Você está na página 1de 59

p  


j 

p 



p 
  

3 

 a 


j  
Entrada em vigor da Lei n.º
11.340/2006

ë Art. 46. Esta Lei entra em vigor 45 (quarenta


e cinco) dias após sua publicação.

Publicação ± 08.08.2006

Vigência ë 22.09.2006
LEI MARIA DA PENHA
ë Finalidade da Lei

Combater a violência contra a mulher


ë Maior rigor e efetividade nas punições
ë Instituição das medidas protetivas de
urgência

Eliminar a discriminação contra a mulher


Por que Maria da Penha?

ë Maria da Penha Maia Fernandes, farmacêutica, foi vítima de


tentativa de homicídio, por duas vezes, em 1983:
Autor: o próprio marido (prof. universitário e economista)
Local: Fortaleza (CE)
Vítima paraplégica após o primeiro crime (tiro de espingarda)

ë Tribunal do Júri de Fortaleza


1.ª condenação: 1991 (8 anos de reclusão)
2.ª condenação: 1996 (10 anos e 6 meses)
Prisão em 2002 (19 anos e 6 meses após os fatos)
Execução: apenas 2 anos preso

ë Comissão Internacional de Direitos Humanos da OEA


Condenação do Brasil em 2001:
ë impôs ao Brasil o pagamento de 20 mil dólares
ë negligência em relação à violência contra a mulher
ë recomendação: simplificação dos procedimentos e redução
do tempo processual
Convenção

ë Convenção sobre a eliminação de todas as formas de


violência contra a mulher (1979)

Promulgação - Decreto n. 4.377, de 13.09.2002


Discriminação da mulher
Visa a igualdade entre os sexos
Medidas de reequilíbrio nas relações de gênero
Convenção
ë Convenção interamericana para prevenir, punir e
erradicar a violência contra a mulher ± Convenção de
Belém do Pará

Adotada pela Assembléia Geral da Organização dos


Estados Americanos ± OEA - 06.06.94
Promulgação ± Decreto n. 1.973, de 01.08.96
Violência contra as mulheres na América: ofensa à
dignidade humana.
Incentivo à criação de normas de proteção à mulher
no lar ou fora dele.
Constitucionalidade

ë Ver decisão de MS
Fundamento constitucional
ë ART. 5.º, ÿ 


 !"#
 $
%#&%&#&
&&
'()))*

ë
#+%, -
)
Mensagem do Instituto Avon

ë Capítulo 4
Objetivos da Lei Maria da Penha - 1
ë Prevenir e coibir a violência doméstica e
familiar contra a mulher

ë CF ë Art. 226, § 8º


./-&0$
- 
---#%/-
1#2
Objetivos da Lei Maria da Penha - 2
ë Eliminar qualquer forma de discriminação
contra a mulher

Art. 3.º, CF: Constituem objetivos


fundamentais da República Federativa do
Brasil:

ë Promover o bem de todos, sem


preconceitos de origem, raça, sexo, cor,
idade e quaisquer outras formas de
discriminação.
Objetivos da Lei Maria da Penha - 3

ë Estabelecer
ë Novas regras processuais penais
ë Princípios e diretrizes

ë Alterar
ë Código Penal
 Art. 61, II, ³f´ - agravante genérica
 Art. 129 - nova redação do § 9.º
ë Código de Processo Penal
 Art. 313 - nova hipótese de prisão preventiva-
ë Lei de Execução Penal
 Art. 152
ë Lei dos Juizados Especiais Criminais: inaplicabilidade
 Art. 41 da Lei Maria da Penha j
3 

   
 aa

     !   "

j 
Objetivos da Lei Maria da Penha - 4

Criar os Juizados da Violência doméstica


e familiar contra a mulher (JVDFM)
j
3 


 ÷   #$ % a 
 & "'&  (  
 %!

j 
Crimes
ë Quais são as infrações penais?

São as decorrentes da violência


ë Doméstica
ë Familiar
ë Nas relações íntimas de afeto
Violência
ë Interpretação em sentido amplo

Violência física

Constrangimento moral
Violência doméstica ou familiar
ë —  
: espaço de convívio
 de pessoas, com ou sem vínculo
familiar, inclusive as esporadicamente
)

ë !  comunidade formada por indivíduos


que são ou se consideram aparentados, unidos
por laços naturais, por afinidade ou por
vontade expressa.
Conceito de família na Lei

ë A unidade familiar ultrapassa os limites da


previsão jurídica para abarcar todo e
qualquer agrupamento de pessoas
j
no qual
permeie o elemento afeto.

