Você está na página 1de 126

MÁQUINAS TÉRMICAS

Profª: Esp. Ruth Lopes Nogueira prof.ruthnogueira@unescnet.br

7/10/21 01:41:54 AM
CICLO DE RANKINE IDEAL
 O ciclo Rankine Ideal prevê os seguintes processos:
 1-2 Expansão isoentrópica (turbina); 3-4 Compressão isentrópica (bomba);
 2-3 Resfriamento isotérmico (condensador); 4-1 Aquecimento isobárico (caldeira);

7/10/21 01:41:54 AM
CICLO DE RANKINE IDEAL
 Considerações sobre eficiência térmica do ciclo de Rankine:

O rendimento de um ciclo Rankine pode ser aumentado:


- Pelo aumento da pressão no fornecimento de calor na entrada da turbina (saída da01:41:54
7/10/21
caldeira);
AM

- Pela redução da pressão de saída na turbina (entrada do condensador)


- Pelo superaquecimento do vapor.
CICLO DE RANKINE COM IRREVERSIBILIDADES

 As irreversibilidades e perdas estão associadas a cada um dos 4 subsistemas (A, B, C e D) em uma planta.
Consideremos o subsistemas B (ciclo de Rankine). Na turbina:
Perda de calor para o meio
(desprezível)
Expansão adiabática real é
acompanhada de aumento de
entropia

7/10/21 01:41:54 AM
CICLO DE RANKINE COM IRREVERSIBILIDADES

 As irreversibilidades e perdas estão associadas a cada um dos 4 subsistemas (A, B, C e D) em uma planta.
Consideremos o subsistemas B (ciclo de Rankine). Na bomba:
O processo real de
bombeamento é acompanhado
de aumento de entropia.
Transferência de calor para
o fluído (desprezível)

7/10/21 01:41:54 AM
CICLO DE RANKINE COM IRREVERSIBILIDADES

 Outros efeitos que resultam em perda de eficiência do ciclo.


Na queima de combustível e
subsequente transferência de calor
para o fluido.
Na transferência de calor para a
água de refrigeração.

Nas tubulações devido aos efeitos do atrito


7/10/21 01:41:54 AM
EXEMPLO 1

Considere um ciclo de Rankine com irreversibilidades na turbina e na bomba, sendo que


cada têm eficiência isoentrópica de 85%. Determine para o ciclo:
(a)A eficiência térmica em %;
(b)A vazão mássica do vapor em kg/h para uma
potência líquida de saída de 100 MW;
a (c)A taxa de transferência de calor para o fluído de
kP
7,
5 trabalho quando ele passa pela caldeira em
MW;
(d)A taxa de transferência de calor que sai do
vapor que condensa ao passar pelo condensador
em MW. 7/10/21 01:41:54 AM

Considere que na turbina entra vapor saturado (“seco”)


e na bomba entra líquido saturado
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto

 Na saída da caldeira ou entrada da turbina (1):

• Vapor saturado “seco”


a
Pela Tabela, obtemos as propriedades desejadas: kP
5
7,

7/10/21 01:41:54 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


  Na saída da turbina ou entrada do condensador (2s)

• Vapor saturado “seco”;


Pa
• Mistura saturada? k
5
7,

Pela Tabela, obtemos as propriedades desejadas:


Portanto: [, logo, temos uma mistura saturada! 7/10/21 01:41:54 AM


EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada


Ainda para a saída da turbina ou entrada do condensador
ponto
(2s) podemos determinar o título:

a
kP
5
   7,

Agora podemos determinar a entalpia para o estado (2s):

7/10/21 01:41:55 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


 Agora podemos determinar o estado 2,
utilizando o conceito de rendimento
isoentrópico da turbina:
Pa
k
5
7,

-
1933,89 kJ/kg

7/10/21 01:41:55 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


  Na saída do condensador ou entrada da bomba (3)

• ;
Sabendo que , pela Tabela, obtemos: a
kP
5
7,
Sendo assim, a entalpia será:

7/10/21 01:41:55 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


  saída da bomba ou entrada da caldeira (4s)
Na

• Líquido comprimido? a
kP
5
7,
Pela Tabela, temos:

Portanto: [
Logo, temos líquido comprimido (sub-resfriado)!

