáticas, curtas e objetivas,
procurando realçar ao máximo a condição vantajosa do
compromisso empresarial.
• Contrariamente às cartas particulares, a carta comercial
deve ser processada a computador e o papel utilizado
deverá ter a forma A4.
• A qualidade do papel e da impressão do timbre da
empresa deverão ser muito cuidadas.
• A apresentação de uma carta deve ser também muito
cuidada, pois uma carta rasurada ou com erros causa
muito má impressão.
• Os documentos que acompanham a carta devem seguir
em anexo, devendo ser referenciada a sua inclusão no
canto inferior esquerdo da folha.
• Importa, antes de qualquer emissão de carta, verificar se
os documentos foram de facto incluídos em anexo e
guardar cópias de toda a documentação em arquivo.
Estrutura básica de uma carta profissional:

• O timbre
• A data
• O registo e a referência
• O destinatário
• O assunto
• Cabeçalho
• Texto
• Despedida
• Assinatura
CONVITE
• Um convite não deve ser feito de maneira equívoca, indefinida ou
imprecisa.
• Convida-se quando se quer celebrar uma data, retribuir outro
convite, homenagear alguém, realizar um encontro informal, um
casamento, etc.
• Distingue-se uma pessoa quando a convidamos para um evento,
demonstrando-lhe assim que a sua presença dá prazer e deixa
honrado a quem convida.
• Os convites podem ser feitos de diversas formas, de acordo com
o grau de intimidade e familiaridade:
– Pelo telefone, quando se trate de alguém muito íntimo, ou quando há um
contacto prévio ao seu envio.
– Pessoalmente, quando se dá um encontro fortuito permitindo a
entrega do convite.
– Em mão, nas situações mais formais e para individualidades oficiais.
Convite Informal
• Usam-se geralmente para eventos de menos cerimónia
como uma comemoração natalícia, um jantar informal ou
um evento empresarial de apresentação de produtos ou
serviços ao mercado.
• Podem ser feitos em papel de carta normal, e, só neste
tipo de convite se escreve a palavra convite.
Convite Particular
• Este convite não obedece a uma forma rígida podendo
ser feito pessoalmente, por telefone ou por escrito.
Responder a um convite
• Quando se é convidado para um evento pelo simples
envio de um convite, sem qualquer consulta prévia, este
deverá ser respondido no prazo de 48 horas, seja para o
aceitar ou declinar.
Para aceitar
• O convidado aceita o convite; para o evento “x”;
realizado por tal razão; menciona-se a data, não sendo
necessário mencionar o local ou a morada.
• Cortesia, etiqueta e protocolo no atendimento
Para recusar
• O convidado substitui a palavra aceita, pela expressão
também na terceira pessoa “lamenta não poder aceitar o
convite com que foi honrado” ou “lamenta não poder
aceitar, em razão de compromisso assumido
anteriormente”.
ORGANIZAÇÃO E COMPORTAMENTO EM REUNIÕES

• Reuniões de trabalho
• Ao secretariado cabem normalmente todas as tarefas de
organização da reunião, desde o momento da convocatória –
cada vez mais enviada através de e-mail (facilitando e
otimizando a obtenção de confirmação de presenças); toda a
logística da organização; preparação de documentação e
distribuição pelos intervenientes antes da reunião; receção e
acolhimento dos participantes.
• Sempre que possível deve procurar harmonizar-se o
aspeto da sala, colocar quadros, plantas, um arranjo de
floral, porque tudo contribui para a imagem que se
transmite. O tamanho da sala deve ser proporcional ao
número de pessoas presentes, confortavelmente
sentadas.
• O que deve então ser colocado em cada lugar?
