Você está na página 1de 113

UFCD: 8600

Competências empreendedoras e
técnicas de procura de emprego

Canelas, 2021 Formadora: Maria Soares


Objetivos
• Definir o conceito de empreendedorismo.

• Identificar as vantagens e os riscos de ser empreendedor.


• Identificar o perfil do empreendedor.

• Reconhecer a ideia de negócio.


• Definir as fases de um projeto.

• Identificar e descrever as diversas oportunidades de inserção no


mercado e respetivos apoios, em particular as Medidas Ativas de
Emprego.
Aplicar as principais estratégias de procura de
emprego.

Aplicar as regras de elaboração de um


curriculum vitae.

Identificar e selecionar anúncios de emprego.


Objetivos
Reconhecer a importância das candidaturas
espontâneas.

Identificar e adequar os comportamentos e


atitudes numa entrevista de emprego.
1.Conceito de empreendedorismo
múltiplos contextos e perfis de intervenção
Empreendorismo
• É o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e
habilidades relacionadas à criação de um projeto ( técnico, cientifico,
empresarial).
• Origem no termo empreender que significa realizar, fazer ou executar.

• A noção de Empreendedorismo desenvolve-se atualmente como uma


competência transversal, fundamental para o desenvolvimento
humano, social e económico.
Um empreendedor é um
«visionário» porque tem a
capacidade de imaginar
novas realidades futuras.
Empreendorismo
• Ser empreendedor resulta de um conjunto de atitudes e
comportamentos que são acessíveis a qualquer pessoa, em qualquer
contexto, independentemente da sua origem, qualificações ou
recursos.
• O Empreendedorismo é atualmente uma questão eminentemente
cultural, já que promove valores e práticas.
• O espírito empreendedor deve ser fomentado de forma transversal,
não só ao nível da formação profissional como da educação.
2. Perfil do empreendedor
Ser o seu próprio patrão

Lidar com os riscos

Ter Iniciativa e ser otimista

Perfil do Conhecer o ramo

empreendedor Ser curioso

Saber organizar

Ser líder
Perfil do empreendedor
• Ser o seu próprio patrão:

A garra, a força de vontade e a determinação são, talvez, as mais


importantes, mas há outras a considerar.
• Lidar com os riscos:

Os riscos fazem parte de qualquer atividade e só precisa de aprender a


administrá-los.
Perfil do empreendedor
• Ter Iniciativa e ser otimista:

A iniciativa envolve decisões ousadas na procura de uma realização e


independência. Determine os próximos passos do rumo da sua vida e seja
otimista na sua concretização. Seja dinâmico e não se acomode.
• Conhecer o ramo:

É essencial que conheça o mercado e o ramo em que pretende atuar. Se não


possui um bom conhecimento do ramo procure aprender tudo sobre o seu
negócio . Lembre-se de que precisa manter-se atualizado e em constante
aprendizagem.
Perfil do empreendedor
• Ser curioso

Um empreendedor necessita de estar sempre atento às oportunidades de


negócio e na altura certa em que surgem no mercado. Não se canse de procurar
porque pode sempre surgir um empreendimento melhor.
• Saber organizar

Possuir os melhores recursos, como a aplicação de recursos humanos, materiais


e financeiros, e integrá-los de uma forma lógica, racional e harmoniosa.
Defina metas e garanta a execução dos trabalhos dentro do prazo estabelecido.
Perfil do empreendedor
• Ser líder

Para um empreendedor é necessário que tenha boas capacidades de


liderança. Tem de organizar, redirecionar esforços e manter a motivação
dos seus colaboradores.

A capacidade de delegação é muito importante para o sucesso do


empreendimento e colide com a tendência natural do empreendedor
centralizar.
3. Fatores que
inibem o
empreendorismo

Erros frequentes do empreendedor


Acreditar que basta uma ideia e dinheiro
para ter um negócio.

Assumir que o mercado é perfeitamente


racional e que pensa e age como nós.
Fatores que
inibem o
empreendorismo Sobrestimar as suas capacidades.

Ter dificuldade em assumir as próprias


limitações.
Indefinição na hierarquia da empresa.

Ter demasiados tripulantes no barco.

Fatores que inibem


o empreendorismo Assumir que inovação é tudo.

Confundir Negócio com Produto.


