Você está na página 1de 140

www.gruposapient.com.br / comercial@gruposapient.com.br - Tel.

(11) 2379-8868
Matriz (São Paulo) - Rua Joaquim Eugênio de Lima, 696 - 2º andar - cj 22 - Bela Vista - São Paulo
Unidade I (Santo Andre) - Rua Laureano, 567 – Sala 04 – Camilópolis – Santo André
Unidade II (São Paulo ) – Rua Donato Calabrês 39- Apt 23A - Itaquera / Guaianases 1
OBJETIVO DO TREINAMENTO

• Transmitir para os membros da CIPA as principais normas, instruções


e rotinas sobre segurança e saúde no trabalho;

• Definir competências relativas às atividades desenvolvidas pela CIPA;

• Fixar diretrizes de atuação da CIPA;

• Conhecer e identificar Riscos Ambientais.

2
Conteúdo Programático

• Segurança e Saúde do Trabalhador


• Organização da CIPA
• Acidentes do Trabalho
• Legislação Trabalhista e Previdenciária
• Higiene do Trabalho
• Riscos de Acidentes
• Verificação de Segurança
• Classificação dos Riscos Ambientais
• Mapeamento de Riscos
• Equipamento de Proteção Individual
• Investigação e Análise de Acidentes
• Prevenção e Combate a Incêndio
• Noções de Primeiros Socorros
• AIDS - Noções Gerais
3
Fundamentação Legal

1943 - No governo Getúlio Vargas foi criada a C.L.T. Consolidação


das Leis do Trabalho, através do decreto-lei 5452 em primeiro de
Maio,
reunindo em um só Diploma Legal todas as Leis Trabalhistas até então
existentes.

1944 - Através do decreto-lei 7036 de 10 de novembro, é instituída a


obrigatoriedade da criação da CIPA em todas as empresas que
admitem trabalhadores como empregados.

4
Fundamentação Legal

1975 - Primeira formação de profissionais na Área de Segurança e

1978 - Portaria 3214 de 8 de Junho institui as Normas


Regulamentadoras do trabalho urbano, e dessa forma regulamentam
os artigos 154 a 201 da CLT ( Especificamente Artigos 163 à 165
embasamento a NR-05 CIPA (Comissão Interna de Prevenção de
Acidentes).

1994 - Em Dezembro, ocorreram alterações legais importantes nas


normas: NR 7 – PCMSO (Programa de Controle Médico do Serviço
Ocupacional) e na NR 9 – PPRA (Programa de Prevenção de Riscos
Ambientais) onde se institui também o Mapa de Riscos.

1999 - Portaria de Nº. 8 de 23 de fevereiro modifica e atualiza NR - 5.

5
Fundamentação Legal

REGULAMENTAÇÃO:
Criada pelo Decreto-Lei 5.432, de 01/05/1943.

ATUALMENTE EM VIGOR:
NR-5 - Portaria 3.214/78, alterada pelas Portarias 33/83,
25/94 e 08/99.

6
Conceito da CIPA
Comissão: Grupo de pessoas formado por representantes do empregador e
empregado,como objetivo de prevenção de acidentes e doenças do trabalho.
Interna: Seu campo de atuação está restrito a própria empresa.
Prevenção:Antecipar-se a situações de riscos quando nos deparamos com elas,
dando exemplos de pró -atividade e trabalho correto.
Acidentes: Qualquer ocorrência inesperada que interfere no andamento normal
do trabalho causando danos materiais, perda de tempo ou lesão ao
trabalhador.

7
Constituição

• Devem constituir CIPA;


• Empresas privadas e públicas;
• Sociedades de economia mista;
• Instituições beneficentes;
• Associações recreativas e cooperativas;
• Outras instituições que admitam trabalhadores
como empregados.

8
Organização
• A CIPA será composta de representantes do empregador e dos
• empregados de acordo com dimensionamento previsto no Quadro I da NR 5;

• Os representantes do empregador serão indicados pelo empregador;

• Os representantes do empregado serão eleitos pelos empregados,


garantindo-se a confidencialidade do processo ( voto secreto ).

• Quando a empresa não se enquadrar no Quadro I, a empresa designará um


responsável para manter e fazer cumprir as normas de Segurança do
Trabalho.

9
Organização

O mandato dos membros da CIPA terá a duração de 1 ano, permitida uma


reeleição.
O cipeiro não poderá sofrer dispensa arbitrária desde o registro de sua
candidatura até um ano após o final do seu mandato, salvo o exposto nos artigos
482 ou 158 da CLT.
Os membros da CIPA serão empossados no 1º dia útil após o término do
mandato anterior.
Serão indicados de comum acordo com os membros da CIPA um secretário (a)
e seu substituto.
Deverá ser protocolada em até 10 dias úteis no MTE, os seguintes documentos:
10
Organização

11
Objetivo da CIPA

• Garantir a representação dos trabalhadores nas questões de melhoria da


segurança e saúde ocupacional;
• Observar e relatar condições de risco nos ambientes de trabalho;
• Solicitar medidas para reduzir até eliminar os riscos existentes;
• Discutir os acidentes ocorridos;
• Orientar os demais trabalhadores quanto à prevenção de acidentes;
• Trabalhar em conjunto com a área de segurança do trabalho.

