Você está na página 1de 74

 Entreviste o/a seu/sua colega deste grupo de

formação. Procure conhecê-lo/a tão bem quanto


possível:

- Nome, a idade e a profissão;


- Gostos e interesses, o que gosta de fazer nos
tempos livres, onde gosta de passar férias…
 O nome pelo qual gostaria de ser tratado/a pelo grupo;
 Qual a palavra que melhor o define;
 Se fosse um objeto ou animal, qual gostaria de ser e
porquê?;
 Expectativas da presente ação de formação;
 Faça uma pergunta que pense que o/a Seu/Sua Colega não
está à espera que lhe seja feita e escreva a pergunta e a
resposta.
 Explicitar algumas definições e conceitos no
âmbito das teorias sócio culturais do lazer.

 Precisar os fatores que conduziram à


institucionalização social do lazer.

 Reconhecer a relação trabalho/lazer.

 Reconhecer o binómio lazer e turismo.


 Sociologia está inserida nas ciências sociais.

 Ciência que estuda os factos sociais para os


conhecer exatamente , para classificar e
estabelecer as leis ou constantes que deles se
tiram.

 A ciência não pode dizer o que o Homem


deve fazer, pode apenas verificar que, faz e
registar os resultados da sua ação.
A Sociologia é uma ciência que estuda os grupos sociais,
ou seja, o conjunto de indivíduos que vivem juntos em
diferentes comunidades. O intuito desta ciência é analisar
internamente como se organizam as sociedades, as
relações entre os seus membros e o meio (ou sistema)
no qual vivem e a coexistência numa estrutura social.
A sociologia também estuda os padrões da

sociedade e os factos que implicam uma investigação

e uma reflexão sobre o sistema; Fatores como: o

nível salarial das mulheres em comparação com o

dos homens, fatores sociais que impulsionam o

consumo, costumes dos seres humanos com relação

às atividades sociais, etc.


 A sociologia não oferece resultados aos
problemas da sociedade, a sua função é mostrar
os factos como eles são na realidade fazendo
com que a sociedade reflita sobre eles e possam
tomar as decisões para a melhoria da mesma; é
uma ferramenta de investigação.
 Tempo livre: Tempo liberto das
responsabilidades do trabalho e das
obrigações pessoais, passível de ser usado a
seu bel-prazer. Só é verdadeiramente livre
quando o indivíduo desocupado pode gerir as
atividades e o seu uso.

 Lazer: Conjunto de ocupações a que um


indivíduo se pode dedicar voluntariamente,
após se ter libertado das suas obrigações
profissionais, familiares e sociais.
(Dumazedier, 1962)
Lazer:
Um indivíduo em situação de lazer pode ter
como objetivos:

Descansar;

Divertir-se;

Desenvolver a sua formação “desinteressada”;


Desenvolver a sua capacidade criativa;

Desenvolver a sua participação social

voluntária.
(Dumazedier, 1962)
 Recreio: É o conjunto das atividades realizadas
durante o tempo de lazer. (Soneiro, 1991)

 Ócio - vagar, descanso, repouso, preguiça;


ociosidade - vício de gastar tempo inutilmente .
 *Turismo – É o movimento temporal de pessoas
para fora do local de trabalho e residência
habituais, incluindo:
- As atividades realizadas durante a estadia nesses
destinos
- As instalações criadas para atender às suas
necessidades.
(Boniface e Cooper, 1987)
 Turista: É uma pessoa temporariamente em
situação de lazer, que voluntariamente visita
um local diferente do da sua residência, com
o objetivo de experimentar uma mudança.
(Smith, 1989)

Estes conceitos evoluíram ao longo da


história e são e condicionados pela realidade
sociocultural em que se enquadram.
O ócio, para os gregos, era um fim em si mesmo, algo a ser
alcançado para ser desfrutado. Para Aristóteles, ainda na
Grécia Antiga, o ócio era uma condição ou estado – o estado
de estar livre da necessidade de trabalhar.

Não considerava a diversão ou recreio como ócio, uma vez


que são meios necessários para conduzir o ser às atividades
laborais. As atividades de recreio e diversão estavam
diretamente relacionadas com descanso do trabalho.
Para o homem grego, o ócio não significava
estar ocioso no sentido de não fazer nada,
mas implicava operações de natureza
intelectual e espiritual que se traduziam da
contemplação da verdade, do bem, e da
beleza, de forma não utilitária.