7/10/21 01:41:55 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


 Para determinar as propriedades do estado 4s, vamos usar
uma tabela de vapor eletrônica.
“Site Spirax Sarco”
a
kP
Para líquido comprimido a 8 Mpa e , temos: 5
7,

7/10/21 01:41:55 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


 Agora podemos determinar o estado 4, utilizando o
conceito de rendimento isoentrópico da boma:

a
kP
5
7,

182,75 kJ/kg

7/10/21 01:41:55 AM
EXEMPLO 1
a
 Vamos aos cálculos dos calores e trabalhos! Começando pela turbina, ou kP
5
7,
seja, Processo 1-2.

  

7/10/21 01:41:56 AM
EXEMPLO 1
a
kP
5
7,

 Vamos aos cálculos dos calores e trabalhos! Agora para o condensador,


ou seja, Processo 2-3.

  

7/10/21 01:41:56 AM
EXEMPLO 1

 Vamos aos cálculos dos calores e trabalhos! Agora para a bomba, ou


seja, Processo 3-4.

  

7/10/21 01:41:56 AM
EXEMPLO 1

 Vamos aos cálculos dos calores e trabalhos! Agora para a caldeira, ou


seja, Processo 4-1.

  

7/10/21 01:41:56 AM
EXEMPLO 1

 Resumindo, temos:

  

Então, podemos calcular o rendimento:

7/10/21 01:41:56 AM
EXEMPLO 1

 Sabemos que a potencia líquida do ciclo deve ser de 100 MW. A


potência líquido do ciclo é:

Então:
  

7/10/21 01:41:56 AM
EXEMPLO 1

 Agora podemos calcular as taxas de calor trocadas com o fluído de


trabalho na caldeira e no condensador. Sabemos que:

Como:

  
Temos:

= 317,87 MJ/s
= 317,87 MW
7/10/21 01:41:57 AM
EXEMPLO 1

 Agora podemos calcular as taxas de calor trocadas com o fluído de


trabalho na caldeira e no condensador. Sabemos que:

Como:

  
Temos:

= -217,89 MJ/s
= -217,89 MW
7/10/21 01:41:57 AM
CICLO DE RANKINE COM MODIFICAÇÕES

 Em geral, várias modificações são implantadas nas plantas de potência a vapor que
trabalham segundo o ciclo de Rankine a fim de aumentar seu desempenho. Vamos
considerar as modificações conhecidas como superaquecimento e reaquecimento.

  Já vimos que modificações de pressão na caldeira ou condensador provocam


diminuição no título do vapor.
É prática comum manter o título de pelo menos 90% () na saída da turbina.

7/10/21 01:41:57 AM
CICLO DE RANKINE COM SUPERAQUECIMENTO
O ciclo de Rankine com superaquecimento ocorre quando a
caldeira é associada a um trocador de calor chamado
superaquecedor.

7/10/21 01:41:57 AM
CICLO DE RANKINE COM SUPERAQUECIMENTO

7/10/21 01:41:58 AM
CICLO DE RANKINE COM REAQUECIMENTO
O ciclo de Rankine com reaquecimento pode promover aumento
da eficiência resultante de pressões maiores na caldeira e ainda
evitar um título baixo na saída da turbina.

7/10/21 01:41:58 AM
EXEMPLO 1

 O vapor d’água é o fluído em um ciclo ideal de Rankine com superaquecimento e reaquecimento. O vapor entra
na turbina do primeiro estágio a 8 Mpa e 480 °C e se expande até 0,7 MPa. Em seguida é reaquecido até 440°C
antes de entrar na turbina do segundo estágio, onde se expande até a pressão do condensador de 0,008 MPa. A
potência líquida na saída é de 100 MW. Determmine:
(a) A eficiência térmica do ciclo (%)
(b) A vazão mássica do vapor (kg/h)
(c) A taxa de transferência de calor para o fluído de
trabalho quando ele passa pelo gerador de vapor em
MW;
(d) A taxa de transferência de calor que sai do vapor que
condensa ao passar pelo condensador em MW.

7/10/21 01:41:58 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto

 Na saída da caldeira ou entrada da turbina (1):

• Vapor superaquecido

• Pela tabela, obtemos as propriedades desejadas para realizar


interpolações ( valores de T=450 °C e T=500 °C)

7/10/21 01:41:59 AM
EXEMPLO 1

 Realizando as interpolações, teremos:

  

Então: e

7/10/21 01:41:59 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


  Na saída do primeiro estágio da turbina (2):

• Mistura saturada?

