Você está na página 1de 69

Conectividade

Camada de enlace: o inicio

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Introdução

A principal função da camada de enlace é garantir a comunicação entre dispositivos adjacentes.

criar e interpretar corretamente os quadros;


Enquanto a camada física trabalha com bits, a camada de detectar possíveis erros e;
enlace trabalha com blocos de bits, chamados quadros. quando necessário, corrigi-los;

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Quadros

Quadros são formados por três estruturas


básicas:
• Cabeçalho – diversos campos para permitir a
Enquanto a camada física trabalha com comunicação horizontal;
bits, a camada de enlace trabalha com • dados e;
blocos de bits, • CDE – código de detecção de erro;
chamados quadros ou frames.

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Estrutura de um quadro

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Quadro PPP

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Quadros

Tamanho do quadro será sempre multiplo


Orientados a caractere; de 8;

Não existe relação do tamanho do quadro


Orientados a bit; com número de bits;

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Problema de enquadramento

0 0 1 1 0 0 0 0 1 1 1 1 0 0 0 1 0 0 1 1 1 1 (a)

0 0 1 1 0 0 0 0 1 1 1 1 0 0 0 1 0 0 1 1 1 1 (b)

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Problema de enquadramento

0 0 1 1 0 0 0 0 1 1 1 1 0 0 0 1 0 0 1 1 1 1 (a)

0 0 1 1 0 0 0 0 1 1 1 1 0 0 0 1 0 0 1 1 1 1 (b)

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Enquadramento

Necessidade de identificação de início/fim de um


quadro;

• Função de enquadramento ou framing;

Comumente é aplicado o uso de uma flag;

• Flag de início e fim iguais;


• Flag de início e fim específicos;

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Uso de delimitadores

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Uso de delimitadores

Problema:
Caso o flag de início/fim ocorresse naturalmente dentro do quadro, o receptor poderia entender erroneamente
que o quadro havia chego ao fim;

Solução:

Byte e bit stuffing;

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Byte stuffing

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Bit stuffing

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Enquadramento por tamanho do quadro

quadro possui no cabeçalho um campo que


Em protocolos orientados a indica o número de bytes que compõem o
restante do frame.
caractere é possível
implementar um esquema Utilizando esse esquema, não há necessidade de
alternativo de enquadramento, um delimitador de término do quadro
que leva em consideração o
tamanho do quadro.

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Endereçamento

O endereçamento na camada de enlace está associado à identificação da interface de


comunicação, que conecta o dispositivo à rede,

Cada interface possui um endereço único que permite identificá-la.

O formato do endereço é definido pelo protocolo de enlace e deve ser seguido pelos
fabricantes de interfaces de rede.

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Quadro Ethernet

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Endereço físico
O endereço da camada de enlace é também chamado de endereço
físico ou endereço MAC (Medium Access Control)

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Formas de endereçamento
• Unicast
• multicast
• Broadcast

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Endereçamentos unicast, multicast e
broadcast

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Detecção de erros
• Qualquer transmissão está sujeita a problemas:
• Ruídos e atenuação;

• Cabe à camada de enlace identificar e tratar esses erros;

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Noção intuitiva
• Dígito verificador de conta bancária;
• Ex: c/c 05652-5
• O número da conta é somente 05652
• 5 é um valor gerado a partir dos demais números através de uma função matemática;

• Ex 2: Número de CPF
• XXX.XXX.XXX - YY

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Detecção de Erros
• A detecção de erro é feita pelas informações de controle que são
enviadas juntamente com os dados transmitidos.
• Função para calcular um código de detecção de erro (CDE) a partir da
mensagem a ser enviada(de forma a gerar uma espécie de dígito verificador).
• O código gerado é anexado ao final da mensagem;

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Geração do código
de detecção de erro

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Detecção de Erros
• O destinatário, ao receber a mensagem, recalcula o código de detecção
de erro (CDE’) e o compara com o código recebido (CDE).