Em Roma predominava o conceito de


descanso e da diversão, necessários para a
preservação das condições de poder
trabalhar. O trabalho era entendido como
condição necessária para o ócio.
A partir da Idade Média com a desarticulação do processo
feudal e o desenvolvimento do capitalismo mercantil
assiste-se a um movimento cultural burguês, o qual se
manifestou em todas as áreas - artísticas, filosóficas e
científicas. Esta nova interpretação é feita por Lutero
mediante a Reforma.

Com a Reforma – a ética protestante – surge uma nova


atitude frente o significado do trabalho, havendo uma
valorização do tempo necessário para as atividades
produtivas. O cumprimento dos deveres é o único modo
de agradar a Deus, e o trabalho como missão dignifica e
exalta os homens.
 O século XVIII ficou marcado pela expansão
comercial e financeira com a Revolução
Industrial.

 O aparecimento de uma série de invenções


técnicas modificaram as condições de produção
nos diversos setores industriais, bem como a
relação com o lazer.

 O tempo livre passa a ser definido em oposição


ao trabalho, e mesmo os momentos livres (de
não - trabalho) são determinados pela relação
capital - capitalismo. Novos valores começam a
ser estabelecidos entre trabalho e tempo livre do
trabalho.
O fator temporal passa por mudanças
significativas, iniciadas no momento em que
o Homem resolve medir o tempo quotidiano e
quantificar o tempo social na sociedade
industrial, chegando à comercialização do
próprio tempo, que se torna uma mercadoria
e passa a ter valor económico.

“O tempo é dinheiro”
 O tempo livre, e nomeadamente o lazer,
constitui assim um fenómeno capital da
sociedade industrial, que é em simultâneo
um tempo disponível e um objeto de
consumo – “Civilização do Ócio”;

 O tempo livre e particularmente o lazer


oferece aos indivíduos e à sociedade uma
melhor qualidade de vida.
 Os sociólogos começaram debruçar-
se sobre o estudo do lazer porque
este fenómeno reflete a vida social
das populações.
 1ª Fase

1) Capitalismo Industrial – Revolução Industrial

Separação entre espaços de trabalho e


espaços de lazer ≠ Idade Média – Casa era o
espaço laboral e de lazer.

Organização do quotidiano com base no


trabalho.
2. Estado Nação
- Nova ordem pública;
- Igualdade dos cidadãos perante a lei;
- Libertação dos laços feudais.

3. Novas Classes Médias Urbanas


- Racionalização da economia, política;
cultural e cientifica;
- Burocratização estatal;
- Coletivização dos sistemas de cuidados de
saúde;
- Aumento do número de associações;
- Expansão da educação da ciência.
 2ª Fase

Início do Século XX até à 2ª Guerra Mundial

Automatização do lazer enquanto objeto de estudo.


Novos contextos sociopolíticos Europeus:
- Ideologia de esquerda;
- Novas políticas públicas de intervencionismo socioeconómico;
- Leis sobre as condições laborais (8 horas de trabalho, férias
pagas etc..)
- 1924- Debate generalizado sobre a redução do horário semanal
de trabalho para 40 h e os fins de semana para 2 dias.
 Consequências:

- Tempo livre dos trabalhadores – Aumenta a


pesquisa nas temáticas de lazer/ tempo livre.
Investem-se nas atividades consideradas
civilizacionais.

Pesquisa Sociológica:

• Análise estatística e estudos sobre os


orçamentos familiares.
• Interpretação na perspetiva dos legisladores e
planificadores.
 3ª Fase

Pós Guerra Mundial até à Década de 1960

Institucionalização – Objeto de estudo


independente e sistematizado.

Novos contextos socioeconómicos, institucionais


e intelectuais:

1) Período de reconstrução e crescimento económico;


2) Expansão do consumo de massa;
3) Reindustrialização, mecanização e terciarização da
economia;
4) Redução dos horários de trabalho
5) Aumento do envolvimento Estatal a nível
socioeconómico;
6) Consequente necessidade de mão-de-obra
especializada.
 Novo paradigma Científico

- O lazer e a cultura são concebidos como bens


coletivos;
- A orientação ideológica/científica direciona-
se para modelos de democracia cultural/
individualismo padronizado;
- Análise da problemática do lazer a toda a
população.
- A investigação do lazer oscila entre os
contributos teóricos e abordagens empíricas
(observação e experiência).
4ª Fase
A Reação Crítica da Geração do Pós-Guerra
(Anos 60-80)