Pela Tabela, obtemos as seguintes informações:


• 9918

Portanto: [, logo, temos uma mistura saturada!


7/10/21 01:41:59 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


Ainda para a saída do primeiro estágio da turbina (2)
podemos determinar o título:

a
kP
5
   7,

Agora podemos determinar a entalpia para o estado (2):

75

7/10/21 01:41:59 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


 Após o reaquecimento(3)

• Vapor superaquecido a
kP
5
7,
Vamos usar uma tabela eletrônica
“Site Spirax Sarco”
Então:

7/10/21 01:42:00 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


  Na saída do segundo estágio da turbina ou entrada do
condensador (4):

• Mistura Saturada?

Pela Tabela, obtemos as seguintes informações:

Portanto: [, logo, temos uma mistura saturada!


7/10/21 01:42:00 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


 Ainda para a saída do segundo estágio da turbina (4), podemos
determinar o título:

Agora podemos determinar a entalpia para o estado (4):

7/10/21 01:42:00 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


  Na saída do condensador ou entrada da bomba (5)

Sabendo que a
kP
Então: 7,
5

Sendo assim, a entalpia será:

7/10/21 01:42:00 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


  Na saída da bomba ou entrada da caldeira (6)

• Liquido comprimido? a
kP
5
7,

• 2081

Portanto: [, logo, temos líquido comprimido!


7/10/21 01:42:01 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


  Para determinar as propriedades do estado (6), vamos usar
uma tabela de vapor eletrônica.
“Site Spirax Sarco”
Para líquido comprimido a 8 MPa e , a
kP
temos: 7,
5

• 41,74 °C
• 0,001005 m³/kg
• 181,44 kJ/kg

7/10/21 01:42:01 AM
EXEMPLO 1
 Vamos aos cálculos dos calores e trabalhos! Começando pelo primeiro
estágio da turbina, ou seja, Processo 1-2.

  

7/10/21 01:42:01 AM
EXEMPLO 1
a
kP
5
7,

 Vamos aos cálculos dos calores e trabalhos! Agora para o


reaquecimento, ou seja, Processo 2-3.

  

7/10/21 01:42:01 AM
EXEMPLO 1

 Vamos aos cálculos dos calores e trabalhos! Agora para o segunda


estágio da turbina, ou seja, Processo 3-4.

  

7/10/21 01:42:02 AM
EXEMPLO 1

 Vamos aos cálculos dos calores e trabalhos! Agora para o condensador,


ou seja, Processo 4-5.

  

7/10/21 01:42:02 AM
EXEMPLO 1

 Vamos aos cálculos dos calores e trabalhos! Agora para a bomba, ou


seja, Processo 5-6.

  

7/10/21 01:42:02 AM
EXEMPLO 1

Por fim, vamos para a caldeira, ou seja, Processo 6-1.

  

7/10/21 01:42:02 AM
EXEMPLO 1

Resumindo, temos:

  

Então, podemos calcular o rendimento:


7/10/21 01:42:03 AM
EXEMPLO 1

Sabemos que a potência líquida


do ciclo deve ser de 100 MW. A
 potência
 
líquida do ciclo é:

Então:
7/10/21 01:42:03 AM
EXEMPLO 1

Agora podemos calcular as taxas de calor trocadas com


o fluído de trabalho no gerador de vapor e no
condensador. Sabemos que:

  

Como:

Temos:

7/10/21 01:42:03 AM
EXEMPLO 1

Para o condensador, sabemos que:

  

Como:

Temos:
7/10/21 01:42:04 AM
ANÁLISE

O reaquecimento e superaquecimento proporcionam aumento


significativo da eficiência térmica do ciclo;
Para um potência líquida especificada (no caso do exemplo,
100 MW) maior ƞ significa menor demanda de ;
Além disso, com uma maior eficiência térmica, a taxa de
  
transferência de calor para a água de resfriamento no
condensador é menor, resultando em uma demanda reduzida de
água de resfriamento;
Por fim, nota-se que o título do vapor na saída da turbina é
significativamente aumentado, evitando-se assim erosão.
7/10/21 01:42:04 AM
CICLO DE RANKINE REGENERATIVO
O ciclo de Rankine regenerativo pode promover aumento da
eficiência por meio do aquecimento regenerativo da água de
alimentação do gerador de vapor através de uma extração na
turbina.

