Você está na página 1de 42

Universidade Estadual do Maranhão

Centro de Estudos Superiores de Grajaú


Curso de Zootecnia Bacharelado
Departamento de Zootecnia
Disciplina: Fertilidade do Solo

ZINCO & BORO

Prof. Daniel Arruda

04/2013
ZINCO E BORO NO SOLO
E
NA PLANTA
Componentes:
André Andrade
Maria Pereira
Uiliane Ferreira
INTRODUÇÃO
◌O crescente aumento da população, e a
conseqüente expansão da demanda por alimentos, gera
a necessidade de maior eficiência dos agrossistemas e
maior produtividade das áreas cultivadas.

◌Esta eficiência será sustentável, se houver uma


otimização de recursos e insumos, buscando aumentos
da produção através do manejo racional da fertilidade
do solo e da nutrição de plantas sem ocasionar danos
ao meio ambiente nem perca nutricional das plantas.
ZINCO
História
 As ligas metálicas de zinco foram
utilizadas durante séculos, peças de
latão e outros objetos datadas de
1000-1400 a.C. foram encontrados na
Palestina, e na antiga região da
Transilvânia.
 Devido ao seu baixo ponto de fusão e
reatividade química o metal tende a Andreas Marggraf
evaporar-se, motivo pelo qual a
verdadeira natureza do zinco não foi
compreendida pelos antigos.
ZINCO
História
 Em 1982, a United States começou a cunhar
moedas de um centavo revestido de cobre, mas
feitas principalmente de zinco

 Com as moedas de zinco novo, há o potencial


para a intoxicação por zinco, que pode ser fatal

 Um paciente, que ingeriu 12 gramas de zinco, Moeda de um CENT


Em 1982 Estados Unidos
só mostrou letargia e ataxia.
ZINCO
 O zinco (do alemão Zink) é um
elemento químico de símbolo
Zn, número atômico 30 (30
prótons e 30 elétrons) com
massa atómica 65,4 uma.
 À temperatura ambiente, o
zinco encontra-se no estado
sólido.
Enciclopédia  Está situado no grupo 12 (2 B)
da Classificação
Figura Periódica
1 – Plantas de capim dos
Buffel Grass
Elementos.
Propriedades
ZINCO
anatômicas
 Nome: Zinco
 Símbolo: Zn
Google
 Número: 30
 Massa atômica: 65,38
 Raio atômico: 134
 Raio covalente: 122±4
 Raio de Van der Waals: 139
 Estrutura cristalina: Hexagonal
 Aparência: Azul pálido grisáceo.
Foto: Valter Casarin
ZINCO
Propriedades
Físicas

 Estado da matéria: Sólido


 Ponto de fusão: 692,8
 Ponto de ebulição: 1180
 Entalpia de fusão: 7,32
 Entalpia de vaporização: 123,6
 Eletronegatividade: 1,65

Google: Telhado de zinco


ZINCO

Foto: Valter Casarin


Fibra (esponja) de zinco

Foto: Valter Casarin


Zinco Granulado

Foto: Valter Casarin


Zinco em Barra

Foto: Valter Casarin Calha de Zinco


Foto: Valter Casarin Zinco em pó
Descrição ZINCO
 O zinco puro é um metal cristalino, insolúvel em água
quente e fria e solúvel em álcool, nos ácidos e nos álcalis.
 É encontrado como óxido de zinco (ZnO) no mineral
zincita e como sulfeto de zinco (ZnS) na esfalerita ou
blenda de zinco.
 O metal é usado principalmente como revestimento
protetor ou galvanizador para o ferro e o aço, e como
componente de diferentes ligas, especialmente de latão. É
empregado ainda nas placas das pilhas eletroquímicas
secas.
ZINCO
Forma e elemento no
solo
Google: Zinco no solo

 O zinco é um dos elementos


mais comuns na crosta da
Terra.
 O zinco é encontrado na
atmosfera, solo, água e está
presente em todos os
alimentos.
Nutrição Vegetal
ZINCO
Micronutriente
 O zinco é um dos principais nutrientes para o
crescimento da planta
 Ele é um ativador enzimático
 Segundo Valter Casarin, diretor adjunto do IPNI
(International Plant Nutrition Institute), a dose de
zinco deve ser baseada, principalmente, nas análises
químicas de solo, pois é através dessas análises que
o produtor pode descobrir se há falta ou excesso de
um determinado elemento.
Remoção pelas culturas, ZINCO
erosão e lixiviação
 Devido as colheitas sucessivas e intensivas, o zinco
vem sendo progressivamente retirado do solo em
quantidades superiores

 Em certos casos, muito superiores à sua reposição


natural.