ë reconhecimento das relações homoafetivas


Afeto entre os iguais
3 

 
  &#!   ) %    )   ÷


j  
   

ë Convívio atual ou pretérito,


independentemente de coabitação. É o
relacionamento estreito entre duas pessoas,
baseado:

Na simpatia,
No amor,
Na amizade
Na admiração
Formas de Violência doméstica ou familiar
Art. 7.º
ë Física
Ofensa à integridade ou à saúde corporal (inc. I). j
ë Psicológica j 
Dano emocional, diminuição da auto-estima, prejuízo ao
pleno desenvolvimento... (inc. II)
ë Sexual
Presenciar, manter ou participar de relação sexual não
desejada, mediante intimidação, coação, ameaça,
violência... (inc. III) j  j
ë Patrimonial
Retenção, subtração, destruição de instrumentos de
trabalho, documentos pessoais, bens, valores, direitos (...)
ë Moral j
Calúnia, difamação ou injúria.
3 

 )   ÷  !*


+' !
+ 
  ,
-.
 
  +
+% a *! !      

+,
-*    " / "' /*   #$ 

j  


j$  # *   #   

a  !  $  # *#  #    
 &a

j  

      


*
+ !"  0 !!0 1!2
+ !    2
+& "  3 4# 0 !4 !"

j  


  

-5! 
 a
÷5!5!    !!  1!
 6#  #    
 &a

j  

  1
* &!  !  " 

  7! !    


   a

 "#  * &a


j  
Conceito de violência doméstica

ë Qualquer das ações do art. 7.º praticadas


contra a mulher na unidade doméstica, no
ambiente familiar e em razão de qualquer
relação íntima de afeto.

Conjugação dos arts. 5.º e 7.º

ë Art. 5.º ë ação ou omissão no âmbito da unidade


doméstica, no âmbito da família ou em qualquer relação
íntima de afeto.

ë Art. 7.º ë formas de violência


Crimes
ë Sujeitos

Ativo: homem ou mulher


j
Passivo: mulher
Com controvérsia:
 Transexuais
 Transgêneros
 Travestis

 ! CG n. 117/2008 ± Corregedoria-Geral da Justiça:

 ³O parágrafo único do art. 5.º da Lei Maria da Penha


não se estende a pessoa do sexo masculino
vitimizada em relação homoafetiva
3 

   #! )   ÷*

+ 
+  #$  
+  1!
+ 

*5!   1&  

j  
Providências iniciais da autoridade
policial
ë Art. 11:
Encaminhamento da vítima a hospital e ao
IML
Garantia de proteção policial ± art. 22, § 3.º
Assegurar a ofendida condições para retirar
seus pertences
Transporte para local seguro no caso de
risco de morte
Informar a vítima de seus direitos
Direito Defensor Público e assistência
judiciária gratuita
Demais providências da autoridade
policial
Art. 12

Lavrar o boletim de ocorrência


ë Não-aplicação da Lei n. 9.099/95
ë Termo circunstanciado
Art. 41 da Lei

Instaurar o inquérito policial


ë Auto de prisão em flagrante
ë Portaria
ë Requisição:
Ministério Público
Juiz de Direito
Demais providências da autoridade
policial
Ouvir a ofendida

ë Representação nos casos legais ± art. 16

ë Encaminhamento do expediente das


medidas protetivas de urgência
Prazo ± 48h
Apreciação judicial ± 48h
Demais providências da autoridade
policial
ë Demais providências no inquérito
policial

Identificar o agressor
Ouvir o agressor
Identificar e ouvir testemunhas
Requisitar os exames periciais
ë Prontuários médicos ± art. 12, § 3.º
Demais providências da autoridade
policial

Relatório do inquérito

Remessa ao Fórum - prazos


ë Indiciado solto
ë Indiciado preso
Alterações no Código Penal
ë   


ë Art. 61, II, 0

ÿ#%-"
23--#
4-%/--
40-$0-)
Alterações no Código Penal
ë j 
 



  
 - Se a lesão for praticada contra
ascendente, descendente, irmão, cônjuge ou
companheiro, ou com quem conviva ou tenha
convivido, ou, ainda, prevalecendo-se o agente das
relações domésticas, de coabitação ou de
hospitalidade:
ë Redação determinada pela Lei n. 10.886/2004.
j

Pena ± detenção, de 3 (três) meses a 3 (três) anos.