7/10/21 01:42:04 AM
CICLO DE RANKINE REGENERATIVO

Vejamos no diagrama a modificação como regeneração para o


ciclo de Rankine.

7/10/21 01:42:04 AM
CICLO DE RANKINE REGENERATIVO

Veja agora, além do diagrama, o esquema da centram térmica a


vapor para o ciclo Rankine regenerativo.

7/10/21 01:42:05 AM
CICLO DE RANKINE REGENERATIVO

Aquecedor de água de alimentação aberto: trocador de


calor do tipo contato direto;
Expansão na turbina (processos 1-2 e 2-3) e
compressões nas bombas (processos 4-5 e 6-7)
isoentrópicas;
Aquecimento isobárico no gerador de vapor;
  
Resfriamento isotérmico (e isobárico) no condensador;
Turbina com dois estágios: extração de uma fração do
escoamento para o aquecedor, que opera a uma pressão
de extração () 7/10/21 01:42:05 AM

Bombeamento (processo 4-5) até a pressão de extração


ANÁLISE DO CICLO DE RANKINE REGENERATIVO

 Inicialmente, uma etapa essencial de análise do ciclo


regenerativo consiste do cálculo das vazões mássicas
através de cada um dos componentes.
 Começando pela turbina (os dois estágios), em regime
permanente temos;

  
 Dividindo toda a expressão por , temos:

 Designando a fração extraída em 2 de y (y = ), a fração que


7/10/21 01:42:06 AM
passará pelo segundo estágio da turbina será:
1ª LEI DA TERMODINÂMICA PARA SISTEMAS ABERTOS

A fração y pode ser determinada pela aplicação dos princípios


de conservação de massa e energia de um sistema aberto
 (volume
  de controle) no aquecedor de água de alimentação.
A equação completa para regime permanente é:

7/10/21 01:42:06 AM
APLICANDO A 1ª LEI - AQUECEDOR

Considerações:
Regime permanente ( );
Não há transferência de calor para o meio;
Energias cinética e potencial desprezadas;
  
Não há trabalho no aquecedor.
Portanto:

7/10/21 01:42:06 AM

Onde:
APLICANDO A 1ª LEI - AQUECEDOR
Onde:

Portanto:
  

Logo:

Desenvolvendo para isolar y, teremos:


APLICANDO A 1ª LEI - TURBINA

Considerações:
 Regime permanente ( );
 Não há transferência de calor para o meio;
 Energias cinética e potencial desprezadas;
 Para o primeiro estágio:

  Para segundo estágio:


Portanto:

Dividindo toda a expressão pela massa total (), temos o trabalho por unidade de
massa:

7/10/21 01:42:07 AM
APLICANDO A 1ª LEI - CONDENSADOR

Considerações:
 Regime permanente ( );
 Não há trabalho sendo realizado no condensador;
 Energias cinética e potencial desprezadas;

  

Portanto:

Dividindo toda a expressão pela massa total (), temos o trabalho por unidade de massa:

7/10/21 01:42:07 AM
APLICANDO A 1ª LEI BOMBA

Considerações:
 Regime permanente ( );
 Não há troca de calor para o meio;
 Energias cinética e potencial desprezadas;
 Para a primeiro bomba:
  
 Para o segunda bomba:

Portanto:

Dividindo toda a expressão pela massa total (), temos o trabalho por unidade de massa:

7/10/21 01:42:08 AM
APLICANDO A 1ª LEI – GERADOR DE VAPOR

Considerações:
 Regime permanente ( );
 Não há trabalho sendo realizado no gerador de vapor;
 Energias cinética e potencial desprezadas;

  

Portanto:

Dividindo toda a expressão pela massa total (), temos o trabalho por unidade de massa:

7/10/21 01:42:08 AM
SEGUNDA LEI DA TERMODINÂMICA

 Considerando o ciclo termodinâmico de Rankine regenerativo, a Segunda


Lei pode ser escrita como:
  