4. Ideia de negócio e projeto
Ideia de negócio e projeto
• Consolidação da ideia de negócio

O empresário quando chega à ideia de negócio pode ter duas atitudes:

Desvalorizar, uma vez que a ideia nunca foi explorada, não tem valor ou
então ter uma atitude demasiado otimista, levando-o a pensar que tem
uma ideia extraordinária e consequentemente terá sucesso.
De qualquer forma, a maneira mais eficaz de encarar este processo é
adotar uma postura realista, uma vez que apesar de muito importante,
está é uma fase embrionária.
Ideia de negócio e projeto
• Posteriormente a ideia embrionária será testada de modo a
compreender se a constituição da empresa terá probabilidades de
êxito.
• Chegando à construção do alicerce do projeto, é necessário trabalha-
la e desenvolve-la, de modo a que se aproxime de um anteprojeto de
criação de empresa.
Ideia de negócio e projeto
• A fim de se fazer um diagnóstico prévio da ideia encontrada bem como
um aprofundamento e desenvolvimento da mesma são utilizados
vários métodos enquadrados nas seguintes duas categorias:
• Envolvente socioeconómica: análise documental, estudo de casos
práticos, observação;
• Envolvente criativa: “brainstorming”, listas de atributos e as
associações forcadas – domínio de algumas técnicas não acessíveis a
todos.
Ideia de negócio e projeto
Análise SWOT

O termo SWOT é um acrónimo que resume os conceitos de Pontos fortes


(Strengths), Pontos Fracos (Weaknesses), Oportunidades (Opportunities) e
Ameaças (Threats). A análise SWOT é um modelo de cenário ou de posição
competitiva de uma empresa no mercado.
A análise SWOT, identifica os pontos fortes e pontos fracos da sua capacidade
empreendedora e identificando as ameaças e oportunidades que se
apresentam em função das capacidades reconhecidas, assentando na
exploração das oportunidades recorrendo aos seus pontos fortes.
Ideia de negócio e projeto
Análise SWOT
• Os pontos fortes e fracos representam a situação interna da empresa num momento.
As oportunidades e ameaças estão relacionadas com o futuro.
• Na análise de mercado deverão ficar bem patentes e respondidas 3 questões:
1 – Quem compra o nosso produto?
2 – Quanto compra?
3 – A que preço compra?

• O aperfeiçoamento da ideia faz-se em dois momentos:


1. A definição do negócio
2. A determinação dos objetivos
Ideia de negócio e projeto
Definição do negócio
Qual é o negócio?

• Qual é o tipo de negócio? (Produção, distribuição, retalho, serviço, …)


• Que produtos vai oferecer?
• Quem são os seus clientes?
• Quem são os seus fornecedores?
Ideia de negócio e projeto
Definição do negócio
• Qual é a sua vantagem sobre os seus concorrentes? (na ótica dos seus
clientes)
• Como vai colocar no mercado os seus produtos?
• Qual a imagem a transmitir?
• Está satisfeito? (Neste momento o empreendedor deverá reler o que
escreveu, de modo a responder à questão com base na consolidação de ideias)
Ideia de negócio e projeto
Objetivos

• Objetivos financeiros
• Objetivos de satisfação pessoal
• Objetivos fundamentais
• Objetivos secundários
• Objetivos a curto prazo
• Objetivos a médio e longo prazo.
Vamos criar
um negócio?
atividade
Empreendedores de
sucesso
Empreendedoras
• Cristina Ferreira – DailyCristina
• Inês nunes Pimentel
• Inês Mocho
• Capazes
• Manuela Medeiros – Parfois
• Vanessa Martins – Frederica