Google: deficiência de zinco no solo


Função do elemento ZINCO
na planta
 O zinco é um cofator nas reações enzimáticas e,
portanto, participa de diversos ciclos bioquímicos
das plantas

Ex. Fotossíntese e formação de açúcar, síntese de


proteínas, fertilidade e produção de sementes

 Regulagem do crescimento da planta


 Defesa contra doenças.
Deficiência de Zinco

Deficiência Presença
De De
Zinco Zinco

Comparação do Cultivo de ARROZ Estado do Amazonas EMBRAPA


Sintomas de deficiência
ZINCO
 A deficiência de zinco afeta as funções bioquímicas

Ex. Impedindo que a planta se desenvolva


corretamente, apresentando folhas pequenas e com
formatos distorcidos, encurtamento das brotações e
aglomeração de folhas na região de crescimento

 Isto resulta em colheitas com piora na qualidade


 Rendimento da produção.
Deficiência de Zinco

Cultivo de banana Estado do Amazonas EMBRAPA

Foto: Valter Casarin Cultivo de milho EMBRAPA

Foto: Valter Casarin mandioca


Foto: Valter Casarin
Google: soja
Toxidez por Zinco

Foto: Google toxidez em PLANTA

Foto: EMBRAPA. Pode se observar o sistema radicular das plantas


da foto acima quando arrancadas, com grande numero de raízes frias,
Curtas, em volta da reais principal, por excesso de ZINCO.

Foto: Google toxidez no MILHO


BORO
 O boro é um elemento químico
de símbolo B , número atômico 5
(5 prótons e 5 elétrons) com
massa atómica 11 uma.
 É um sólido na temperatura
ambiente, classificado como
semimetal ou metalóide,
semicondutor, tri valente que
Enciclopédia existe abundantemente no
mineral
Figura bórax.
1 – Plantas de capim Buffel Grass
BORO
História

 O boro foi identificado como


elemento químico por Jöns Jacob
Berzelius em (1824)
 Possui funções biológicas sendo
encontrado em plantas e
animais no qual modifica e
possivelmente regula o Jöns Jacob Berzelius

metabolismo de minerais.
BORO
História

 O boro não foi reconhecido como um


elemento até que fosse isolado por
Humphry Davy e por Joseph Louis
Gay-Lussac e Louis Jacques Thénard.
 Em 1808 Davy observou que a
corrente elétrica enviada a uma
solução de boratos produzia um
precipitado marrom em um dos
eletrodos.
Foto: Valter Casarim
Boretos Em 1808.
Propriedades
BORO
anatômicas
 Nome: Boro
 Símbolo: B
 Número: 5 Google
 Massa atômica: 10811
 Raio atômico: 87
 Raio covalente: 82
 Raio de Van der Waals: 192
 Estrutura cristalina: Tetragonal
 Aparência: Marrom preto.
Foto: Valter Casarin
BORO
Propriedades
Físicas
 Estado da matéria: Sólido
 Ponto de fusão: 2348
 Ponto de ebulição: 4273
 Entalpia de fusão: 50,2
 Entalpia de vaporização: 489,7
 Volume molar: 4,85x10−6m3/mol
 Pressão de vapor: 0,348
 Velocidade do som: 16200m/s a
20 °C
 Eletronegatividade: 2,04 Google: Imagem de boro
BORO

Foto: Valter Casarin


Fibra (esponja) de boro

Foto: Valter Casarin


boro Granulado

Foto: Valter Casarin


boro em Barra

Foto: Valter Casarin Calha de boro


Foto: Valter Casarin boro em pó
Descrição BORO
 O boro presenta dois alótropos:
 Boro amorfo que é um pó marrom

 Boro metálico, cristalino, negro.

 A forma metálica é dura

(9,3 na escala de Mohs) e é um mau condutor à


temperatura ambiente.
Não foi encontrado boro livre na natureza.
 Fibras de boro são usadas em aplicações

mecânicas especiais , como no âmbito Imagem: Google


aeroespacial.
BORO
Forma e elemento no
solo
 O boro se encontra em quatro formas:
 Solúvel em água
Google: BORO no solo
 Adsorvido
 Preso à matéria orgânica
 Fixado nas argilas

A soma de todas as formas representa o teor total no solo de 5%.