7/10/21 01:42:08 AM
EXEMPLO 1

Considere um ciclo de potência a vapor com um aquecedor de água de alimentação. O


vapor entre na turbina a 8 MPa e 480°C e seOexpande
restanteatédo
0,7vapor
MPa, na
sequal parte do
expande vapor
através
é extraído e desviado para o aquecedor de água de alimentação
da turbina que operaestágio
de seguno a 0,7 MPa.até a
pressão de 0,008 MPa do condensador.
O líquido saturado sai do aquecedor de
água de alimentação a 0,7 MPa. A
eficiência isoentrópica de cada estágio
da turbina é de 85% e cada bomba
opera isoentropicamente.
EXEMPLO 1

(a) Qual o estado do fluído após a saída do primeiro


Se a potência líquida produzida pelo ciclo é de 100
estágio da turbina?
(b) Qual o título do vapor na saída do segundo estágio
MW, determine: da turbina (3)
(c) A eficiência térmica do ciclo (%);;
(d) A vazão mássica do vapor (kg/h) que entra no
primeiro estágio da turbina;
(e) A taxa de transferência de calor para o fluído de
trabalho quando ele passa pelo gerador de vapor
em MW;
(f) A taxa de transferência de calor que sai do vapor
que condensa ao passar pelo condensador em MW.
EXEMPLO 1
 Fluxos de massa:

Processo 1-2: 1 (100%);


Processo 2-3: (1-y);
Processo 3-4: (1-y);
Processo 4-5: (1-y);
Processo 6-7: 1 (100%)
Processo 7-1: 1 (100%)

7/10/21 01:42:09 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


 Na saída da caldeira ou entrada da turbina
(1)

• Vapor superaquecido
Pela tabela, obtemos as propriedades
desejadas para realizar interpolações
(valores de T=450 °C e T=500 °C)

7/10/21 01:42:09 AM
EXEMPLO 1

 Realizando as interpolações, teremos:

  

Então: e

7/10/21 01:42:10 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


  Na saída do primeiro estágio da turbina (2s):

• Mistura saturada?

Pela Tabela, obtemos as seguintes informações:


• 9918

Portanto: [, logo, temos uma mistura saturada!


7/10/21 01:42:10 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


Ainda para a saída do primeiro estágio da turbina (2s)
podemos determinar o título:

  

Agora podemos determinar a entalpia para o estado (2s):

75

7/10/21 01:42:10 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


 Agora podemos determinar o estado 2, utilizando o conceito
de rendimento isoentrópico da turbina:

7/10/21 01:42:11 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


 Na saída do primeiro estágio da turbina (2):

• 2832,78 kJ/kg
• Vapor superaquecido?
Vamos usar uma tabela de vapor eletrônica.
“Site Spirax Sarco”
Então::
• 197,24 °C
• 6,8034 kJ/kg

7/10/21 01:42:11 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


  Na saída do segundo estágio da turbina ou entrada do
condensador (3s):

• Mistura Saturada?

Pela Tabela, obtemos as seguintes informações:

Portanto: [, logo, temos uma mistura saturada!


7/10/21 01:42:11 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


 Ainda para a saída do segundo estágio da turbina (3s), podemos
determinar o título:

Agora podemos determinar a entalpia para o estado (3s):

7/10/21 01:42:11 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


 Agora podemos determinar o estado 3, utilizando o conceito
de rendimento isoentrópico da turbina:

7/10/21 01:42:11 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


 Na saída do segundo estágio da turbina (3):

• 2233,86 kJ/kg
• Mistura saturada?
Pela tabela, obtemos as seguintes informações:
• 173,84 kJ/kg
• 2576,21 kJ/kg

Portanto: [< ], logo, temos uma mistura saturada!

7/10/21 01:42:12 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


 Ainda para a saída do segundo estágio da turbina (3), podemos
determinar o título:

7/10/21 01:42:12 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto

  Na saída do condensador ou entrada da bomba (4)

Sabendo que
Então:

Sendo assim, a entalpia será:

7/10/21 01:42:12 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


  Na saída da bomba 1 (5)

• Liquido comprimido? a
kP
5
7,

• 9918

Portanto: [, logo, temos líquido comprimido!


7/10/21 01:42:12 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


  Para determinar as propriedades do estado (5), vamos usar
uma tabela de vapor eletrônica.
“Site Spirax Sarco”
Para líquido comprimido a 0,7 MPa e ,
temos:

• 174,09 kJ/kg

7/10/21 01:42:13 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


  Na saída do aquecedor ou entrada da bomba 2 (6)

Sabendo que a
kP
Então: 7,
5

Sendo assim, a entalpia será:

7/10/21 01:42:13 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


  Na saída da bomba 2 ou entrada do gerador de vapor (7)

• Liquido comprimido? a
kP
5
7,

• 2081

Portanto: [, logo, temos líquido comprimido!


