Você está na página 1de 64

Ufcd 10661

Técnicas de manipulação de
formas animadas
 Objetivos:
 Reconhecer os diferentes tipos de objetos animados.
 Caracterizar o conceito de objeto animado.
 Caracterizar as noções de espaço e de tempo.
 Aplicar as técnicas de construção de bonecos, silhuetas e
máscaras.
 Conceber situações de animação através das técnicas de
manipulação.
 Planificar e desenvolver técnicas de animação com recurso à
linguagem plástica.
Conteúdos

 Objeto animado - conceito


 Objetos que vivem
 Fantoches e as marionetas
 Teatro de sombras
 Corpo negativo
 Objetos em contra-luz
 Da vela ao projetor
 Histórias mágicas
Conteúdos
 Máscara
 Identidade e disfarce
 Máscara que se faz e que se usa
 Jogos de máscaras
 Noções de espaço e tempo
 Corpo em movimento no espaço
 Cinetismo e quinestesias
 Adaptação corporal no espaço
 Adaptação visual ao espaço
 Adaptação motora ao espaço
 Orientação no espaço
 Representação mental do espaço
Conteúdos
 Corpo em movimento no tempo
 Adaptação corporal ao tempo
 Adaptação auditiva ao tempo
 Adaptação motora ao tempo
 Representação mental do tempo
 Ações corporais
 Ações e dinâmicas
Desconstruindo conceitos

 “Objeto Animado” – ÂNIMO

 ânimo - (latim animus, -i, espírito, alma, opinião, intenção)


 1. Estado de espírito. = DISPOSIÇÃO, HUMOR
 2. Carácter que identifica uma pessoa. = GÉNIO, ÍNDOLE,
TEMPERAMENTO
 3. [Pouco usado] Alma, espírito.
 4. Força moral. = CORAGEM ≠ COVARDIA
 5. Intenção. = DESEJO, VONTADE
Objetos animados e inanimados

 Os objetos animados são uma série de projetos que reagem


à ação do utilizador. Estes adquirem novas formas/posições
e/ou suscitam o aparecimento de outro objeto que, numa
primeira abordagem, está oculto.
 Podemos interpretar a natureza dos objetos como animados
e inanimados. O objeto animado exprime uma ou mais
ações
Objetos animados e inanimados

 O que é Animado:
Empolgado! Alegre! Excitado!
Uma pessoa animada, feliz, contente.

 O que é Inanimado:
Inerte, parado, sem vida, sem ânimo
 "Tudo se move. Tudo evolui, progride. Tudo ricocheteia e
reverbera. De um ponto a outro, nada de linha reta. De um
porto a um porto, uma viagem. Tudo se move, também eu!
A alegria e a tristeza, e também o embate. Um ponto
indeciso, desfocado, confuso, se desenha, Ponto de
convergências, Tentação de um ponto fixo, Numa calma de
todas as paixões, Ponto de apoio e ponto de chegada,
Naquilo que não tem nem começo, nem fim. Nomeá-lo,
Torná-lo vivo, Dar-lhe autoridade Para compreender melhor
aquilo que se move, Para compreender melhor o
Movimento.”
Tipos de Objetos Animados

 A animação dá vida aos objetos, uma vez animados, os


objetos passam a representar personagens, contando
diferentes histórias.
 O teatro de formas animadas pode incluir todo o tipo
objetos, como: máscaras, sombras, brinquedos, sacos, lápis,
papel, as próprias mãos, vasilhas, copos plásticos, talheres,
etc.
 Teatro do Inanimado é um teatro onde o foco de atenção é
dirigido para um objeto inanimado e não para o ser
vivo/ator.

 Objeto é todo e qualquer matéria inerte. Em cena representa


o homem, idéias abstratas, conceitos.
 Inanimado é tudo aquilo que convive com o homem, mas é
destituído de vontade e de movimento racional. Ao receber
a energia do ator, através de movimentos, cria-se na matéria
a ilusão de vida, e, aparentemente, passa-se a ter a
impressão de ter ela adquirido vontade própria, raciocínio.

