Você está na página 1de 21

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO RN

UNIDADE DE CONTROLE INTERNO

SUPRIMENTO DE FUNDOS
Conceitos - Suprimento de Fundos

Regime de adiantamento aplicável aos


casos de despesas expressamente definidos em lei;
consiste na entrega de numerário a servidor, sempre
precedida de empenho, para realização de despesas
que não possam subordinar-se ao processo normal de
aplicação pela sua EXCEPCIONALIDADE.
Demais Conceitos

Processo normal de execução de despesa é aquele em


que é emitido o empenho direto ao fornecedor ou
prestador de serviços, na forma da Lei nº 4.320/64,
precedido de licitação ou sua dispensa, em
conformidade com a Lei nº 8.666/93.
Demais Conceitos

Agente Suprido: Portador do Cartão de Pagamento do Governo,


responsável pelo recebimento, pela aplicação correta dos recursos e
pela prestação de contas do Suprimento de Fundos;

Demandante: Servidor que solicitar a aquisição de material ou


contratação de serviço ao agente suprido;
Restrições à Concessão de Suprimento de Fundos

A servidor que tenha a seu cargo


a guarda ou a utilização do
A responsável por 2 (dois) material a adquirir, salvo quando
suprimentos; não houver na repartição outro
servidor;

NÃO SE CONCEDERÁ
SUPRIMENTO DE
FUNDOS

A responsável por suprimento A servidor declarado em alcance,


de fundos que, esgotado o entendido como tal o que não prestou
prazo, não tenha prestado contas no prazo regulamentar ou o
que teve suas contas recusadas ou
contas de sua impugnadas em virtude de desvio,
aplicação/utilização; desfalque, falta ou má aplicação dos
recursos recebidos.
É vedada a aquisição de material permanente
por suprimento de fundos, ressalvados os casos
excepcionais devidamente reconhecidos pelo
Ordenador de Despesas e em consonância com
as normas que disciplinam a matéria.
Casos de Aplicação do Suprimento de Fundos

 Para atender despesas eventuais que exijam pronto pagamento;

 Quando a despesa deva ser feita em caráter sigiloso, conforme


se classificar em regulamento;

 Para atender despesas de pequeno vulto, assim entendidas


aquelas cujo valor, em cada caso, não ultrapassar limites
estabelecidos na Portaria 95/2002-MF.
Limites da Portaria MF

Art. 1o A concessão de Suprimento de Fundos, que somente


ocorrerá para realização de despesas de caráter excepcional [...],
fica limitada a:
INSTRUMENTO CPG
 
IM NATUREZA COMPRAS OBRAS E
P E SERVIÇOS DE
O SERVIÇOS ENGENHARIA
RT
A a) 10% da alínea “a” do inciso I e II do art.23 R$ 17.600,00? R$ 33.000,00
N da lei 8.666/93
TE
b) Limite máximo para realização da despesa R$ 500,00? R$3.300,00?
(Nota Fiscal, Fatura, recibos e Cupons Fiscais)
1 % da alínea “a” do inciso I E II do art.23 da
lei 8.666/93

É vedado o fracionamento de despesas, seja por item adquirido ou fornecedor,


ou do documento comprobatório para a adequação aos valores constantes na linha
b da tabela acima (R$ 500,00 para compras e serviços e R$ 3.300,00 para obras e
serviços de engenharia).
A PORTARIA-SEI Nº 4, DE 02 DE JANEIRO DE 2020 – CBMRN
LIMITA AS CONCESSÕES AOS SEGUINTES VALORES.

INSTRUMENTO CPG
 
IM NATUREZA COMPRAS OBRAS E
P E SERVIÇOS DE
O SERVIÇOS ENGENHARIA
RT
A a) Art. 2º, inciso I, da Portaria nº 04/2020. R$ 4.000,00
N
R$ 33.000,00
TE b) Em caráter excepcional e autorizado pelo até R$ 8.800,00
Cmte Geral conforme Art.2º Parag. Único

b) Limite máximo para realização da despesa R$ 500,00? R$3.300,00?


(Nota Fiscal, Fatura, recibos e Cupons Fiscais)
1 % da alínea “a” do inciso I E II do art.23 da
lei 8.666/93

É vedado o fracionamento de despesas, seja por item adquirido ou fornecedor,


ou do documento comprobatório para a adequação aos valores constantes na linha
b da tabela acima (R$ 500,00 para compras e serviços e R$ 3.300,00 para obras e
serviços de engenharia).
Atenção para o fracionamento da despesa!