https://www.saberviver.pt/bem-estar/carreira/empresarias-portuguesas-de-
sucesso-partilham-segredos/
Tony Robbins
Fred Canto e Castro
5. Coerência do projeto pessoal/ projeto empresarial
Coerência do projeto pessoal/
projeto empresarial
• Um projeto pessoal consiste, em primeiro lugar, na criação de um
objetivo, que pode ser:
– o desenvolvimento pessoal, ou seja, como adquirir formação ou especialização
numa área, para melhorar a sua situação pessoal ou profissional;
– participar/organizar uma atividade coletiva de lazer, do seu agrado, na empresa ou
no bairro;
– dar um contributo de solidariedade para uma entidade com cujos objetivos se
identifique e seja sensível;
– criar uma atividade com fins lucrativos;
– desenvolver um projeto inovador dentro da organização em que se insere.
Coerência do projeto pessoal/
projeto empresarial
• Vários autores apresentam razões para se ter o seu próprio
empreendimento. Muitas vezes, o motivo básico é a necessidade de ser
seu próprio patrão, evitar a relação de subordinação típica de médias e
grandes empresas, quando se assume o papel de empregado. Além disso, a
vontade de ganhar mais dinheiro do que aquele que se auferia como
subordinado numa organização de terceiros constitui uma outra
motivação.
Coerência do projeto pessoal/
projeto empresarial
• Existe uma grande variedade de motivos que levam as pessoas a ter o
seu próprio negócio: vontade de ganhar dinheiro, desejo de sair da
rotina e de levar ideias próprias avante, mais do que seria possível na
condição de empregado, necessidade de provar a si mesmo e aos
outros de que é capaz de realizar um empreendimento e desejo de
desenvolver algo que traga benefícios, não só para si, mas para a
sociedade.
6. Fases da definição do
projeto
• Fase 1: A Conceção da Ideia
• Fase 2: Testar a Ideia/Análise de Mercado
• Fase 3: Elaboração do Plano de Negócios

Fases da • Fase 4: Conseguir o capital inicial



definição •
Fase 5: Constituição Formal da Empresa
Fase 6: Encontrar o local ideal
do projeto • Fase 7: Definição dos corpos diretivos e
recrutamento de colaboradores
• Fase 8: Iniciar a atividade da empresa
Fases da definição do projeto

Fase 1: A Conceção da Ideia


• O primeiro grande desafio na altura de criar um negócio próprio é a
conceção da ideia.
• A ideia pode surgir da experiência profissional do empreendedor, dos seus
hobbies, da constatação de uma necessidade do mercado. As fontes de
inspiração são inúmeras, mas o fundamental é que neste processo - quase
sempre solitário - o potencial empresário não perca a noção de que o seu
projeto tem de ser acima de tudo realista.
Fases da definição do projeto

Fase 2: Testar a Ideia/Análise de Mercado


• Esta é a fase em que vai começar a testar se a sua ideia tem potencial.
Rodeie-se de pessoas da sua confiança, conte-lhes o seu projeto e procure
avaliar as potencialidades do mesmo.

• O fundamental nesta fase é analisar de forma rigorosa - com base em


levantamentos e estudos concretos - as reais condicionantes do mercado.
Fases da definição do projeto

Fase 3: Elaboração do Plano de Negócios


• É momento de discutir estratégias, definir prioridades, descartar ideias
menos boas.
• O objetivo desta fase é que a equipa conceba um plano de negócios que
exponha de forma realista como é que a equipa planeia transformar as
suas ideias num negócio exequível, sustentável e lucrativo. Esta é uma das
etapas mais complicadas e minuciosas.
Fases da definição do projeto

Fase 4: Conseguir o capital inicial


• Nesta fase o objetivo é conseguir um compromisso de financiamento
que assegure a criação da empresa.

Fase 5: Constituição Formal da Empresa


• Uma vez ultrapassada a questão do capital inicial o empreendedor
poderá avançar para a constituição formal da empresa. Esta é uma das
fases mais penosas, pela carga burocrática que lhe está associada.
Fases da definição do projeto

Fase 6: Encontrar o local ideal


• O local que escolhe para instalar a sua empresa faz toda a diferença. Além
de ser uma das primeiras imagens que os seus clientes têm de si, deverá
adequar-se à atividade que quer desenvolver, aos 'targets' que quer
alcançar e a vários outros fatores.
Fases da definição do projeto

Fase 7: Definição dos corpos diretivos e recrutamento de


colaboradores
• Lembre-se que o talento é vital. Rodeie-se de profissionais
empreendedores e com capacidade de iniciativa. Lembre-se também
que o seu compromisso com os recursos humanos da sua empresa vai
além das condições salariais. Defina estratégias de retenção dos seus
recursos.
Fases da definição do projeto
Fase 8: Iniciar a atividade da empresa
• Assegure-se de que todos os pormenores estão operacionais para receber
o cliente desde as instalações, aos recursos humanos, às estruturas de
comunicação (telefones, faxes, mails).
• Nesta fase deve estabelecer os principais sistemas de gestão e definir áreas
de contabilidade, logística, controlo de qualidade e outras.
• Inicie o processo de promoção da empresa.
• Deverá ainda motivar os seus colaboradores para o início de atividade, dar-
lhes indicações precisas daquilo que se espera e dos objetivos a atingir.
7. Modalidades de trabalho
Atividade liberal

