Você está na página 1de 16

RESUMO

REGIMENTAL
4º SEMESTRE
RESUMO LINGUAGEM
TERAPIA DIRETA: Aquela feita diretamente com o paciente
TERAPIA INDIRETA: Aquela feita com o responsável pelo paciente, cuidador, família,
escolas e etc.
ATRASO DE LINGUAGEM: Atraso no processo de aquisição da linguagem
incompatível com a idade cronológica.
OBJETIVOS GERAIS: Promover a melhora nas habilidades comunicativas e socias da
criança. Tornar o nível da linguagem de acordo com sua idade cronológica Estimular o
desenvolvimento da linguagem em todos os níveis;
FONOLOGICO:
SINTATICO:
SEMANTICO;
PRAGMATICO:
OBJETIVOS ESPECIFICOS 1
Estimular a atenção, compreensão, e memória auditiva :
Estratégia terapêutica: Trabalhar a habilidade para compreender estímulos sonoros apresentados
sem necessidade do interlocutor repetir a instrução diversas vezes, responder as preguntas, recontar
histórias e seguir instruções.
OBJETIVO ESPECIFICO 2
Trabalhar as atividades pragmáticas:
Estratégia terapêutica: É importante que a criança seja capaz de iniciar turnos, repetir perguntas,
manter diálogos, descrever objetos e ações e narrar fatos verídicos ou fictícios, entre outras
habilidades de maneira adequada.
OBJETIVO ESPECIFICO 3
Trabalhar as habilidades narrativas
Estratégia terapêutica: Solicitar que a criança reproduza narrativas contadas anteriormente. No
inicio a criança necessitara de reforço visual para recontar a historia, e com o tempo, esse apoio
devera ser retirado.
OBJETIVO ESPECIFICO 4
Trabalhar a expansão lexical
Estratégia terapêutica: Será trabalhado om aumento do vocabulário da criança, sempre dividindo
as novas palavras por categoria semântico-lexical. Estimular o uso funcional imediato, EX:
Encenações, histórias, e brincadeiras de faz de conta..
OBJETIVO ESPECIFICO 5
Trabalhar estruturação sintática de forma a adequar e a expandir as frases utilizadas pela criança
Estratégia terapêutica: Expandir e reestruturar na ordem correta as frases produzidas por ela,
fornecendo sempre o modelo correto e orientando pais e professores a fazer o mesmo. Estimular a
formação de frases pela criança, para isso, podem ser utilizados estímulos visuais( imagens de ação,
objetos concretos dentro de um determinado contexto) e/ou auditivos (sons que indiquem ações ou
situações.
OBJETIVO ESPECIFICO 6
trabalhar aspectos fonéticos e fonológicos
Estratégia terapêutica: Interlocutores habituais da criança ( pais, professores) sempre deverão
fornecer o modelo adequado dos sons para a criança, emitindo as palavras corretamente, sem
infantiliza-las...
É importante que a criança elimine processos fonológicos e produza adequadamente os fonemas do
seu idioma. Utilizar bombeamento auditivo e o uso constante de palavras foneticamente
balanceadas com o som alvo em atividade durante a terapia.
OBJETIVO ESPECIFICO 7:
Estimular a prosódia e traços suprassegmentais da fala
Estratégia terapêutica: Durante a intervenção deverão ser utilizadas musicas e encenações para
que a criança tenha ritmo e entonação adequados a cada intenção e situação comunicativa. Treinar
as diferentes acentuações da lingua, utilizando perguntas, frases afirmativas, negativas e
exclamativas, para estimular a variação de registros comunicativos, adequando a entonação da
criança.
OBJETIVO ESPECIFICO 8
Estimular a consciência fonológica:
Estratégia terapêutica: Trabalhar rimas contidas em musicas, versos e quadrinhas, para que a
criança se habitue com elas. Serão trabalhadas essas estratégias prevenindo futuros problemas no
processo de alfabetização, por quanto a criança com alterações de linguagem oral tem maior
probabilidade de desenvolver déficits no processamento fonológico ( memoria de trabalho,
consciência fonológica e acesso ao léxico).
OBJETIVO ESPECIFICO 9:
Realizar orientação familiar:
Estratégia terapêutica: Sempre orientar os pais sobre o processo de aquisição da linguagem,
assim como sobre o que esta sendo trabalhado em terapia, sempre ressaltando em cada item
trabalhado como devera ser o reforço familiar no ambiente domiciliar.