12
Atribuição Básica da CIPA

13
Atribuição do CIPEIRO

 Realizar, periodicamente, verificações nos ambientes e condições de trabalho


visando a identificação de situações que venham a trazer riscos para a segurança e
saúde dos trabalhadores;
 Realizar a cada reunião (mensal), avaliação do cumprimento das metas fixadas em
seu plano de trabalho e discutir as situações de risco que foram identificadas;
 Divulgar aos trabalhadores informações relativas à segurança e saúde no
trabalho;

14
Atribuição do CIPEIRO

 Participar, com o SESMT, onde houver, das discussões promovidas pelo empregador,
para avaliar os impactos de alterações no ambiente e processo de trabalho relacionados à
Segurança e Saúde dos trabalhadores;

 Requerer ao SESMT, quando houver, ou ao empregador, a paralisação de máquina ou


setor onde considere haver risco grave e iminente à Segurança e Saúde dos trabalhadores;

 Colaborar no desenvolvimento e implementação do PCMSO (NR-7) e PPRA (NR-9) e


de outros programas relacionados à Segurança e Saúde no trabalho.

15
Atribuição do CIPEIRO
O QUE É PPRA ?
São as iniciais do Programa de Prevenção dos Riscos Ambientais -
PPRA. Trata-se de uma legislação federal, especificamente a Norma
Regulamentadoras N° 9 , emitida pelo Ministério do Trabalho e Emprego
no ano de 1994.

QUAL É O OBJETIVO DO PPRA ?


Estabelecer uma metodologia de ação que garanta a preservação da
saúde e integridade dos trabalhadores, frente aos riscos dos ambientes de
trabalho.

QUEM DEVE ELABORAR O PPRA ?


São legalmente habilitados os Técnicos de Segurança, Engenheiros de
Segurança e Médicos do Trabalho.
16
Atribuição do CIPEIRO

O QUE É O PCMSO ?
São as iniciais do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional.
Trata-se de uma legislação federal, especificamente a Norma
Regulamentadoras N° 07, emitida pelo Ministério do Trabalho e
Emprego.

QUAL O OBJETIVO DO PCMSO?


O PCMSO monitora por anamnese e exames laboratoriais a saúde dos
trabalhadores. Tem por objetivo identificar precocemente qualquer desvio
que possa comprometer a saúde dos trabalhadores.

QUEM DEVE ELABORAR O PCMSO ?


São legalmente habilitados apenas Médicos do Trabalho
17
Atribuição do CIPEIRO

Divulgar e promover o cumprimento das Normas Regulamentadoras, bem


como cláusulas de acordos e convenções coletivas de trabalho, relativas à
Segurança e Saúde no trabalho;

 Participar, em conjunto com o SESMT, onde houver, ou com o empregador da


análise das causas das doenças e acidentes de trabalho e propor medidas de
solução dos problemas identificados;

18
Atribuição do CIPEIRO
Requisitar ao empregador e analisar as informações sobre questões que
tenham interferido na Segurança e Saúde dos trabalhadores;
Promover, anualmente, em conjunto com o SESMT, onde houver, a Semana
Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho – SIPAT;
 Participar, anualmente, em conjunto com a empresa, de Campanhas de
Prevenção da AIDS (e de combate ao tabagismo).

19
Atribuição do Presidente da CIPA

 Convocar os membros para as reuniões da CIPA.


 Coordenar as reuniões.
 Manter o empregador informado sobre as decisões
da CIPA.
 Coordenar e supervisionar as atividades da
secretária(o).
 Delegar atribuições ao Vice-Presidente.

20
Atribuição Vice Presidente da CIPA

Executar as atribuições que lhe forem


delegadas.
 Substituir o Presidente nos seus impedimentos
eventuais e nos seus afastamentos temporários.

21
ATRIBUIÇÕES DA(O) SECRETÁRIA (O)

Cargo fundamental para o bom desenvolvimento da CIPA.


 Redigir a ata, que deverá ser bem clara em relação ao que foi
discutido e votado.
 Preparar correspondência.
 Elaborar relatórios estatísticos.

22
Atribuição em Conjunto

Cuidar para que a CIPA disponha de condições necessárias para o desenvolvimento de


seus trabalhos;
 Coordenar e supervisionar as atividades da CIPA, zelando para que seus objetivos sejam
alcançados;
 Delegar atribuições aos membros da CIPA;.
Promover o relacionamento da CIPA com o SESMT;
 Divulgar as decisões da CIPA a todos os trabalhadores do estabelecimento;
 Encaminhar os pedidos de reconsideração da CIPA;
 Constituir Comissão Eleitoral.

23
Papel do Cipeiro

Atividades principais do Cipeiro:


Identificar os riscos do trabalho Elaborar Mapa de Riscos e Plano de Trabalho
Verificações, inspeções e avaliações nos locais de trabalho.
Atividades participativas:
 Participar
 Colaborar
 Divulgar
 Orientar
A função de cipeiro é de esclarecimento.
Não tem autoridade segundo a Lei, mas
conquista a confiança através da
autoridade moral, baseada no exemplo e
na prestação de serviço no trabalho. Sua
atividade é de ensinar.

24
DINÂMICA 01

25
Funcionamento da CIPA

A CIPA terá reuniões ordinárias mensais de acordo com o calendário pré-estabelecido e


poderão ser realizadas reuniões extraordinárias em situações específicas.

26
Reunião Ordinária

É através das reuniões que os objetivos são traçados, que o planejamento é


elaborado, implantado e acompanhado. Para que a reunião seja útil, é preciso que
definamos uma pauta a ser observada. Hoje daremos dicas de como organizar a
reunião da CIPA para que seja útil e produtiva.

27
Definir Pauta

Segundo a NR 5 item 5.19, cabe ao Presidente coordenar as atividades da Secretária,


ou seja, ele juntamente com a Secretária são os responsáveis “também”pela pauta da
reunião.
Para o melhor aproveitamento do tempo, a pauta deve ser levada impressa para que
o Presidente da CIPA a leia durante a reunião, se guiando por ela.

28
Reunião Ordinária

Serão realizadas durante o expediente normal de trabalho.