Modalidades Empresário em
de trabalho nome individual
Sociedade por
quotas
Modalidades de trabalho
Atividade liberal

• Os trabalhadores liberais têm deveres para com as entidades a quem


prestam serviços e têm obrigações relativamente aos empregados que
tiverem a seu cargo;
• Tiverem, no exercício das atividades, a faculdade de escolher os
processos e meios a utilizar, sendo estes, total ou parcialmente, das
suas propriedades;
Modalidades de trabalho
Atividade liberal
• Não se encontrarem sujeitos a horário e ou a períodos mínimos de
trabalho, salvo quando tal resulte da direta aplicação de normas de
direito laboral;
• Possam subcontratar outros para a execução do trabalho em sua
substituição;
• Não se integrem na estrutura do processo produtivo, na organização
do trabalho ou na cadeia hierárquica das empresas que servem.
Modalidades de trabalho
Empresário em nome individual

• Titulada por uma única pessoa que pode desenvolver a sua atividade
em sectores como o comercial, industrial, de serviços ou agrícola.
• Para iniciar a sua atividade, o empresário necessita de se inscrever na
Repartição de Finanças da sua área de residência.
Modalidades de trabalho
Empresário em nome individual
Vantagens:
• O controlo absoluto do proprietário único sobre todos os aspetos do seu
negócio;
• A possibilidade de redução dos custos fiscais. Nas empresas individuais, a
declaração fiscal do empresário é única e inclui os resultados da empresa.
Assim, caso registe prejuízos, o empresário pode engloba-los na matéria
coletável de IRS no próprio exercício económico a que dizem respeito;
• A simplicidade, quer na constituição, quer no encerramento, não estando
obrigado a passar pelos trâmites legais de uma sociedade comercial.
• O empresário individual não está obrigado a realizar o capital social.
Modalidades de trabalho
Empresário em nome individual
Desvantagens:
•O risco associado à afetação de todo o património do empresário,
cônjuge incluído, às dívidas da empresa.
•Dificuldade em obter fundos, seja capital ou divida, dado que o risco de
crédito está concentrado num só individuo.
•O empresário está inteiramente por sua conta, não tendo com quem
partilhar riscos e experiências.
Modalidades de trabalho Sociedade
por quotas
• A principal característica das sociedades por quotas advém do facto de o
seu capital estar dividido em quotas e os sócios serem solidariamente
responsáveis apenas pelas entradas convencionadas no contrato social:
• O número mínimo de sócios de uma sociedade por quotas é de dois;
• O montante de capital social é livremente fixado no contrato da sociedade,
correspondendo à soma das quotas subscritas pelos sócios. Cada quota
tem um valor nominal mínimo de €1;
• A responsabilidade dos sócios tem uma dupla característica: é limitada e
solidária;
Vantagens:
•A responsabilidade dos sócios é limitada aos
bens afetos à empresa, havendo uma separação
clara do património da empresa. Logo, o risco
Modalidades pessoal é menor;

de trabalho A existência de mais do que um sócio pode


garantir uma maior diversidade de experiências e
Sociedade conhecimentos nos órgãos de decisão da
por quotas empresa;
•Há maior probabilidade de se garantir os fundos
necessários, pois podem ser mais pessoas a
entrarem no capital da empresa e o crédito
bancário tende a ser mais fácil.
Modalidades de trabalho
Sociedade por quotas
•Um sócio pode ser chamado a responder perante os credores pela totalidade
do capital.
•O empresário não tem o controlo absoluto pelo governo da sociedade, já que
existe mais do que um proprietário.
•As sociedades por quotas são mais difíceis de constituir e dissolver por
imperativos formais de carácter legal e, sobretudo, pela necessidade de
acordo entre os sócios.
•Os sócios não podem imputar eventuais
prejuízos do seu negócio na declaração de IRS
Modalidades (os resultados das sociedades são,
de trabalho obviamente, tributados em sede de IRC).
Sociedade •É obrigatória a entrada dos sócios com

por quotas dinheiro ou, pelo menos, com bens avaliáveis


em dinheiro.
8. Mercado de trabalho visível e
encoberto
Três questões fundamentais:
É feliz no seu trabalho?

