Você está na página 1de 15

Saúde Pública e pesquisa médica na

ditadura civil-militar
(1964-1974)

Me. Matheus Santana

Doutorando em História da Saúde - COC/Fiocruz; Mestre em

Economia Política Internacional – PEPI/UFRJ.


1.Objeto de estudo

- O “Massacre de Manguinhos” (1964 - 1970)

* Fechamento de laboratórios

* Destruição de coleções de pesquisa biológica

* Aposentadorias compulsórias de pesquisadores do IOC


Cientistas cassados no Massacre de Manguinhos. Da esquerda para
direita: Augusto Perissé, Tito Cavalcanti, Haity Moussatché, Fernando
Ubatuba, Moacyr Andrade, Hugo de Souza Lopes, Masao Goto, Herman
Lent, Sebastião de Oliveira e Domingos Machado.
2. Referências sobre o processo
• Herman Lent, 1978
- Rivalidade entre pesquisadores e o diretor do IOC,
Francisco de Paula Rocha Lagoa.

• Wanda Hamilton, 1989


- Desdobramento da integração do IOC ao Ministério da
Saúde, desde 1953.
3. Perspectivas da Pesquisa

• “Massacre” como processo, não episódio;

• Fruto da privatização da saúde implantada no pós-1964;

• Visão estratégica da vacinação pregada pela ESG;

• Atuação de Rocha Lagoa como intermediador dos


militares no IOC
3.1 – O Processo do “Massacre”

• Esvaziamento da pesquisa médica no IOC;

• Fortalecimento da produção imunobiológica;

• Intimidação dos pesquisadores resistentes (IPM’s) em


1964;

• Repressão, aposentadoria compulsória e suspensão dos


direitos políticos pós AI-5.
3.2 – A saúde pública no pós-1964

→ Privatização da assistência médica


→ Diminuição dos recursos do Ministério da Saúde
→ Modelo curativo de saúde: imunização sanitária

• Saúde Pública: DGSP (1897-1920); DNSP (1920-1930); MESP


(1930-1953); Ministério da Saúde (1953)

• Assistência Médica: CAP’s (1923-1931); IAP’s ligados ao MTIC


(1931-1966); INPS (1966-74); MPAS (1974-2015)

• O IAPI e os “cardeais da previdência”: centralização,


racionalização e privatização da saúde.
3.3 – A visão de saúde da ESG

• Regimes autoritário-bucrocráticos (O’Donnell, 1982):


• - Restauração da ordem burguesa e gestão econômica
autoritária;

• A Doutrina de Segurança Nacional e Desenvolvimento (Moreira


Alves, 1984):
• - Combate aos “inimigos internos” e às “pressões estratégicas”

• A imunização como questão estratégica:


• - Saúde, crescimento econômico e contenção dos “focos” de
subversão no interior.
3.4 – A atuação de Rocha Lagoa no IOC


Fontes Utilizadas

- Revista da associação dos diplomados da ESG (ADESG)

- Textos produzidos na ESG (Tese de Rocha Lagoa no curso de


Segurança e Desenvolvimento da ESG, em 1963)

- Manual Básico da ESG (Edição 1976)


- Diretor do IOC e membro do conselho deliberativo do CNPq entre 1964 e
1969

- Ministro da Saúde entre 1969 e 1972

- Consultor científico da Johnson & Johnson no Brasil entre 1972 e 1974 e da


Silva Araújo-Dussel entre 1974 e 1976
Estadão: 28/10/69
Rocha Lagoa e Castello Branco em visita oficial ao IOC
ocorrida em 1964. Imagens: COC/Fiocruz.
4 – Considerações finais


Visão ampliada do projeto de saúde implementado no país


Consequências da ditadura para a pesquisa médica brasileira


Estudo da atuação da tecnocracia médica e previdenciária na
saúde do país


Expansão da compreensão do “Massacre de Manguinhos”
Obrigado!

Me.Matheus Santana

Doutorando em História da Saúde - COC/Fiocruz


profmatheussantana@gmail.com