 Terão atas assinadas pelos presentes.
 Na ausência de titulares nas reuniões será convocado o suplente.
 O membro titular perderá o mandato, sendo substituído pelo suplente quando
faltar mais de quatro reuniões sem justificativos
No caso de afastamento definitivo do Presidente, a empresa indicará o
substituto em dois dias úteis, preferencialmente entre membros da CIPA.
 No caso de afastamento definitivo do Vice-Presidente, os membros titulares da
representação dos empregados, escolherão o
substituto entre seus titulares, em dois dias úteis.

29
Reunião Ordinária

Devem ser coordenadas pelo Presidente ou Vice-Presidente.


 Deverá ser respeitado calendário pré-estabelecido.
 Tratar exclusivamente de assuntos da CIPA.
 Execução do Plano de Trabalho.
 Utilização adequada do tempo.

30
Reuniões
Reuniões Ordinárias
 Serão realizadas mensalmente conforme calendário de reuniões,
durante o expediente normal de trabalho.

Reuniões Extraordinárias
 As reuniões extraordinárias ocorrerão em situações específicas:
 Acidentes de trabalho grave ou fatal.
 Denúncia de risco grave e iminente.
 Quando houver solicitação expressa de uma das

31
Sequência Sugerida

Abertura (Presidente).
 Leitura da ata da reunião anterior – secretário (a).
 Avaliar as pendências e suas soluções.
 Sugestões de medidas preventivas.
 Determinação dos responsáveis e prazos para realização das
medidas preventivas.
 Discussão das Inspeções de Segurança.
 Avaliação do cumprimento das metas fixadas.
 Encerramento (Presidente)

32
Segurança do Trabalho

Segurança do trabalho é o conjunto de medidas que são adotadas visando


minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a
integridade do trabalhador e sua capacidade de Trabalho

33
Vídeo 01

34
Conceito de Acidente
Conceito Legal
Acidente de Trabalho – É o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço
da empresa, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause
a morte, perda ou redução, permanente ou temporária da capacidade para o
trabalho.

35
Conceito de Acidente
CONCEITO PREVENCIONISTA
Acidente do Trabalho - é toda ocorrência não programada que interfere no
andamento normal do trabalho dos quais resultem, separadamente ou em
conjunto, lesões, danos materiais ou perda de tempo.Esse enunciado nos traz uma
visão de que acidente não é só aquele que causa uma lesão no trabalhador, mas
sim qualquer tipo de ocorrência inesperada, que hoje ocasiona perda de tempo,
danos materiais e financeiros.

36
Doença do Trabalho

DOENÇA PROFISSIONAL
Assim entendida a produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho peculiar a
determinada atividade e constante da respectiva relação elaborada pelo Ministério do
Trabalho e Previdência Social.
Ex.: Tendinite nos digitadores.
DOENÇA DO TRABALHO
Assim entendida a adquirida ou desencadeada em função de condições especiais no
ambiente de trabalho, e com ele se relacione diretamente, e constante da relação
mencionada no item anterior.
Ex.: Surdez em digitadores que trabalhem em ambientes ruidosos.

37
Acidente do Trabalho

ACIDENTE POR ATO DE TERCEIRO:


Quando outra pessoa “provoca o acidente”.Culposo - sem intenção, por
negligência,imprudência.Doloso – Com intenção, por sabotagem,
ofensa física.

ACIDENTE POR FORÇA MAIOR:


Oriunda de fenômenos da natureza,incêndios,inundações, descargas elétricas (raios),
desde que ocorridas no local e horário de trabalho.

38
Acidente do Trabalho

ACIDENTE FORA DO LOCAL DE TRABALHO:


Cumprimento de Ordem de Serviço, sob autoridade da empresa.
Ex.: Viagens a serviço, sob qualquer meio de locomoção

39
Acidente do Trabalho

ACIDENTE DE TRAJETO:
É quando o empregado sofre um acidente no percurso da sua residência para o trabalho ou do
trabalho para sua residência.
O QUE PODE DESCARACTERIZAR O ACIDENTE DE TRAJETO
Exceder o tempo habitual - Realização do percurso além do tempo habitual
Se ocorrer uma parada entre esses dois pontos (residência/trabalho /residência) o acidente de
trajeto poderá ser descaracterizado, sendo de responsabilidade do acidentado e não da
empresa, qualquer despesa salvo, se em jurisprudência for decidido
em contrário.

40
Prevenção de Acidente

A multiplicidade de fatores que influenciam a ocorrência de acidentes no ambiente


produtivo, motivou pesquisadores a partir da década de 30, nos EUA a estudar o tema,
destacando-se, FRANK BIRD JR, que desenvolveu uma correlação entre os diversos níveis
de lesão e danos a propriedade.

41
Ato Inseguro

São atitudes, atos, ações ou comportamentos do trabalhador contrários às normas de


segurança.

Exemplos:
 Não usar o EPI.
 Deixar materiais espalhados pelo corredor.
 Operar máquinas e equipamentos sem
habilitação.
 Distrair-se ou realizar brincadeiras durante o
trabalho.
Manusear, misturar ou utilizar produtos
químicos sem
conhecimento.
 Trabalhar sob efeito de álcool e/ou drogas.

42
Condições Inseguras
São deficiências, defeitos ou irregularidades técnicas nas instalações físicas, máquinas e
equipamentos que presentes no ambiente podem causar acidentes de trabalho.
Exemplos:
 Falta de corrimão em escadas.
 Falta de guarda-corpo em patamares.
 Piso irregular.
 Escadas inadequadas.
 Equipamentos mal posicionados.
 Falta de sinalização.
 Falta de proteção em partes móveis.
 Ferramentas defeituosas.
 Falta de treinamento.