Nutrição Vegetal
BORO

Micronutriente

 Somente 5% na forma solúvel esta disponível para


as plantas
 A fonte principal para as plantas vem da matéria
orgânica, que, após mineralizada, disponibiliza o
nutriente
Nutrição Vegetal
BORO

 O movimento do boro
de se da por corrente
transpiratória via
xilema, mais apresenta
pouca mobilidade no
floema.
Comparação

Brachiaria brizantha – Capim Marandu


Remoção pelas culturas, BORO
erosão e lixiviação
 Com o decorrente acúmulo de chuvas intensas,
solos mal drenados, declivosos o boro é removido

 O boro é removido devido as colheitas recessivas e


intensivas

 Deficiência de nitrogênio assume também um papel


efetivo do quadro da remoção.
Remoção pelas culturas,
erosão e lixiviação
Evolução da Erosão do Solo

Erosão Laminar Erosão em Sulcos Erosão em Voçorocas

Fonte: Google
Função do elemento BORO
na planta

 Absorção e transporte de água e nutrientes


 Maior vegetação
 Maior pegamento das folhas, menor esterilidade
 Fixação biológica do Nitrogênio
 Proteção contra doenças
 Melhora na qualidade dos produtos
Google: Azevém
Sintomas de deficiência
BORO
 Aparecem em tecidos novos em crescimento, tais
como:
 Meristemas florais
 Meristema vegetativos
 Pólen
 Fruto
 Raiz
 A toxidez do boro aparece em folhas velhas com
acúmulo de boro nos tecidos com a idade.
Deficiência de Boro

Brachiaria brizantha – Capim Marandu deficiência de boro


Deficiência de Boro

Foto: Valter Casarin Cultivo de sorgo EMBRAPA Cultivo de arroz e limão Estado Amazonas EMBRAPA

Foto: Valter Casarin alho


Foto: Valter Casarin deformação de folhas
Foto: Valter Casarin cebola
Toxidez por Boro

Foto: Google toxidez em tomate

Foto: Google toxidez em soja


Beterraba – Toxidez por excesso de boro.
CONCLUSÃO
◌O crescente aumento da população, e a conseqüente
expansão da demanda por alimentos, gera a necessidade de
maior eficiência dos agrossistemas e maior produtividade
das áreas cultivadas.
◌Esta Com o inevitável declínio da fertilidade natural
do solo, ao longo do tempo, a estratégia para uma condição
economicamente estável seria análise de solo antes da
implantação de qualquer cultura, o uso de espécies menos
exigentes adaptadas ao meio, reposição de nutrientes
retirados pelas culturas, ou seja, um excelente manejo
qualificado.
Cálcio Ferro

Nitrogênio
Potássio

CO2 Manganês

Fosfato Magnésio

GLOSSARIO
Referencias
 Modern Nutrition in health and disease. 18. Edition. 1994. Maurice E Shils, James
ª Olson and Moshe Shike.
 Present Knowlede in Nutrition. 6. Edition. 1990. Myrtle L. Brown.
 Biol. Trace Element. Research, 1991, 29: 133-136.
 Environ Res 1994, 64 (2):151-80
 HABASHI, Fathi. Discovering the 8th metal (em inglês). [S.l.]: International Zinc
Association. Página visitada em 17 de dezembro de 2012.
 Hefner Alan G. Paracelsus (em inglês). themystica.com. Página visitada em 17 de
dezembro de 2012.
 Tolcin, A. C. (2011). Mineral Commodity Summaries 2009: Zinc. United States
Geological Survey. Página visitada em 21 de janeiro de 2012.
 Zinco: Aplicações. Página visitada em 21 de janeiro de 2012.
 BARCELOUX, Donald G.; Barceloux, Donald. (1999). "Zinc". Clinical Toxicology
37 (2). DOI:10.1081/CLT-100102426.
 FERNBACH, S. K.; Tucker G. F.. (1986). "Coin ingestion: unusual appearance
poisoning in dogs". Journal of the American Veterinary Medical Association 173
(3). PMID 689968.
.

Você também pode gostar