7/10/21 01:42:13 AM
EXEMPLO 1

Determinando os estados termodinâmicos em cada ponto


  Para determinar as propriedades do estado (7), vamos usar
uma tabela de vapor eletrônica.
“Site Spirax Sarco”
Para líquido comprimido a 8 MPa e ,
temos:

• 704,63 kJ/kg

7/10/21 01:42:13 AM
EXEMPLO 1
 Vamos aos cálculos dos calores e trabalhos! Começando pelo primeiro
estágio da turbina, ou seja, Processo 1-2.

  

7/10/21 01:42:14 AM
EXEMPLO 1

 Vamos aos cálculos dos calores e trabalhos! Agora para o segundo


estágio da turbina, ou seja, Processo 2-3.

  
Precisamos determinar o valor de y. Assim:

7/10/21 01:42:14 AM
EXEMPLO 1
a
kP
5
7,

 Agora, conhecendo o valor de y, podemos calcular o


trabalho do segundo estágio da turbina (Processo 2-3).

  

7/10/21 01:42:14 AM
EXEMPLO 1

 Vamos aos cálculos dos calores e trabalhos! Agora para o condensador,


ou seja, Processo 3-4.

  

7/10/21 01:42:14 AM
EXEMPLO 1

 Vamos aos cálculos dos calores e trabalhos! Agora para a bomba 1, ou


seja, Processo 4-5.

  

7/10/21 01:42:14 AM
EXEMPLO 1

 Vamos aos cálculos dos calores e trabalhos! Agora para a bomba 2, ou


seja, Processo 6-7.

  

7/10/21 01:42:15 AM
EXEMPLO 1

Por fim, vamos para o gerador de vapor, ou seja, Processo 7-1.

  

7/10/21 01:42:15 AM
EXEMPLO 1

Resumindo, temos:

  

Então, podemos calcular o rendimento:


7/10/21 01:42:15 AM
EXEMPLO 1

Sabemos que a potência líquida


do ciclo deve ser de 100 MW. A
 potência
 
líquida do ciclo é:

Então:

7/10/21 01:42:16 AM
EXEMPLO 1

Agora podemos calcular as


taxas de calor trocadas com
o fluído de trabalho no
  

gerador de vapor. Sabemos


que: 7/10/21 01:42:16 AM
EXEMPLO 1

Para o
condensador,
  

sabemos que:
7/10/21 01:42:16 AM
Curso = Distância percorrida pelo cilindro
Volume morto = Menor volume possível da câmara do motor
Ponto morto superior = Posição do cilindro correspondente ao volume morto

Volume máximo = Maior volume possível da câmara do motor


Ponto morto inferior = Posição do cilindro correspondente ao maior volume

Taxa de compressão = Volume máximo dividido pelo volume morto


9.2 – CICLO DE AR PADRÃO - OTTO
Ciclo Otto ideal

Diagrama p-v Diagrama T-s

Processo 1-2 = Compressão isentrópica


Processo 2-3 = Adição de calor a volume constante
Processo 3-4 = Expansão isentrópica
Processo 4-1 = Rejeição de calor a volume constante
Análise do Ciclo Otto ideal

u3

u2
u4

u1
Análise do Ciclo Otto ideal Compressão e expansão isentrópica

r = Taxa de compressão =
Eficiência em função da taxa de compressão – Ciclo Otto ideal
9.3 – CICLO DE AR PADRÃO - DIESEL
Ciclo Diesel ideal

Diagrama p-v Diagrama T-s

Processo 1-2 = Compressão isentrópica


Processo 2-3 = Adição de calor a pressão constante
Processo 3-4 = Expansão isentrópica
Processo 4-1 = Rejeição de calor a volume constante
Análise do Ciclo Diesel ideal O processo 2-3 , adição de calor a pressão
constante, envolve trabalho:

Equação da energia:
Análise do Ciclo Diesel ideal Compressão e expansão isentrópica

Equação do gás perfeito

rC = razão de corte
Eficiência em função da taxa de compressão – Ciclo Otto ideal
9.5 – TURBINA A GÁS
9.6 – CICLO DE AR-PADRÃO BRAYTON