- Um cartão à frente de cada lugar com o nome do participante
(o nome deve ser inscrito em ambos os lados do cartão);
- Quando são delegações, especialmente com estrangeiros, é
frequente colocar-se uma bandeira de pequena dimensão
que identifica o país e uma placa identificando a delegação
(nome da empresa);
- A isto acresce ainda o microfone, um bloco de notas, uma
caneta ou um lápis;
- Na sala deve existir material de escritório para uso dos
participantes: agrafador, furador, clips, fita-cola…
- Para as reuniões de trabalho existe um conjunto de regras
protocolares fundamentais para o êxito da mesma,
nomeadamente:
- Pontualidade
- Assertividade na conversa;
- Evitar assuntos delicados (política, religião, etc.);
- Atender a condições culturais específicas sobre as quais se
deve sempre procurar conhecimentos.
Sempre que possível, a escolha da mesa de trabalho deve
recair sobre uma mesa redondo, porque esse facto facilita as
precedências.
Em reuniões com poucos participantes, a pessoa que vai
secretariar deve sentar-se à esquerda de quem preside a
reunião, no caso de se tratar de uma mesa redonda.
Refeições - Organização da mesa
Desde finais do séc. XVI, altura em que se começaram a utilizar os
talheres, a moda trouxe uma série de regras que se podem aplicar a
quaisquer circunstâncias:
- Cada pessoa deverá ter uma área de 60 centímetros de diâmetro ao seu
redor na mesa, para que possa mover-se cómoda e confortavelmente;
- Nunca se deve meter o assento da cadeira debaixo do tampo da mesa,
o seu bordo deve apenas roçar na toalha da mesa;
- A mesa não deve estar colocada muito perto da parede, para não apertar
os convidados e permitir um bom atendimento por parte dos serviçais;
- As baixelas, os cristais ou os talheres não se devem encontrar riscados
nem em mau estado de conservação;
- Os elementos da baixela devem combinar com os talheres e a toalha de
mesa deve estar de acordo com o estilo da sala onde se vai servir a
refeição;
- Não é aconselhável colocar centros de flores odorosas ou que dificultem
a visão.
MESA FORMAL OU INFORMAL?
• Mesa Formal
• Utilizada para ocasiões formais.
• A ementa consistirá no seguinte: em 1º lugar serve-se
uma entrada, de seguida um prato – dois numa reunião
de cerimónia - sobremesa, vinhos adequados e café.
• A ementa coloca-se sobre ou a direita do guardanapo.
• Mesa Informal
• Habitual em reuniões de amigos ou de trabalho, quando são
mais extensas.
• A comida é menos copiosa; por conseguinte, não é
necessário servir mais do que uma entrada, logo de seguida
um prato principal e por fim, a sobremesa que se tenha
preparado para a ocasião
1- GUARDANAPO- coloca-se à esquerda do prato ou sobre ele.
Jamais entre os copos.
Deve estar limpo e perfeitamente engomado.
2- PRATO RASO- coloca-se sobre o prato marcador.
Em mesas muito formais podem ser de boa porcelana com uma
borda dourada ou de cor.
3- PRATO MARCADOR
4- GARFO DE PEIXE- à esquerda do prato, no extremo exterior.
5- GARFO DE CARNE- este coloca-se à esquerda do prato,
perto da sua borda.
6- FACA DE CARNE- depois da faca de peixe.
7- FACA DE PEIXE- sempre entre a colher de sopa e faca de carne.
8- COLHER DE SOPA- coloca-se à direita do prato, no extremo
exterior.
9- CARTÃO MARCADOR- utiliza-se quando a distribuição dos
convidados é especialmente importante.
Pode aparecer o nome e o apelido escritos à mão em ambas as faces
do cartão.
10-TALHER DE SOBREMESA- coloca-se sempre na parte superior do
parto, entre este e os copos.
Devem-se dispor paralelamente.
11-COPOS- dispõem-se da esquerda para direita pela ordem em que
vão ser usados, normalmente o de água, o de vinho tinto, o de vinho
branco, e entre estes dois, deslocado para centro, o de champanhe.
12-PRATO DE PÃO- situa-se à esquerda do comensal, ligeiramente
deslocado para o centro da mesa.
Sobre este corta-se o pão, ainda que sempre com as mãos.