Quer continuar a aprender e a evoluir?

Quer ser ultrapassado pelas novas


técnicas?
9. Pesquisa de informação para
procura de emprego
Conhecer as técnicas de procura de emprego

A decisão de procurar emprego surge de diferentes situações em que cada


pessoa se encontra.

•A procura do primeiro emprego no final dos estudos;


•Quando o emprego atual não é o mais adequado;

•Quando a insatisfação do emprego está relacionada com o próprio sector


onde o indivíduo está inserido;

•Situação de despedimento.
Conhecer as técnicas de procura de emprego

São cinco as fases essenciais no desenvolvimento de um processo de procura


de emprego:
•Balanço pessoal e profissional;
•Recolha de anúncios de emprego;
•Resposta aos anúncios selecionados;
•Mercado oculto de emprego (oportunidades de trabalho que não são
publicitadas nos meios habituais);
•Entrevista de seleção;
Conhecer as técnicas de procura de emprego
Essencial trabalhar três regras básicas:

• Conhecer-se a si próprio;

• Conhecer o mercado de
trabalho;
• Conhecer as técnicas de
procura de emprego;
Que perfil procuram os empregadores?

Compromisso com
Vontade de
a empresa e com o Trabalho de equipa;
aprender;
projeto;

Competências de Cooperação com os


Automotivação; comunicação oral e outros, liderança e
escrita; trabalho de equipa;

Energia e Motivação;
proatividade;
Que perfil procuram os empregadores?

Curiosidade e
Ponderação e bom Cordialidade e iniciativa para
senso; educação; melhorar
desempenhos

Capacidade de
Atitude de lidar com o Honestidade,
permanente escuta insucesso e motivação e
e disponibilidade ultrapassar segurança.
adversidades;
Inicie agora uma procura ativa:
Dar-se a conhecer aos potenciais empregadores.

Comece por definir que sectores de atividade lhe interessam.

Esteja atento às propostas profissionais que são divulgadas nos jornais.

Consulte e selecione os anúncios afixados em painéis nos Centros de Emprego, nas


Juntas de Freguesia, nos Hipermercados, Supermercados, ou noutros locais
públicos.
As empresas de recrutamento e seleção são também uma boa fonte de
informação.
O que NÃO Desistir face aos nãos.
Deixar de apostar na

deve fazer sua formação contínua.

quando
procura Mentir ou exagerar nas
informações do seu Ser arrogante.
emprego? currículo
10. Medidas ativas de emprego e
formação
Medidas ativas de emprego e
formação
• Se tem uma ideia de negócio e pretende desenvolver uma atividade
empresarial de pequena dimensão candidate-se ao Programa de Apoio ao
Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego, que engloba as
medidas de:
Apoios à Criação de Empresas
Programa Nacional de Microcrédito
Apoio à Criação do Próprio Emprego por Beneficiários de Prestações de
Desemprego
Medidas ativas de emprego e
formação
• Criação do Próprio Emprego
– Apoios à Criação do Próprio Emprego por Beneficiários de Prestações
de Desemprego - medida no âmbito do Programa de Apoio ao
Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego, que consiste na
atribuição de apoios a projetos de emprego promovidos por
beneficiários das prestações de desemprego
– Promotores / Destinatários

Beneficiários das prestações de desemprego que apresentem um projeto


que origine, pelo menos, a criação do seu emprego.
Medidas ativas de emprego e
formação
• Criação de empresas

