Você está na página 1de 10

O SÍNODO PARA A

AMAZÔNIA: os embates de
uma igreja sustentável
ALUNA: Maria Marlene de Amorim Ayub
ORIENTADORA: Prof.ª Drª. Geneci Bett
INTRODUÇÃO
Tema: O Sínodo para Amazônia: os embates de uma igreja
sustentável

Problema: O que levou a Igreja Católica Romana a


promove um sínodo para Amazônia?

Justificativa: O assunto me interessou a partir do ano de


2019, quando o Documento Preparatório do sínodo foi
lançado e o evento começou a ser amplamente divulgado
pela imprensa.
OBJETIVOS
OBJETIVO GERAL:
Analisar a atuação do Sínodo da Amazônia frente a questão do meio ambiente, e
da defesa da Amazônia, em paralelo aos princípios cristãos.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
• Contextualizar o Sínodo para a Amazônia;
• Compreender as questões ambientais e a participação da Igreja neste
processo;
• Descrever as estratégias para preservação da floresta, das comunidades
tradicionais e o desenvolvimento de um modelo econômico e sustentável;
• Apresentar os resultados sobre a questão ambiental da Amazônia.
REFERENCIAL TEORICO
• [...] uma assembleia com o proposito debater sobre determinados
temas que são de suma importância para a Igreja, seguindo uma
determinada visão, que é sempre convocado por uma autoridade
eclesiástica. (FERNANDEZ, 2000, p.17);
• [...] é essencialmente serviço de inspiração e de educação das
consciências dos fiéis, para ajuda-los a perceberem as exigências e
responsbilidad4es de sua fé, em sua vida pessoal e social”. (PADDIN,
1998, p.230);
• [...] “todavia parece notar-se sintomas dum ponto de ruptura, por causa
da alta velocidade das mudanças e da degradação, que se manifesta
tanto em catástrofes naturais como em crises sociais ou mesmo
financeiras”. (FRANCISCO, 2015, p.48).
REFERÊNCIAL METODOLÓGICO
• MÉTODO HISTÓRICO, resultante de dois processos:

a) Uma análise, feita em dois passos:

- Heurística (coleta de fontes);


- Crítica das fontes (internas e externas);
- Hermenêutica;

b) Uma síntese que contempla as principais ideias dos


autores e dos materiais encontrados;
1. A CRIAÇÃO DE UM SÍNODO SOBRE A AMAZÔNIA
Apresenta uma compreensão e o contexto geral. Apresenta
primeiramente, a realização de um sínodo, que é algo muito comum
para a Igreja católica romana, e faz parte de suas estratégias para
entender melhor o mundo dos leigos (pessoas não ligadas a Igreja
Católica), além de organizar o seu trabalho de evangelização ao
redor do mundo.
• A organização sinodal;
• A luz do Concílio Vaticano II (1962-1965): uma nova consciência;
• Medellín e a Ecoteologia: a base para o Sínodo para a Amazônia.
2. AS QUESTÕES AMBIENTAIS FRENTE À IGREJA
Fala sobre o que levou a Igreja romana a começar a debater sobre
meio ambiente, e da relação do Papa Francisco com tudo isso. Em
seu pontificado, ele leva a Igreja romana e seus fiéis a refletir sobre
diversos assuntos que são pertinentes a realidade contemporânea,
como o celibato de padres, a participação feminina na Igreja, justiça
social, o predomínio do culto à riqueza na sociedade, e etc, mas
principalmente MEIO AMBIENTE;
• Um planeta em mudanças;
• A Era de Francisco;
• Laudatto Si: um olhar sobre a natureza.
3. O SÍNODO PARA A AMAZÔNIA
Fala sobre o evento em sí. O Sínodo para a Amazônia foi realizado
entre os dias 6 e 27 de outubro de 2019, onde o Papa Francisco
tratou os assuntos (pautas) do Sínodo. O evento definiu também as
estratégias da Igreja romana para continuar o seu trabalho de
evangelização na região amazonica;

• Organização e participantes;
• Documento Preparatório;
• Documento final;
• Querida Amazônia.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Baseado em tudo que foi pesquisado e debatido, obtive três resultados:

1°) O objetivo do Sínodo foi atingido, mas de uma outra maneira, não como
um processo acabado, mas como um novo caminho a ser percorrido,
sendo também uma continuação de tudo aquilo que já havia sido iniciado
no Concílio Vaticano II;

2°) A natureza deve ser importante para os cristãos, que tem o dever de
cuidar da obra que Deus deixou (a Terra);

3°) Deve existir um diálogo entre o Cristianismo e a cultura amazônica. Os


dois juntos, ajudam a entender que apenas somos administradores de
dons e recursos ofertados pela natureza, que é obra de Deus, presente em
todas as suas criaturas.
REFERÊNCIAS
BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Educação Ambiental e as Mudanças Climáticas: um diálogo necessário em
um mundo de transição, Brasília/DF, MMA, 2008.
 
BELLITO, Christopher. História dos 21 Concílios da Igreja – de Niceia ao Vaticano II, São Paulo, edições Loyola,
2014.
 
BÍBLIA.  Bíblia Sagrada: Antigo e Novo Testamentos. Tradução: João Ferreira de Almeida. São Paulo: Sociedade
Bíblica do Brasil, 2017.
 
BOFF, Leonardo. Ecologia: Grito da Terra, Grito dos pobres, Rio de Janeiro: Sextante, 2004.

CHIARINI, Tulio. Pobreza e Meio Ambiente no Brasil Urbano, Uberlândia/MG, Economia Ensaios, 2006.

FERNANDEZ, Víctor M. Teología espiritual encarnada: profundidad espiritual en acción, Buenos Aires, San Pablo,
2005.

FRANCISCO, Papa. Laudatto Sí: sobre o cuidado da casa comum. São Paulo, Paulinas, 2015.

VATICANO, Biografia del Papa Francesco. São Pedro (Roma), 2015.

WEIGEL, George. A Verdade do Catolicismo, São Paulo, Bertrand Editora, 2002. 

Você também pode gostar