Processo 1-2 = Compressão isentrópica


Processo 2-3 = Adição de calor a pressão constante
Processo 3-4 = Expansão isentrópica
Processo 4-1 = Rejeição de calor a pressão constante
9.6.1 – Calculando as transferência de calor e trabalho
9.6.2 – Ciclo de ar-padrão Ideal Brayton

Ar como gás ideal – Calor específico variável

Calor específico constante


Exemplo 9.4

Tabela A.22 – Ar como gás ideal

Ponto 1 – h1=300,19 [kJ/kg] – pr1=1,386

Ponto 2

Ponto 3

Ponto 4
Relação de compressão x Eficiência :
5.1. REFRIGERADORES E BOMBAS DE
CALOR
Os Refrigeradores e as Bombas
de calor (Heat Pumps) são Eles diferem apenas em seus
essencialmente iguais objetivos

O objetivo de um refrigerador O objetivo de uma


é manter um espaço refrigerado bomba de calor é manter
a uma T baixa, um espaço aquecido
retirando calor deste espaço. a uma T alta.
...a rejeição do calor em um
...para isto, calor é removido
meio a T alta é apenas uma
de uma fonte a T baixa.
parte necessária da operação.
5.1. REFRIGERADORES E BOMBAS
DE CALOR
O desempenho dos refrigeradores e das bombas de calor é quantificado em
termos do COEFICIENTE DE PERFORMANCE (COP)

efeito de resfriamento QL
COPR  
entrada de trabalho net
W
efeitode aquecimento QH
Q,W  kJ
COP  
HP
entrada de trabalho Wnet

 QL  Wnet
da 1ª Lei aplicada a um ciclo (ΔU=0): QH

Assim, por definição:

COPHP  COPR 1
5.1. REFRIGERADORES E BOMBAS
DE CALOR
Vantagem da Bomba de Calor sobre o Aquecimento
a Resistência Elétrica (Efeito Joule)
(o que você instalaria em sua casa?)

Como COPR é positivo, temos que COPHP > 1

Em um aquecedor a resistência, Wnet é totalmente convertido em QH por Efeito Joule


(processo totalmente irreversível!)

Com a bomba de calor, QH > Wnet (pois COPHP > 1).

Em outras palavras, para um mesmo QH, o trabalho necessário para operar


a bomba de calor pode ser menor, reduzindo o consumo de energia!
5.1. REFRIGERADORES E BOMBAS
DE CALOR
Algumas unidades empregadas em refrigeração

A capacidade de refrigeração (calor/tempo) é usualmente expressa em


TR – tonelada de refrigeração.

1 TR = calor necessário para transformar 1 ton (2000 lbm) de água


líquida a 0oC em gelo a 0oC em 24 h.

1 TR = 200 Btu/min (= 12000 Btu/hr) ~ 211 kJ/min ~ 3,5 kW


5.2. O CICLO DE CARNOT
REVERSO
Operando o ciclo de Carnot no sentido oposto, obtemos um
ciclo frigorífico totalmente reversível

1-2: Compressão reversível e


T adiabática (s = cte.)
3 2 QH
3 2
TH 2-3: Rejeição de calor a
Heat
exchanger

T = cte., com ΔT  0

3-4: Expansão reversível e


4 TL 1
adiabática (s = cte.)
1 4
Heat
exchanger QL
4-1: Fornecimento de calor a
s T = cte., com ΔT  0

Seu COP (definido como COPR ou COPHP) não pode ser superado por nenhum ciclo!
5.2. O CICLO DE CARNOT
REVERSO
COP do ciclo de Carnot

qL wnet  qH  qL
T QH COPR  1ª Lei – Ciclo:
3 2
wnet
TH

qL
Assim: COPR 
qH  qL
TL 4 1
QL
 TH s2  s3
s 2ª Lei – Processos a T cte: q H
qL  TL s1  s4
TL 
Substituindo:COP R T  T
H L

TH

Efetuando a mesma análise para a bomba de calor, obtemos: COP HP TH  TL
5.2. O CICLO DE CARNOT
REVERSO
Comportamento do COPR de Carnot em função das temperaturas