• Se o código calculado no destino for igual ao transmitido, a


mensagem está íntegra;
• Caso contrário, houve algum erro;

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Verificação do código
de detecção de erro

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Paridade
A técnica mais utilizada simples;
para a detecção de erro em
transmissões orientadas a
caractere é conhecida
como bit de paridade:
Paridade
múltipla;

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Paridade Simples

com esse bit, o total de


adicionar um bit ao final
A técnica de paridade bits 1 seja par (paridade
de cada caractere
simples consiste em par) ou ímpar (paridade
transmitido,
ímpar).

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Exemplos de bit de paridade

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Paridade Simples
• Simples e rápido;
• Limitado a identificação de 1 bit;
• Utilização indicada para comunicações de baixa velocidade e com
erros esporádicos;

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
UC – Ambiente Computacionais e Conectividade
Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Paridade Múltipla

Na paridade múltipla, além do bit de paridade


adicionado ao final de cada caractere, é
adicionado outro bit para um bloco de caracteres
transmitido.

Caso haja um problema na transmissão que afete


dois bits no mesmo caractere, a paridade múltipla
permitirá identificar o problema.

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Método de soma de verificação
Os dados são divididos em x partes de m bits e as partes divididas são somadas

O transmissor usa o complemento de 1 para obter um checksum

O checksum é enviado junto com quadro

O receptor recebe as informações e aplicam também o complemento de 1

Se o resultado for 0, o quadro é aceito

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Verificação de Redundância Cíclica
• Também conhecida como CRC (Cyclic Redundancy Check);
• Técnica amplamente utilizada;
• Baseada no processo de divisão binária;

• Uma propriedade da divisão diz que, se o resto for subtraído do


dividendo e novamente dividido pelo mesmo divisor, o resto da
divisão será zero.

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Cálculo do CRC

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Polinômio Gerador
• Outra forma de visualizar o cálculo do
CRC é utilizando códigos polinomiais
• uma sequência de bits pode ser
representada como polinômios com
coeficientes 0 ou 1
• uma sequência de n bits possui n termos,
variando de x(n-1) a x0

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Exemplos de polinômios geradores

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Correção de Erros
• Uma vez reconhecido ou identificado um erro na transmissão, a
camada de enlace é ainda responsável pela correção ou tratameto desse
erro;
• Importante frisar que nem todas as redes obrigatoriamente implementam
correções de erro na camada de enlace;
• Em meios como fibra ótica, que apresentam imunidade a ruídos,  é possível abrir mão
desse mecanismo.

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Controle de Fluxo

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Reconhecimento positivo

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Reconhecimento Positivo
• O primeiro quadro (Q) é transmitido e, após um intervalo de tempo
indefinido, chega ao destino.
• O receptor verifica a integridade do quadro (CRC ou paridade).
• Na ausência de erro, o receptor confirma a recepção do quadro
utilizando um ACK (ACKnowledgement).

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Reconhecimento Positivo
• Situações problema:
• possibilidade de que o quadro não chegue ao destino por algum tipo de erro na
transmissão;
• possibilidade de o quadro chegar ao destino, porém com algum erro;

• O que fazer?

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Quando o quadro não chega ao destino…
• Se um quadro não chega ao destino, o receptor não tem nada a fazer a
não ser aguardar;
• Nesse caso, o transmissor mantém um temporizador para cada quadro
enviado;
• Caso não receba um ACK, retransmite o quadro;
• Esse esquema de correção de erro é conhecido como retransmissão por
timeout.

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Retransmissão por timeout

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Retransmissão por timeout

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Quando o quadro chega ao destino com
erro…
• Descartar o quadro e aguardar o reenvio pelo emissor;
• Timeout;
• NAK;

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Protocolos ARQ
• Os mecanismos que utilizam o reconhecimento e a retransmissão de
quadros como mecanismos para a correção de erro são chamados
genericamente de protocolos ARQ (Automatic Repeat re-Quest).

• bit alternado;
• retransmissão integral e;
• retransmissão seletiva;

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Bit Alternado
• No protocolo de bit alternado, para cada quadro enviado o transmissor
deve aguardar o seu reconhecimento antes de enviar o próximo
quadro.
• Problema da duplicação de quadros;

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Problema com a duplicação de quadros

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Problema com a
duplicação de quadros
• Problema com o ACK do quadro Q;
• Retransmissão por timeout do mesmo quadro.
• Se tudo correr bem com a segunda transmissão, o receptor terá duas cópias do
mesmo quadro e deverá descartar uma delas.