– Apoios à Criação de Empresas - medida no âmbito do Programa de


Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego, que
consiste na atribuição de apoios a projetos de criação de empresas de
pequena dimensão com fins lucrativos, incluindo cooperativas, através
do acesso a linhas de crédito com garantia e bonificação da taxa de
juro concedido por instituições bancárias.
Medidas ativas de emprego e
formação
Promotores / Destinatários
• Desempregados inscritos há 9 meses ou menos,
• Jovens à procura do 1.º emprego com idade entre os 18 e os 35
anos,
• Nunca tenham exercido atividade profissional por conta de outrem
ou por conta própria
• Trabalhadores independentes cujo rendimento médio mensal, no
último ano de atividade, seja inferior à retribuição mínima mensal
garantida
Medidas ativas de emprego e
formação
Microcrédito
• Programa Nacional de Microcrédito - medida no âmbito do Programa de
Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego, que consiste
no apoio a projetos de criação de empresas promovidos por pessoas que
tenham especiais dificuldades de acesso ao mercado de trabalho, através
do acesso a crédito para projetos com investimento e financiamento de
pequeno montante. 
• Esta medida é desenvolvida em parceria com a Cooperativa António Sérgio
para a Economia Social (CASES).
Medidas ativas de emprego e
formação
Destinatários
• Pessoas com perfil empreendedor que tenham especiais dificuldades
de acesso ao mercado de trabalho e estejam em risco de exclusão
social e que apresentem projetos viáveis para criar postos de trabalho.
• Microentidades e cooperativas até 10 trabalhadores que apresentem
projetos viáveis com criação líquida de postos de trabalho, em especial
na área da economia social.
Consulte ainda:

• Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas (IAPMEI)


• Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE)
• Associação Nacional de Direito ao Crédito (ANDC)
• Portugal Empreendedor – O portal do Empreendedorismo e da Incubação
• Empreender – Plataforma do Empreendedor
• Beta-i Associação para a Promoção da Inovação e Empreendedorismo
• IFDEP – Instituto para o Fomento e Desenvolvimento do Empreendedorismo em
Portugal
11.Mobilidade geográfica
•Adquirir experiência profissional e
melhorar o CV.
•Melhorar competências pessoais
como a capacidade de iniciativa,
•A determinação e a flexibilidade.
Mobilidade
•Aumentar a autoconfiança.
geográfica
•Aproveitar as oportunidades de
formação profissional ou de estágio.
•Experimentar algo de novo e viver
uma aventura.
•Ter a possibilidade de ganhar um
salário mais elevado.

•Conhecer uma nova cultura e melhorar


as competências linguísticas.

Mobilidade •Encontrar mais vagas no domínio de


atividade escolhido.
geográfica
Beneficiar de um estilo de vida
diferente, talvez melhor.

Deixar a sua atividade habitual durante


algum tempo e fazer algo diferente.
Mobilidade geográfica
• Onde procurar emprego

– Anúncios de emprego publicados na Internet;


– Jornais;

– Centros de emprego;
– Empresas de recrutamento privadas;

– Sítios web e os meios de comunicação social direcionados para


profissões e setores específicos;
– Portal EURES sobre mobilidade profissional;
12. Rede de contactos
Rede de contactos
• O NETWORKING Consiste em estabelecer relacionamentos pessoais e
profissionais com o objetivo de partilhar informações, experiências e
recursos.
• Net, significa “rede”, “work”, quase sempre traduzida apenas como
"trabalho", tem um sentido mais amplo: é qualquer aplicação de
energia orientada para um propósito específico.
Rede de contactos
• Há estudos que mostram que cerca de 70% das ofertas de trabalho preenchidas
não chegam a ser anunciadas/divulgadas. Apenas existem duas formas possíveis
para os candidatos terem acesso a estas ofertas: Através de contactos
pessoais/sociais/profissionais ou realizando candidaturas espontâneas.

• Pesquisas recentes indicam que 50% a 70% das pessoas encontraram o seu
último emprego através de networking, ou seja, trabalhando a sua rede de
contactos. Pode fazer networking de várias formas: pessoal e presencialmente,
por telefone e por e-mail.
1. Comece por criar uma lista com as
pessoas que vão fazer parte da sua rede
de contactos.
Prepare-se 2.
3.
Identifique claramente os seus objetivos.
Crie o seu cartão-de-visita para fins
para fazer profissionais.
4. Faça um registo organizado destes
Networking: contactos e das informações conseguidas.
5. Manter sempre a sua palavra, pois o
Networking para ser bem-sucedido
assenta na confiança.
6. Agradeça sempre o apoio e interesse
manifestados.  
13. Curriculum vitae
Um CV bem escrito e estruturado é meio
caminho andado para arranjar um novo
Curriculum emprego. O seu CV é um cartão-de-visita

vitae que pode fazer a diferença entre um


convite para uma entrevista ou uma recusa
imediata.
Informações relevantes - informações que
salientem as suas mais valias e aumentem as
possibilidades de obter uma entrevista.

