Você está na página 1de 42

Funções

exponenciais
Introdução

 
No dia de setembro de , às horas, uma equipa de biólogos retirou uma
amostra de água de um lago e concluiu que ali existia milhar de fungos por
cada centímetro cúbico.
Sabe-se, também, que esta espécie de fungos duplicava de dia para dia.
Neste âmbito, vamos completar a tabela seguinte:
(tempo decorrido em
dias)
(n.º, em milhares, de
fungos por de água) 1  2  4  8  16
  32
  64
 

Repara que quanto maior for a população de fungos, maior será o aumento
por unidade de tempo.
 
O aumento da população de fungos não se verifica a uma taxa constante; o
que é constante em cada um destes períodos é a variação relativa: se no .º
dia a população duplicou, o mesmo acontecerá nos dias seguintes.
Introdução

Assim, tem-se que:


  .
 
De um modo geral, podemos expressar o número de fungos, em milhares,
por centímetro cúbico de água, ao fim de dias, por:
  .
 
Apesar de a população de fungos duplicar de dia para dia, é óbvio que não o
faz repentinamente ao fim de exatamente horas. Essa duplicação vai-se
fazendo continuamente.
Supondo que este modelo se mantém válido para números racionais,
conseguiríamos determinar o número de fungos, por exemplo:
 
 às horas do dia de setembro de 3
𝑡  =
  3   32 2
𝑃 (2) ¿2 ¿
3
  √ 2   milhares
Introdução

 
 às horas do dia de setembro de 9
𝑡  =
  9   94 4 9 4
𝑃 ( )
4
¿2 ¿   √ 2   milhares

 
 às horas do dia de agosto de
  1   1 𝑡  =−2
  ( −2 ) ¿  2
𝑃 −2 ¿
2
2 ¿
4   milhares

 
Após determinarmos as imagens de alguns
valores de pela função , obtivemos o
seguinte:

O exemplo de introdução ilustra um modelo


matemático definido por uma expressão em
que a base é constante e o expoente é
variável.
 Propriedades da função definida nos números racionais por ,
com

 
Iremos estudar algumas propriedades da função definida nos números
racionais por , com , como, por exemplo, monotonia, continuidade e
limites.
No exemplo anterior, tem-se que:
𝑓  ( 𝑥 )=2𝑥

 
Recorrendo a uma calculadora gráfica e
introduzindo a expressão , podemos obter
uma representação gráfica idêntica à
seguinte:
 Propriedades da função definida nos números racionais por ,
com

 
Teorema:
Dado um número real , a função definida no conjunto dos números racionais
por é crescente se e é decrescente se .

Demonstração
 
 Se , a função definida em por é crescente.
 
Comecemos por constatar que:
para quaisquer : .
 
De facto, tem-se que:
.
 
Pela transitividade da relação de ordem, vem que:
.
 
Logo, resulta que:
 Propriedades da função definida nos números racionais por ,
com

Demonstração (continuação)
 
 Se , a função definida em por é crescente.
 
Utilizando a propriedade anterior, para expoente natural, e algumas
propriedades algébricas de radicais, vejamos como o resultado acima se
pode agora estender ao conjunto dos números racionais, isto é, para
quaisquer ,
𝑚 𝑝
𝑚 𝑝
 𝑚 , 𝑝 ∈ ℚ +¿ :
𝑛
< ⟹ 𝑎 𝑛 <𝑎 𝑞 . ¿
𝑞
𝑛 𝑞
 
 Tem-se que, para :
𝑝 𝑛
 𝑚 < 𝑝  𝑚 < 𝑝
𝑛 𝑞

  𝑚𝑞<𝑛𝑝 𝑛 𝑞
 
⟹𝑎 < 𝑎
𝑚
( ) 𝑞

𝑝

  𝑎𝑚𝑞 < 𝑎𝑛𝑝   𝑛
⟹ √𝑎 <𝑎
𝑚 𝑞
𝑞 𝑞

  √ 𝑎𝑚𝑞 < √ 𝑎𝑛𝑝  
⟹𝑎 <𝑎
𝑚
𝑛
𝑝
𝑞
𝑛𝑝
  𝑚 𝑞
⟹ 𝑎 <𝑎
 Propriedades da função definida nos números racionais por ,
com

Demonstração (continuação)
 
 Se , a função definida em por é crescente.
 
 Vejamos o caso de dois racionais de sinais contrários, ou seja, para
e quaisquer.
 
Nesse caso, sabemos que existe tal que .
 
Vejamos que ou, de forma equivalente,
.
  e , com .
 
Como , então:
e
  Consequentemente, resulta que:
, isto é, .

