Você está na página 1de 14

Muitos autores atribuem a origem da palavra

“linchamento” ao coronel Charles Lynch, que


praticava o ato por volta de 1782, durante a
guerra de independência dos Estados Unidos
da América, ao tratar dos pró-britânicos.

Entretanto, é mais seguidamente atribuída ao


capitão William Lynch (1742-1820), do
condado de Pittsylvania, Virgínia, que manteve
um comitê para manutenção da ordem
durante a revolução, por volta de 1780.
A « lei de Lynch » deu origem à palavra
linchamento, em 1837, designando o
desencadeamento do ódio racial contra os
índios, principalmente na Nova Inglaterra,
apesar das leis que os protegiam, bem como
contra os negros perseguidos pelos "comitês de
vigilância" que darão origem a Ku Klux Klan.
Ku Klux Klan (KKK) é o nome de várias
organizações racistas dos Estados Unidos que
apóiam a supremacia branca e o
protestantismo (padrão conhecido também
como WASP-sigla em inglês para protestantes
brancos anglo-saxões) em detrimento a
outras religiões.

A KKK, em seu período mais forte, foi


localizada principalmente na região sul de tal
país, em estados como Texas e Mississipi.
Nos Estados Unidos, antes da Guerra
Civil, o linchamento era usado
principalmente contra defensores dos
direitos civis, ladrões de cavalos
e trapaceiros.

No entanto, por volta de 1880, seu uso


se expandiu para grupos de status social
supostamente mais baixo, como negros,
judeus, índios e imigrantes asiáticos.
O medo dos negros e de sua(s) cultura(s) ainda era evidente em 1900
A prática do linchamento ficou
particularmente associada ao assassinato de
negros no sul dos Estados Unidos no período
anterior às reformas dos direitos civis da
década de 1960.
Menos de 1% dos participantes de
linchamentos nos EUA foram presos.

Mais de 85% dos estimados 5.000


linchamentos do período posterior à Guerra
Civil ocorreram nos estados do sul, mas o
problema era nacional, com um ápice em
1892, quando 161 negros foram linchados.
O País amparava seu racismo em leis, como a
"One Drop Rule". De acordo com ela,
qualquer americano que tivesse algum grau
de ancestralidade africana ("uma gota") era
considerado negro e juridicamente inferior

(até as conquistas dos movimentos pelos


direitos civis americanos na década de
1960).
Rose Parks, com Martin Luther King ao fundo. c. 1955
Bansky, artista de rua inglês que
transforma problemáticas sociais em arte.
O PODER DA IGNORÂNCIA
O cheiro de podre emerge da madeira,
Limo e lata enferrujada recepcionam,
A fome corre a imagem da miséria,
A dor adorna o choro disfarçado
...
Das pratas de lei a lei que ordenam,
Limpas os pés nos cabelos da serventia.
Conhecem o mundo que governam,
Sem conhecer as almas que exploram.
J C Cavalcante
Edição e produção

Tiago Pimentel