Você está na página 1de 12

A Internet e midia sociais entre os

Maçons e o seu uso ético.

Apresentação
Ir:. Marcos Francisco Gomes Oliveira
AP:.M:.
Loja Simbólica Piauhytinga - Nº 1.521
MÍDIA SOCIAIS REDE SOCIAIS
Enquanto as mídias sociais englobam um
As mídias sociais representam um conceito muito cenário mais amplo, as redes sociais por
mais amplo e se referem a todos os canais ou definição, são relações entre um grupo de
ferramentas, os quais promovem e permitem a pessoas.
disseminação de conteúdos e mensagens de
forma descentralizada. E essas redes de relacionamentos não precisam
estar necessariamente no ambiente digital –
E antigamente esse termo não era muito popular diferentemente das mídias sociais.
porque essas mídias não estabeleciam tantas Isso a não ser que estejamos falando das redes
interações quanto promovem hoje em dia, sociais na internet, pois elas sim precisam estar
quando passaram a ter forte presença no no ambiente digital.
ambiente digital.
Com isso, por estarem totalmente presentes no
Foi só quando isso aconteceu que elas passaram contexto digital, elas podem ser vistas como
a ser vistas como ferramentas online usadas para uma categoria das mídias sociais a qual tem
divulgar conteúdo ao mesmo tempo em que seu foco em promover relacionamentos entre
permitem e incentivam comentários e pessoas e compartilhamento de conteúdos na
interações entre pessoas. internet.

Parece complicado, né? Mas calma, é normal!