  Analogamente, e tem-se que:


.
 Propriedades da função definida nos números racionais por ,
com

Demonstração (continuação)
 
 Se , a função definida em por é crescente.
 Finalmente, vejamos o caso de dois números racionais negativos.
 
Mostremos que, para quaisquer , .
 − 𝑟 <− 𝑟 ′⟹
  𝑟>𝑟 ′

𝑟 𝑟

  𝑎 >𝑎
  1 1
⟹ 𝑟
< ′

𝑎 𝑎𝑟

−𝑟 −𝑟

  𝑎 <𝑎
Estendeu-se, assim, a propriedade ao conjunto de todos os números
racionais.
 Propriedades da função definida nos números racionais por ,
com

Demonstração (continuação)
 
 Se , a função definida em por é decrescente.
 
No caso em que , com , tem-se que:
 1 >1
𝑎
  , com ,
  ⟺
Logo, ,   −𝑚>− 𝑛 é crescente
−𝑚 −𝑛
  1 1

𝑎 ( ) ( ) >
𝑎

  𝑎 𝑚 >𝑎 𝑛

 
Teorema:
Dado um número real , a função definida no conjunto dos números racionais
por .
 lim 𝑓 ( 𝑥 ) =1 .
𝑥 ⟶0
 Propriedades da função definida nos números racionais por ,
com

 
Teorema:
Dado um número real , a função definida no conjunto dos números racionais
por é contínua.

Demonstração
 
Considerando um qualquer número racional :
𝑥
𝑓 ( 𝑥 )=𝑎
  ¿  𝑎 𝑥 −𝑞 +𝑞¿  𝑎 𝑞 × 𝑎 𝑥− 𝑞
𝑞 𝑥 −𝑞
 𝑥lim   𝑎 × lim 𝑎
𝑓 ( 𝑥 ) ¿  lim ( 𝑎𝑞 × 𝑎 𝑥 − 𝑞 ) ¿
⟶𝑞 𝑥 ⟶𝑞 𝑥 ⟶𝑞
 
Consideremos a mudança de variável : se então .
𝑞 𝑦
  𝑎 𝑞 × 1  ¿ 𝑎 𝑞
  𝑎 × lim 𝑎 ¿
 lim 𝑓 ( 𝑥 ) ¿
𝑥 ⟶𝑞 𝑦 ⟶0

𝑥
  lim 𝑎 =1
𝑥 ⟶0

 
Mostrou-se assim que a função definida nos racionais por é contínua em ,
uma vez que existe e , .
 Propriedades da função definida nos números racionais por ,
com

 
Teorema:
Seja um número real positivo e seja a função definida no conjunto dos
números racionais por .
 
 Se , então e .
 
 Se , então e .

Demonstração
 
 Se , então e .

 
Se , provámos no .º ano que .
 
Então, dado um número real positivo , existe tal que
.
 
Seja uma sucessão de números racionais que tende para .
 
Então, existe tal que
.
 Propriedades da função definida nos números racionais por ,
com

Demonstração (continuação)
 
 Se , então e .

 
Assim, , de onde se conclui que:

  A função definida por , , é


crescente, dado que .

 
Por sua vez, considerando a mudança de variável : se , então , tem-se
que:
lim 1
  lim 𝑎 ¿
𝑥
  lim 𝑎 ¿
− 𝑦 
¿ 
1   1
+∞   .
𝑦 ⟶ +∞ ¿
𝑦
𝑥 ⟶ −∞ 𝑦 ⟶+∞ 𝑎
𝑦
lim 𝑎
𝑦⟶ +∞
 Propriedades da função definida nos números racionais por ,
com

Demonstração (continuação)
 
 Se , então e .

−𝑥
  1
  lim 𝑎 ¿
𝑥 ⟶+∞
𝑥
lim
𝑥 ⟶+∞
( )
𝑎
 
Pela mudança de variável : se , então .
𝑥  1 − 𝑥 1 𝑦
  lim 𝑎 ¿ lim
𝑥 ⟶+∞ 𝑥 ⟶+∞
(𝑎)
¿ lim
𝑦 ⟶ −∞
 . (𝑎)
  e
−𝑥
  1
  lim 𝑎 ¿
𝑥 ⟶ −∞
𝑥
lim
𝑥 ⟶ −∞
()
𝑎
 
Fazendo a mudança de variável : se , então .
𝑥  1 −  𝑥 1 𝑦
  lim 𝑎 ¿ lim
𝑥 ⟶ −∞ 𝑥 ⟶ −∞
(𝑎)
¿ lim
𝑦 ⟶+∞
  . (𝑎)   e
 Propriedades
da função definida nos números racionais por ,
com (resumo)