12

T TH (K)
QH 313
323
303
3 2
TH 283
293

COPR
TL 4 1
QL 4

s T
COPR TLH  TL
0
200 220 240 260 280 300
TL (K)
5.2. O CICLO DE CARNOT
REVERSO
Executando o ciclo frigorífico no domo de saturação do
fluido de trabalho (refrigerante)

Se o escoamento do fluido
refrigerante no condensador
2
3 e no evaporador for ideal
3
(sem queda de pressão):
2

Os processos 2-3 e 4-1


ocorrerão a p cte. e,
4 4 1
consequentemente, a T cte.
1

Dificuldades: compressão de mistura L+V (golpe de líquido)


expansão de mistura L+V (líquido na turbina)
Inviabilizam a execução do ciclo de Carnot!
5.3. O CICLO DE REFRIGERAÇÃO PADRÃO

O ciclo de refrigeração idealizado (Rankine reverso) elimina as


dificuldades encontradas ao se tentar implementar o ciclo de Carnot

Vaporização completa
do refrigerante antes da
compressão (eliminação da
presença de líquido no
compressor)

Substituição da turbina
por um dispositivo de
expansão
(estrangulamento)
5.3. O CICLO DE REFRIGERAÇÃO PADRÃO

Análise dos processos

1-2: Compressão isentrópica em


um compressor

2-3: Rejeição de calor a p = cte.


em um condensador

3-4: Estrangulamento isentálpico


(válvula ou tubo capilar)

4-1: Fornecimento de calor a


p = cte. em um evaporador

Apesar de permitirem a implementação do ciclo de refrigeração, as modificações


impostas resultam em uma redução do COP do ciclo
(aumento das perdas termodinâmicas)
5.3. O CICLO DE REFRIGERAÇÃO PADRÃO

Análise das perdas termodinâmicas

O ciclo de refrigeração padrão é um ciclo INTERNAMENTE e


EXTERNAMENTE IRREVERSÍVEL.

As irreversibilidades externas acontecem nos trocadores de


2’’ 2’ calor, uma vez que a transferência de calor não se dá com
ΔT  0 (principalmente no condensador – 2’-2-2’’)

As irreversibilidades internas acontecem no dispositivo de


expansão (processo 3-4), uma vez que o mecanismo de redução
da pressão é o atrito. Nos outros componentes, o atrito no
escoamento é pequeno e pode ser desprezado.

Assim como os ciclos Otto, Diesel e Brayton (Potência a Gás) e o ciclo de


Rankine (Potência a Vapor), o ciclo de refrigeração padrão é o ponto de
partida para a implementação dos ciclos encontrados na prática.
5.3. O CICLO DE REFRIGERAÇÃO PADRÃO

 O diagrama p-h

 O diagrama pressão-entalpia é amplamente utilizado na análise de ciclos


de refrigeração.

 A principal vantagem é que os processos 2-3, 3-4 e 4-1 aparecem como


COP
linhas retas e as entalpias  hlidas
qL h1ser
R  podem diretamente do eixo das
 4
h2 energia
wnet de
abscissas, tornando os balanços 1 nos componentes mais
imediatos. h

q h  h3
COPHP  w H  h2 
net 2 1
h
5.5. EXEMPLO (CICLO PADRÃO)
Um refrigerador utiliza R-134a e opera em um ciclo padrão entre 0,14 MPa e 0,8 MPa.
Se a vazão mássica de refrigerante for igual a 0,05 kg/s, determine:
a) Capacidade de refrigeração
b) Potência fornecida ao compressor
c) Calor (taxa) rejeitada ao ambiente externo
d) COP do sistema

Das tabelas de saturação e superaquecimento do R-134a:

p1 = 0,14 MPa  h1 = hv = 239,16 kJ/kg


s1 = sv = 0,9446 kJ/kg.K

p2 = 0,8 MPa h2 = 275,39 kJ/kg


s2 = s1
p3 = 0,8 MPa  h3 = hl = 95,47 kJ/kg

h4 = h3 = 95,47 kJ/kg
5.5. EXEMPLO (CICLO PADRÃO)
a) Capacidade de refrigeração

Q L  m h1  h4   7,18
kWde compressão
b) Potência
Win  m h2  h1   1,81kW
c) Calor rejeitado

Q  QL  Wni  8,99 kW


d) COP H
Q L
COP 

 3,97
Win
O que aconteceria se o dispositivo de expansão fosse
substituído por uma turbina isentrópica?

Você também pode gostar