Você está na página 1de 10

1.

Definição de Termos e Conceitos Básicos de


Sinalização Ferroviária
1.1 Circuito de Via (CDV)
É composto por:
1.Segmento de via férrea (os trilhos),
2.Juntas Isoladas,
3.Um excitador: gerador de energia
4.Um receptor : relé de Via
Tem como função:
1.Detectar a ocupação do circuito da via por um trem:
através do curto circuito feito pelo rodeiros e eixos do trem,
que desvia o fluxo da corrente elétrica, interrompendo a sua
chegada até o receptor.
2.Detectar a quebra de trilhos do circuito de via:
através da interrupção do fluxo de corrente elétrica ao
receptor.
Segmento da Via

Juntas Isoladas

Gerador Relé de
Via

Composição do Circuito de Via Circuito de Via Livre

Circuito de Via Ocupado Circuito de Via Ocupado


Por Trem Por Trilho Quebrado
1.2 Máquina de Chave Elétrica
É um dispositivo elétrico-mecânico comandável destinado a movimentação e
detecção de posição de Aparelho de Mudança de Via (AMV). Possui travamento
mecânico e elétrico.
É composto por:
1.Máquina de Chave,
2.Conjunto de Tirantes de Comando,
3.Conjunto de Tirantes de Detecção das agulhas do AMV

4.Conjunto de Ferragens e Layout

Tem como função:


1.Comandar a movimentação do AMV para:
NORMAL (Continuidade do Movimento do trem)
Ou

REVERSA (Desvio do movimento do trem).


2.Detectar a posição das agulhas do AMV:
NORMAL
Ou

REVERSA.
1.3 “Case” – Caixa Metálica
Caixa metálica destinada ao abrigo de componentes e circuitos,
remotamente controláveis pelos equipamentos das houses.
As case são classificadas de acordo com a função dos circuitos que
abrigam:
CDV: Controle de Circuito de Via (Detecção e Geração de Código)
“Point”: Controle de Máquina de Chave Distante da house
Travador: Controle de Travador Elétrico
Travador Elétrico é um equipamento destinado ao controle de
desvios entre a Via Sinalizada e pátios de Manobra.
Operável por comandos locais, após autorização do Centro de
Controle.
1.4 “House” – Casa de Abrigo de Equipamento
Casa de alvenaria destinada ao abrigo de equipamentos.

1.5 Relés
Componente elétrico que abre e/ou fecha contatos mediante
energização (tensão e corrente elétrica) de sua bobina.

1.6 PCL – Painel de Controle


Painel físico com sinóptico com layout da região de controle da house,
teclas de comando e lâmpadas de indicação de estado, destinado a
operação local da house ou a testes durante a implantação e
manutenção do sistema.
1.7 Geradores de Código
Equipamentos controlados pelo Sistema de Sinalização, destinados a
geração de códigos de licenciamento, que serão aplicados nos trilhos
dos circuitos de via (CDV) e a frente do trem, enquanto este estiver
ocupando o CDV.
Os códigos empregados nos sistemas de sinalização da EFVM (Estrada
de Ferro Vitória a Minas) são sinais elétricos modulantes do sinal
senoidal de 60 Hz.
Os códigos de licenciamento e os seus respectivos limites de velocidade
são:
Verde - 65 Km/h
Amarelo - 47 Km/h
Vermelho sobre Amarelo – 35 Km/h
Vermelho – 0 Km/h
1.8 ATC – “Automatic Train Control”
Equipamento instalado a bordo da locomotiva, e
destinado a supervisão dos limites dos códigos de
velocidade.
Os códigos de velocidade são captados por dos trilhos,
por antenas instaladas a frente da locomotiva, e exibidos
na forma de aspectos luminosos e coloridos no painel do
equipamento ATC.
Se o maquinista do trem ultrapassar o limite de
velocidade correspondente ao código captado, o
equipamento ATC comanda automaticamente a parada do
trem.
Portanto o equipamento ATC é o responsável pela
garantia da obediência dos licenciamento de trens,
efetuado pelo sistema de sinalização.
1.9 Sistema de Sinalização
SISTEMA DE SINALIZAÇÃO é um sistema com a função de controlar com
segurança o licenciamento de trens, visando otimizar a circulação e
impedir licenciamentos conflitantes, que possam provocar colisões ou
acidentes.
Um SISTEMA DE SINALIZAÇÃO é dito do tipo FALHA SEGURA quando tem
a capacidade de detecção de qualquer falha, e em caso de falha é
garantido que o sistema é levado a um ESTADO SEGURO, geralmente um
estado restritivo de circulação.
Os SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO são classificados em:
DISTRIBUIDOS:
O sistema é distribuído ao longo da ferrovia, sendo os equipamentos de
controle e intertravamento abrigados na house, constituindo-se esta na
unidade de controle e do sistema. Portanto a segurança está no Campo.

CENTRALIZADOS:
O Sistema é concentrado no centro, onde reside todo o intertravamento
(lógica de segurança). Nas houses existirão apenas simples atuadores ou
detectores, controlados remotamente pelo Centro. Portanto a segurança
está no Centro.
1.10 CCO – Centro de Controle Operacional
Centro de Controle Operacional (CCO) é o conjunto de:
1. Sistema de controle e operação do licenciamento com
painel sinóptico do estado da circulação de trens. Este
sistema interage com os sistemas de sinalização sob seu
comando e controle.
2. Local Físico onde são centralizados a operação da ferrovia
e os serviços de apoio: manutenção eletroeletrônica e de
via permanente, gerenciamento de equipagens de trens,
locomotivas e vagões.
Arquitetura Básica do CCO
Sistema de Sinalização

Intertravamento Central
Microprocessado
(Ebilock)

Concentrador Concentrador

Controlador Controlador Controlador Controlador


de de de de
Objetos (1) Objetos (8) Objetos (1) Objetos (8)

Cabo Controle

P__ C__ T__ Cases C__ P__

P2T P2T
W21 W22 3DT T11 W21 W22
CDV´s e Chaves
W21T P1T W22T 3D1T 3D2T T21T W21T P1T W22T

Você também pode gostar