ë Pena modificada pela Lei Maria da Penha.
3 

 à", -


 
 

 & % a 

j 
Ação Penal no art. 129, -
ë Decisão do STJ: 
!

   

 
 

ë !  


p
 
 p
p 
 

p  
 
 
 

  
 
  
 
 
p
Ação Penal no art. 129, -
ë 

ë A Turma, ao prosseguir o julgamento, por maioria,
concedeu a ordem de 4# -,    
            

  p

 p  
 . Considerou que, se a vítima só pode retratar-se
da representação perante o juiz, a ação penal é
condicionada. Ademais, a dispensa de representação
significa que a ação penal teria prosseguimento e
impediria a reconciliação de muitos casais. 

, Rel. para acórdão Min. Celso Limongi
(Desembargador convocado do TJ-SP), !  
 

Alterações do Código Penal


ë p
 "    


  " Na hipótese do § 9.º
deste artigo, a pena será aumentada de
1/3, se o crime for cometido contra
pessoa portadora de deficiência.

ë Redação determinada pela Lei Maria da


Penha.
Código Penal: lesão corporal
ë  
 

  



  " Nos casos previstos
nos §§ 1.º a 3.º deste artigo, se as
circunstâncias são das indicadas no § 9.º
deste artigo, aumenta-se a pena em 1/3.

ë Redação determinada pela Lei n.


10.886/2004.
Código de Processo Penal
ë 
 ± Em qualquer das circunstâncias do
artigo anterior, será admitida a decretação da
prisão preventiva nos crimes dolosos:

(...)

j ± Se o crime envolver violência


doméstica e familiar contra a mulher, nos
termos da Lei específica, para garantir a
execução das medidas protetivas de
urgência.
Código de Processo Penal
ë  
Art. 312 do CPP

Garantia da ordem pública ou econômica


Conveniência da instrução criminal
Assegurar a aplicação da lei penal

ë Quando houver:
Prova da existência do crime
Indício suficiente de autoria
Prisão Preventiva
ë 


Aplicação em relação a crimes dolosos

ë Punidos com 

ë Punidos com   
Indiciado ou réu vadio
Havendo dúvida sobre sua identidade, não fornecer
ou não indicar elementos para esclarecê-la.
ë 
 
 
ë j 
 
 
 
 
Prisão Preventiva
Comentário de Guilherme Souza Nucci:

â  
%-05-)6-
%% )789ÿ 
%) 30 
--#) 
0%%%/--4(:)'
-*4.-
%%-+%/
/)p#-4-$-
-$;.0.---
#%%
-%%-/
)()))*
-/-:-%-:3-0
 "-4" 
)789ÿ5 - <(Código de Processo
Penal Comentado. São Paulo: RT, 2008, 8.ª ed., p. 630).
Tramitação em Juízo
ë Competência das Varas Criminais: cível e criminal (art. 33)
Vara Criminal:medidas de natureza satisfativa
Viável a reapreciação no Juízo Cível
Juízo Criminal: competência para a execução das medidas

ë Direito de preferência: processo e julgamento


Art. 33, parágrafo único

ë Ofendida: salvo no caso do art. 19, sempre com advogado


Art. 27

ë Garantia: Defensoria Pública, Assistência Judiciária Gratuita


Art. 28
Tramitação em Juízo
ë Vedações: art. 17
Penas de cesta básica
Prestação pecuniária (45, § 2.º, CP)
Substituição com pagamento isolado de
multa

ë Vedação para a aplicação da Lei n. 9.099/95


Representação na lesão leve ± art. 88
Inclusive: processual ± art. 89
Medidas protetivas

ë Determinadas pelo Juiz


Art. 22
Art. 23
Art. 24
Medidas protetivas de urgência
Geram obrigação ao agressor
ë 


ë Suspensão da posse ou restrição de porte de arma de fogo

ë Afastamento do lar, domicílio ou local de convivência

ë Proibição de determinadas condutas


Aproximação da ofendida, familiares e testemunhas
Contato com a ofendida, familiares e testemunhas
Freqüência a determinados lugares