43
VÍDEO 2

44
Investigação de Acidente

ETAPAS DA INVESTIGAÇÃO
 Coletar os fatos, descrevendo o ocorrido;
 Analisar o acidente, identificando suas causas;
 Definir as medidas preventivas,
acompanhando sua execução

ACIDENTE

45
EPI
É todo meio ou dispositivo de uso individual,destinado a proteger a saúde e a
integridade física do trabalhador. Quando não for possível eliminar o risco, ou
neutralizá-lo através de medidas de proteção coletiva, implanta-se o Equipamento de
Proteção Individual - EPI.

Evita ou Diminui
A LESÃO

46
OBRIGAÇÕES DO EMPREGADOR QUANTO AO EPI

Adquirir o tipo adequado à atividade do empregado;


 Fornecer ao empregado somente EPI aprovado pelo Ministério do Trabalho;
Treinar o trabalhador sobre o seu uso adequado;
Tornar obrigatório o seu uso;
Substituí-lo, imediatamente, quando danificado ou extraviado;
Responsabilizar-se pela sua higienização e manutenção periódica.

47
OBRIGAÇÕES DO EMPREGADO QUANTO AO
EPI
Usá-lo apenas para a finalidade a que se destina;

 Responsabilizar-se por sua guarda e conservação;

Comunicar ao empregador qualquer alteração que o torne impróprio para uso.

48
EPC
São os equipamentos que neutralizam o risco na fonte, dispensando, em
determinados casos, o uso dos equipamentos de proteção individual.Quando
instalamos, por exemplo, o protetor contra quebra de agulha, estamos atuando
sobre o ambiente de trabalho, esta medida é chamada de proteção coletiva, pois
protege o conjunto de trabalhadores.

elimina/neutraliza/sinaliza
O RISCO

49
EPC

Exemplos:
Exemplos

 Redes de proteção;
 Sinalizadores de segurança (placas, cartazes ou fitas zebradas);
 Extintores de incêndio;
 Lava olhos;
 Chuveiros de segurança;
 Exaustores;
 Kit de primeiros socorros;

50
Dinâmica 02

51
CAT
De acordo com a legislação trabalhista,todo acidente do trabalho deve ser registrado e
investigado pela CIPA, a fim de conhecer suas causas e evitar sua reincidência.
A CIAT possibilita o controle dos acidentes por meio de dados estatísticos.

Em caso de morte, é obrigatória a comunicação à autoridade policial. A empresa por sua vez,
deve comunicar o acidente do trabalho à Previdência Social até o primeiro dia útil seguinte ao
da ocorrência.

52
Risco Ambientais

São agentes presentes nos ambientes de trabalho, capazes de afetar o trabalhador a curto,
médio e longo prazo, provocando acidentes com lesões imediatas e/ou doenças chamadas
profissionais ou do trabalho, que se equiparam a acidentes do trabalho.
Uma das atribuições da CIPA, é a de identificar e relatar os riscos existentes nos setores e
processos de trabalho. Para isso é necessário que se conheça os riscos que podem existir
nesses setores, solicitando medidas para que os mesmos possam ser eliminados
e/ou neutralizados. Identificados esses riscos, os mesmos deverão ser transcritos no Mapa
de Riscos.

53
Risco Ambientais

54
CLASSIFICAÇÃO DOS RISCOS AMBIENTAIS
Os riscos que podem ser encontrados nos ambientes de trabalho são agrupados em cinco tipos:
Cada um desses tipos de risco ambiental pode provocar danos à saúde ocupacional dos
funcionários da empresa.
RISCOS DE ACIDENTES

RISCOS QUIMICOS
RISCOS FISICOS

RISCOS BIOLÓGICOS
RISCOS ERGONOMICOS

55
Risco Fisico
São considerados riscos físicos, capazes de provocar danos à saúde:
RUÍDO
VIBRAÇÕES
RADIAÇÕES NÃO-IONIZANTES;
TEMPERATURAS EXTREMAS( FRIO e CALOR)
RADIAÇÕES IONIZANTES

56
Danos a Saúde
•RUÍDOS - provocam cansaço, irritação dores de cabeça diminuição da audição (surdez
temporária, surdez definitiva e trauma acústico), aumento da pressão arterial, problemas
no aparelho digestivo, taquicardia, perigo de infarto.

57
Danos a Saúde
• VIBRAÇÕES - cansaço, irritação, dores nos membros, dores na coluna, doenças do
movimento, artrite, problemas digestivos, lesões dos tecidos moles, lesões circulatórias.

58
Danos a Saúde
CALOR OU FRIO, EXTREMOS - taquicardia, aumento da pulsação, cansaço, irritação,
fadiga térmica, choque térmico, perturbação das funções digestivas, hipertensão

59
Danos a Saúde

RADIAÇÕES NÃO-IONIZANTES - Queimaduras, lesões na pele, nos olhos e em outros


órgãos

60
Danos a Saúde
RADIAÇÕES IONIZANTES - alterações celulares, câncer, fadiga, problemas visuais,
acidentes do trabalho.

61
Danos a Saúde

UMIDADE - doenças do aparelho respiratório, da pele e circulatórias, e


traumatismos por quedas

62
Danos a Saúde
PRESSÕES ANORMAIS - embolia traumática pelo ar, embriaguez das profundidades,
intoxicação e gás carbônico.