OBJETIVO ESPECIFICO 10
Orientação escolar:
Estratégia terapêutica: Entrar em contato com escola da criança para coletar informações sobre
seu desempenho linguístico, social e de aprendizagem no ambiente escolar e deverá também
orientar a escola quanto ao diagnóstico fonoaudiológico da criança, o planejamento da
intervenção fonoaudiológica e sobre as atitudes que a escola e o professor podem adotar para
auxiliar neste processo terapêutico.
OBJETIVOS E PLANEJAMENTO TERAPEUTICO DO TRANSTORNO FONOLOGICO
OBJETIVOS GERAIS:
*Organizar o sistema fonológico da criança
• Eliminar o uso de processos fonológicos
• Completar o inventario fonético
• Alcançar fala inteligível
• Desenvolver as habilidades metafonológicas.
PLANEJAMENTO TERAPEUTICO:
* Aplicação da prova de fonologia que permite caracterizar todos os sons da fala
* verificação dos tipos de erros
• Selecionar por qual processo começar
• Quais serão de sucesso imediato
• O que mais interfere na legibilidade da fala
TERAPIA FONOLOGIICA NAS SINDROMES PC E DI
A fonoaudiologia atua para obtenção de melhor controle dos órgãos fonoarticulatórios e na
correção dos distúrbios da fala.:
PRINCIPAIS ALTERAÇÕES:
• Problemas motores de expressão Terapias
• Reflexos orais
• Motricidade alimentar MIMICA FACAL; Adequação da mobilidade da musculatura
REFLEXOS: de procura, sucção, mordida e vomito deverão ser inibidos
• Respiração ALIMENTAÇÃO: Estimular corretamente qto aos padrões de deglutição e
• mastigação
Articulação CONTROLE DE SIALORREIA: Adequação da sensibilidade oral, na tonicidade e
• Fonação postura dos órgãos fonoarticulatórios
ARTICULAÇÃO- FALA: Lábios, lingua, palato mole e a articulação de fonemas
• Voz AUDIÇÃO: Encaminhamento a protetização devida e desenvolvimento da
discriminação auditiva.
• Audição
• Linguagem
PC E DI terapia de linguagem
• São indicados livros de historinhas infantis ilustrados, canções infantis e
brinquedos para o enriquecimento do vocabulário
• Orientação à família quanto ao desenvolvimento da linguagem são
importantíssimas
• A instalação da criança, a postura, os matérias e outras coisas utilizadas na terapia
devem adequar-se ao paciente.
Terapia fonológica para gagueira
• OBJETIVOS GERAIS; Trabalhar as crenças , mitos e modo como a fala e a gagueira
da criança são vistas pelas pessoas próximas, buscando modificar as atitudes dos
outros frente a sua fala.
• Atuar junto a criança, tendo em vista consolidar a formação da autoimagem de
bom falante e fortalecer sua autonomia.
• Atuar junto aos diferentes parceiros de comunicação da criança em diversos
contextos, como a escola (professores, colegas) , em uma abordagem integrada
com a família para desmistificar as crenças sobre fala e gagueira.
• Atuar junto a outros profissionais envolvidos em uma abordagem integrada com a
família e realizar os encaminhamentos necessários.
• ESTRATÉGIA TERAPEUTICA:
• Propiciar um espaço de dialogo com os pais/ parentes, de modo que eles possam falar sobre
sua visão em relação a fala da criança, as crenças, aos mitos a aos motivos pelos quais
acreditam que a gagueira acontece
• Poderão ser utilizadas atividades gráficas ( recorte e colagem, desenhos livres e temáticos etc).
• Aprender a falar de outra maneira- adquirir confiança
• Objetivo principal: retirar as estruturas fonatória
• Relaxamentos e alongamentos específicos para lábios, lingua, pescoço e ombros podem
auxiliar na percepção e na diminuição da tensão muscular
• Diminuição da velocidade da fala
• Aumento no uso de pausas silêncios
• Treino de respiração e coordenação pneumo-fonoarticulatoria
• Treino de suavidade de emissão
Terapia para TEA
• OBJETIVOS
• Estimular contato interpessoal: Envolvendo duas pessoas com troca de turnos
• Adequação das funções comunicativas: Estimular 2 meios de comunicativos ao mesmo
tempo
• Adequação do contexto comunicativo: Compartilhar mais, controlar menos, planejamento de
flexibilidade
• Ampliar as iniciativas de comunicação: Situações simétricas, divertidas e movimentadas.
Situações problema ( carrinho sem roda, lápis sem ponta)
• Adequação do uso do meio comunicativo: Ampliar as possibilidades de verbalização.
Estimular o uso de meios comunicativos mais simbólicos
• Simetria da comunicação: Dar oportunidade de resposta para as iniciativas d comunicação
• Adequação das habilidades discursivas: Propiciar oportunidade para identificação e a
reparação de quebras comunicativas, introdução e manutenção de tópicos.
Terapia nas Apraxias
Intervenção terapêutica:
• Nomeação por confrontação – objetos ou figuras que representam palavras de classe
aberta( substantivos, verbos, adjetivos.
• Promover a nomeação do estimulo alvo
• Pistas semânticas
• Atributos Funcionais ou percentuais
• Pistas fonêmicas
• Pistas gráficas
• O paciente é encorajado a emitir agentes e objetos a partir de sua experiência para
reforçar o aprendizado.
• O Paciente escolhe um par de agente-objeto e responde questões sobre ele.
Terapia nas Apraxias
• Ênfase do trabalho é na organização e no planejamento dos gestos articulatórios. Todas as
atividades devem ter como objetivo a produção motora da fala.
• MODO DE PRODUÇÃO: Iniciar com fonemas plosivas, seguidos de fonemas fricativos,
líquidos e vibrantes
• ZONA DE ARTICULAÇÃO DO FONEMA: Começar com fonemas anteriores, seguindo para
fonemas médios e posteriores
• FREQUENCIA DO FONEMA: Iniciar com fonemas mais frequentes.
• FREQUENCIA DA PALAVRA: Escolher palavras que seja frequentes na lingua e também no
dia a dia.
• EXTENSÃO DA PALVRA: Começar com palavras curtas monossílabas e ir aumentando
Terapia para disartrias
Comunicação alternativa
• PERSPECTIVAS DA CAA: Determinar uma proposta de intervenção efetiva para a melhora da
comunicação do individuo, de forma que promova sua inclusão social e desenvolvimento
global.
PROPOSTA: Ajudar o paciente a ; Interagir, participar, estar ativo, ter perspectiva, desenvolver,
ser incluído, qualidade de vida.
INDICAÇÃO: Neuropatias, Téa, surdez, e ou qualquer criança que apresente condições de
aprendizagem diferente do padrão desejado do considerado esperado no desenvolvimento
típico, sem relação com diagnóstico.
OBJETIVOS DO CAA: Favorecer a condição de interação e inserção social, estar ativo e
funcional em seu meio. Aumentar competência comunicativa e facilitar o desenvolvimento de
habilidades de linguagem. Não prejudica a produção da fala.