 
𝒂> 𝟏  
𝟎< 𝒂<𝟏
  lim 𝑓 ( 𝑥 ) =+ ∞   lim 𝑓 ( 𝑥 ) =0
𝑥 ⟶+∞ 𝑥 ⟶+∞

  lim 𝑓 ( 𝑥 )= 0   lim 𝑓 ( 𝑥 )=+ ∞


𝑥 ⟶ −∞ 𝑥 ⟶ −∞
 Funções definidas nos números reais por , com
e respetivas propriedades
 
Após estudarmos a função , definida nos racionais por , com
, façamos, agora, a extensão de ao conjunto dos números reais, mantendo-
se as propriedades de monotonia, os limites e as propriedades algébricas da
função inicial.
 
Definição:
Dados um número real e um número irracional , se é uma qualquer
sucessão de números racionais de limite , a sucessão de termo geral é
convergente e o respetivo limite depende apenas de e de .
 
Esse limite representa-se por .

Vamos, de modo informal, ilustrar este conceito.


 
Por exemplo, a partir da dízima infinita não periódica de , construímos duas
sucessões: uma crescente, , com valores aproximados por defeito, e a outra
decrescente, ,com valores aproximados por excesso.
 Funções definidas nos números reais por , com
e respetivas propriedades

 
As sucessões e são ambas convergentes para e são tais que:
  𝑢𝑛 <𝜋<𝑣 𝑛 ,∀ 𝑛∈ ℕ
 
A partir de e , vamos construir duas novas sucessões:

 
Uma vez que as sucessões e são monótonas e limitadas, conclui-se que
são ambas convergentes, dependendo os seus limites, apenas, de e de .

 
Chama-se a esses limites.
 Funções definidas nos números reais por , com
e respetivas propriedades
 
Definição:
A função definida por , em , com , designa-se por função exponencial de
base .

  A função exponencial de base tem as seguintes propriedades:


  1. Domínio:
  2. Contradomínio:
  3. Zeros: não tem zeros, isto é, é uma equação impossível.
  4. Sinal: é positiva em , isto é, , .
5. Variação: é crescente.
6. Injetividade: é injetiva.
7. Continuidade: é contínua.
  8. e.

  9. Assíntotas: a reta de equação é assíntota horizontal ao gráfico da


função.
 Funções definidas nos números reais por , com
e respetivas propriedades
  A função exponencial de base tem as seguintes propriedades:
  1. Domínio:
  2. Contradomínio:
  3. Zeros: não tem zeros, isto é, é uma equação impossível.
  4. Sinal: é positiva em , isto é, , .
5. Variação: é decrescente.
6. Injetividade: é injetiva.
7. Continuidade: é contínua.
  8. e.

  9. Assíntotas: a reta de equação é assíntota horizontal ao gráfico da


função.
 
Nota:
A função exponencial de base designa-se simplesmente por função
exponencial e representa-se também por exp.
 Funções definidas nos números reais por , com
e respetivas propriedades

As propriedades algébricas para potências de expoente racional


permanecem válidas para potências de expoente irracional.
 
Propriedades:
Sejam e :
𝑥
𝑥 𝑦 𝑥+ 𝑦  𝑎 = 𝑎𝑥 − 𝑦
 
𝑎 × 𝑎 =𝑎  𝑎 𝑦

𝑥 𝑦 𝑥× 𝑦   𝑥 𝑥 𝑥
 (
𝑎 ) =𝑎 𝑎 × 𝑏 = ( 𝑎 × 𝑏 )
𝑥 𝑥
− 1 𝑥  𝑎 = 𝑎
 
𝑎 𝑎 = ¿  𝑏 (𝑏)
𝑥 𝑥

 
Propriedade:
A função definida em por , com , é contínua.
Exercício 1

Determina os seguintes limites:


𝑥 𝑥+2
  1  lim ⁡ 3
a) 𝑥 lim
→ −∞ ( ( ))
𝑥
⁡3 +
5 b) 𝑥 →+∞ √ 11
𝑥

Sugestão de resolução:
−∞
  1
𝑥
  1 𝑥  − ∞ 1
a) 𝑥 lim
→ −∞ ( ( ))
𝑥
⁡3 +
5 𝑥 →− ∞
𝑥
¿ lim ⁡3 + lim
𝑥→ −∞ 5
()
¿ ⁡3 +
5 ( )   0+ ( +∞ ) ¿+∞
¿  

 lim ⁡ 3
𝑥+2
3 𝑥 × 32   2 3𝑥   3 𝑥
b) 𝑥 →+∞ √ 11
 
𝑥 ¿ lim ⁡
𝑥 →+∞ √11
𝑥
¿ 3 × lim ⁡
𝑥 →+∞ √ 11
𝑥
¿ 9 × lim
𝑥→+∞ ( ) ¿ 9 ×0 ¿  𝟎
√ 11  