Isso porque a linha de diferenciação é muito
tênue, mas para diferenciar basta lembrar que
toda mídia social é também rede social –
porque permite a interação entre pessoas.
E as redes sociais no ambiente digital são uma
categoria das mídias sociais!
Desde que as redes sociais se popularizaram, tem se intensificado as
discussões (cara a cara e on-line também) a respeito da maçonaria e o seu
lugar nesse novo ambiente. Para os membros mais velhos, a mudança nas
‘redes sociais’ tem sido uma interessante mistura de surpresas e curiosidade.
Anteriormente a sua vida social eram conduzida com colegas de trabalho, em
bares ou clubes, eventos, por telefone ou em loja aberta e copos dágua.
Para os maçons mais antigos essa saga para tornar a maçonaria mais popular
via as várias plataformas de mídia sociais, tem criado reações opostas e
opiniões divididas. Sempre há pelo menos dois lados para avaliar o valor de
uma nova situação.
Cada Loja deve decidir internamente a sua política a respeito das Mídia
Sociais. Elas podem ser estimuladas ou podem ser banidas, ou pode-se seguir
um caminho entre os dois extremos definindo regras que ajustem o seu uso, o
que não é nada fácil.
Compartilhar demais é um mal da nossa era, com todas essas plataformas de redes e
midia sociais e a sociedade em geral está se tornando bem menos preocupada com as
consequências de se compartilhar demais. Isso também tem sido motivo de
preocupação nos meios maçônicos. No Whatsap, Facebook e Instagram tem havido
casos de irmãos compartilhando imagens e informações detalhadas de seus irmãos de
loja, que por sua vez prefeririam não ter sua foto (as vezes até em trajes maçônicos
completos) espalhada sem controle por toda a internet. Alguns Irmãos têm postado
fotos de Lojas montadas e até mesmo durante sessões abertas, o que certamente
causa revolta em muito dos maçons mais tradicionalistas.
Naturalmente mesmo dentro da maçonaria há imensas diferenças culturais entre
regiões e ritos, principalmente a respeito do que é aceitável que seja divulgado para
não-iniciados, e também do que irmãos possam ver de graus que ainda não
pertencem. Restringir acesso ou exposições a essas imagens e textos não se trata de se
manter atividades nefastas ocultas, mas sim de preservar o impacto emocional que se
quer oferecer aos candidatos durante as cerimônias, e também porque para muitos
irmãos a exposição pública vulgariza e remove todo o verniz de exclusividade, tradição
e nobreza que tanto prezam na maçonaria.
Reuniões Virtuais
O lado positivo das reuniões virtuais tem sido uma melhor abertura da
Maçonaria ao mundo, afirmando-se como uma voz racional e digna, que se
sobrepõe aos discursos amalucados de teoristas da conspiração, e desbanca as
falácias dos grupos anti-maçônicos.
Enfim, situações da realidade vão surgindo e as adequações vão sendo
necessariamente feitas. Talvez, alguns Irmãos não tenham ainda percebido o
quanto é positiva esta realidade. Pode está havendo um quórum maior nas
reuniões virtuais do que nas reuniões presenciais. Irmãos que estão em outros
orientes ou com locomoção restrita estão novamente se encontrando. Há
presença de Irmãos de outras Lojas, de orientes distantes, de outras
potências, autoridades maçónicas, palestrantes ilustres, cujas presenças físicas
em Loja, seriam muito dificéis.
Necessário nas reuniões virtuais é manter objetividade e foco. Os recursos
tecnológicos permitem ao Venerável Mestre manter esta boa conduta. Pode-se
dar um “alívio” na Ordem do Dia, para quando as estivermos nas reuniões
presenciais. Estamos aprendendo que, nestas reuniões virtuais podemos e
devemos decidir sobre os assuntos variados, trabalhos, debates, palestras,
prestações de conta etc. Assim, deixaremos para tratar dentro do Templo os
assuntos que exigem cobertura. Podemos “chegar” antes do horário da reunião
e ficar depois, para as amenidades que estreitam os nossos laços e, tudo isso,
em plena segurança de nosso lar.
PORÉM, há alguns aspectos para os quais devemos nos atentar:
Muito cuidado com a escolha dos assuntos a serem tratados. Não existe o
“Guarda do Templo Virtual”. Não temos nenhuma garantia do sigilo. Portanto,
nenhuma parte, nem mesmo uma frase dos Rituais poderão ser usadas e
principalmente, nos absteremos de sinais, palavras e instruções.
No entanto, eventos recentes na mídia, onde a Franco-Maçonaria como organização
tomou uma avalanche de ataques não provocados, trouxe uma questão sobre como
alguns membros se sentem a respeito do uso de mídias sociais. Para uma instituição que
tem saído aos poucos de centenas de anos de precaução e discrição, a simples
exposição e o subsequente veneno por tráz de alguns dos comentários na mídia social,
nas reuniões virtuais, tem deixado alguns irmãos preocupados e outros empolgados
demais. Nesses assuntos temos visto coisas desagradáveis tais como: irmãos se voltando
contra irmãos, bile anti-maçonica aflorando daqueles que não conseguem distinguir
ficção de realidade, e também desfile de ironias maliciosas de quem só quer ver o circo
pegar fogo.
Então qual é o caminho para prosseguirmos? As mídias sociais e reuniões virtuais não
são uma moda passageira, e se tornaram inegavelmente um veículo valoroso para o
fortalecimento da Maçonaria em geral, não apenas para comunicação e reuniões entre
irmãos, mas também para aquisição de novos membros e retenção daqueles que já
andavam meio desanimados.
Com a evolução das mídias sociais, pode-se antecipar que em breve video-
conferências, hangouts (São sincronizações automatica em todos os
dispositivos) e streaming (é um serviço que transmite conteúdos pela internet,
sem a necessidade de baixá-los) vão superar a popularidade atual dos
tradicionais Facebook, Tweeter, Instagram e WhatsApp. No entanto, pelo
menos por enquanto ainda não vemos como possível que Lojas possam ter
sessões acompanhadas pelos irmãos por videoconferência… E não porque
possa ser tecnicamente difícil, e sim porque dissolveria um dos principais
privilégios da maçonaria: a Egrégora entre irmãos.
Vamos nos atentar para a realidade de que,
hoje, estamos fazendo um laboratório de
uma atividade que, necessariamente, será
incorporada aos labores maçônicos. Não é
uma profanação e não substituirá os
trabalhos em Loja. É mais uma das
realidades da vida, mais uma ferramenta
para cumprimos nosso papel de Maçom.
Obrigado meus
IRMÃOS!

t. f. a.

Você também pode gostar