Novos Desenvolvimentos Sociopolíticos:

a) Novo contexto intelectual do final da década


de 60 e início de 70. A nova geração de
intelectuais criticam:
- A padronização da cultura das classes médias;
- Modelos de planeamento social baseados na

ciência;
- O lazer como consumo de massas.
b) Crise Económica (anos 70/80) e consequentes
mudanças político económicas:

- Crise económica americana;


- Crise petrolífera;
- Viragem das políticas económicas e bem-estar
para outras de caráter empresarial;
- O lazer – bem coletivo, direito de cidadania,
passa a ser considerado um bem de consumo.
 Karl Marx (1818-1883) intelectual e
revolucionário alemão, “fundador” da doutrina
comunista moderna. Foi economista, filósofo,
historiador, teórico político. Teve influencia em
inúmeras ciências atuais inclusive na Sociologia.

 A ideologia de Marx baseia-se:

• Materialismo Histórico;
• Capitalismo versus Socialismo.
• Trabalho alienado;
 Marx constitui o sistema do materialismo histórico,
segundo o qual os processos económicos estão na
base de toda a evolução da humanidade,
considerando todas as restantes manifestações
socioculturais como meras superestruturas
ideológicas, estritamente determinadas pelas
relações de produção vigentes.
O capitalismo representa um modelo de organização social e
económica que se baseia na desigualdade entre os que
possuem meios de produção (burguesia), e entre os que
apenas podem oferecer a força de trabalho - mão de obra
(proletariado), que por sua vez são explorados pelos
detentores dos meios de produção.
A história das sociedades é encarada como um longo
processo em que as classes oprimidas, vítimas de relações de
produção desiguais (capitalismo), revoltam-se contra as
classes dominantes, instaurando uma nova ordem económica
(Socialismo).
 A luta de classes percorre, portanto, todo o
percurso da humanidade, desde a
antiguidade (sociedade esclavagista em que
se opõe ao homem livre, o escravo),
passando pela sociedade feudal (oposição
entre suserano (senhor feudal) e servo), até à
sociedade capitalista, na qual a revolução do
proletariado, através da abolição da
propriedade privada e da coletivização dos
meios de produção, suprimirá todos os
antagonismos, instaurando o socialismo e a
sociedade sem classes.
 Para Marx o trabalho é uma forma de
desenvolvimento do raciocínio.

 Marx defende que os homens trabalham não


só para a sua subsistência mas, também,
para o seu desenvolvimento intelectual.

 Quando o trabalho não conduz ao raciocínio


o homem está a praticar um trabalho
alienado.
 Capitalismo conduz o Homem à alienação.

 O indivíduo é explorado no modo de produção,


porque este não reconhece o valor do objeto
produzido.

 A produção é coletivizada onde o trabalhador


não necessita do conhecimento da indústria
completa mas somente da sua função
mecanizada na produção do objeto.

 Os detentores dos meios de produção


(burguesia) exploram o proletariado na sua
produção de mercadoria pois o lucro que esta dá
não é equivalentemente pago em salário.
 Marx analisa toda a vida social - religião,
educação, a cultura e consequentemente o
lazer em referência ao trabalho.

 O lazer é encarado como uma prática social


inscrita na lógica do modo de produção
capitalista.
 Defendem que as outras necessidades
humanas, como o tempo livre para a
educação e o lazer, são determinados pelas
lutas da apropriação das forças produtivas e
dos bens socialmente produzidos;

 A política, a produção do conhecimento, a


educação e o lazer são manifestações
superestruturais de um modo de produção
fundado na divisão social do trabalho e na
distribuição desigual dos bens socialmente
produzidos.
 Baseado nos autores marxistas, conclui-se que o
tempo de lazer é influenciado pelos valores do
capitalismo, mas deve ser considerado como uma
esfera de reivindicação social necessária ao
desenvolvimento completo do homem e não
apenas como um meio para descansar, consumir
determinados produtos e reproduzir a força de
trabalho.

 A compreensão do Lazer como um direito social


encontra-se associado com o direito ao tempo livre
do trabalho, às férias, ao repouso semanal e ao
acesso aos bens culturais produzidos pela
humanidade e que a conquista destes direitos está
ligada às lutas dos movimentos dos trabalhadores
pela igualdade social.
 1) Lazer como sistema de relações
socialmente reguladas – Tempo socialmente
condicionado cuja liberdade existe em
relação a determinados contextos sociais.