  3
0< <1
√ 11
Exercício 2

Determina, sem recurso à calculadora, o valor de:


  2−𝜋 1 √32 − 𝜋 1 3√2
3 × (3) ×
3 √8
×
1 √2
( )
243
Sugestão de resolução:
3√ 2
5

  2−𝜋 1 √32 − 𝜋 1 3√2   2 −𝜋 1 √2 −𝜋


1
3 × (3) × √8
3
×
1 √2
¿3 ×
3 ( ) × 2 ×
3√ 1 √2
3

( )
243 3
5 ( )
  2 −𝜋 − 1 4 √2− 𝜋 1 3√ 2
¿3 ×(3 ) × ×
32 √ 2 ( 3−5 ) √2
  2 −𝜋 − 4 √ 2+ 𝜋 − 2 √2 3√2
¿3 ×3 ×3 × −5 √ 2
3
¿  32 −𝜋 − 4 √ 2+𝜋 −2 √ 2 × 3√ 2 − − 5 √ 2
( )

¿  32 −6 √ 2 × 36 √ 2
¿  32 −6 √ 2+6 √ 2  ¿ 32 ¿ 𝟗
Exercício 3

 
Sendo um número real e sabendo que , determina o valor de:
   
a) b)
 
 
c) d)

Sugestão de resolução:
  𝑥   7×
− 1¿
1  𝟕
a) ¿  3 ×3 ¿
3 𝟑
  𝑥
  𝟑𝟒𝟑
 ¿ ( 33 )  ¿ ( 3 𝑥 )  ¿ 73¿
3
b)

  −𝑥  
1¿
1
× 3  1 ×3¿
  𝟑
c) ¿  3 ×3 3
𝑥 ¿
7 𝟕
1 1
    𝑥 5  𝟓
d) ¿ ( 3 ) ¿ 7 ¿  √ 𝟕5
Equações exponenciais

 
Quando estudámos as propriedades da função exponencial, referimos que
esta é uma função crescente se e decrescente se . Logo, é uma função
injetiva.
Assim, tem-se que:
  ,

Na resolução de uma equação exponencial, devem seguir-se estes passos:


 
.º passo: Sempre que possível, escrever as potências na mesma base,
aplicando as regras operatórias das potências.
 
.º passo: Obter uma igualdade do tipo .
 
.º passo: Aplicar .
 
.º passo: Resolver a equação obtida no passo anterior.
 
.º passo: Apresentar o conjunto-solução.
Equações exponenciais

Exemplos de resolução de equações:


 
1. ⟺  5 𝑥 =53⟺
  𝑥=3
𝑪
  . 𝑺 .= {𝟑 }
1 −1 1
 1   3 𝑥+1 − 1 
( ) ⟺3   −

√3 ⟺
  ( 3 ) =( √ 3 ) ⟺3 3 ( 𝑥+1 )
=3 2 3 ( 𝑥+1) 2
2. =3
  3 ( 𝑥+1 ) =− 1 ⟺
⟺   𝑥=− 7
  3 𝑥+3=− 1 ⟺ 6 𝑥+ 6=−1 ⟺
2 2   6
𝟕
  . 𝑺 .= −
𝑪 { } 𝟔

𝑥 4 𝑥 4𝑥
   16  ⟺ 2− 𝑥 = ( 2 ) ⟺   2− 𝑥 = 2 −𝑥 4 𝑥 − ( 2 𝑥+4 )
3. 2 𝑥+ 4 ⟺
  2 =2
4 𝑥+2 2 𝑥 +2
(2 ) 2
  4

  2 =2
−𝑥 2 𝑥− 4
⟺ ⟺
  − 𝑥=2 𝑥 − 4   −3 𝑥=− 4 ⟺ 𝑥=
3
𝟒
  . 𝑺 .=
𝑪 {}
𝟑
Equações exponenciais

Exemplos de resolução de equações (continuação):


  ⟺
  2 𝑥 ( 2−1 −1 −21 +23 ) =22
4.
  𝑥 1 11 22
⟺2
2 (
− 1− 2+ 8 =22⟺  
) 𝑥
2 × =22⟺
2
  𝑥
2 = ⟺
11
2
  2 𝑥
=4


  2 𝑥 =22⟺
  𝑥=2 𝑪
  . 𝑺 .= {𝟐 }
     
5.
 
