Você está na página 1de 15

TECNOLOGIA DO PROCESSAMENTO DO

TRIGO

1 - Histórico
• Origem  Ásia
• Pão  Egito  20 a 30 séculos A.C.
2 - A História do Trigo no Brasil
• 1534  Martim Afonso de Souza
• 1737  RS  imigrantes
• Década de 70  aumento da área plantada
3 - BOTÂNICA

Família: Gramineae
Tribo: Triticeae
Subtribo: Triticinae
Espécie cultivada: Triticum aestivum
4 - IMPORTÂNCIA SÓCIO-ECONÔMICA
• Cereal mais cultivado no mundo (30% da produção
mundial de grãos)
• Componente básico da alimentação humana
• Farinha utilizada para fabricação de pães, massas e
biscoitos
• Glúten - determina o volume e a consistência da massa
• Bolacha - pizzas - biscoitos  precisa de baixa força do
glúten
• Pão de forma e pão francês  precisam de uma alta força
do glúten  massa precisa crescer bastante
Principais países produtores

1º - China
2º - Comunidade Européia
3º - Índia
4º - Rússia
5º - Argentina
Principais Estados Produtores

1º - Paraná
2º - Rio Grande do Sul
3º - Mato Grosso do Sul
5 - QUALIDADE INDUSTRIAL DO
TRIGO
Classes
• Trigo brando
• Trigo pão
• Trigo melhorador
• Trigo para outros fins
• Trigo durum

Critérios:
• Número de queda (“Falling number”)
• Alveografia (Força do glúten)
5.1 - Como produzir trigo com qualidade
Antes do plantio:
• Selecionar cultivares recomendadas para a região

Na condução da lavoura
• Semeadura seguindo as recomendações técnicas
• Uso de práticas culturais:
- adubação nitrogenada,
- controle de pragas e doenças
- controle de ervas daninhas
- colheita na época certa (13% de umidade)
Na pós-colheita
• Não misturar grãos de cultivares de classes
diferentes
• Não misturar grãos com índices de “falling
number” diferentes
• Controlar a umidade na recepção de cada lote
• Não misturar lotes com teores de umidade muito
diferentes
• Controlar insetos e pragas no armazém
• Secar a temperatura de 45ºC
5.2 - Legislação sobre o trigo
Instrução Normativa nº 1, de 27 de janeiro de 1999 
5 classes e três tipos
Classe Alveografia(10-4) Número de queda
(mínimo) (mínimo)
segundos
Trigo Brando 50 200
Trigo Pão 180 200
Trigo Melhorador 300 250
Trigo para outros usos Qualquer < 200
Trigo Durum -- 250
Tipo Peso do Umidade Matérias % de grãos danificados
hectolitro estranhas e por in- pelo calor, mo- chocho,trigui
impurezas setos fados, ardidos lho e quebrados

Kg/h L %
mínimo máximo

1 78 13 1,00 0,50 0,50 1,50

2 75 13 1,50 1,00 1,00 2,50

3 70 13 2,00 1,50 2,00 5,00


Variedades indicadas para o Estado de São
Paulo

BR 18
BR 208
IAC 24
IAC 289
IAC 350
IAC 370
5.3 - Pragas de grãos de trigo armazenados

Principais pragas:
• Gorgulhos
• Lepidopteras (Borboletas)
Recomendações para o controle
• Expurgo ou fumigação  fosfina
• Uso de inseticidas via líquida: Diclorvos (DDVP),
Deltametrina (Decis)
5.4 - Roedores
• Ratazana (Rattus norvegicus)
• Rato comum ou de telhado (Rattus rattus)
• Camundongo (Mus musculus)
Controle
• Medidas físicas
• Desratização  armadilhas e/ou venenos 
anticoagulantes
5.5 - COLHEITA E PÓS-COLHEITA DE
GRÃOS
Colheita
• Perdas
• Ponto de colheita  15-20% de umidade
Secagem
• Teor de umidade p/ armazenamento  13%
• Secagem lenta  evitar danos físicos
• Temperaturas de secagem: 70ºC
Armazenamento

• Teor de umidade máximo: 13%


• Higienização e limpeza de silos, depósitos e
equipamentos
• Eliminação de focos de infestação
• Pulverização das instalações