Você está na página 1de 14

Universidade Federal do Ceará

Centro de Ciências Agrárias


Departamento de Zootecnia
Manejo de pastagens
Pressão de pastejo e ajuste na taxa de lotação

Magno José Duarte Cândido


magno@ufc.br
Núcleo de Ensino e Estudos em Forragicultura-
NEEF/DZ/CCA/UFC (www.neef.ufc.br)
Fortaleza – Ceará
11 de novembro de 2019
2

Aspectos Importantes do Manejo de


pastagens

 Quantidade x qualidade da forragem

 Métodos de pastejo

 Consumo pelo animal em pastejo

 Suplementação

 Pressão de pastejo e ajuste na taxa de lotação

 Ganho por animal x ganho por área

 Equilíbrio entre demanda e suprimento de alimentos


3
Taxa de lotação ajustada

Foto: Magno Cândido


4
Taxa de lotação desajustada: sobrepastejo

Foto: Magno Cândido


5
PRESSÃO DE PASTEJO

PC individual (kg) 300 300 300 300 300


N ° novilhos 1 1 1 2 3
PC total (kg) 300 300 300 600 900
BFT (kg) 10 20 30 30 30
Pressão Pastejo
(kg PC/kg BFT) 30 15 10 20 30

Oferta forragem
(kg BFT/100 kg PC, %) 3,33 6,67 10,0 5,0 3,33

PC = peso corporal; BFT = biomassa de forragem total.


Fonte: simulação do autor.
6
CONSUMO DE MATÉRIA SECA
Tabela – Estimativa de consumo médio diário de matéria seca para as principais
categorias de ruminantes domésticos sob condições de pastagens cultivadas

CMS
%PC/dia
kg MS/100 kg PC x dia

NOVILHO DE CORTE 2,5


VACA DE LEITE 3,5
Ovin/caprin DE CORTE 3,5
CABRA DE LEITE 5,0

CMS = consumo de matéria seca


MS = matéria seca
PC = peso corporal

Fonte: sugestão do autor, a partir de diversas compilações.


7

Ajuste na taxa de lotação


Tabela - Capacidade de consumo diária e nível adequado de oferta de forragem para diversas
espécies/categorias de ruminantes em pastejo (animais com potencial de produção médio a
alto) considerando os limites de eficiência de uso dos pastos cultivados
Espécie/ OF EUF CMS OF EUF CMS
categoria (real) (teórico)

Novilho de corte 5,0 % 50% 2,5% 3,6% 70% 2,5%

Ex.: 300 kg PC 15,0 kg 50% 7,5 kg 10,7 kg 70% 7,5 kg

Vaca de leite 7,0% 50% 3,5% 5,0% 70% 3,5%

Ex.: 500 kg PC 35,0 kg 50% 17,5 kg 25,0 kg 70% 17,5 kg

Ovin/caprin corte
7,0% 50% 3,5% 5,0% 70% 3,5%

Ex.: 26 kg PC 1,82 kg 50% 0,91 kg 1,3 kg 70% 0,91 kg

Cabra de leite 10,0% 50% 5,0% 7,1% 70% 5,0%

Ex.: 45 kg PC 4,5 kg 50% 2,25 kg 3,2 kg 70% 2,25 kg

CMS: consumo de matéria seca; EUF: eficiência de uso da forragem; OF: oferta de forragem;
PC: peso corporal. Fonte: adaptado de Ribeiro (1997), Euclides et al. (1999), NRC (2001), Camurça et
al. (2002), Rodrigues et al. (2003).
Estimativa da massa de forragem 8