Considerando a mudança de variável , obtém-se a seguinte equação do .º
grau: 2
  − ( − 4 ) ± √ ( − 4 ) −4 ×1× 3   4 ± √ 1 6 −12
  ⟺ 𝑦= ⟺ 𝑦=
2× 1 2
⟺  𝑦= 4 ±2 ⟺ 𝑦=3 ∨ 𝑦=1
2  
  Substituindo por , vem que:
𝑥 𝑥
 ⟺ 3 =3 ∨ 3  ⟺=13 𝑥 =31 ∨ 3 𝑥 =30

  𝑥=1 ∨ 𝑥=0 𝑪
  . 𝑺 .= {𝟎 , 𝟏 }
Inequações exponenciais

Quando estudámos as propriedades da função exponencial, referimos que


esta é monótona. Assim, tem-se que:
 
 se , a função é estritamente crescente, logo
, .
 
 se , a função é estritamente decrescente, logo
, .
Na resolução de uma inequação exponencial, devem seguir-se estes passos:
 
.º passo: Sempre que possível, escrever as potências na mesma base,
aplicando as regras operatórias das potências.
 
.º passo: Obter uma igualdade do tipo ou ou ou .

  ¿¿   ¿¿   ≥  ≥ 
.º passo: Se , aplicar ou . ≤  ≤ 
  ¿¿   ¿¿   ≥  ≤ 
Se , aplicar ou . ≤  ≥ 
Inequações exponenciais

 
.º passo: Resolver a inequação obtida no passo anterior.
 
.º passo: Apresentar o conjunto-solução.

Exemplos de resolução de inequações exponenciais:


 
1. ⟺  5 𝑥 >5 3⟺
  𝑥>3
𝑪  . 𝑺 .=¿ 𝟑 ,+∞ ¿
𝑥 −1 1 −1
 1 1   1
2. (3 ) ≤
√3 ⟺ ( 3
−1
) 𝑥 −1
≤ ( √ 3 )
−1
 
⟺3
− 𝑥+1
( )  
≤ 32 ⟺ 3
− 𝑥+1

≤3 2
⟺   −𝑥≤− 3 ⟺
  − 𝑥 +1≤ − 1 ⟺   𝑥≥
3
2 2 2

𝑪 . 𝑺 .=¿
 

  ⟺ 10 𝑥 −5 𝑥 − 5𝑥 <0 ⟺ 2 𝑥 ×5 𝑥 − 2× 5𝑥 <0
3.    
𝑥 𝑥

 
𝑥 𝑥
5 × ( 2 − 2 ) <0 ⟺
  2 −2< 0 ⟺
  2 <2

  2 <2 ⟺  𝑥< 1
𝑥 1
  , ⟺
𝑪  . 𝑺 .=¿ − ∞ , 𝟏¿
Inequações exponenciais

Exemplos de resolução de inequações exponenciais (continuação):


 
4. ⟺
  2 𝑥 × ( 𝑥 2 − 1 ) ≥ 0⟺
  𝑥 2 −1 ≥ 0 ⟺
  𝑥 ≤ 1∨ 𝑥 ≥1
  , 𝑪
  . 𝑺 .=¿ − ∞ , −𝟏 ¿ ¿∪ ¿

Cálculo auxiliar
2
𝑥  2 −1=0 ⟺  𝑥 =1

  𝑥=± √ 1

  𝑥=−1 ∨ 𝑥=1

     
5.
 
Considerando a mudança de variável , obtém-se a seguinte inequação
do .º grau:   ⟺
  −1< 𝑦 < 2

Cálculo auxiliar 2

− 2  
⟺ 𝑦=
−1 ± √ 1 − 4 ×(− 1) × 2
  𝑦 + 𝑦+ 2=0 2 ×( − 1)
−1 ± 3
  𝑦=
⟺ ⟺
  𝑦=− 1∨ 𝑦=2
−2
Inequações exponenciais

Exemplos de resolução de inequações exponenciais (continuação):


     
5.
 
Considerando a mudança de variável , obtém-se a seguinte inequação
do .º grau:   ⟺
  −1< 𝑦 < 2
 
Voltando à variável , tem-se que:
 − 1 <2 𝑥 <2⟺   2 𝑥 >− 1∧ 2𝑥 <2 ⟺ 𝑥
  2 <2

  2 𝑥 < 21
Condição universal ⟺
  𝑥< 1

𝑪  . 𝑺 .=¿ − ∞ , 𝟏¿
 O limite
𝑛
1  
  𝑢
Recorda que a sucessão de termo geral 𝑛 = 1+
𝑛 ( ) é convergente para
um número que se designa por .
O teorema seguinte, que não será demonstrado, é uma ferramenta útil no
cálculo de limites de algumas sucessões.
 