1- COPOS- Põem-se dois (o de água à esquerda e o de vinho à
direita).
Porque numa refeição informal só se serve um tipo de vinho –
branco para peixe e tinto para carneou role.
2- PRATO DE PÃO- também é usual usar cestos de vime ou de
palhinha.
3- GUARDANAPO- coloca-se sobre o prato ou à esquerda deste.
4- PRATO- normalmente de loiça, cerâmica ou de argila.
5- TALHERES DE SOBREMESA – habitualmente de metal
Distribuição de lugares à mesa
As regras básicas de distribuição de lugares à mesa são:
- Numa mesa de refeição seja ela oficial ou particular,
presidem o anfitrião ou anfitriões;
- Quando se trata de uma presidência feita por dois
homens, a primeira presidência é outorgada ao anfitrião,
atribuindo-se o lugar à sua frente para segunda
presidência.
- Nas refeições de carácter familiar, deve-se seguir os
procedimentos da elegância e cortesia e boas maneiras,
assim:
- Deve dar-se primazia aos convidados e aos idosos;
- A mulher tem a mesma precedência que o seu marido;
- Os casais não devem sentar-se lado a lado nem em frente um
ao outro;
- A senhora que merece maior consideração senta-se à direita do
anfitrião e o seu par à direita da anfitriã;
- Não havendo motivos de precedência maior, deve garantir-se a
mesma à pessoa mais idosa.
Comportamentos a evitar à mesa:
- Levantar-se e sair antes do anfitrião;
- Atender o telemóvel;
- Colocar objetos pessoais em cima da mesa;
- Destratar ou ser indelicado para com o empregado;
- Utilizar o guardanapo para fins indevidos;
- Comer apressadamente;
- Recostar-se nas costas da cadeira;
- Mudar a disposição dos elementos que compõem a mesa;
- Colocar o braço à volta da cadeira de outro comensal;
- Apontar com os talheres:
- Encher demasiadamente a boca;
- Fumar à mesa (salvo se o anfitrião o permitir);
- Fazer comentários negativos sobre a comida;
- Gesticular efusivamente ao chamar o empregado.
- Beber álcool em excesso
- Permanecer em silêncio durante a refeição
- Retocar a maquilhagem à mesa
- Levantar-se despropositadamente, exceto em caso de
urgência
PRECEDÊNCIAS
• Precedência é a definição da prioridade na hierarquia
protocolar e social em todas as cerimónias em que há
convidados, tendo em consideração a sua categoria e idade
• As precedências oficiais estão regulamentadas pela
competência do serviço de protocolo que é uma
dependência do Ministério dos Negócios Estrangeiros.
• No sector privado não oficial, as regras cumprem a
seguinte tradição nas mais variadas circunstâncias sociais:
Ao andar
- No caso de serem duas pessoas, a caminharem lado a
lado, dá-se a direita: À pessoa que nos merece maior
respeito (não necessariamente a mais velha);
• Ou a uma pessoa idosa ou a uma senhora.
• Se ao dar a direita se verifica que essas pessoas que nos
acompanham ficaram do lado de fora do passeio, então
invertem-se as posições.
• As senhoras e as crianças devem caminhar pela parte
mais chegada da parede.
No carro
Nas carruagens e automóveis, o lugar de honra é no banco de trás,
á direita em face à direção de marcha.
- Nos automóveis, à partida os carros deverão estar colocados de
modo a que o lado esquerdo fique ao longo do passeio. A pessoa
que ocupa o lugar de honra sobe primeiro, seguindo-se as outras
por ordem de importância.
- À chegada, o condutor deve agir de modo a que a saída se faça
pelo lado direito. A pessoa que ocupa o lugar de honra é a primeira
a sair. Nas deslocações oficiais só o banco de trás é ocupado.
Nas escadas
- A subir é sempre o homem que passa à frente (especialmente se a
senhora estiver de saia).
- A descer é, também, o homem quem vai à frente, como gesto de
amparo no caso da senhora tropeçar e cair.

Você também pode gostar