 Animar um objeto é deixar-se refletir nele, disse Mássimo


Schuster. Boneco/objeto animado não é senão energia
refletida do ator-manipulador. O que confere vida emotiva e
racional ao objeto animado, durante o ato teatral, é a
presença direta e atuante do ator sobre o objeto.
Animação e a Infância

 O teatro de animação na educação infantil, a infância é


compreendida pela visão de criança como sujeito social
inserido numa determinada cultura, imersa num contexto
pleno de trocas interativas com seus pares.
 As crianças podem imitar uma variedade de ações que vão
muito além dos limites de suas próprias capacidades. Numa
atividade coletiva ou sob a orientação de adultos, usando a
imitação, as crianças são capazes de fazer muito mais
coisas.
“A animação de formas animadas
na pequena infância”
Analise documental – tarefa par
8 de fevereiro
O que são fantoches?

Os fantoches são uma forma muito divertida de fazer um teatro.


São manuseados por pessoas, os grandes apreciadores de
fantoches são os mais pequeninos.
Os fantoches surgiram há milhares de anos atrás, no Oriente e
desde ai tornaram-se cada vez mais populares entre as
pessoas, de todas as faixas etárias.
Atualmente existem muitas formas de fantoches e de serem
representados, como por exemplo, o teatro de máscaras, o
teatro de sombras, o teatro de fantoches, o teatro de varas,
entre outros.
Teatro de máscaras

No teatro de mascaras o ator está com a cara coberta por uma


máscara.

A máscara pode apenas cobrir os olhos e o nariz ou todo o


rosto.

Este tipo de teatro é o adequado para as crianças mais tímidas.


Teatro de sombras

Este tipo de teatro surgiu na china há muito tempo atrás e foi se


espalhando pela Europa.
É um teatro muito simples e divertida para as crianças, que as
ajuda no desenvolvimento da sua criatividade e motricidade.
Para a realização deste teatro é necessário, uma lâmpada, um
lençol fino branco e as personagens feitas em cartolina
preta.

O teatro deve ser representado em um local escuro, apenas com


uma luz projetada no lençol branco.
Teatro de fantoches

Este tipo de teatro de fantoches tem várias vantagens, como


poder utilizar todo o tipo de material para a sua construção e
permite à criança explorar os movimentos do corpo, como o
dos dedos, mãos e braços.
Este tipo de teatro é o mais utilizado pelas crianças, pois é
bastante divertida e é uma forma fácil de perceberem a
história.
Teatro de varas

O teatro de varas é parecido ao teatro de fantoches, no teatro de


varas os fantoches são feitos com umas varas (paus de
espetada).

Este tipo de teatro é um pouco menos comum, por isso mesmo


pode se tornar mais interessante.
Valor pedagógico e educativo

Os fantoches não são apenas uma


brincadeira infantil, tem um
valor pedagógico e educativo, e
são uma excelente escolha para
contar uma história às crianças
estarem atentas à história, esta
tarefa desenvolve a imaginação,
a criatividade, a oralidade e o
espírito de grupo, pois as
crianças em conjunto também
podem fazer um pequeno teatro
com fantoches.
Através dos fantoches as crianças podem exprimir as suas
emoções e sentimentos, ao construírem os fantoches estão a
desenvolver as atividades manuais. E assim juntar três das
coisas mais importantes no desenvolvimento da criança, a
expressão plástica, oral e as emoções.
Uma atividade interessante para fazer com as
crianças em conjunto com os pais é a
elaboração dos fantoches, assim esta a
desenvolver a relação entre pais e filhos.
O Fantoche como Recurso para o
Desenvolvimento da Expressão,
Comunicação e Socialização da Criança

 Segundo Leenhardt (1974) os jogos espontâneos com


fantoches são um dos principais elementos de expressão e
comunicação e devem ser introduzidos na idade do jardim-
de-infância.