Teorema: 𝑦
  1
Seja a função definida, em , por 𝑓 ( 𝑦)=
. 1+
𝑦 ( )
Tem-se que:
𝑦 𝑦
  1   1
𝑦 →+∞
( )
lim 1+
𝑦
¿ lim
𝑦 →− ∞
( 1+
𝑦 ) ¿  𝑒

Uma consequência deste teorema é o resultado seguinte:

Teorema:
𝑛
𝑥
 
lim 1+ (
𝑛 ) =𝑒 𝑥
 O limite

 
 Para , tem-se que: 𝑛 𝑛 𝑥
 𝑛 lim 1+ 1   1

[( ) ]
×𝑥
1 ¿

) ( )
𝑥  𝑛 𝑥 ¿ lim 1+ 𝑥
 lim 1 + ¿ lim 1 + 𝑛
( 𝑛 ) ( 𝑥
𝑛
𝑥
𝑛
𝑥
𝑛 𝑥
  1

[ ( )]
¿ lim 1 +
𝑛
𝑥
𝑥

  ¿ 𝑒
𝑥

    1 𝑛
 Para , vem que:
𝑥 𝑛
lim 1+( )
𝑛
=𝑒
 lim
( 𝑛)
1 +  ¿ lim
  1
¿
 
𝑛
¿   1
¿𝑒𝑒0 𝑥

 
Propriedade:
Dadas duas sucessões de termos gerais, respetivamente, e , tais que tem
os termos todos positivos, e ( e ), tem-se que:

𝑦𝑛 𝑏
lim
  ( 𝑥𝑛 ) =𝑎

 
Esta propriedade estende-se ao caso em que é ou e é ou .
 O limite

Exemplos: ∞
( 1
2 𝑛)
 
( )
1. lim 1 + 𝑛   ¿ 𝒆
𝟐

𝑛
  1

( )

1 ( 1 )𝑛 1
  3  
lim ( 1+
3𝑛 )
𝟑 3
2. ¿ lim 1+ ¿¿
  √ 𝒆
𝑒
𝑛

𝑛 −1 ( 1∞ ) 𝑛 −1
  5     −5 𝟏
lim ( 1 −
𝑛− 1 ) ( )
¿ lim 1+   𝟓 −5
3. 𝑛− 1   ¿¿ 𝑒
𝒆

( 1∞𝑛)
9    3   3 −3 𝑛 𝑛
3 𝑛

4.
 
( 𝑛)
lim 1 − 2
¿ lim ⁡
[( 1−
𝑛 )( ¿ lim 1+
1+
𝑛 𝑛 )]( ) × lim 1+
𝑛 ( )
 ¿ 𝑒
−3
 ×¿¿  𝟏3𝑒 0
𝑒 2
  𝑛
2
𝑛 −1 𝑛
− 1 ( 𝑛 − 1) × −1
2

[( ]
𝑛 
1 ¿ lim 1+
5.
 
lim 1 −(𝑛− 1 )
𝑛− 1 ( ) ¿ lim
𝑛 −1

2
1+
𝑛 −1 ) 𝑛 −1

  𝑛 −1 lim 𝑛
−1
¿ lim
[( 1+
𝑛 −1 ) ] 𝑛− 1
−1
  (𝑒 )
¿
+∞
¿  𝟎
 O limite

Exemplos (continuação):
𝑛 𝑛 𝑛
2 3𝑛   2 2
  𝑛 +3  
[( )]
( ) ( ) 3 1+
+
  2+3 𝑛 𝑛 𝑛 𝑛
6. lim (
5+ 𝑛
¿ lim
)5 𝑛
¿ lim
𝑛
+
𝑛
5
𝑛
+1
¿ lim ⁡
1+
3𝑛
5
𝑛

( )
𝑛
𝑛
  2

¿ lim ⁡
𝑛
3 × 1+( )
3
𝑛
𝑛
¿
  + ∞ × 𝑒3
𝑒
5
2

¿+∞
 
5
( 1+
𝑛 )
Outro processo de resolução:
lim ⁡𝑛
2+3 𝑛  𝑛 2+3𝑛
 
lim ( 5+ 𝑛 )[ (
¿ = lim ⁡
5+𝑛 )]   3
¿ +∞
¿+∞
 

  2+ 𝑛 −  1𝑛 2+𝑛 lim − ( 1𝑛 )   1 0

7. lim (
5+2 𝑛
¿
)[ (
lim
5+2 𝑛 )] ¿
2 ( ) ¿  𝟏
 O limite

Exemplos (continuação):
𝑛
1  𝑛 1  −1
𝑛

8.
 