63
Risco Biológico
Microorganismos e animais são os riscos biológicos que podem afetar a saúde do
trabalhador. São considerados riscos biológicos os vírus, as bactérias, os bacilos, os fungos
(microorganismos causadores de infecções) e os parasitos.
As formas de prevenção, em relação a esses grupos de risco biológico são

Use EPI
Vacinação Esterilização
Higiene Pessoal

64
Perigo a Saúde

Entre as inúmeras doenças profissionais provocadas por


microorganismos incluem-se: tuberculose, brucelose,
malária, febre amarela

65
Risco Ergonômico

Os riscos caracterizados pela falta de adaptação das condições de trabalho às


características psicofisiológicas do trabalhador. Entre os riscos ergonômicos mais
comuns estão:

66
Risco Ergonômico

TRABALHO FÍSICO PESADO, POSTURAS INCORRETAS E POSIÇÕES


INCÔMODAS – provocam cansaço, dores musculares e fraqueza, além de doenças como
hipertensão arterial, diabetes, úlceras, moléstias nervosas, alterações no sono, acidentes,
problemas de coluna etc.

67
Risco Ergonômico

RITMO EXCESSIVO, MONOTONIA, TRABALHO EM TURNOS, JORNADAS


PROLONGADAS E REPETIVIDADE - provocam desconforto, cansaço, ansiedade,
doenças no aparelho digestivo (gastrite, úlcera), dores musculares, fraqueza, alterações no
sono e na vida social (com reflexos na saúde e no comportamento),hipertensão arterial,
taquicardia, cardiopatias (angina, infarto), , diabetes, asmas, doenças nervosas, tensão,
medo.

68
Risco Químicos
Os principais tipos de riscos químicos que atuam sobre o organismo humano, causando
problemas de saúde, são:

GASES QUIMICOS VAPORES QUIMICOS FUMOS METALICOS

69
Risco Químico
GASES, VAPORES E NÉVOAS podem provocar efeitos irritantes, asfixiantes ou
anestésicos:
EFEITOS ASFIXIANTES - gases como hidrogênio, hélio metano, acetileno, dióxido de
carbono, monóxido de carbono e outros causam dor de cabeça náuseas, sonolência,
convulsões, coma e até morte

70
Risco Quimico
EFEITOS IRRITANTES - são causados, por exemplo, por ácido clorídrico, ácido sulfúrico,
amônia, soda cáustica e cloro, que provocam irritação das vias aéreas superiores
EFEITOS ANESTÉSICOS - a maioria dos solventes orgânicos, assim como o butano,
propano, xileno, alcoóis e tolueno tem ação depressiva sobre o sistema nervoso central,
provocando danos aos diversos órgãos.
O benzeno, especialmente, é responsável por danos ao sistema formador do sangue

71
Risco Acidente

Deficiências ou inadequações nas instalações ou em máquinas e equipamentos constituem


riscos de acidentes para o trabalhador. Essas deficiências podem abranger um ou mais
dos seguintes aspectos
AMBIENTE INADEQUADO
INADEQUADO
FALTA DE ATENÇÃO FERRAMENTAS INADEQUADAS

72
Risco Acidente
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - quando deficiente ou
insuficiente, traz risco de incêndio.
MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS SEM PROTEÇÃO - podem provocar acidentes graves

MATÉRIA-PRIMA, SEM ESPECIFICAÇÃO - acidentes do trabalho, doenças


ocupacionais
ARRANJO FÍSICO - quando inadequado ou deficiente, pode causar acidentes e provoca
desgaste físico excessivo nos trabalhadores.

LIGAÇÕES ELÉTRICAS DEFICIENTES - trazem riscos de curto-circuito, choque


elétrico, incêndio, queimaduras, acidentes fatais

FERRAMENTAS DEFEITUOSAS OU INADEQUADAS - acidentes, com repercussão


principal nos membros superiores

73
DINÂMICA 02

74
LEVANTAMENTO DE RISCOS AMBIENTAIS

Para cada Setor de Serviço a ser analisado, utilizar um roteiro de abordagem relatando
os Riscos Ambientais encontrado
Dialogar com os empregados do setor, de modo a obter o máximo possível de
informações sobre sua atividade, sem contudo induzi-los ou direcioná-los.

75
Elaboração do Mapa de Risco

Para representar cada tipo de risco, convencionou-se usar uma cor diferente e assinalá-
los no mapa por meio de círculos.

Deve-se utilizar a planta física baixa ou o esboço do(s) setor (es) da empresa para indicar
os locais e riscos. Essa planta deverá conter detalhamento do local, isto é, deve ter
assinaladas as posições de máquinas e equipamentos, bancadas de trabalho, área de
circulação de pessoas e materiais, etc.
Sobre ela serão desenhados os círculos coloridos, correspondentes aos diferentes riscos
e suas fontes de origem

76
Mapa de Risco
.O Mapa de Riscos consiste na representação gráfica dos riscos à saúde identificados
em cada um dos diversos locais de trabalho de uma empresa.

77
Elaboração do Mapa de Risco
Quando, num mesmo local de trabalho, mais de um tipo de agente oferecer risco de igual
gravidade (grande, médio ou pequeno), deve-se representá-los no, mesmo círculo. Basta
dividir esse círculo em partes iguais pelo número de tipos de risco, colorindo os espaços
com as cores de cada risco ambiental detectado.

78
Cores do Mapa

79
Mapa de Risco
São as seguintes as fases do trabalho do agente
 Levantamento dos riscos;

 Elaboração do Mapa;

 Análise dos riscos;

 Elaboração do relatório;

 Apresentação do trabalho;

 Implantação e acompanhamento;

 Avaliação

80
Mapa de Risco

Informações que devem conter no


relatório:

Departamento / Setor;
Numero total de colaboradores;
Masculino;
Feminino;
Riscos;
Fonte Geradora;
Recomendações;

81
Mapa de Risco

82
Dinâmica 03

Desenhe uma setor da empresa e crie um


MAPA DE RISCO

83
Inspeção de Segurança
É a parte do controle de riscos que consiste em efetuar vistorias nas áreas e
meios de trabalho, com o objetivo de descobrir e corrigir situações que comprometam a
segurança dos trabalhadores.Uma inspeção para ser bem aproveitada precisa ser
planejada, e o primeiro passo é definir o que se pretende com a inspeção e como fazê-la.