 A criança quando recorre livremente, no meio das suas


brincadeiras, ao fantoche, faz com que este ganhe uma vida
 No decorrer da manipulação do fantoche quando procura
transmitir ao(s) observador(es) o que sente necessidade de
dar a conhecer do seu Eu e que, por vergonha, medo..., não
o faz, sem recorrer a um fantoche, é notório que a criança
recorreu a este com um propósito específico.
 Nesta situação, cabe ao Educador ter em conta os propósitos
da criança, de maneira a minimizar as suas dificuldades.
 Quando a criança manipula o fantoche e lhe atribui uma
voz, as outras crianças da sala (observadoras) apesar de
reconhecerem a criança que está por detrás do fantoche,
esquecem na para vivenciarem a história apresentada pelo
fantoche.
 É este esquecimento que permite à criança uma
aproximação com as outras crianças, caso esta não exista, e,
simultaneamente, contribuirá para que a criança
(manipuladora) através da sua expressão projetada no
fantoche evolua neste campo e ultrapasse a dificuldade de
comunicação.
 (…) através de um fantoche: pode ser superada uma timidez que
dificultava a comunicação. Podem ser expressos sentimentos antes
difíceis de exprimir, porque o fantoche passa a ser o foco da atenção,
em vez da criança que o manipula. Ela fala através dele, fala com ele e
às vezes atribui-lhe papéis que não têm nada a ver com a sua
caraterização. O processo criativo que envolve a manipulação de
fantoches estimula o desenvolvimento da linguagem e do pensamento e
faz com que a criança aprenda a tomar decisões, a expressar-se, para
além de: canalizar a imaginação infantil; descarregar tensões
emocionais; resolver conflitos de ordem afetivo emocional; ampliar as
experiências; ampliar o vocabulário; desenvolver a atenção, a
observação, a imaginação, a perceção da relação entre causa e efeito, a
perceção do BEM e do MAL, de outros valores e o interesse por
histórias e teatro”
 No ponto de vista de Leenhardt o recurso ao fantoche é uma
expressão libertadora e é muito rica para o desenvolvimento
das competências sociais. Pois a atividade com fantoches "
(...) é uma fonte de enriquecimento: da linguagem da
criança, através do diálogo dos bonecos; da precisão do seu
gesto e do seu poder evocador, através da animação; da sua
atividade manual (...)" Leenhardt (1974, p. 57 e 58).
 A criança nas suas conversas utiliza a mimica, a onomatopeia,
o gesto, o que permite que a percebam sem recorrer ao uso de
muitas palavras. Além disso, para uma criança de tenra idade é
difícil construir um discurso coerente, assim como é-lhe difícil
contar pormenorizadamente uma história com todo o seu
desenvolvimento e articulação de ideias. Através dos fantoches
e atrás do teatrinho não é possível recorrer à mimica para se
fazer compreender, a criança terá de expressar-se através do
fantoche não só pelo movimento que lhe imprime como
também pela linguagem verbal que cria.
 As crianças que se expressam através do fantoche e as que
observam, tomando consciência da necessidade da
linguagem verbal para se fazerem entender, aperfeiçoam
essa forma de comunicação. Igualmente, a necessidade de
transmitir ao fantoche o movimento que se torne visível e
compreensível lhes promoverá determinadas capacidades
motoras (Idem). De referir, que os fantoches sejam usados
pelos educadores com determinados objetivos,
nomeadamente para o aperfeiçoamento das habilidades
acima referidas.
Construção de fantoches

Existe vários tipos de fantoches, aqui deixo alguns exemplos de


fantoches mais adequados para as próprias crianças
construírem.

Uma das vantagens de construirmos os fantoches é que


podemos usar material reciclado.
Fantoche de meia

 Para fazer um fantoche de meia é necessário:

- Meias (poucos definidas),


- Cartolinas,
- Lã,
- Tesoura,
- Cola,
- Papel de jornal ou revista.
 Como fazer?
Desenhe na cartolina, a boca, os olhos e outros acessórios que queira nos
fantoches, de seguida enfie a mão na meia para ter uma noção onde se vai
colar. Pode ou não, fica ao critério de cada pessoa, meter uma ou duas
folhas de revistas amachucadas dentro da meia para ser a cabeça do
fantoche. Colar a lã para fazer o fantoche, deixar a lã mais ou menos
cumpridas consoante ser menino ou menina. Para podermos colar sem
passar a cola, devemos meter um pouco de cartão para não deixar passar a
cola.
Fantoche de dedo

 Para fazer um fantoche de dedo, é necessário:

- Luva de borracha,
- Algodão,
- Lã,
- Cartolina ou tecido.
 Como fazer?

Corta as pontas dos dedos de uma luva velha de borracha, mete um pouco de
algodão dentro da ponta da luva para ser a cabeça do fantoche, faça os
olhos e a cabeça do fantoche com cartolina ou tecido. E esta pronto, é
bastante fácil, indicado para com crianças.
Fantoche de colher de pau

Fantoche de colher de pau:

 Para este fantoche é preciso:


 - Colher de pau,
 - Cola quente,
 - Lã ou restos de linha,
 - Cartolina,
 - Caneta preta,
 - Restos de Tecidos.
 Como fazer?