 2) Necessidade de orientar o estudo do Lazer


para a análise e interpretação dos contextos
históricos sociais culturais em que essas
práticas decorrem.
 Mercantilização
Processo através do qual o trabalho é
comercializado enquanto recurso pelo sistema
capitalista e transformado em fator de
produção.
Processo através do qual bens, serviços e
experiências são “empacotados” e vendidos ao
consumidor como objetos de consumo. Ex:
empacotamento de viagens turísticas
(massificação).
Lazer e cultura – Moldados por esse processo
de comodificação.
 Supremacia do pensamento racional –
Iluminismo/renascença - era da razão.

 Lazer passa a ser encarado como uma


distração – ocupação do tempo livre.

 Lazer encarado como mecanismo para a


ordem e controlo da sociedade.
 Desordem e desfragmentação
 Novas áreas incluídas no lazer e turismo

Ex: Cemitérios convertidos em locais turísticos.

 Com a tecnologia – Fazer tudo através de


casa.
 Simulação de tudo – espaços, sensações etc…

 Lazer como evasão e escape face ao stress do


quotidiano.
 O aumento dos tempos livres implicou
igualmente, o aumento da mobilidade ligado ao
lazer.

 Os “espaços livres” começam a ser apropriados,


como foi o caso das praias, montanhas, o mar,
ou dando-se novas funções aos espaços rurais,
em ordem à ocupação dos tempos livres.
 O desenvolvimento dos transportes e dos
meios de comunicação, em geral, ao
transformarem as distâncias - menos tempo
de percursos e custos cada vez mais baixos -
facilitaram a mobilidade das pessoas e bens.

 Deste modo, a mobilidade ligada aos tempos


livres não apenas aumentou, mas
principalmente diversificou-se, gerando
igualmente uma maior diversificação dos
espaços.
 O turismo é encarado sociologicamente como
uma das atividades de lazer, mas é uma
atividade muito particular. Pois é analisado
transversalmente pelas ciências sociais.

 O peso socioeconómico e sociocultural do


turismo influenciou os estudos sociológicos
sobre o mesmo.

 Os sociólogos começaram a analisar o


turismo porque este teve impacto na vida
social das pessoas e nas comunidades locais.
 A história do setor do turismo encontra-se
associada à própria história da humanidade.
A origem do turismo mistura-se com a
história das civilizações, desde a Grécia
antiga (com a construção de equipamentos
de lazer, recreio e desporto, tais como circos,
teatros e anfiteatros) ao período da
romanização (saunas, corridas, arenas,
espectáculos, etc.).
 Marcos Históricos:

 Século XVIII e XX - a realização do grand tour,


como uma das condições de formação de
gentlemans e a sua admissão nas Cortes
(século XVIII);
 Seculo XIX - a criação do primeiro pacote

turístico (package), inventado por Thomas


Cook (com a realização da primeira viagem
comercial de comboio para um grupo de 570
pessoas).
 Anos 50 a 70 – Explosão do fenómeno/

Turismo de Massas.
 Atualmente – O Turismo é uma indústria.
 Segundo a Organização Mundial de Turismo -
Turista é um visitante temporário que
permanece pelo menos 24 h num país em
oposição ao excursionista – visitante
temporário que permanece menos de 24 h e
não pernoita.
Exemplos:

 Consequências económicas – postos de


trabalho.

 Consequências sociais – Valores e práticas da


sociedade.

 Consequências ambientais – recursos


ambientais alteram-se com o turismo.
 “O Turismo contribui para as mudanças nos
sistemas de valores, comportamento
individual, relações familiares, estilos de vida
coletivos, níveis de segurança, conduta
moral, expressões criativas, cerimónias
tradicionais e organizações comunitárias”.
(Mathieson e Wall)
 Qualidade de vida e bem-estar significa
também termos tempo para o lazer. Vivemos
no mundo onde o trabalho, os estudos, a vida
corrida e o “stress” do dia a dia, muitas vezes
nos impossibilitam de desfrutarmos
momentos de lazer, verdadeira válvula de
escape para a vida corrida que levamos.

 O lazer faz parte da vida dos seres humanos,


pois ele é um dos requisitos da vida, que
proporciona prazer, liberdade, sensação de
bem estar entre outros benefícios.
 O lazer e o ócio são de extrema importância
para o ser humano, pois reparam psíquica,
física e socialmente o indivíduo.