84
Tipo de Inspeção
Inspeção geral:Realizada quando se quer ter uma visão panorâmica de todos os
setores da empresa. Pode ser realizada no início do mandato da CIPA.
Inspeção parcial:Realizada onde já se sabe da existência de problemas, seja por queixas
dos trabalhadores ou ocorrência de doenças e acidentes do trabalho. Deve ser uma
inspeção mais detalhada e criteriosa.
Inspeção específica: É uma inspeção em que se procura identificar problemas ou riscos
determinados. Como exemplo podemos citar o manuseio de produtos químicos,postura de
trabalho, esforço físico, etc.

85
VÍDEO 03

86
Existência Júridica

Observação do ambiente e dos meios de trabalho;

Coleta de informações;

Registro de dados e elaboração do relatório;

Apresentação nas reuniões da CIPA;

Encaminhamento do relatório através do Presidente da CIPA;

Acompanhamento da implantação das medidas recomendadas.

87
DINÂMICA 04

88
Alcoolismo

O Brasil detém o primeiro lugar do mundo no consumo de


destilados de cachaça e é o quinto maior produtor de cerveja da
qual, só a Ambev, produz 35 milhões de garrafas por dia.

89
Alcoolismo

• O álcool é a droga preferida dos brasileiros (68,7% do total), seguido pelo


tabaco, maconha, cola, estimulantes, ansiolíticos, cocaína, xaropes e
estimulantes, nesta ordem.

• No País, 90% das internações em hospitais psiquiátricos por dependência


de drogas, acontecem devido ao álcool. Motoristas alcoolizados são
responsáveis por 65% dos acidentes fatais em São Paulo.

90
Alcoolismo

• O alcoolismo é a terceira doença que mais mata


no mundo. Além disso, causa 350 doenças (físicas
e psiquiátricas) e torna dependentes da droga um
de cada dez usuários de álcool.

• O consumo excessivo e crónico de álcool provoca


lesões graves em vários órgãos, como, por
exemplo, o fígado. Este é um dos órgãos mais
afetado devido à destruição das suas células e
consequentemente, ao aparecimento de cirrose.

91
VÍDEO 04

92
Alcoolismo

• O álcool é a droga que mais detona o corpo (tanto quanto a cocaína e o


craque); a que mais faz vítimas; e é a mais consumida entre os jovens no
Brasil.

• O índice de câncer entre os bebedores é alarmante, quer por ação tópica do


próprio álcool sobre as mucosas, quer por conta dos aditivos químicos de
ação cancerígena que entram no processo de fabricação das bebidas.

93
Tabagismo

• O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a


principal causa de morte evitável no mundo.

• A organização estima que um terço da população mundial adulta, cerca de 2


bilhões de pessoas, sejam fumantes.

• Pesquisas comprovam que aproximadamente 47% de toda a população


masculina mundial e 12% da feminina fumam. 

94
Tabagismo

O tabagismo está relacionado a mais de 50 doenças sendo responsável


por:
•30% das mortes por câncer de boca;
•90% das mortes por câncer de pulmão;
• 25% das mortes por doença do coração;
• 85% das mortes por bronquite ;
• 25% das mortes por derrame cerebral.
•Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), todo ano mais de
cinco milhões de pessoas morrem no mundo por causa do cigarro.
•E, em 20 anos, esse número chegará a 10 milhões se o consumo de
produtos como cigarros, charutos e cachimbos continuar aumentando.

95
Tabagismo

• A fumaça do cigarro tem mais de 4,7 mil substâncias tóxicas.


O alcatrão, por exemplo, é composto de mais de 40 compostos
cancerígenos.

• Não só o fumo ativo, mas o passivo também aumenta os riscos


de doença. Sete não fumantes morrem por dia em consequência
do fumo passivo. O tabagismo passivo aumenta em 30% o risco
para câncer de pulmão e 24% o risco para infarto.

96
Droga
Para além das substâncias contidas no tabaco e no álcool existem muitos outros tipos de
drogas. Mesmo os medicamentos que têm a propriedade de excitar ou deprimir o sistema
nervoso podem ser utilizados como drogas

97
Droga

O consumo de droga também está relacionado com a transmissão do vírus da sida e da


hepatite.
Muitos toxicodependentes partilham seringas e, se elas estiverem contaminadas, a
possibilidade de contrair doenças contagiosas é muito grande.

98
Droga

Deves estar informado sobre os efeitos e os perigos das drogas


Haxixe/Marijuana
Origem: Planta de canábis
Efeitos: Êxtase, euforia, desinibição, aumento da
frequência cardíaca, desorientação, perda de coordenação
motora…

99
AIDS
A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) É causada pelo HIV, vírus
que ataca as células de defesa do nosso corpo. Com o sistema imunológico
comprometido, o organismo fica mais vulnerável a diversas doenças, um simples
resfriado ou infecções mais graves como tuberculose e câncer. O próprio
tratamento dessas doenças, chamadas oportunistas, fica prejudicado.

100
AIDS

Este vírus penetra no corpo por vias bem definidas e ataca as células
importantes que fazem parte da defesa de nosso organismo;
Estas células do nosso sistema imunológico são o nosso “exercito
particular” composto por milhões de células de defesa de diferentes tipos que
nos protegem de várias infecções que poderiam causar doenças;
Enquanto nosso organismo fica susceptível a doenças infecciosas.