ë Restrição ou suspensão de visitas

ë Prestação de alimentos provisionais ou provisórios


Medidas protetivas de urgência
Benefício da ofendida
ë 


ë Encaminhamento da ofendida ou seus dependentes a programa


de proteção ou atendimento;

ë Recondução da ofendida e seus dependentes ao domicílio, após


afastamento do agressor;

ë Afastar a ofendida do lar, sem prejuízo dos direitos relativos a


bens, filhos, alimentos;

ë Separação de corpos
Medidas protetivas de urgência:
Benefício do patrimônio da
ofendida
ë 


ë Restituição de bens subtraídos;

ë Suspensão para celebração de compra e venda; locação


de propriedade comum;

ë Suspensão de procurações outorgadas ao agressor;

ë Prestação de caução provisória em razão de perdas e


danos materiais;
Medidas protetivas de urgência
Aspectos gerais

ë Decisão judicial ± art. 18, I


Prazo de 48h
Regra geral: art. 800, CPP (cinco dias)
As medidas protetivas não caducam em 30
dias, mesmo que não seja ajuizada ação na
esfera cível que as assegure (Conclusão
publicada pela Corregedoria-Geral da Justiça
± Comunicado CG n.º 117/2008).
Medidas protetivas de urgência
Aspectos gerais
ë Medidas protetivas ± art. 19
Requerimento do Ministério Público
Pedido da ofendida
:00-, não prevista expressamente.
Todavia admissível.
ë São cabíveis as medidas protetivas, mesmo
que não tenha havido representação da
ofendida (Conclusão publicada pela
Corregedoria-Geral da Justiça ±
Comunicado CG n.º 117/2008).
Medidas protetivas de urgência
Aspectos gerais

ë Prévia oitiva do Ministério Público - 19, § 1.º


Concessão independentemente de sua
prévia manifestação

ë Aplicação ± art. 19, § 2.º


Isolada
Cumulativa
Substituição quando for necessário
Medidas protetivas de urgência
Aspectos Gerais

ë Intimação da ofendida ± art. 21


Atos processuais relativos ao agressor

ë intimações ou notificações ao agressor ±


art.21, parágrafo único
Vedação fazê-lo por meio da ofendida
Assistência à mulher
ë Art. 9o
ë A assistência à mulher em situação de violência
doméstica e familiar será prestada de forma articulada e
conforme os princípios e as diretrizes previstos na Lei
Orgânica da Assistência Social, no Sistema Único de
Saúde, no Sistema Único de Segurança Pública, entre
outras normas e políticas públicas de proteção, e
emergencialmente quando for o caso.
Assistência à mulher
ë Art. 9.º

ë § 1o O juiz determinará, por prazo certo, a


inclusão da mulher em situação de violência
doméstica e familiar no cadastro de programas
assistenciais do governo federal, estadual e
municipal.
Assistência à mulher
ë Art. 9.º
ë § 2o O juiz assegurará à mulher em situação de
violência doméstica e familiar, para preservar sua
integridade física e psicológica:

I - acesso prioritário à remoção quando servidora


pública, integrante da administração direta ou indireta;

II - manutenção do vínculo trabalhista, quando


necessário o afastamento do local de trabalho, por até
seis meses.
Assistência à mulher
ë Art. 9.º

ë § 3o A assistência à mulher em situação de violência


doméstica e familiar compreenderá o acesso aos
benefícios decorrentes do desenvolvimento científico e
tecnológico, incluindo os serviços de contracepção de
emergência, a profilaxia das Doenças Sexualmente
Transmissíveis (DST) e da Síndrome da Imunodeficiência
Adquirida (AIDS) e outros procedimentos médicos
necessários e cabíveis nos casos de violência sexual.
MINISTÉRIO PÚBLICO
ë Art. 26
ë Requisitar
Força policial
Serviços públicos de saúde, educação, assistência
social, de segurança
ë Fiscalizar: estabelecimentos de atendimento à mulher
em situação de violência doméstica e familiar
ë Cadastrar: casos de violência doméstica e familiar contra
a mulher
ë Sem prejuízo de outras atribuições
Lei de Execução Penal
ë p    

Art. 152 - Poderão ser ministrados ao


condenado, durante o tempo de
permanência, cursos e palestras, ou
atribuídas atividades educativas.

Parágrafo único. Nos casos de violência


contra a mulher, o juiz poderá determinar o
comparecimento obrigatório do agressor a
programas de recuperação e reeducação.