 Recompõem as suas energias, ampliam as


suas capacidades criativas, melhoram a sua
auto-estima e aumentam a sua satisfação
social.
 Desenvolve atividade nas áreas do turismo social e
sénior, do termalismo, da organização dos tempos
livres, da cultura e do desporto populares, com
profundas preocupações de humanismo e de qualidade.

O Inatel como organização ligada ao mundo dos lazeres


populares desempenha três funções em benefício da
qualidade de vida dos cidadãos trabalhadores
portugueses no contexto das políticas sociais:
- ”O Repouso”, que liberta da fadiga , recuperando as
condições físicas, neurológicas e psíquicas;
- “O divertimento”, o recreio, o complemento de
evasão que para além da compensação da
fadiga, sirva de compensação ao tédio;

- “O desenvolvimento da personalidade”,
facultando uma mais vasta participação social,
uma cultura da sensibilidade e da razão para
além da formação prática e técnica, a
integração voluntária na vida de agrupamentos
recreativos, culturais e sociais.
 Nos anos 80, quando a diversão se tornou um
valor hegemónico. As atividades lúdicas
deixaram de ser exclusivas dos tempos livres,
passaram a ser também integradas no âmbito de
muitas atividades profissionais.

 Um número crescente de empresas passou a


facultar/impor, a muitos dos seus funcionários
uma ampla programação do seu tempo, incluindo
atividades para os tempos de lazer.

 Atividades de formação profissional; expansão


das viagens de estudo (ou lazer) de forma a
aumentar as suas capacidades no exercício de
uma dada actividade profissional.
 O que para uns é trabalho para outros é lazer

 Por exemplo: A jardinagem pode ser


encarada como atividade lúdica, uma
necessidade familiar ou uma profissão.

 O que distingue uma atividade de lazer e de


trabalho são as relações sociais/ papeis
sociais que se estabelecem entre as pessoas.
 A forma como a sociedade evoluiu ao longo
da história influenciou o modo como os
indivíduos vivem e viveram os seu tempo de
lazer.

 A forma de como e quando as pessoas se


divertem e gozam o seu tempo livre é algo
que lhes foi sendo condicionado socialmente.
 Exemplo: Ir de férias para a praia é um

fenómeno do século XX. As nossas férias são


socialmente construídas.
 Para entendermos as mudanças
contemporâneas no que diz respeito à
construção social das atividades diárias,
devemos ter como pressupostos os seguintes
elementos:

1)Maior tempo ligado ao trabalho gera maiores


ganhos salariais.

2) Quanto mais cresce a produção maior é o


trabalho.
 O consumo, enquanto um processo de “produção
de satisfações finais” está associado a uma
industria publicitária que instiga o desejo por
novos bens e serviços disponíveis no mercado.

 Enquanto a produção cresce, o consumo deve


crescer para compensar o aumento do primeiro.
Para isso ser possível, a cada aumento na
capacidade de produção, o desejo de consumir
deve ser novamente instigado.

 O tempo de consumo aumenta através de formas


cada vez mais sedutoras de criação de desejos,
combinando-se cada vez mais o tempo de lazer ao
consumo de bens e serviços.
 O consumo aumenta na mesma medida em que
cresce a produção.
 Para ser possível consumir cada vez mais é
preciso garantir maior rendimento.

 Conclusão: quanto mais a produção de bens


e serviços aumentar, maior será a
recompensa de se dedicar mais tempo ao
trabalho remunerado, aumentando assim os
ganhos e o poder de compra.
 Encarando o Lazer como uma atividade de
consumo pode-se afirmar que o consumo e
consequentemente o Lazer é determinado
pela quantidade de “capital” que as pessoas
possuem:

1) capital económico (recursos financeiros);


2) capital social (recursos de relacionamentos)
3) capital cultural (recursos de origem social,
com a formação educacional formal).
 Mudança:
 Antes da Revolução Industrial as famílias

herdavam de geração em geração o seu


capital fixo (património). Essa herança
garantia a reprodução de uma classe ociosa –
elite.
 Na sociedade pós-industrial o conhecimento

