Você está na página 1de 14

SUMÁRIO

 INTRODUÇÃO

 CONCEITO

 OBJETIVOS

 CLASSIFICAÇÃO DA EC

 PREPARAÇÃO DA EC

 EXECUÇÃO DA EC

 PROCEDIMENTO EM CASO DE FALHAS

 ENCERRAMENTO DA MISSÃO
INTRODUÇÃO
Visa a mascarar a verdade, sobre o pessoal, as
instalações e os objetivos das Operações de Inteligência,
com base no aproveitamento de pretextos e circunstâncias
favoráveis, através de uma argumentação que possa ser
comprovada se houver necessidade.

Pode ser utilizada apenas em um determinado momento,


ou em caráter permanente, dependendo da necessidade
de provimento de dados necessários e das condições de
segurança do ambiente operacional.

Estória Cobertura é uma técnica operacional que pode ser


utilizada isoladamente ou em apoio às outras técnicas, é
simples na sua aplicação, porém exige um planejamento
detalhado e um profissional bem treinado para executá-la.
CONCEITO

É uma identidade de proteção usada para


pessoas, instalações, organizações, para encobrir
propósitos e atos nas OPERAÇÕES DE
INTELIGÊNCIA.

É uma técnica operacional rotineira.


FINALIDADES

 Proteger o sigilo da Operação de Inteligência

 Obter maior facilidade para acessar o dado

 Proteger a identidade do órgão e do pessoal


CLASSIFICAÇÃO
Quanto as bases para formulação
São levadas em consideração a autenticidade ou não dos
dados utilizados para compor a Estória-cobertura, que
poder ser estruturada sobre:

 Bases naturais  Bases artificiais


Utilizando dados forjados,
Utilizando, preponderantemente,
dados autênticos sobre as atividades
tanto para as organizações
normais e legais de uma quanto para os agentes.
organização, ou do agente, segundo
o seu perfil biográfico, familiar e
social.
QUANTO AS BASES PARA FORMULAÇÃO

Capacidade de resistir às iniciativas ou investigações por parte do alvo,


podem ser : SUPERFICIAIS - PROFUNDAS

SUPERFICIAIS - Normalmente utilizadas no cotidiano, muitas vezes


requerendo apenas planejamento mental e uma execução imediata.
Não devem ser utilizadas em alvos que possuam condições de
pesquisar dados fornecidos pelo agente. Nem aqueles com os quais
serão mantidos contatos duradouros ou freqüentes.

PROFUNDAS - São aquelas capazes de resistir as investigações mais


aprofundadas e a ações de contra inteligência adversas. Exigem
pesquisas, planejamento e preparação minuciosos. Em geral, são
utilizadas em missões que requeiram um alto nível de segurança e a
obtenção constante de dados.
QUANTO A PROTEÇÃO LEGAL

OFICIAL - São
coberturas proporcionadas por
função oficial do governo.
Ex.: Funcionários de embaixadas, adidos
culturais.

NÃO OFICIAL - São coberturas proporcionadas por


atividades não reconhecidas como
governamentais. Exemplos:
Atv comerciais, culturais,
científicas, etc.
REGRAS PARA MONTAGEM
 Simplicidade

 Flexível

 Coerente

 Considerar o ambiente operacional

 Considerar os meios disponíveis

 Aproveitar os conhecimentos e aptidões dos agentes

 Adequar à sensibilidade do alvo


PLANEJAMENTO
 Estudo de Situação (ESInt)
Plano de Operações

PREPARAÇÃO
 Pessoal
- Treinamento(Verificação de falhas e vulnerabilidades)
- EC dentro da EC
- Dupla Cobertura

 Material
EXECUÇÃO
 Agir com naturalidade

 Não saturar o alvo com dados comprobatórios

 Acreditar na Estória Cobertura (auto-confiança e segurança)

 Preocupar-se com os resultados (não com a veracidade)


 Agir de acordo com a Estória Cobertura (Vestuário, sotaques, gírias...)
 Procedimentos em caso de falha
- Manter a mesma EC
-Usar a EC dentro da EC
- Omitir “sempre” o vínculo com o OI
- Retirar-se da área, o mais breve possível, de forma discreta
ENCERRAMENTO
 Não abandonar simplesmente a EC

 Adotar procedimentos máximos de segurança e forma a não


deixar pistas
LEMBRE-SE SEMPRE,
 “Desaquecimento”
A ESTÓRIA COBERTURA TAMBÉM É
 Realizar um “debriefing”
UMA “MEDIDA DE SEGURANÇA”
 Realizar uma auto-crítica
 Manutenção de um arquivo de EC executadas e seus resultados

Você também pode gostar