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Numeração dos quadros

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Problema com ACK duplicado
• Os ACK também devem ser numerados;
• Falso Negativo causado pelo timeout;

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Problema com ACK duplicado

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Protocolo de bit alternado

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Protocolo de bit alternado
• Extremamente simples e intuitivo;
• Ineficiente para transmissões de grande distância;
• Sub-utilização do canal de comunicação;
• Ex:
• transmissão via satélite;
• 4000 bit por frame;
• Conexão de 1 Mbps;
• Tempo de propagação 250ms

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Transmissão de um quadro via satélite

254 ms por frame transmitido;

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Retransmissão integral
• Pensado para otimizar o uso do meio de comunicação;
• vários quadros podem ser transmitidos sem a necessidade de aguardar o
reconhecimento de cada frame individualmente;

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Transmissão de uma sequência de quadros
Tempo 1 quadro = 4ms;
Tempo de reconhecimento = 504ms;

Transmissão de 125 quadros em 504ms

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Retransmissão integral
• Os protocolos que oferecem essa facilidade a implementam por meio
da técnica de janela deslizante;
• Maior flexibilidade para envio e recebimento de quadros;

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Retransmissão
integral

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Retransmissão
integral
janela de transmissão (JT)
quadros que ainda não foram
transmitidos (QNT)

quadros transmitidos e não reconhecidos


(QTNR)

quadros transmitidos e
reconhecidos (QTR)

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
UC – Ambiente Computacionais e Conectividade
Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Retransmissão Seletiva
• No protocolo de retransmissão seletiva, um problema em um
quadro não implica a retransmissão integral dos frames já
transmitidos e não reconhecidos, como ocorre no protocolo anterior.

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Retransmissão
Seletiva

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Controle de acesso ao meio

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Os enlaces podem ser divididos redes ponto-a-ponto e redes de difusão, multiponto, broadcast.

Um enlace ponto-a-ponto é caracterizado pela existência Se for full-duplex, qualquer uma da partes pode enviar dados a qualquer
de uma ligação dedicada entre dois pares momento

Um enlace por difusão provoca uma competição pelo Se uma trasmissão estiver acontecendo, outra não deve ser iniciada sab
direito de uso desse meio . risco de provocar erros na primeira

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Protocolos de Acesso Aleatório
• Uma estação pode tentar transmitir sempre que houver dados a enviar
• Se duas estações tentarem ao mesmo tempo, ocorrerá colisão
• É possível detectar uma colisão ou ficar escutando

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Aloha

• Uma estação tentar transmitir ou não é independente das outras


• Não importa o que está acontecendo
• Se uma colisão for detectada, cada estação espera uma determinado tempo e tenta enviar
novamente.

Slotted Aloha

• Uma tentativa de aumentar o sucesso do Aloha, fazendo com que a estação possa enviar dados
em determinados momentos
• Um quadro que possua um tamanho máximo de L bits e que R seja a taxa de transmissão, cada
quadro ocupará no máximo um período de tempo equivalente a L/R segundos. O tempo é
então dividido em intervalos de L/R segundos e as estacoes podem iniciar sua transmissão
apenas no início de cada um desses intervalos.

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
Protocolos Carrier Sense Multiple Access (CSMA)
Com detecção de colisão Com prevenção de
Persistente Não persistente
(CSMA/CD) colisão (CSMA/CA)
• Verifica se o meio está • “Sente ocupado” • Quando detecta a • Adaptado para situações
ocupado • Se estiver livre a colisão, para de que as estações não tem
• Se estiver fica transmissão inicia transmitir e envia um como escutar todo o
verificando até que • Senão, espera um tempo sinal de reforço de meio
esteja livre aleatório e tenta enviar colisão, para que as • Tipo de redes sem fio
• 1-persistente de novo outras estações • Problema da estação
percebam oculta
• Espera um tempo
aleatório para transmitir

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu
CSMA / CA

UC – Ambiente Computacionais e Conectividade


Profa. Msc. Raissa Arruda
Prof. Msc. Wilson Hissamu