101
AIDS

• Uma doença que infelizmente ainda precisa ser lembrada houve um


aumento absurdo dos casos de Aids entre os jovens nos últimos anos.
Neste sentido, nós no Brasil estamos indo na contramão de outros países”

• O aumento é de mais de 50% em seis anos. “O principal motivo é o


comportamento sexual dos jovens. 

• No Brasil, entre os anos de 2001 e 2012, as mortes caíram 38,9%.

• Porém, o número de infectados passou de 430 mil para 530 mil, ou seja,
alta de 23,3%.

102
AIDS
Assim se pega:
Relação sexual sem camisinha;
Uso da mesma seringa ou agulha por mais de uma pessoa;
Transfusão de sangue contaminado;
Mãe infectada pode passar o HIV para o filho durante a gravidez, o parto e a
amamentação;
 Instrumentos que furam ou cortam, não esterilizados;
O vírus do HIV pode ser transmitido pelo sangue, sêmen, secreção vaginal e pelo
leite materno.

103
Fluidos de Contágeo
Assim Pega

Sêmen Sangue Leite materno

104
AIDS
ASSIM NÂO PEGA

Piscina, banheiros, pelo ar;

 Doação de sangue;

 Sabonete / toalha / lençóis.

105
AIDS
Assim Não Pega
Relação sexual, desde que se use corretamente a camisinha;

 Beijo no rosto ou na boca;

 Suor e lágrima;

 Picada de inseto;

 Aperto de mão ou abraço;

 Talheres / copos;

 Assento de ônibus;

106
VÍDEO 5

107
Combate Incêndio

108
Recomendações para se evitar o fogo

Armazenagem adequada de materiais

combustíveis e inflamáveis;

 Cuidados com instalações elétricas;

 Instalação de para-raios;

Manter ordem e limpeza;

 Cuidado com fumantes;

 Riscos de faíscas e fagulhas.

109
ELEMENTOS QUE COMPÕEM O FOGO
Para que haja fogo, necessitamos reunir os quatro elementos essenciais:

Combustível
 Calor
 Comburente
 Reação em cadeia

O Combustível em contato com uma fonte de Calor e em presença de um Comburente


(geralmente o oxigênio contido no ar) começará inflamar gerando a
Reação em cadeia.

110
PROPOGAÇÃO DO CALOR

O calor pode se propagar de três diferentes maneiras:


•Convecção;
•Condução;
•Irradiação.

111
Condução

Transferência de calor através de um corpo sólido de molécula em


molécula.

112
Convecção

Transferência de calor pelo movimento ascendente de massas de


gases.

113
Irradiação

Transferência de calor por ondas de energia calorífica que deslocam


através do espaço.

114
Extinção do Fogo

A extinção do fogo baseia-se na retirada de um dos quatro elementos essenciais que


provocam o fogo

Retirada de material
É a forma mais simples de se extinguir um incêndio. Baseia-se na retirada do material
combustível, ainda não atingido, da área de propagação do fogo, interrompendo a
alimentação da combustão. Método também denominado corte ou remoção do
suprimento do combustível.

Ex.: fechamento de válvula ou interrupção de vazamento de combustível líquido ou


gasoso, retirada de materiais combustíveis do ambiente em chamas, realização de
aceiro, etc.

115
Extinção do Fogo

Resfriamento
É o método mais utilizado. Consiste em diminuir a temperatura do material combustível
que está queimando, diminuindo,conseqüentemente, a liberação de gases ou vapores
inflamáveis. A água é o agente extintor mais usado, por ter
grande capacidade de absorver calor e ser facilmente encontrada na natureza.
É inútil porem usar esse método com combustíveis com baixo ponto de combustão (menos
de 20ºC), pois a água resfria até a temperatura ambiente.

Ex.: Uso de Sprinkler e hidrantes em forma de neblina para combate incêndio.

116
Extinção do Fogo
Abafamento
Consiste em diminuir ou impedir o contato do oxigênio com o material combustível.
Não havendo comburente para reagir com o combustível, não haverá fogo. A
diminuição do oxigênio em contato com o combustível vai tornando a combustão mais
lenta, até a concentração de oxigênio chegar próxima de 8%, onde não haverá mais
combustão.

Ex.: Uso de uma tampa de panela para apagar uma chama na frigideira ou “bater”
com a vassoura sobre a chama.

117
Classe do Fogo
CLASSE “A”: São materiais de fácil combustão, queimam tanto na superfície como em
profundidade, deixando resíduos.
Ex.: madeira, papel, etc.

CLASSE “B”: São os produtos que queimam somente na superfície


Ex.: gasolina, óleos, graxas, etc.

CLASSE “C”: Ocorre em equipamentos elétricos energizados. Ex.: motores, quadros de


distribuição, etc.

CLASSE “D”: Ocorre em materiais pirofóricos como magnésio, zircônio, titânio.

CLASSE “ K” : Caracteriza-se por fogo com óleo de cozinha, gordura e graxa.

118
Tipo de Extintor

Dióxido de Carbono, mais conhecido como Gás Carbônico


ou CO2, usado preferencialmente nos incêndios classe “B” e“C”.

Pó Químico Seco, usado nos incêndios classe “B” e “C”. Em


materiais pirofóricos (classe “D”), será utilizado um pó químico especial.

Água Pressurizada, usado principalmente em incêndios de


classe “A”. Em incêndios de classe “C”, só deve ser utilizado
sob forma de neblina. Nunca utilizar este tipo de extintor em
incêndios de classe “B”.

119
Inspeção do Extintor

Todo extintor deverá ter uma ficha


de controle de inspeção, devendo
ser inspecionado no mínimo 1 vez
por mês, sendo observado seu
aspecto externo, os lacres,
manômetros e se os bicos e
válvulas de alívio não estão
entupidas.
Cada extintor deverá ter em seu
bojo, uma etiqueta contendo data
de carga, teste hidrostático e
número de identificação.