lim − (
1+
𝑛
¿ lim
) [
− 1 × 1 −
𝑛
¿ lim ((− 1 )]
) 𝑛
× 1+
[
𝑛 ( )]
 
 Se é par:
−1 𝑛
− 1  1𝑛 − 1
 
[ (
𝑛
lim ( − 1 ) × 1+
𝑛 )]  
¿ lim ( 1 +  ¿¿𝑒
𝑛 𝑒)
 
 Se é ímpar:
𝑛
−1 𝑛   1
 
[ (
𝑛
lim ( − 1 ) × 1+
−1
𝑛 )]  
¿ lim
[ (
− 1+   ¿ −
𝑛 )]
¿ −𝑒 − 1
𝑒

  Como encontramos duas subsucessões com limites distintos, concluímos


que não existe .
 O limite notável
h
 lim 𝑒 −1
Dado que a função exponencial é contínua, h → 0 h é uma situação de
0
 
indeterminação do tipo 0 .
h
 lim 𝑒 −1 =1
Todavia, podemos provar que h → 0 h .

Limite notável
  𝑒 h −1
lim =1
h→0 h

Exemplos:
 0
3𝑥 ( ) 3𝑥
 lim 𝑒 −1 0¿  1 × lim 𝑒 −1   1 𝑒3 𝑥 − 1
1. 𝑥→ 0 4 𝑥 4 𝑥→ 0 𝑥 ¿ × lim
4 𝑥→ 0 (3𝑥
×3 )
 
Consideremos a mudança de variável : se , então .
  1
𝑦
𝑒 −1
𝑦
 ¿ 3 × lim 𝑒 −1 ¿ 3 𝟑
¿ × lim
4 𝑦→0 (
𝑦
×3 )
4 𝑦→0 𝑦
 
4
× 1  
¿
𝟒
 O limite notável

Exemplos (continuação):
 0
2 ( )
 lim 𝑥 −9 0¿  lim ( 𝑥 − 3 ) ( 𝑥+3 ) ¿  lim ( 𝑥 − 3 ) × lim ( 𝑥+3 )
2. 𝑥 → −3 1− 𝑒 𝑥+3 𝑥 →− 3 1−𝑒
𝑥 +3
𝑥 →− 3 𝑥 →− 3 1 − 𝑒
𝑥 +3

1 1 6
¿  −6 × lim  
¿ −6 ×
lim 𝑒
𝑥 +3
−1
¿  𝑥 +3
𝑥 →− 3 1− 𝑒
𝑥+3 lim 𝑒 −1
𝑥 → −3 𝑥 → −3

𝑥 +3 𝑥 +3 𝑥 +3

 
Consideremos a mudança de variável : se , então .
  6 ¿𝟔
6
¿  𝑦 ¿
lim 𝑒 − 1
𝑦→0
1  
𝑦

  0 
𝑥
𝑒
𝑥
 lim 𝑒 −𝑒
−𝑥 (0) 𝑒
−𝑥
( 𝑒− 𝑥
−1 ) ¿  lim 𝑒 −𝑥
×lim
𝑒2 𝑥 −1
3. 𝑥 → 0 ¿ lim
𝑥 𝑥→ 0 𝑥 𝑥→ 0 𝑥→ 0 𝑥
2𝑥
  0 𝑒2 𝑥 −1  ¿ 1× 2× lim 𝑒 −1   𝑒 𝑦 −1
¿ 𝑒 × lim
𝑥→ 0
( 2𝑥
×2 ) 𝑥→ 0 2𝑥
¿ 2× lim
𝑦 →0 𝑦
¿  2× 1 ¿  𝟐
 
Consideremos a mudança de variável : se , então .
 Derivada da função exponencial de base

 
Considera a função real de variável real definida por .
 