Tamanho reduzido – Tente reduzir o seu CV a


Curriculum duas folhas.

vitae
Bem organizado – Divida o seu CV em secções
claras (por ex. dados pessoais, formação,
experiência profissional, observações etc.)
Exemplos concretos - demonstrou o seu
espírito de equipa ou onde já aplicou a
sua capacidade de perseverança.

Sinceridade - Ao mentir no seu CV


Curriculum
arrisca-se a ser apanhado mais cedo ou
vitae mais tarde.

Voz ativa – Use verbos dinâmicos e


ativos como organizar, presidir, ensinar,
etc.
• Aparência gráfica – Cada CV que envia
deve ser uma impressão original.
Manchas, dobras nos cantos e vincos
são proibidos.

Curriculum • Tipo de CV – Um CV cronológico


fornece uma listagem da sua formação
vitae e experiência de acordo com uma
sequência lógica no tempo. Um CV
funcional junta qualidades e
características por área relevante.
Curriculum vitae
• Um currículo claro e autoexplicativo é a melhor forma de captar o interesse
do empregador. A escolha de uma profissão, de um curso, por si só não
basta. As exigências atuais premeiam a diversificação de conhecimentos e
competências e a formação contínua.

• O futuro começa a traçar-se no presente. A procura da credibilidade e do


respeito na sua profissão e na sua área obriga-o a ser fiel a uma linha de
atuação, que não é mais do que a sua marca. É isso que um empregador
procura no seu currículo.
Curriculum vitae
Se está desempregado, não fique sem fazer nada, dedique-se a:

• Aprender ou aperfeiçoar uma língua estrangeira;


• Frequente um curso de informática ou tecnologias da informação, que são
sempre úteis para melhorar o seu currículo;
• Arranje um part-time, de preferência na sua área, se não, um que lhe
possibilite aprender uma atividade/profissão cujos conhecimentos possa
vir a utilizar mais tarde;
Curriculum vitae

• Participe em atividades culturais, conferências, workshops;


• Compre revistas especializadas da sua área, ponha-se a par de todas as
evoluções no mercado;
• Se tem interesse nalguma empresa aprenda tudo sobre ela;
 
14. Anúncios de emprego
Anúncios de emprego
Fontes de anúncios:
• Centros de Emprego (consultas das listagens no local, site do IEFP)
• UNIVA´s (Unidades de Inserção na Vida Activa)
– Estabelecimentos comerciais, empresas e instituições; associações de
estudantes/gabinetes de saídas profissionais das Universidades e
Politécnicos; Juntas de Freguesia, etc.
– Empresas de recrutamento, selecção e trabalho temporário (Adecco,
Manpower; Select – Vedior; Hays Selection; Stepstone, etc.).
Anúncios de emprego
•Internet (sites úteis de pesquisa de emprego: www.empregos.online.pt;
www.net-empregos.com; www.expressoemprego.pt: www.portalemprego.pt:
www.superemprego.pt: www.pontodeemprego.com…);

•Associações industriais, de desenvolvimento ou tecnológicas;

•Empresas e grupos empresariais de relevo;

•Amigos, conhecidos, familiares, ex-professores, colegas...