• A utilização de suprimento de fundos para aquisição,


por uma mesma unidade gestora, de bens ou serviços
mediante diversas compras em um único exercício e
para idêntico subelemento de despesa, cujo valor total
supere os limites dos incisos I ou II do art. 24 da Lei nº
8.666/1993, constitui “indício de” fracionamento de
despesa, situação vedada pelos referidos dispositivos
legais (Acórdão TCU 1276/2008).
Princípios da Administração Pública

Constituição Federal - Art. 37. A administração


pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da
União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios obedecerá aos princípios de legalidade,
impessoalidade, moralidade, publicidade e
eficiência [...]
Visão Geral das Retenções Tributárias

Pagamentos a Pessoa Jurídica:

 Retenção para a Previdência (11%)


 Retenção ISS (Depende da legislação Municipal)
Como é feita a contratação de despesas com
Suprimentos de Fundos?
 As despesas só poderão ser contratadas após a disponibilidade (depósito) do
montante solicitado, em forma de suprimento de fundos.
 Em nenhuma hipótese o(a) suprido(a), sob pena de responsabilidade, poderá
adquirir mercadoria/contratar serviço, em momento anterior a tal liberação, para
promover a quitação depois. (conforme arts. 54 e 59 da Lei nº 4.041/71).
 Devem ser observadas as mesmas condições previstas no art. 24, inciso II, da
Lei nº 8.666/93, sendo que, em virtude do reduzido valor da contratação, alguns
procedimentos poderão ser dispensados, tais como:
PODERÃO SER DISPENSADOS

a) A pesquisa de preços com apresentação de propostas de, pelo menos, três


fornecedores/prestadores de serviços, em vista da urgência e necessidade
de pronto atendimento, pode ser substituída por simples consulta telefônica,
cujo objetivo principal seja identificar a oferta mais vantajosa (na maioria
dos casos, a de menor valor);
b) A verificação da regularidade fiscal do fornecedor/prestador de serviços
(realizada via internet), pode ser limitada à consulta à Fazenda Pública Estadual,
no site www.set.rn.gov.br (opção Certidão Negativa > Pessoa Jurídica), no caso
de empresas (pessoa jurídica).
PRAZOS

 PARA EXECUÇÃO DA DESPESA

O prazo máximo é de 60 (sessenta) dias, podendo ser estendido para 90


(noventa), em unidades administrativas localizadas no interior do
Estado.

 PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS

A prestação de contas deve ser aberta no Sistema SEI! e apresentada


ao Unidade de Controle Interno do CBMRN, impreterivelmente até 30
(trinta) dias consecutivos, contados do último dia do prazo previsto
para a aplicação dos recursos.
CUIDADOS BÁSICOS – AGENTE SUPRIDO


Observar os prazos de aplicação e prestação de contas;

Verificar junto ao C. Log a existência em estoque do material a
ser adquirido ou a existência de cobertura contratual, no caso de
prestação de serviços;

Observar a classificação orçamentária da despesa;

Observar se o fornecedor possui documento fiscal válido e
máquina para passar o cartão de pagamento;

Sempre que possível, realizar pesquisa de preços com pelo
menos 3 (três) fornecedores;
CUIDADOS BÁSICOS – AGENTE SUPRIDO


Realizar pagamentos exclusivamente na modalidade de crédito;

Exigir NF-e, e em casos que não houver NF-e, solicitar recibo e o
suprido deve justificar a ausência do documento fiscal
comprobatório da realização da despesa, documentos originais,
sem rasuras, em nome da CBMRN e devem estar dentro do
período de aplicação;

Controlar o saldo;

;
CUIDADOS BÁSICOS – AGENTE SUPRIDO


Os documentos devem ser atestados pelo demandante (o
suprido não pode atestar e nem visar;

Ao utilização a transação de saque, justificar;

Não efetuar despesas que não se enquadrem nas normas
e regulamentos ou na proposta de concessão.
CUIDADOS BÁSICOS – AGENTE SUPRIDO


Não aceitar qualquer acréscimo ao valor de venda em função
da aquisição ser feita por meio do CP (Dec.5.355/2005-
Art.4º);

Não realizar despesas em período de férias ou de
afastamentos legais;

Não realizar despesas nos finais de semana, salvo em
situações devidamente justificadas.
Embasamento Legal

a) Lei nº 4.320/1964 - Normas Gerais de Direito Financeiro;


b) Lei nº 4.041/71 - Código de Fiscalização Financeira e Orçamentária do Estado do
Rio Grande do Norte;
c) Constituição da República Federativa do Brasil, 05 de outubro de 1988;
d) Constituição do Estado do Rio Grande do Norte, 03 de outubro de 1989;
e) Lei nº 8.666/93 - Lei das licitações públicas e contratos administrativos;
f) Decreto estadual nº 14.511, de 06 de agosto de 1999;
g) Instrução Normativa Interadministrativa nº 01/2001 - CONTROL e PGE/RN;
h) Decreto estadual nº 15.875, de 21 de janeiro de 2002;
i) Ofício Circular nº 011/2002 - CONTROL/RN;
j) Súmulas do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte - TCE/RN;
l) Lei nº 10.666/2003 – Previdência Social;
m) Resolução nº 011/2004 – TCE;
n) Ato Normativo n ° 014/2005 – CONTROL/RN.
o) PORTARIA-SEI Nº 4, DE 02 DE JANEIRO DE 2020.

Você também pode gostar