BFFT = biomassa fresca de forragem total


320 g = 320 g x 0,001 kg/g _ = 0,32 kg = 3200 kg
MS = teor de matéria seca 1 m2 x 0,0001 ha/m2 0,0001 ha ha
m2
BFT = biomassa de forragem total
Ajuste na taxa de lotação (pasto cultivado sob9
lotação rotativa)
Demanda de forragem: rebanho de 130 borregos com peso corporal médio de 26
kg ao longo de toda a engorda
Suprimento de forragem: pasto de capim-tifton 85, adubado e irrigado, período de
descanso (PD) =21 d; período de pastejo (PP) = 3 d (ciclo de past, CP = 24 d)
Suprimento BFFT MS BFT BFT Per. BFT EUF BFC
g/m2 % g/m2 kg/ha dias kg/ha x d % kg/ha x d
1600,00 20,00 320,00 3200,00 24,00 133,33 50,00 66,67
Demanda PC In PC Fin PC méd CMS Tot CMS Tot CMS Supl Substituic CMS Forr
kg kg kg % kg/anim x d kg/anim x d % kg/anim x d
20,00 32,00 26,00 3,50 0,91 0,00 100,00 0,91
Tax. Lot. anim/ha 73,26
Tax. Lot. UA/ha 8,63
Rebanho animais 130,00 Ár. Nec. ha 1,77
Área Disp. ha 5,00 Reb. Pos. Anim. 366,30
BFFT = biomassa fresca de forragem total
EUF = eficiência de uso da forragem
MS = teor de matéria seca
BFC = massa seca de forragem colhível
BFT = biomassa de forragem total
PC = peso corporal
Per. = período de crescimento do pasto
(ciclo de pastejo) CMS = consumo de matéria seca

UA = unidade animal Tax. Lot. = taxa de lotação


Exclusão de áreas de pastejo na lotação contínua 10
Ajuste na taxa de lotação (pasto cultivado sob lotação 11
contínua)
Demanda de forragem: rebanho de 130 borregos com peso corporal médio de
26 kg ao longo de toda a engorda
Suprimento de forragem: pasto de capim-tifton 85, adubado e irrigado
Suprimento BFFT MS BFT BFT
2 2
(Data) g/m % g/m kg/ha
01/01/2010 800,00 20,00 160,00 1600,00 Per. BFT EUF BFC
BFFT MS BFT BFT dias kg/ha x d % kg/ha x d
2 2
g/m % g/m kg/ha 7,00 128,57 50,00 64,29
08/01/2010 1250,00 20,00 250,00 2500,00
Demanda PC In PC Fin PC méd CMS Tot CMS Tot CMS Supl Substituic CMS Forr
kg kg kg % kg/anim x d kg/anim x d % kg/anim x d
20,00 32,00 26,00 3,50 0,91 0,00 100,00 0,91
Tax. Lot. anim/ha 70,64
Tax. Lot. UA/ha 8,33
Rebanho animais 130,00 Ár. Nec. ha 1,84
Área Disp. ha 5,00 Reb. Pos. Anim. 353,22

BFFT = biomassa fresca de forragem total


MS = teor de matéria seca EUF = eficiência de uso da forragem

BFT = biomassa de forragem total BFC = massa seca de forragem colhível

Per. = período de crescimento do pasto PC = peso corporal


(intervalo entre as duas amostragens) CMS = consumo de matéria seca
UA = unidade animal Tax. Lot. = taxa de lotação
12
Ajuste na taxa de lotação
x = Demanda energética (kcal/kg PV)

y = x1,0
ou peso metabólico (kg0,75)

150,42
97,70
y = x0,75
53,18

17,37

9,46

0
0 20 45 200 450 800
y = Peso corporal (kg)
13
Ajuste na taxa de lotação
Equivalência de peso metabólico:
Exemplo: trocar 40 vacas de 450 kg PC por ovelhas de 45 kg
EPM = (45 kg/ovelha)0,75 = 17,37 kg0,75/ovelha = 0,18
vacas
(450 kg/vaca)0,75 97,70 kg0,75/vaca
ovelha
 1 ovelha de 45 kg = 18% da demanda metabólica de 1 vaca
de 450 kg
 onde se coloca 1 vaca de 450 kg é possível colocar 100/18 =
5,56 ovelh. de 45 kg
ao trocar todo o rebanho, é possível colocar 5,56 x 40  222 ovelhas de 45 kg
Observação: se colocarmos pela equivalência de peso corporal:
 1 ovelha de 45 kg = 10% do peso de 1 vaca de 450 kg
 onde se coloca 1 vaca de 450 kg, poderia se colocar 100/10 = 10 ovelh. de 45
kg
ao trocar todo o rebanho, colocar-se-ía 10,0 x 40  400 ovelhas de 45 kg
14
Muito Obrigado!
Visite o Núcleo de Ensino e Estudos em
Forragicultura: www.neef.ufc.br

Foto: Magno J.D. Cândido


Magno José Duarte Cândido
magno@ufc.br
TEL: (85) 3366-9711

Você também pode gostar