Anúncios de emprego
Precauções de salvaguarda da igualdade de oportunidades
• Os anúncios de recrutamento devem indicar claramente que a posição a concurso
se destina a homens ou mulheres, e independentemente do estado civil.
• Os mesmos podem reforçar esta ausência de descriminação através da inclusão
de uma frase no anúncio do tipo “convidam-se a responder os (as) candidatos
homens e mulheres qualificados (as)”.
• Devem ser evitados títulos dos lugares a concurso que apontem especificamente
para um dos sexos, como sejam por exemplo “secretária”, “diretor”, ou
“enfermeira”.
Anúncios de emprego
A resposta a um anúncio
A resposta a um anúncio de emprego deve ser cuidada e bem redigida para
que consiga obter uma entrevista. Deverá necessariamente respeitar o
formato que o empregador solicita (carta, fax, email ou outro), nunca se
esquecendo de enviar o CV em conjunto.
Pode despertar o interesse do empregador com uma carta de apresentação
e/ou resposta de anúncio, mostrando as razões de candidatura e evidenciando
alguns aspetos do seu Curriculum Vitae que sejam importantes, tendo em
conta o lugar a que se candidata.
1) Deve indicar primeiro a sua identificação
pessoal (nome, morada e email);
Para a
elaboração 2) Segue-se a identificação do destinatário
(dirigindo-se aos Recursos Humanos);
da carta
deve 3) Deverá indicar a qual anúncio se candidata
(nome do jornal, data de publicação e número
de referência do anúncio);
respeitar
4) Por fim deverá fazer referência à função a que
algumas se candidata enaltecendo as suas qualidades
para o cargo.
regras: Para finalizar a carta de resposta deve despedir-
se cordialmente e de maneira formal, não
esquecendo a data e a sua assinatura.
Referências e recomendações
• Em Portugal não é muito habitual entregar referências ou ainda menos
apresentar cartas de recomendação.
• Prepare-se com antecedência, componha uma lista de referências e junte
algumas cartas de recomendação para estar preparado quando o possível
empregador as pedir.
• Deve escolher pessoas responsáveis, com um cargo elevado, se possível,
que possam confirmar que trabalhou em determinado sítio com
determinado cargo e que podem dizer porque saiu e outros detalhes.
Exemplo: carta
de
apresentação
(resposta a
anúncio)
Exemplo:
Referência e
Recomendações
15. Candidatura espontânea
15. Candidatura espontânea
• Uma candidatura espontânea serve para demonstrar o interesse que
um candidato tem em trabalhar numa determinada empresa.
• Intenção do candidato que, voluntária e espontaneamente procura
estimular na empresa um interesse pelo seu perfil pessoal e
profissional, relacionando-o com o perfil de competências que é
requerido habitualmente pela organização.
Candidatura espontânea
• A carta de candidatura espontânea deve ser simples e objetiva.

– Apresentar uma candidatura;


– Pedir uma entrevista;

– Descrever as competências e habilitações;


Candidatura espontânea
• Cabeçalho
• Introdução
• Desenvolvimento
• Conclusão
Deverá escrever uma carta de Candidatura Personalizada para cada empresa e
enviá-la com o seu CV, esperando contacto posterior. A chave de uma
candidatura espontânea é saber dirigi-la para a empresa certa, para o
destinatário, o mais personalizada possível, oferecendo serviços específicos e
referindo as principais competências para o seu desempenho.
Exemplo: carta
de
apresentação
(candidatura
espontânea)
16. Entrevista de emprego
Tipo de entrevistas
• Entrevista de recrutamento
• Entrevista de seleção:

Entrevista – Entrevista individual


– Entrevista de painel
de – Entrevista em série

emprego – Entrevista em grupo


– Entrevista social
– Entrevista de stress
– Agências de emprego
• Fases da Entrevista

Entrevista – Preparação da entrevista

– Ambiente.
de – Processamento da entrevista.

emprego – Encerramento
– Avaliação do candidato.
Entrevista de emprego
Aspetos a Abordar numa Entrevista

Dados biográficos

Formação escolar e técnica

Experiência/história profissional

Fatores pessoais de satisfação

Situação familiar

Atividades exteriores ao trabalho

Qualidades exigidas à função


Entrevista de emprego
A postura do candidato
Pontos Negativos
• Fazer gestos em excesso;
• Soltar risinhos nervosos para forçar a empatia;
• Expressar-se através de respostas monossilábicas (sim, não, talvez, etc.);
• Mexer-se bastante na cadeira;
• Falar demasiado baixo (sinal de receio);
• Fumar sem ser convidado;
• Falar sem olhar para o entrevistador (mostra receio, falta de confiança e de
sinceridade);
Entrevista de emprego
A postura do candidato
Pontos positivos
• Fala alto para ser ouvido;
• É claro e objetivo ao expressar-se;
• Controla os seus estados emotivos e os movimentos do seu corpo;
• Encara o entrevistador com naturalidade;
Entrevista
de emprego
Carta de agradecimento
UFCD 8600 Canelas, Penafiel Formadora: Maria Soares