Seja :
𝑓 ( 𝑥+h ) − 𝑓 ( 𝑥 )
𝑓  ′ ( 𝑥 )¿  lim
h→0 h
  𝑒 𝑥+h − 𝑒 𝑥
¿ lim
h→0 h
 0
(¿ lim
 0) 𝑒 𝑥
(𝑒h − 1)
h→0 h
  𝑥 𝑒 h −1
¿ 𝑒 × lim
h→0 h
 ¿ 𝑒 𝑥 × 1
 ¿ 𝑒 𝑥
 
Como é um número real qualquer, conclui-se que , isto é:
  ,

 
Observa que a função derivada de é a própria função.
 Derivada da função exponencial de base

Pelo teorema da derivada da função composta, vem que:


( 𝑒 𝑢 )′ =𝑢 ′ 𝑒 𝑢

 
Recorda:
Dadas uma função , diferenciável num ponto , e uma função real de variável
real , diferenciável em , a função composta é diferenciável em e:

Exemplos:
𝑥
1. 𝑓  ( 𝑥)=𝑥 𝑒
𝑓  ′ ( 𝑥 )¿  𝑥′ ×𝑒 𝑥 + 𝑥 × ( 𝑒 𝑥 ) ′ ¿  1× 𝑒 𝑥 + 𝑥 ×𝑒 𝑥¿ 𝒙
  𝒆 (𝟏+ 𝒙 )
√𝑥
2.  𝑔(𝑥)=𝑒 √𝒙
1 ′
1
1
  𝒆
′ √ 𝑥 
( )
  ( 𝑥) ′ × 𝑒 ¿ 𝑥2
 𝑔 ( 𝑥 )¿√   −
2 √𝑥
× 𝑒 √ 𝑥¿ × 𝑥 × 𝑒 ¿
2 𝟐√𝒙
 Derivada da função exponencial de base

Exemplos (continuação):
2
  𝑥)=𝑒 𝑥 −1
3. h(
2 𝟐
′ 2 𝑥 −1 𝒙 −𝟏
h
  ( 𝑥 )¿ ( 𝑥 −1 ) ′ × 𝑒
  ¿𝟐𝒙 𝒆
 
  𝑥2
4. 𝑖 ( 𝑥)= 𝑒 𝑥
2 ′ 𝑥 2 𝑥 𝑥 2
′  ¿ ( 𝑥 ) × 𝑒 𝑥 − 𝑥2 × ( 𝑒 𝑥 ) ′  ¿ 2 𝑥 × 𝑒 − 𝑥 × 𝑒  ¿ 𝑒 ( 2 𝑥 − 𝑥 )
𝑖  ( 𝑥 ) ( 𝑒 𝑥 )2 ( 𝑒𝑥)
2 𝑥
𝑒 ×𝑒
𝑥

𝟐
𝟐 𝒙− 𝒙
¿  𝒙
𝒆
Exercício 4

 
Seja a função definida por .
 
Escreve a equação reduzida da reta tangente ao gráfico de que tem declive
igual a .
Sugestão de resolução:
O declive da reta tangente ao gráfico de uma função num ponto é o valor da
derivada na abcissa desse ponto.
 
Neste sentido, vamos resolver a equação .
′ 2𝑥 𝑥
  𝑓¿ ( 𝑒 − 𝑒 +2 )′
  2𝑥 𝑥
′¿ (2 𝑥 ) 𝑒 (
 
− 𝑒 +0¿2 𝑥
𝑒2 𝑥 − 𝑒 𝑥 )
𝑓 ⟺2𝑒   ′2𝑥 ( 𝑥  
𝑥 𝑥 2
1
 
− 𝑒 =1⟺ 2 ( 𝑒 ) ) 𝑥
=
− 𝑒 − 1=0
 
Substituindo por , obtém-se a equação .
2
2  
⟺ 𝑦=
− ( − 1 ) ± √ ( −1 ) −4 ×2 × ( −1 )  
⟺ 𝑦=
1 ± √ 1+8
2  𝑦 − 𝑦 −1=0 2× 2 4
  𝑦= 1 ±3 ⟺
  1
⟺ 𝑦=1 ∨ 𝑦 =−
4 2
Exercício 4

 
Seja a função definida por .
 
Escreve a equação reduzida da reta tangente ao gráfico de que tem declive
igual a .
Sugestão de resolução (resolução):
𝑓 ⟺2𝑒
′ −( 2𝑥 𝑥   𝑥 2
 
𝑒 =1𝑥
 
⟺ 2 (𝑒 ) )
𝑥
− 𝑒= − 1=0 1
 ⟺ 𝑒 𝑥 = 1 ∨ 𝑒 𝑥 =− 1
2

𝑥 0
  ⟺ 𝑒 = 𝑒Equação impossível
  ⟺ 𝑥 =0
 
A reta tangente ao gráfico de que tem declive igual a é tangente ao gráfico
no ponto de abcissa .
  𝑓
¿𝑒 − 𝑒 +2 ¿ 2 ( 0
  2× 0 0 )
 
Assim, a equação reduzida da reta tangente ao gráfico de no ponto de
abcissa é .

Você também pode gostar