Cola com cola quente a lã ou restos de linhas para fazer o cabelo do fantoche,
com a caneta preta faça a boca e os olhos do fantoche e com o lápis de cera
vermelho pode dar cor ao fantoche. Faça um buraco pequeno no tecido
para o cabo da colher de pau poder passar e cole o tecido ao cabo da
colher. Faça duas mãos na cartolina e cole-as ao tecido.
O tecido tem duas funções fazer a roupa do fantoche e tapar a mão da pessoa
que esta a manipular o fantoche.
Para fazer este tipo de fantoche com as crianças é preciso ter cuidado por
causa da cola quente.
Fantoche de pasta de papel

 Para fazer um fantoche de pasta de papel é preciso:

- Jornal
- Cola branca,
- Água quente,
- Meia de nylon,
- Serradura,
- Tinta,
- Lã
- Pau de vasoura.
 Como fazer?

Começa-se por rasgar as folhas de jornal num recipiente, junta - se água


quente e cola branca, depois enche se um pouco da meia com serradura
para formar uma bola e ata ao pau, cobrir a bola com pasta de papel e
molda-se para fazer uma cara. Deixa se secar bem e pinta-se o boneco, faz-
se o cabelo com lã, restos de linhas ou fitas de restos de tecido.
Fantoche de tecido

 Para a realização deste fantoche é necessário:

- 20 cm de tecido,
- Tesoura,
- Cola quente,
- Lã,
- Cartolinas de cor,
- Restos de tecido.
 Como fazer?

Cortar dois moldes no tecido, para fazer o corpo do fantoche, colar as laterais,
deixando as extremidades livres para meter a mãos e os dedos. Para o
fantoche ficar mais bonito pode colar roupa de tecido ou outros detalhes.
Para fazer a cabeça, faça 2 moldes da cabeça no tecido e cole ao resto do
corpo do fantoche. Para finalizar o fantoche faça os olhos e a boca em
cartolina e cole ao fantoche.
Fantoches de pratos

 Os materiais necessários para fazer os fantoches de pratos


são:

- Pratos de plástico,
- Paus de Espetada,
- Guache,
- Cartolina,
- Fita-cola.
 Como fazer?

Este tipo de fantoche também são bastante fáceis de se construir, começa-se


por colar o pau de espetada ao prato com fita-cola e depois basta decorar o
prato consoante a personagem que quer fazer, para isso deve usar várias
cores de cartolina e guache.
Fantoches de saco de papel

O material para este tipo de fantoche é um saco de


papel, cartolina, guaches, cola e tesoura.
 
 Como fazer? Pode-se pintar o saco ou não
dependente do resultado que se quer obter, depois
faço um molde em cartolina e cole ao saco. Pode
enfeitar o fantoche com botões, penas, pedaços de
tecido.
Fantoche de caixa de leite

O material necessário para este fantoche é uma caixa de leite,


tesoura, lã, cartolina, papel crepe.
 
 Como fazer? Em primeiro lugar começar por lavar a caixa
e fazer um corte lateral e de frente.
Enfiar a mão e vincar a parte que não foi cortada.
Depois decorre o fantoche como gostar mais, com diferentes
tipos de materiais.
 
Fantoche de dedo com cartolina

 Para fazer o fantoche de dedo vamos precisar de:

 Cartolina;
 Cola
 Restos de papel;
 Tesoura
 Fita-cola
 Lã.
 Como fazer?
Recorte um quadrado de 7,5 cm de lado numa folha de papel cartolina e
enrole à volta do dedo para formar um tubo e cole com fita-cola. Aperte o
topo do rolo para o fechar e cole bocados de lã para fazer o cabelo.
Desenhe os olhos, o nariz e a boca com canetas.
Pode fazer o fato do fantoche com papel de várias cores colado ao rolo.
Fantoche de copo
Para fazer os fantoches de copo é necessário os
seguintes materiais:

- Copo de plástico;
- Pinta guache;
- Pincéis;
- Cartolina ou papel de lustro.
 Como fazer?

