Você está na página 1de 21

Aula 1, SUE 1.

Apresentação, Plano de Aula, Por que REL?


Realismo, Liberalismo , Faces do Poder
Sumário
Apresentação

Plano de Aula

REL como disciplina

Realismo

Liberalismo

Faces do Poder
Bibliografia
Básica
MAGNOLI (2004; 15-23, 27-48)

Adicional
DIAS (2010, 14-30)
SEINTEFUS (2013, 5-17)

Aprofundamento
CASTRO (2012)
Por que estudar REL?

Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não


precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se
conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória
ganha sofrerá também uma derrota. Se você não
conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá
todas as batalhas... (Sun Tzu)
Por que estudar REL?

“Preparar e empregar o Poder Naval, a fim de


contribuir para a Defesa da Pátria; para a garantia dos
poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer
destes, da lei e da ordem; para o cumprimento das
atribuições subsidiárias previstas em Lei; e para o
apoio à Política Externa”
Por que estudar REL?
“A Marinha do Brasil será uma Força moderna,
aprestada e motivada, com alto grau de
independência tecnológica, de dimensão compatível
com a estatura político-estratégica do Brasil no
cenário internacional, capaz de contribuir para a
defesa da Pátria e salvaguarda dos interesses
nacionais, no mar e em águas interiores, em sintonia
com os anseios da sociedade”
Didática
O uso de notebooks NÃO será permitido em sala de
aula

A leitura prévia dos textos é imprescindível

Todos os textos indispensáveis e complementares


estão na rede BIM ou em domínio público; os
sugeridos para aprofundamento serão
disponibilizados no Google Drive
Plano de Aula - Exemplo
Aula 4 - Geopolítica

Obrigatório: WALTON (2007, 1-25); CARDOSO


(2015, 7-29)
 
Aprofundamento: KAPLAN (2013); MARSHALL
(2018)
Mapa 1 (fonte: GPF, 22/01/2018)
Mapa 2 (fonte: GPF, 24/05/2018)
Mapa 3 (Perspectiva Australiana)
Filósofos embasadores - Hobbes
Estado de Natureza Caótico – A morte é sempre uma
possibilidade

Desconhecimento das intenções do outro – Paranoia

Sobrevivência, autoproteção

Superação do Estado de Natureza – transferência da


soberania individual, por meio de um contrato
envolvendo a todos os indivíduos. A soberania fica nas
mãos do Leviathan, soberano.
Filósofos embasadores - Kant
O Indivíduo nasce com ideias formadas na sua
consciência

Imperativo categórico – praticar o que pode ser


generalizado

Imperativo hipotético – praticar o que deve ser feito


pelas consequências

Estado de Natureza – relativamente pacífico, mas nem


todos agem de acordo com o imperativo categórico
Filósofos Embasadores - Kant
Necessidade de um contrato – a sociedade aceita
fazer parte de uma República, que tem uma
constituição que é o resultado do consenso de todos

Repúblicas não entram em guerra contra Repúblicas,


apenas contra regimes despóticos

Quando só houver Repúblicas, teremos alcançado a


Paz Perpétua
Realismo nas Relações Internacionais
Filósofos influenciadores – Tucídides, Maquiavel

Filósofo basilar – Hobbes

Estado – ator central, muito mais importante que


outros agentes

Anarquia – não há um Leviatã internacional


Realismo nas RI
Estados são racionais (mas razão do Estado, não razão
do indivíduo)

Poder como elemento central para garantir a


sobrevivência

Equilíbrio de Poder
Liberalismo nas RI
Filósofo influenciador – Locke

Filósofo basilar – Kant

A cooperação pode ser o principal motor das relações


internacionais, trazendo benefícios mútuos para os
envolvidos, ao invés do conflito

Jogo ganha-ganha em vez de jogo de soma-zero


Liberalismo nas RI
Estados podem não ser os principais atores,
dependendo das circunstâncias – Empresas,
Instituições, ONGs, cidadãos, etc.

Conflito não é inevitável


Steven Lukes, as faces do Poder
1ª face – obrigar alguém a fazer algo, mesmo contra
sua vontade

2ª face – “ditar as regras e o local do jogo”, não dando


margem de manobra ao outro

3ª face – fazer com que o outro atue da maneira que


se pretende, sem que ele se dê conta disso
Pergunta
O Realismo e Liberalismo têm vários pontos de
divergência, entre os quais o conceito de realidade
PORQUE
O Realismo considera a realidade como objetiva e o
Liberalismo como subjetiva

A verdadeira, B falsa
A falsa, B verdadeira
Ambas falsas
Ambas verdadeiras e B é a justificativa da primeira
Ambas verdadeiras mas B não é justificativa da primeira
Próxima aula - Perguntas
O que o Construtivismo apresenta de diferenciado em
relação ao Realismo e Liberalismo?

O que é sharp power?