e o saber ganham prioridade em relação à


posse material.
 Com o desenvolvimento tecnológico e com o
aumento da esperança média de vida a garantia
de obter riqueza e património é obtida através
do trabalho e não da herança. Hoje em dia
somos “obrigados” a trabalhar para garantir
maior rendimento para termos acesso aos bens
e serviços relacionados com o Lazer.
 Na revista Observatório das Atividades
Culturais encontra-se o estudo “Práticas
Culturais dos Portugueses: Atividades de
Lazer” por Rui Telmo Gomes baseado nos
dados obtidos no inquérito à Ocupação do
Tempo lançado pelo Instituto Nacional de
Estatística em 1999.
 1) Sociabilidade inter-domiciliar - visitar e ser
visitado, jogar às cartas, xadrez, damas etc;
 2) Saídas comensais – ir comer fora com
familiares e amigos e ir a discotecas;
 3) Sociabilidade local – frequentar
associações recreativas e ir a festas
populares, bailes;
 4) Saídas informativas – ir a museus,
exposições e ir a bibliotecas;
 5) Práticas amadoras – praticar desporto,
cantar num coro, tocar numa banda amadora,
atuar num grupo de teatro.
Diversas formas de convivialidade:

 A modalidade que é mais praticada é


Sociabilidade inter-domiciliária, neste caso o
visitar e ser visitado – mais de 90% dos
portugueses realizam-na ao longo do ano.

 As segundas mais praticadas são as saídas


comensais (refeição fora de casa) e a
sociabilidade local ( participação em festas e
bailes).
 Para todas as modalidades os homens
declaram uma maior taxa de realização.

 A idade é um factor que influencia a


ocupação do tempo livre. O avanço da idade
corresponde à diminuição das práticas
realizadas. Contudo no caso da sociabilidade
inter-domiciliária a idade não afeta a prática
da mesma.
 O nível de ensino afeta as práticas das
modalidades de lazer.
 Tal como a idade a Sociabilidade inter-

domiciliária está presente em todas as


categorias.
 As Saídas Comensais já são afetadas pelo

grau de ensino. 95% dos Portugueses que as


praticam possuem o Ensino Secundário ou
Superior.
 A Sociabilidade local é maior nos níveis
intermédios de escolarização (3 ciclos do
Ensino Básico e Ensino Secundário).
 O nível de rendimento mensal do agregado
familiar afeta as práticas das modalidades de
lazer.
 A Sociabilidade inter-domiciliária é a menos

afetada pelo nível de rendimento.


 As Saídas Comensais aumentam com o

aumento do nível de rendimento mensal do


agregado familiar.
 As saídas Informativas são as mais afetadas

pelo nível de rendimento.


 A sociabilidade local é mais frequente nas
categorias intermédias e menos frequente
para os grupos de recursos mais elevados.
 As práticas das cinco modalidades de lazer
variam de acordo com a categoria
profissional de quem as pratica.

 Os grupos pertencentes às categorias soció-


profissionais de status mais elevado praticam
todas as modalidades com excepção da
Sociabilidade Local. Esta modalidade é mais
praticada pelo operariado.
 O respetivo estudo concluí que os lazeres
associados à convivialidade noturna – ir comer
fora, ir a discotecas etc. e e a formas de cultura
cultivada – ir a bibliotecas e exposições etc.
são mas frequentes em meios urbanos (Áreas
Metropolitanas de Lisboa e Porto).

 Por outro lado os lazeres ligados à frequência


de associações recreativas e participação em
festas populares estão mais presentes nos
Açores, Região do Norte, Centro e Alentejo.
 Com base no estudo de Luisa Schmidt “Jovens
em «overdose» mediática” (1994) pode-se
concluir dois fatores principais:

 1) Dedicação à TV progressivamente
crescente versus fraca assistência a
espectáculos públicos, incluindo o cinema.

 2) O convívio informal com os amigos em


detrimento da participação nas redes
organizadas.
 Segundo o estudo “Impacto da Crise no Bem-estar
dos Portugueses” realizado pela SEDES – Associação
para Desenvolvimento Económico e Social em 2012
conclui-se que:

 Nos lares portugueses, os “cortes” começam pelas


actividades de lazer (cerca de 32%).

 Cerca de 25% do total da amostra assume ter


reduzido o tempo dedicado ao lazer. Os
desempregados e os que antecipam vir a sê-lo são
quem mais reduziu o tempo dedicado a atividades
desta natureza (33% e 35%, respetivamente).
 O tempo surge como resultado de uma
construção social, constituída e constitutiva de
relações sociais. Enquanto expressão de um
modo de representar e pensar a organização
social, o significado social do tempo está
longe de ser neutro, nele reside uma forma de
quantificar, mas também de qualificar, ou seja,
de atribuir valor às atividades humanas.

Você também pode gostar