120
Mangueiras

 Mangueiras de incêndio é o nome dado ao condutor flexível utilizado para


conduzir água sob pressão ao foco de incêndio.

 Diâmetro: as mais comuns são as de 1 ½ e 2 ½.

 Comprimentos: as mais comuns são de 15, 20, 25 metros.

121
Mangueiras

Aduchamento

Ato de enrolar a mangueira de forma a permitir que a mesma permaneça bem


acondicionada, e propiciando uma forma fácil de transportá-la e prepará-la
para uso com rapidez.

Zigue–Zague: próprio para Aduchada: acondicionada em Espiral: própria para


acondicionamento. caixa de hidrantes pronta para armazenamento em estoques.
o uso.
122
Esguichos

Peça acoplada na extremidade das mangueiras para dar forma e direção ao


jato d’água.

123
Hidrantes

124
Primeiro Socorros
Primeiros Socorros, são todas as medidas que devem ser tomadas de imediato
para evitar agravamento do estado de saúde ou lesão de uma pessoa antes do
atendimento médico.

125
Primeiro Socorros

Significado dos 6 elos da estrela da vida.

1- Detectar e reconhecer a emergência;


2- Pedir socorro, acionar o serviço de emergência;
3-Iniciar os primeiros socorros;
4- Atendimento pré hospitalar;
5- Providenciar transporte para local adequado;
6- Providenciar tratamento , reabilitação e retorno da 126
vítima sem sequelas para a sociedade.
Ação do Socorrista

Isolar a área, evitando o acesso de curiosos;

 Observar a vítima, verificando alterações ou ausência de respiração, hemorragias,


fraturas, colorações diferentes da pele, presença de suor intenso, expressão de dor;

Observar alteração da temperatura, esfriamento das mãose/ou pés;

 Manter a calma, assumindo a liderança do atendimento;

 Procurar que haja comunicação imediata com hospitais,ambulâncias, bombeiros,


polícia se necessário.

A atitude do socorrista pode significar a vida ou a morte da pessoa socorrida.

127
Desmaio
Normalmente, o desmaio não passa de um acidente leve, só se agravando quando é
causado por grandes hemorragias.

Como socorrer: se a pessoa estiver prestes a desmaiar, coloque-a sentada


com a cabeça entre as pernas;se o desmaio já ocorreu, deitar a vítima no chão, verificar
respiração e palidez;afrouxar as roupas; erguer os membros inferiores;

Obs.: Se a vítima não se recuperar de 2 a 3


minutos, procurar assistência médica.

128
Crise Convulsiva

129
ENVENENAMENTO – INTOXICAÇÃO

Vítima consciente
O que fazer?
Procure ajuda médica,imediatamente;Não dê nada para beber (nem água nem leite) e não
provoque vômito.

Se for sobre a superfície da pele,elimine o material e lave a pele com água;


Guarde a embalagem do produto tóxico.

Vítima inconsciente
O que fazer?
Se a vítima respira, coloque-a em posição de recuperação;
Não dê nada para a vítima beber;
GESTÃO Não induza o vômito.

130
Infarto
Sintomas
 Dor no peito;
 Dor no braço e formigamento no ombro e pescoço;
 Fraqueza, suor, náusea e
respiração curta.

O que fazer?
Tranqüilize a vítima e coloque-a em repouso imediato;
Procure o socorro médico e prepara-se para realizar o RCP se
necessário.

131
AVC
Sintomas
 Debilidade/paralisia na face, braço,perna ou em um lado do corpo;
 Dificuldade para falar, ver e andar;
 Dor de cabeça intensa;
 Perda de consciência.

O que fazer?
 Verifique as vias aéreas e respiração;
 Mantenha a vítima em repouso com os ombros e a cabeça mais elevados que o
corpo;
 Não dê nada para comer e beber;
GESTÃO Procure o atendimento médico urgentemente.

132
OBSTRUÇÃO DE VIAS AÉREAS
Em caso de engasgamento ou sufocação, auxilie a vítima prestando o socorro da forma que
segue
1. Se a vítima está consciente, de pé ou sentada, posicione-se por trás dela e coloque seus
braços ao redor da cintura da vítima. Segure um dos punhos com a sua outra mão, colocando o
polegar contra o abdome da vítima, entre o final do osso esterno (apêndice xifóide) e o
umbigo. De então repetidos puxões rápidos para dentro e para cima, a fim de expelir o corpo
estranho. Repita os movimentos até conseguir desobstruir as vias aéreas da vítima, ou então,
até ela ficar inconsciente.

133
PARADA CARDIORESPIRATÓRIA
Parada Cardíaca Parada Respiratória
É preciso estar atento É a parada da respiração por:
quando ocorrer uma afogamento, sufocação,
parada cardíaca, pois aspiração excessiva de gases
esta pode estar ligada a venenosos, soterramento e
uma parada respiratória choque elétrico.
se ambas acontecerem

134
O QUE É RCP?
Reanimação Cardio Pulmonar (RCP), consiste na com compressões
Externas sobre o peito.

135
Técnica RCP

136
Técnica em RCP

137
Técnica de RCP
Verifique se está consciente.

Chame o Pronto Socorro Imediatamente.

Deite a pessoa de costas.

Abra as vias aéreas.

Verifique se há respiração ( espere 3-5 segundos)

Verifique o pulso.

Aplique compressões cardíacas até a chegada do socorro especializado.

138
Avaliação

Avaliação para Todos os


CIPEIROS

139
Agradecimento

Nós do Grupo SAPIENT


queremos Agradecer a todos que
participaram do Treinamento

140