Pinta se o copo com a cor que quiser, consoante a personagem que quer
construir e pode usar cartolina ou papel de lustro. É um dos fantoches mais
construídos pelas crianças, pois é bastante fácil e não recorre a muitos
materiais.
Fantoche de garrafa

Material:
- Garrafa de plástico
- Restos de tecido
- Lã ou ráfia
- Tinta guache
- Cartolinas
- Cola

Nota: Para o guache aderir ao plástico é preciso meter um pouco de detergente da loiça.
Fantoches de esponja

 Material:
- Esponja;
- Pinta guache;
- Pau de espetada;
- Cartolina;
- Tecidos.
Curiosidades
Alguns moldes para os fantoches:

Moldes de fantoches de prato


Moldes de fantoches de rolo de papel higiénico
Moldes de fantoches de dedo
Técnicas de manipulação de
fantoches

Diversas técnicas e mecanismos de manipulação


foram desenvolvidos ao longo da história do
Teatro de Bonecos e, atualmente, uma série de
outros métodos  tem sido incorporados na
construção e manipulação, além de técnicas
mistas e experimentais. Suas especificidades
envolvem tanto questões técnicas e práticas de
funcionalidade de mecanismos quanto conceções
estéticas e dramatúrgicas do Teatro de Bonecos.
Boneco de Luva

 Boneco que o manipulador calça na mão, como


os mamulengos. Normalmente, possui corpo de
tecido onde o indicador manipula a cabeça e dedos
polegar e médio manipulam braços.
 Cabeça e mãos podem ser esculpidas ou modeladas
em diversos tipos de materiais, no mamulengo é
mais comum o uso de madeira e papel machê.
 A principal característica da manipulação de
bonecos de luva é a agilidade dos movimentos,
apesar das limitações de movimentos dos braços do
boneco.
Boneco de Vara
 Mecanismo de manipulação por varas ou hastes, pode ser
um objeto acoplado às varas ou bonecos projetados com
mecanismos de boca e olhos. No caso de bonecos de figura
humana, normalmente, possui uma vara como eixo central
e outras duas para os braços.
 Namanipulação, pode se obter tanto movimentos bruscos
quanto delicados, uma dificuldade pode estar relacionada a
sustentar o peso do boneco para que mantenha os eixos,
conciliando com a manipulação das varas. Em bonecos
mais complexos e pesados pode ser necessário mais de um
manipulador para operar todos os mecanismos.
Marionete ou Boneco de Fio
 Boneco de fio ou marionete , do termo francês “marionette”, tipo de
boneco manipulado por fios ou cabos, conectados a uma estrutura de
madeira [cruz]. A manipulação é feita por movimentos e mecanismos
da cruz ou manipulando diretamente os fios.

 Uma característica da marionete é a possibilidade de coordenar


peso[altura],  eixos e pernas do boneco em apenas uma mão que
manipula a cruz, deixando livre a outra mão para manipular outros fios
e mecanismos. A manipulação de bonecos de fio é uma técnica delicada
que requer prática e apurado conhecimento do boneco, seus eixos,
mecanismos e possibilidades de movimentos.

 Uma marionete simples pode chegar a ter nove fios.


Boneco de Manipulação Direta [ Bunraku ]

 Inspirado no Bunraku, uma técnica tradicional de Teatro Japonês, o boneco


de manipulação direta, originalmente, é manipulado à vista da plateia e
sincronicamente por três pessoas,  a manipulação dá-se pelo contato direto
com o boneco.
 Um manipulador controla e direciona a cabeça e os seus mecanismos
enquanto sustenta o peso do boneco pelo quadril, um segundo manipulador
manipula os braços e o terceiro os pés.
Boneco de Balcão

 O boneco de balcão é uma variação da manipulação direta,


porém, os manipuladores não tocam diretamente no boneco. É
manipulado em uma mesa, bancada ou balcão e, normalmente,
possui um mecanismo central em suas costas ou cabeça, o que
possibilita a coordenação de peso e eixo em apenas uma mão.
Mãos e braços do boneco podem ter mecanismos que são
articulados pelo cotovelo.
 Uma das grandes vantagens do boneco de balcão é a
possibilidade de mecanismos da cabeça e do pescoço serem
manipulados no interior do boneco, além da manipulação por
apenas um ou dois manipuladores.
Boneco de Sombra

 Consiste em manipular figuras em focos de luz projetando


suas sombras em uma tela. As figuras de sombras são
chamadas de silhuetas ou bonecos de sombra, podem ser
silhuetas chapadas ou tridimensionais, articuláveis ou não.

Você também pode gostar